Classificação de montanha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O líder da classificação da montanha do Tour de France veste a malha a bolinhas vermelhos.

A classificação de montanha é um ordenamento dos participantes de uma corrida de ciclismo em estrada por etapas que recompensa aqueles que atingem o cume de um verdadeiro conjunto de montanhas. Utiliza um sistema por pontos: no caminho marcam-se metas parciais, e os primeiros a cruzar essas linhas recebem pontos. O ciclista que soma mais pontos durante a corrida ganha o prémio e lho nomeia rei/rainha da montanha, ganhador/a ou vencedor/a. Os desportistas mais aptos neste tipo de destreza são chamados «escaladores».

História[editar | editar código-fonte]

Os prémios da montanha começaram a disputar-se no Tour de France e o Giro de Italia de 1933. Se a corrida é por etapas, quem lidera a classificação deve vestir uma camisa ou maillot que o identifique como tal. A cor da malha depende da cada concurso em particular. No Tour de France costuma-se usar uma malha branca com bolinhas vermelhas (maillot à pois rouges); em Itália, foi verde (maglia verde) e actualmente azul (maglia azzurra).

Em algumas corridas, os cumes estão categorizadas segundo a sua dificuldade; as mais difíceis outorgam mais pontos. Por exemplo, no Tour de France há cinco tipos. De acordo à categoria outorgam-se 20 pontos, 10 pontos, 5 pontos, 2 pontos ou um ponto ao vencedor. As montanhas de quarta categoria são as menos exigentes; as de primeira categoria são muito duras; e fosse-as de categoria (hors catégorie), acrescentadas em 1979, são extremamente duras por seu pendente e longitude. As cinco montanhas tradicionais e mas ascendidas classificadas nesta categoria têm sido Alpe d'Huez, Col du Tourmalet, Col du Galibier, Col da Madeleine e Col d'Aubisque ainda que há muitas mais (ver Categoria especial).

Os maiores vencedores da classificação da montanha nas Grandes Voltas (Tour de France, Giro de Itália e Vuelta a España) são o espanhol Federico Bahamontes e o italiano Gino Bartali com nove vitorias, e o belga Lucien Van Impe com oito. Bahamontes e o colombiano Luis Herrera ganharam a classificação da montanha nas mais três importantes voltas ciclistas. O espanhol, ademais, ganhou as de França e Espanha num mesmo ano (1958) e o colombiano ganhou a classificação da montanha em 1987 tanto no Tour de France, como na Volta a Espanha (sendo ganhador da geral individual nesse ano). Como dado curioso, nenhum ciclista na história tem ganhado a classificação da montanha nas três grandes voltas no mesmo ano.

A dobradinha Tour/Giro conseguiram-no quatro ciclistas:

A dobradinha Tour/Volta conseguiram-no quatro ciclistas:

A dobradinha Giro/Voltada conseguiram-no dois ciclistas:

Recorde de vitorias (grandes voltas)[editar | editar código-fonte]

Ciclista Nº de vitorias Tour de France
Jersey polkadot.svg
Maillot de pontos vermelhos
Giro d'Italia
Jersey blue.svg
Maillot azul
Vuelta a España
Jersey blue dotted.png
Maillot de pontos azuis
Espanha Federico Bahamontes 9 (1954, 1958, 1959, 1962, 1963, 1964) (1956) (1957, 1958)
Itália Gino Bartali 9 (1938, 1948) (1935, 1936, 1937, 1939, 1940, 1946, 1947)
Bélgica Lucien Van Impe 8 (1971, 1972, 1975, 1977, 1981, 1983) (1982, 1983)
França Richard Virenque 7 (1994, 1995, 1996, 1997, 1999, 2003, 2005)

Recorde de vitorias (grandes voltas)[editar | editar código-fonte]

Vencedores da montanha (grandes voltas)[editar | editar código-fonte]

