Clínica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Clínica é toda atividade de cuidado, de promoção de saúde, de prevenção e/ou terapêutico (pós dano ou pós adoecimento) envolvendo, escuta, diagnóstico e orientação/tratamento de adoecimentos ou doenças. Alguns autores, como Barbier (1985), aponta a origem grega da palavra. Kliné, em grego, significaria "procedimentos de observação direta e minuciosa", ou seja, aquele que se inclina sobre o leito (do grego, Kliné e de Clinicus em latim) para observar o doente ou paciente.

O termos e os Campos de Trabalho. Os termos clínica e clínico são usualmente atribuídos ao espaço e trabalho dos profissionais biomédicos. No entanto, a clínica pode significar o modo de trabalho de todos os profissionais de cuidado em saúde. Há o Psicoterapeuta Clínica (Psicologia), o Clínico Geral (medicina), a Clínica Psicológica (modo de trabalho e/ou local), a clínica médica (modo de trabalho e/ou local) e a Clínica em Enfermagem (modo de trabalho).

Profissionais de Saúde. O termo então se aplica especialmente às atividades de profissionais de saúde, tanto nos limites de suas competências, como nas frentes transdisciplinares de atenção, especialmente as terapêuticas.

Medicina. O trabalho típico do médico clínico ocorre em ambulatórios ou enfermarias, por isso os médicos costumam ser diferenciados em clínicos e cirurgiões.

Psicologia. No caso da Ciência da Subjetividade ou Ciência da Psiqué

Clínica e as Diferenças entre os campos da "Qualidade de Vida no Trabalho" e da "Saúde do Trabalhador". A existência ou não de uma clínica adequada promove diferenças epistemológicas, éticas, técnicas e sociais radicais. Nos mundos do trabalho, por exemplo, temos duas vertentes mais gerais, duas distinções importantes no que concerne aos cuidados com a saúde no trabalho: há uma distinção drástica entre, de um lado, (i) os princípios, instrumentos e objetivos das frentes de intervenção através das escolas orientadas pelo campo de pesquisa-intervenção conhecido como SAÚDE DO TRABALHADOR (ou Saúde do Trabalho), cujo objeto de estudo são as situações de trabalho envolvendo aí as hierarquias e os modos de gestão e, de outro, (ii) os princípios, instrumentos e objetivos do campo conhecido por QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO, cujo alvo de atenção é individual, considerando, seja o indivíduo em si, seja o grupo, como instâncias separadas dos modos de trabalho e gestão. Na vertente conhecida como "Qualidade de Vida" os modos de gestão geralmente não são questionados e são quase intocáveis, são 'poupados' e a atenção é ‘desviada’ para noções de bem-estar individual idealizadas, motivacionais e relacionais entre pessoas e grupos. A grande área da Psicologia Organizacional e do Trabalho (POT), a Psicologia Organizacional está alinhada ao campo da Qualidade de Vida no Trabalho, submetida ou limitada pelos interesses da Organização (Empresa privada ou pública), Já a chamada Psicologia do Trabalho, está alocada nesta grande área reunindo as chamadas Clínicas do Trabalho, as quais têm como referência os interesses e desejos dos trabalhadores e trabalhadoras, pondo em análise crítica os processos de trabalho (a Atividade, a Organização do Trabalho), incluindo aí os usos da hierarquia, assédio moral, condições materiais e imateriais do labor (ANDRADE, 2015)[1].

Tipo de Clínicas e Liberdade. O modo como se concebe o cuidado, ou seja o clinicar, pode favorecer ou dificultar o processo saúde-doença de uma pessoa ou grupo. No caso da Psicologia, em que as intervenções atuam mais intensamente nos processos de subjetivação (produção de subjetividade, modos de viver), as intervenções podem ter caráter adaptativo (libertário ou não) e/ou caráter libertário (prudente ou não). A produção de autonomia subjetiva é condição sine qua non para a construção de processos de emancipação social[2]. Se considerarmos o trabalho como fator socializante principal, as Clínicas do Trabalho são aquelas escolas que vão em suas intervenções nos ambientes de trabalho procurar ampliar a potência de agir do Trabalhador[3]

Predefinição:Área Saúde

  1. ANDRADE, R. B. (2015). Contribuições à Política de Atenção à Saúde do Servidor: atenção à referências em Saúde do Trabalhador como diretrizes indispensáveis (R2015/002). Relatório técnico. Acesso Restrito com o autor. Mar. 2015. 33 p.
  2. STANGE, J. M. B. ; ANDRADE, R. B. ; ARAGÃO, E. M. A.. (2008). «Psicologia, Revoluções e emancipação social». Anais do IV Colóquio Franco Brasileiro de Filosofia da Educação - Anais em CD-ROM 
  3. CLOT, Yves (2010). Trabalho e Poder de Agir. Belo Horizonte: Fabrefactum. pp. 368 p.