Cláudia Pascoal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cláudia Pascoal
Padrão: Predefinição:Claudia/pascoal
Cláudia Pascoal desfilando no blue carpet da Eurovisão 2018
Informação geral
Nome completo Cláudia Rafaela Teixeira Pascoal
Nascimento 12 de Outubro de 1994 (25 anos)
Local de nascimento Gondomar
Nacionalidade Portuguesa
Gênero(s) Jazz, pop
Instrumento(s) Voz - Ukulele - Guitarra
Período em atividade 2014 - presente
Gravadora(s) Universal Music
Página oficial https://www.facebook.com/claudiapascoalmusic/

Cláudia Rafaela Teixeira Pascoal, mais conhecida por Cláudia Pascoal, é uma cantora portuguesa, que nasceu em São Pedro da Cova, Gondomar no dia 12 de outubro de 1993. Começou a tocar guitarra quando tinha 15 anos. Nos últimos anos, despontou no meio musical e televisivo nacionais através de participações em concursos musicais. É mais conhecida por ter representado Portugal no concurso Eurovisão em 2018 e pelo seu cabelo de cor rosa.

Concursos musicais[editar | editar código-fonte]

Em 2010 participou no programa Ídolos. Também concorreu à primeira edição do Factor X Portugal mas sem grande impacto e no casting para apresentador do programa Curto Circuito da SIC Radical onde ficou em 3º lugar. Em 2015 voltou a participar no programa Ídolos onde começou a dar nas vistas. [1] Em 2017 foi concorrente no programa The Voice Portugal, embora sendo das principais favoritas a ganhar acabou a sua participação nas semifinais.

Em 2018, Cláudia Pascoal venceu o Festival RTP da Canção com o tema O Jardim da autoria de Isaura. Poucos dias depois, a música "O Jardim" alcança o lugar conquistado por poucos: o 1.º lugar do top do iTunes em Portugal.[2] A 10 de março de 2018 o WiwiBloggs, um dos mais influentes sites dedicados à Eurovisão, coloca o tema "O Jardim", entre uma das favoritas à vitória:[3] Num total de cerca de 29 mil votantes, a música portuguesa reuniu 2.083 preferências, ficando assim entre Itália (2.230 votos) e Ucrânia (1.953 votos)[4]. No entanto, a canção acabou por ficar por ficar em último lugar na fase final do concurso, embora tenha sido o último lugar mais pontuado de sempre na Eurovisão.[5] [6]

Morhua[editar | editar código-fonte]

Em 2017, foi criada o projecto Morhua, uma banda portuguesa de jazz, composta por Cláudia Pascoal (voz e ukelele), Gabriel Gomes (bateria), João Sousa (baixo), André Soares (guitarra) e Rafael Santos (clarinete). Através das redes sociais, a banda anunciou que o projecto estava a chegar ao fim sendo que o último concerto foi no dia 14 julho de 2018, no Ourearte Music Fest.

Carreira a solo[editar | editar código-fonte]

A 29 de março de 2019, Cláudia Pascoal publica o seu primeiro single "Ter e não ter", cuja composição musical foi feita pela própria cantora, a letra escrita por Miguel Lestre e a produção de som por Tiago Bettencourt. Esta música é a primeira canção revelada daquele que será o primeiro álbum a solo de Cláudia Pascoal. Em comunicado, a cantora afirma ter como desejo “fazer algo diferente” com este primeiro álbum: “Quero criar um ambiente novo, mas para todos. Este é o meu desejo”. [7]

No dia 6 dezembro de 2019, é lançado o segundo single "Viver" do álbum , um dueto da cantora com Samuel Úria.

O terceiro single da cantora que se dá pelo nome de "Espalha Brasas" foi a lançado a 6 de março de 2020.

A estreia do seu primeiro álbum está agendada para 2020 e conta com produção de Tiago Bettencourt.

Referências