Samuel Sanchez com o maillot de pontos vermelhos do Tour de France.
Stefano Garzelli com o maillot verde do Giro de Italia.
Ano Tour de France
Jersey polkadot.svg
Maillot de pontos vermelhos
Giro d'Italia
Jersey blue.svg
Maillot azul
Vuelta a España
Jersey blue dotted.png
Maillot de pontos azuis
1933 Espanha Vicente Trueba Itália Alfredo Binda -
1934 França Rene Vietto Itália Remo Bertoni -
1935 Bélgica Félicien Vervaecke Itália Gino Bartali Itália Edoardo Molinar
1936 Espanha Julian Berrendero Itália Gino Bartali Espanha Salvador Molina
1937 Bélgica Félicien Vervaecke Itália Gino Bartali -
1938 Itália Gino Bartali Itália Giovanni Valetti -
1939 Bélgica Sylvere Maes Itália Gino Bartali -
1940 - Itália Gino Bartali -
1941 - - Espanha Fermin Trueba
1942 - - Espanha Julián Berrendero
1943-1944 Edições suspendidas por a Segunda Guerra Mundial
1945 - - Espanha Julián Berrendero
1946 - Itália Gino Bartali Espanha Emilio Rodríguez
1947 Itália Pierre Brambilla Itália Gino Bartali Espanha Emilio Rodríguez
1948 Itália Gino Bartali Itália Fausto Coppi Espanha Bernardo Ruiz
1949 Itália Fausto Coppi Itália Fausto Coppi -
1950 França Louison Bobet Suíça Hugo Koblet Espanha Emilio Rodríguez
1951 França Raphaël Géminiani França Louison Bobet -
1952 Itália Fausto Coppi França Raphaël Géminiani -
1953 Espanha Jesús Loroño Itália Pasquale Fornara -
1954 Espanha Federico Bahamontes Itália Fausto Coppi -
1955 Luxemburgo Charly Gaul Itália Gastone Nencini Itália Giusseppe Buratti
1956 Luxemburgo Charly Gaul Luxemburgo Charly Gaul
Espanha Federico Bahamontes
Itália Nino Defilippis
1957 Itália Gastone Nencini França Raphaël Géminiani Espanha Federico Bahamontes
1958 Espanha Federico Bahamontes Bélgica Jean Brankart Espanha Federico Bahamontes
1959 Espanha Federico Bahamontes Luxemburgo Charly Gaul Espanha Antonio Suárez
1960 Itália Imerio Massignan Bélgica Rik Van Looy Espanha Antonio Karmany
1961 Itália Imerio Massignan Itália Vito Taccone Espanha Antonio Karmany
1962 Espanha Federico Bahamontes Espanha Angelino Soler Espanha Antonio Karmany
1963 Espanha Federico Bahamontes Itália Vito Taccone Espanha Julio Jiménez
1964 Espanha Federico Bahamontes Itália Franco Bitossi Espanha Julio Jiménez
1965 Espanha Julio Jiménez Itália Franco Bitossi Espanha Julio Jiménez
1966 Espanha Julio Jiménez Itália Franco Bitossi Espanha Gregorio San Miguel
1967 Espanha Julio Jiménez Espanha Aurelio González Puente Espanha Mariano Diaz
1968 Espanha Aurelio González Puente Bélgica Eddy Merckx Espanha Francisco Gabica
1969 Bélgica Eddy Merckx Itália Claudio Michelotto Espanha Luis Ocaña
1970 Bélgica Eddy Merckx Bélgica Martin Vandenbossche Espanha Agustín Tamames
1971 Bélgica Lucien Van Impe Espanha José Manuel Fuente Países Baixos Joop Zoetemelk
1972 Bélgica Eddy Merckx Espanha José Manuel Fuente Espanha José Manuel Fuente
1973 Espanha Pedro Torres Espanha José Manuel Fuente Espanha Jose Luis Abilleira
1974 Espanha Domingo Perurena Espanha José Manuel Fuente Espanha Jose Luis Abilleira
1975 Bélgica Lucien Van Impe Espanha Francisco Galdos
