Cléber Machado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o escultor, veja Cleber Machado (escultor).
Cléber Tadeu Machado
Nascimento 29 de março de 1962 (58 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileiro
Alma mater FMU
Ocupação jornalista
locutor esportivo
Principais trabalhos Rede Globo
SporTV

Cléber Tadeu Machado (São Paulo, 29 de março de 1962) é um jornalista esportivo e locutor esportivo brasileiro. Atualmente, trabalha como narrador para a TV Globo em São Paulo. É formado em Jornalismo pela FMU.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Começou a carreira no fim da década de 1970, trabalhando na Rádio Bandeirantes e na Rádio Tupi.[2] No ano seguinte, foi para o Sistema Globo de Rádio, onde iniciou seu trabalho com o esporte na equipe de Osmar Santos. Na televisão, começou na TV Gazeta e, posteriormente, na TV Globo Vale do Paraíba, de São José dos Campos. Em 1988, foi para a TV Globo São Paulo.[3] Desde então participou da cobertura em rede de alguns dos mais importantes eventos esportivos do mundo, como Fórmula 1, Olimpíadas, Copas do Mundo, boxe internacional e Corrida de São Silvestre, entre outros. Ao lado de Maria Beltrão[4], foi responsável por narrar o desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro entre 2001 e 2009, sendo transferido para narrar o Carnaval de São Paulo, ao lado de Mariana Godoy e Chico Pinheiro[5] — fez a cobertura entre 2010 e 2013.

Até meados de 1989, Cléber Machado atuava como repórter, atuando também na locução de compactos de lutas de boxe e outros eventos esportivos que eram exibidos no programa Esporte Espetacular, na época exibido nas noites de domingo. Sua mudança para narrador ocorreu na Copa do Brasil do mesmo ano. Nos anos 1990, apresentava a edição paulista do Globo Esporte.

Em 2004, Cléber Machado foi o apresentador do programa Arena SporTV,[2] cargo que deixou em 2010,[3] e também apresentava o bloco esportivo do SPTV, às segundas e quintas. Ele é o narrador titular do futebol na TV Globo São Paulo. Narrou as Copas do Mundo de 1990, 1994, 1998, 2002, 2006, 2010, 2014 e 2018. Narra também jogos do Campeonato Brasileiro, da Copa Libertadores, da Copa do Brasil e da Copa Sul-Americana, entre outros.

É torcedor do Santos Futebol Clube.[6]

Ganhou por três vezes tanto o Troféu Imprensa[7] como o Prêmio Comunique-se[carece de fontes?].

Na Fórmula 1 aconteceram algumas das narrações mais marcantes de sua carreira: a vitória de Nelson Piquet no Grande Prêmio da Austrália, encerramento da temporada 1990, a vitória Ayrton Senna no Grande Prêmio de Mônaco de 1992 e principalmente o Grande Prêmio da Áustria de Fórmula 1 em 2002: Após liderar a corrida desde o começo, Rubens Barrichello foi obrigado pela equipe Ferrari a ceder a vitória para Michael Schumacher, primeiro piloto da equipe. Entusiasmado com a iminente vitória do piloto brasileiro, Cléber recordou de episódios anteriores, quando Barrichello foi orientado a ceder posição para o colega de equipe. A expressão de frustração “Hoje não, hoje não... hoje sim!” até hoje uma de suas frases mais lembradas, mesmo não sendo um bordão recorrente.[8].

Cléber narrou algumas conquistas importantes do esporte brasileiro: a medalha de ouro do judoca Rogério Sampaio nas Olimpíadas de Barcelona em 1992, o primeiro título do Brasil no Campeonato Mundial de Futebol Sub-17 em 1997, o Brasil campeão da Liga Mundial de Voleibol em 2004, o segundo título da seleção brasileira no Campeonato Mundial de Voleibol em 2006, o sétimo título mundial do Brasil na Copa do Mundo de Futsal em 2012 e a medalha de ouro de Rafaela Silva nos Jogos Olímpicos do Rio em 2016. Em dezembro de 1997, narrou pela primeira vez um amistoso internacional da Seleção Brasileira na vitória por 2 a 1 sobre a África do Sul.

Em 2012, o narrador interpretou a si mesmo em alguns capítulos da novela Avenida Brasil. Nessa participação, narrava os jogos do Flamengo, time do personagem Tufão, interpretado por Murilo Benício.

Atualmente, Cléber é um dos principais narradores de futebol dos canais do Grupo Globo, sendo o titular da TV aberta nos jogos transmitidos para o estado de São Paulo. Cléber narrou as finais da Libertadores, em 2002, 2003, 2006, 2007, 2011, 2012 e 2013, da Copa do Mundo de Clubes da FIFA de 2011 e Copa do Brasil, em 1998, 2000, 2002, 2008, 2009, 2012, 2015, da Liga dos Campeões da UEFA em 2013, além dos jogos decisivos do Campeonato Brasileiro de Futebol, em 1997, 2005, 2007, 2008, 2011, e de 2015 a 2018. Já foi colunista de esportes dos telejornais SPTV, Jornal da Globo, Hora Um da Notícia, e participa dos programas Seleção Sportv e do Bem Amigos ambos do Sportv canal de esportes da Globosat.

Referências

  1. «Cléber Machado fala sobre o curso de Jornalismo da FMU». Consultado em 15 de maio de 2014. Arquivado do original em 17 de maio de 2014 
  2. a b Rozenberg, Marcelo. «Cléber Machado». Que Fim Levou?. Consultado em 2 de abril de 2013 
  3. a b Alencar, Juliana. «Cléber Machado está no alvo da audiência». Diário de S. Paulo. Consultado em 2 de abril de 2013. Arquivado do original em 21 de abril de 2014 
  4. «camarotes especiais» 
  5. «Globo não sabe transmitir Carnaval» 
  6. «Revista divulga para quais times torcem comentaristas e narradores» 
  7. «Troféu Imprensa - Rankings de Troféus». Chance de Gol. Universo Online. Consultado em 2 de abril de 2013 
  8. «Cléber Machado diz que fãs gritam "hoje não, hoje sim" nas ruas até hoje» 
Ícone de esboço Este artigo sobre narrador e/ou locutor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.