Clímax

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Clímax (desambiguação).

O clímax, numa narrativa, é o ponto alto de tensão do drama.

Na cultura clássica as análises ficcionais da narrativa focavam apenas o drama e o modelavam de acordo com a comédia (no sentido de um drama com final feliz), e tragédia (um drama com final triste). Muitas destas análises permanecem na narrativa moderna, incluindo a identificação do clímax, o que explica eventuais dificuldades em identificarmos o clímax numa história mais moderna.

Por definição o clímax ocorre a partir do desenvolvimento de um conflito, imediatamente antes do desfecho. É o momento mais perigoso do herói, a crise mais iminente do protagonista, o mais delicado ponto do conflito, onde não se sabe para que lado a história penderá. Em O vermelho e o Negro, por exemplo, o clímax pode ser visto como o momento em que Julien descobre que a Sra. de Rênal escreveu uma carta ao Marquês de La Mole e, furioso, atira na mulher. As cenas seguintes serão o desfecho, a prisão, a condenação, a morte.

Já em Romeu e Julieta o clímax está mais próximo do final da história, quando Julieta decide se fingir de morta, causando o trágico e conhecido desfecho.

Na tragédia clássica, como Édipo Rei, de Sófocles, o clímax ideal se dá junto com a peripécia e o reconhecimento, ou seja, quando o herói passa da ignorância para a ciência e isso muda o seu destino. No caso de Édipo o clímax, então, é quando ele percebe que fora assassino de seu pai e está casado com sua mãe.

Ver também[editar | editar código-fonte]