Espanha Andres Oliva
Espanha Andres Oliva
1976 Itália Giancarlo Bellini Espanha Andres Oliva Espanha Andres Oliva
1977 Bélgica Lucien Van Impe Espanha Faustino Fernandez Ovies Espanha Pedro Torres
1978 Espanha Mariano Martínez Suíça Ueli Sutter Espanha Andres Oliva
1979 Itália Giovanni Battaglin Itália Claudio Bertolotto Espanha Felipe Yanez
1980 França Raymond Martin Itália Claudio Bertolotto Espanha Juan Fernández
1981 Bélgica Lucien Van Impe Itália Claudio Bertolotto Espanha Jose Luis Laguia
1982 França Bernard Vallet Bélgica Lucien Van Impe Espanha Jose Luis Laguia
1983 Bélgica Lucien Van Impe Bélgica Lucien Van Impe Espanha Jose Luis Laguia
1984 Reino Unido Robert Millar França Laurent Fignon Espanha Felipe Yanez
1985 Colômbia Luis Herrera Espanha Jose Luis Navarro Espanha Jose Luis Laguia
1986 França Bernard Hinault Espanha Pedro Munoz Espanha Jose Luis Laguia
1987 Colômbia Luis Herrera Reino Unido Robert Millar Colômbia Luis Herrera
1988 Países Baixos Steven Rooks  Estados Unidos Andrew Hampsten Espanha Álvaro Pino
1989 Países Baixos Gert-Jan Theunisse Colômbia Luis Herrera Colômbia Oscar Vargas
1990 França Thierry Claveyrolat Itália Claudio Chiappucci Colômbia Martin Farfan
1991 Itália Claudio Chiappucci Espanha Inaki Gaston Colômbia Luis Herrera
1992 Itália Claudio Chiappucci Itália Claudio Chiappucci Espanha Carlos Hernández
1993 Suíça Tony Rominger Itália Claudio Chiappucci Suíça Tony Rominger
1994 França Richard Virenque Suíça Pascal Richard França Luc Leblanc
1995 França Richard Virenque Itália Mariano Piccoli França Laurent Jalabert
1996 França Richard Virenque Itália Mariano Piccoli Suíça Tony Rominger
1997 França Richard Virenque Colômbia José Jaime González Espanha José Maria Jiménez
1998 França Christophe Rinero Itália Marco Pantani Espanha José Maria Jiménez
1999 França Richard Virenque Colômbia José Jaime González Espanha José Maria Jiménez
2000 Colômbia Santiago Botero Itália Francesco Casagrande Espanha Carlos Sastre
2001 França Laurent Jalabert Colômbia Freddy González Espanha José Maria Jiménez
2002 França Laurent Jalabert México Julio Alberto Perez Cuapio Espanha Aitor Osa
2003 França Richard Virenque Colômbia Freddy González Colômbia Felix Cardenas
2004 França Richard Virenque Alemanha Fabian Wegmann Colômbia Felix Cardenas
2005 Dinamarca Michael Rasmussen Venezuela José Rujano Espanha Joaquim Rodríguez
2006 Dinamarca Michael Rasmussen Espanha Juan Manuel Gárate Espanha Egoi Martínez
2007 Colômbia Mauricio Soler Itália Leonardo Piepoli Rússia Denis Menchov
2008 não atribuído.[1][2] Itália Emanuele Sella França David Moncoutié
2009 Itália Franco Pellizotti[3][4] [5] Itália Stefano Garzelli França David Moncoutié
2010 França Anthony Charteau Austrália Matthew Lloyd França David Moncoutié
2011 Espanha Samuel Sánchez Itália Stefano Garzelli França David Moncoutié
2012 França Thomas Voeckler Itália Matteo Rabottini Austrália Simon Clarke
2013 Colômbia Nairo Quintana Itália Stefano Pirazzi França Nicolas Edet
2014 Polónia Rafal Majka Colômbia Julián Arredondo Espanha Luis León Sánchez

