Clódio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Clódio
Rei dos Francos Salienos
Clódio
Governo
Reinado 426450
Antecessor Teodemiro
Sucessor Meroveu
Dinastia Merovíngia
Vida
Nascimento c. 392/395[1]
Morte 445[1] /448 (~aged 50)
Filhos Meroveu

Clódio (ca. 392447 ou 449) (Chlodio, Chlodion, Clodion, Clodius, Chlogio, Clodian), Cabelos Longos ou O Cabeludo, foi um rei semi-lendário dos francos salianos da dinastia merovíngia (426 - 447), um dos povos germânicos que constituem a liga dos Francos.[2] O seu sucessor foi Meroveu, de quem a dinastia herdou o nome. A parte lendária diz que seu pai foi o duque Faramundo e sua mãe Argotta, da Turíngia. Seu avô deve ter sido Marcomero, um duque dos francos.

Em meados do século V, Clódio entra com o seu exército em território romano e aproveita-se de Cambrai e de Artois meridional.[3] Ele fundou assim um pequeno reino franco o qual herdará Clóvis I[4] e será o embrião do futuro Reino de França.

Por volta de 431, ele invadiu o território de Artois, mas foi derrotado próximo a Hesdin por Aécio, comandante do exército romano na Gália. No entanto, Clódio reagrupou seu exército e em pouco tempo foi capaz de tomar a cidade de Cameracum. Finalmente, ele ocupou toda a região até o rio Somme e fez de Tournai a capital dos francos salianos.

A agressividade de Clódio em conquistar mais territórios levou a séculos de expansão por seus sucessores que no final das contas criaram o que hoje conhecemos como França. Clódio morreu em algum momento entre 447 e 449 e o poder foi passado a Meroveu. Não se sabe se Meroveu era seu filho ou outro chefe tribal que ascendeu à posição de liderança.

Contexto[editar | editar código-fonte]

As fontes[editar | editar código-fonte]

Há basicamente apenas duas fontes de informação sobre Clódio: os escritos de Gregório de Tours e Sidônio Apolinário.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Clódio começa a reinar em 428.[5] Ele sucede talvez ao rei dos Francos Teodemiro, sem que se saiba se existiram anos de interregno entre os dois reis. Ele dirige o povo dos Francos sálios desde a sua capital, a fortaleza de Dispargum, localizada a leste do Reno.[6]

Clódio viveu em Dispargum, nome que se acredita ser de um castelo, ou uma vila.

Por volta de 432-435, Clódio descobre que as cidades da província romana da Bélgica estão sem defesa.[7] Na verdade, Aécio o general romano encarregado da defesa da Gália recolheu muitos soldados destes territórios para combater alternadamente os Burgúndios, os Alanos, os Francos Ripuários, as revoltas anti-fiscais e os Visigodos.[8] Clódio decide então montar uma expedição e mobiliza todo o seu exército. Atravessando a floresta Carboniara, os Francos apreenderam Tournai, ultrapassaram Cambrai e Arras no primeiro assalto e reduzem toda a circunvizinhança até ao Somme.[9] Na verdade, mais do que os saques fáceis, Clódio visa conferir à sua autoridade de rei guerreiro uma sede territorial[2] , que ele quer ver alargada ao território rico entre o Reno, o Somme, o Meuse e o Mar do Norte.[10] A ocupação dura alguns anos sem que Aécio tente acabar com ela. O general romano tinha realmente muito a fazer noutro lugar.[11]

Em 448, Clódio, que celebra o casamento de um membro importante do seu exército na cidade de Helena, perto de Arras[12] , é atacado pelo general Aécio e seu lugar-tenente Majoriano.[13] O general queria controlar os Francos sálios que anexaram territórios sem a sua autorisação.[14] Clódio, que não está preparado para o confronto, é forçado a fugir.[15] No entanto, Aécio está ciente de que ele não tem os meios militares para reocuparr o território. Ele prefere então renegociar com Clódio o foedus, o tratado de aliança de 432 que faz dos Francos sálios federados lutadores por Roma.[16] Ele os autoriza a estabelecerem-se no Império, neste caso sobre os territórios que eles tinham já conquistado em Arras, Cambrai e Tournai.[17] Clódio recebe também esta última cidade como capital.[18] [19] Esta é a origem do futuro reino franco de Clovis I.[4]

Depois de mais de duas décadas de reinado, Clódio morre pouco antes do ano de 451.[20] Segundo o costume franco, o´seu reino é dividido entre os seus filhos. O mais velho, provavelmente Meroveu, obtém a cidade de Tournai e a sua região.[21] Um segundo herdeiro talvéz obteve Cambrai e um terceiro Tongeren.[22]

Casamentos e filhos[editar | editar código-fonte]

  • com (?) o nome da esposa de Clódio não é conhecido.
  1. Meroveu ♂ (◊ 411 † 482) possivelmente
  2. ♂ Clodebaudo de Colônia (◊ 420 † 483)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]



O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Clódio

  1. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Franks2
  2. a b Bordonove 1988, p. 35 
  3. Lebecq 1990, p. 39 
  4. a b Kurth 1896, p. 163-165.
  5. Le Nain de Tillemont 1720, p. 638
  6. Kurth 1893, p. 118 :
  7. Demougeot 1979, p. 489 
  8. Inglebert 2009, p. 40
  9. Kurth 1896, p. 159-162.
  10. Bayard 1983, p. 273
  11. Rouche 1996, p. 110
  12. Kurth 1896,p. 163
  13. Riché et Périn 1996,p. 103
  14. Kurth 1896,p. 163
  15. Kurth 1893,p. 144-145
  16. Rouche 1996,p. 116-117
  17. Bordonove 1988, p. 36
  18. Demougeot 1979, p. 490
  19. J.-M. Ropars, « La défense de l'Armorique dans les dernières années de l'Empire romain d'Occident, à travers une nouvelle interprétation d'un texte de Grégoire de Tours. [archive] »,Annales de Bretagne et des pays de l'Ouest,tome 100, no 1, 1993. p. 8.
  20. Kurth 1893,p. 158 
  21. Bordonove 1988, p. 40
  22. Kurth 1896,p. 171-172