Tour de France[editar | editar código-fonte]

A classificação da montanha no Tour de France foi introduzida primeiro em 1933. O vencedor, Vicente Trueba, passou a maioria dos cumes em cabeça. No entanto, ele era pouco habilidoso na descida e isso lhe impediu ganhar algum Tour de France. O director de corrida, Henri Desgrange, decidiu que os primeiros ciclistas que chegassem aos cumes da montanha deviam ser recompensados. A partir de 1934, a diferença entre o primeiro e o segundo ciclista que passava por um cume, se lhe atribuía uma bonificação ao primeiro. Esta bonificação desapareceu mais tarde, mas a classificação da montanha permaneceu.

Apesar de reconhecer o melhor escalador a partir de 1933, não se usou maillot distintivo como vencedor até 1975. Suas cores, alvo a pontos vermelhos, são atribuídos ao patrocinador da época, Chocolat Poulain.

Lista de patrocinadores[editar | editar código-fonte]

Cume pontuável no Col da Colombière.

Pontuação[editar | editar código-fonte]

Tour de France[editar | editar código-fonte]

Desde a última modificação no Tour de France 2011, a atribuição dos pontos é:

Categoria / Posição 10º
Hors catégorie 25 20 16 14 12 10 8 6 4 2
1ª categoria 10 8 6 4 2 1 0 0 0 0
2ª categoria 5 3 2 1 0 0 0 0 0 0
3ª categoria 2 1 0 0 0 0 0 0 0 0
4ª categoria 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Anteriormente, a atribuição dos pontos era:

Categoria / Posição 10º
Hors catégorie 20 18 16 14 12 10 8 7 6 5
1ª categoria 15 13 11 9 8 7 6 5 0 0
2ª categoria 10 9 8 7 5 0 0 0 0 0
3ª categoria 4 3 2 1 0 0 0 0 0 0
4ª categoria 3 2 1 0 0 0 0 0 0 0

Além destes, na década de 2000 introduziu-se como novidade que se o posto final era de Hors catégorie ou 1ª categoria este pontua a dobrar. Estas modificações (a de pontuação dupla e a mudança de pontuação do 2011) tem suposto que com o pontuar nuns poucos postos se pudesse ganhar a classificação, por exemplo Samuel Sánchez no Tour de France 2011 ganhou a classificação da montanha só pontuando em 4 postos, facto único até o momento.

Maiores vitorias[editar | editar código-fonte]

Richard Virenque, vencedor em sete ocasiões
Pos. Ciclista País Vitorias Anos
1 Richard Virenque França 7 1994, 1995, 1996, 1997, 1999, 2003, 2004
2 Federico Bahamontes Espanha 6 1954, 1958, 1959, 1962, 1963, 1964
  Lucien Van Impe Bélgica 6 1971, 1972, 1975, 1977, 1981, 1983
4 Julio Jiménez Espanha 3 1965, 1966, 1967
5 Félicien Vervaecke Bélgica 2 1935, 1937
  Gino Bartali Itália 2 1938, 1948
  Fausto Coppi Itália 2 1949, 1952
  Charly Gaul Luxemburgo 2 1955, 1956
  Imerio Massignan Itália 2 1960, 1961
  Eddy Merckx Bélgica 2 1969, 1970
  Luis Herrera Colômbia 2 1985, 1987
  Claudio Chiappucci Itália 2 1991, 1992
  Laurent Jalabert França 2 2001, 2002
  Michael Rasmussen Dinamarca 2 2005, 2006

Giro de Itália[editar | editar código-fonte]

Esta classificação foi criada em 1933, no entanto teve-se que esperar ao 1974 para que o líder recebesse a Maglia verde. A partir de 2012 alterou-se para a Maglia azzurra devido à mudança de patrocinador.[6]

As classificações eram normalmente ganhas por escaladores puros ainda que raramente também eram ganhas por ciclistas que disputavam a classificação geral.

Desde o Giro de Itália 1965 o cume mais alto do giro chama-se Cima Coppi à que dá uma pontuação maior que a de 1ª categoria.

Pontuação[editar | editar código-fonte]

As subidas no Giro baseia-se nos pontos atribuídos aos primeiros ciclistas que passam pelo cume da montanha. Os cumes estão repartidas em cinco categorias segundo a dificuldade da cada uma. A mais dura na Cume Coppi, que é o posto com mais altitude pelo que passa o Giro e a mais acessível se qualificam de 4º categoria.

No Giro d'Italia 2014, a atribuição dos pontos foi a seguinte:[7]

Categoria / Posição
Cima Coppi 40 28 21 15 10 7 4 2 1
1.ª categoria 32 20 14 10 7 4 2 1 -
2.ª categoria 14 9 6 4 2 1 - - -
3.ª categoria 7 4 2 1 - - - - -
4.ª categoria 3 2 1 - - - - - -

Maiores vitorias[editar | editar código-fonte]

Grande Prémio da montanha no Col de Gavia do Giro d'Italia 1999.
Pos. Ciclista País Victórias Anos
1 Gino Bartali Itália 7 1935, 1936, 1937, 1939, 1940, 1946, 1947
2 José Manuel Fuente Espanha 4 1971, 1972, 1973, 1974
3 Fausto Coppi Itália 3 1948, 1949, 1954
Franco Bitossi Itália 3 1964, 1965, 1966
Claudio Bortolotto Itália 3 1979, 1980, 1981
Claudio Chiappucci Itália 3 1990, 1992, 1993
7 Raphaël Géminiani França 2 1952, 1957
Lucien Van Impe Bélgica 2 1982, 1983
Mariano Piccoli Itália 2 1995, 1996
José Jaime González Colômbia 2 1997, 1999
Freddy González Colômbia 2 2001, 2003
Stefano Garzelli Itália 2 2009, 2011

Vuelta a España[editar | editar código-fonte]

Esta classificação introduziu-se na primeira edição da Vuelta, em 1935 e foi vencido pelo italiano Edoardo Molinar. O maillot foi durante muito tempo de cor verde (de 1935 a 1985 e de 1990 a 2005). Entre médias têm sido de cor laranja e vermelho em 1986, vermelho em 1987 depois branco com grãos de café em 1988 e 1989. De 2006 a 2007 passou a laranja e converteu-se em vermelho em 2008. A partir de 2009 até à actualidade o maillot é branco com pontos azuis.

Pontuação[editar | editar código-fonte]

Nas subidas da Vuelta a Espanha, os pontos são atribuídos aos primeiros ciclistas que passam o cume de um posto. Os cumes estão repartidos em cinco categorias baseadas na dificuldade. A mais dura é a de categoria especial "Cume Alberto Fernández" é as mais acessíveis são as de "3ª categoria".

Categoria / Posição
Cume Alberto Fernández 20 15 10 6 4 2
Categoria Especial 15 10 6 4 2 -
1.ª categoria 10 6 4 2 1 -
2.ª categoria 5 3 1 - - -
3.ª categoria 3 2 1 - - -

Na década de 2000 introduziu-se como novidade que se o posto final era a Cume Alberto Fernández, de categoria especial ou 1ª categoria este pontua duplo mas na década de 2000 ficou suprimida esta pontuação dupla.

Maiores vitorias[editar | editar código-fonte]

Grande Prémio da montanha no Passo Gavia do Giro d'Itália 1999.
Pos. Ciclista País Vitorias Anos
1 José Luis Laguía Espanha 5 1981, 1982, 1983, 1985, 1986
2 José María Jiménez Espanha 4 1997, 1998, 1999, 2001
David Moncoutié França 4 2008, 2009, 2010, 2011
4 Emilio Rodríguez Espanha 3 1946, 1947, 1950
Antonio Karmany Espanha 3 1960, 1961, 1962
Julio Jiménez Espanha 3 1963, 1964, 1965
Andrés Oliva Espanha 3 1975, 1976, 1978
8 Julián Berrendero Espanha 2 1942, 1945
Federico Bahamontes Espanha 2 1957, 1958
José Luis Abilleira Espanha 2 1973, 1974
Felipe Yáñez Espanha 2 1979, 1984
Luis Herrera Colômbia 2 1987, 1991
Tony Rominger Suíça 2 1993, 1996
Félix Cárdenas Colômbia 2 2003, 2004

Prémio cume[editar | editar código-fonte]

O prémio cume (ou prémio do cume), é um prémio similar à classificação da montanha que se outorga na Volta Ciclista do Uruguai. Como o Uruguai não é um país montanhoso (só conta com serranias de 500 m.s.n.m. como máximo), durante a disputa das etapas dessa volta ciclista, se outorgam pontos a quem passa por uma meta cume nos primeiros três lugares. Estas metas costumam estar localizadas em alguma subida ou repecho que pelo geral não ultrapassam os dois quilómetros de longitude. Em todas elas as pontuações outorgadas são os mesmos (5, 3 e 2 pelo geral), não tendo diferença entre elas. O líder desta classificação porta um maillot de cor vermelha.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências e notas

  1. O prémio foi para Bernhard Kohl mas deu positivo por CERA
  2. Bernhard Kohl, terceiro no Tour, dá positivo por CERA - AS.com (em espanhol)
  3. Franco Pellizotti foi sancionado por resultados anómalos no passaporte biológico por que depois num primeiro momento lhe foram anulados todos os resultados a partir de 2009 incluindo a classificação da montanha. Sem embargo, finalmente a sanção de 2 anos começou a contar em maio de 2010 mantendo todos seus resultados até a essa data, por isso que manteve seus resultados desse Tour.
  4. PELLIZOTTI Franco-Rider Comment
  5. Men Elite World Ranking #13 - Tour de France (FRAb/HIS)-04 Jul-26 Jul 2009 - General classification: Monaco - Paris-Mountain
  6. Quelques changements pour les maillots(em francês)
  7. Il regolamento gazzetta.it (em italiano)