Claudino Rogoberto Ferreira dos Santos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dr. Claudino dos Santos
Claudino dos Santos com 24 anos, época de sua formatura como Bacharel em Advocacia
Nome completo Claudino Rogoberto Ferreira dos Santos
Nascimento 4 de janeiro de 1862
Recife
Morte 31 de janeiro de 1917 (55 anos)
Curitiba
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Advogado e político

Claudino Rogoberto[1] Ferreira dos Santos (Recife, 4 de janeiro de 1862 - Curitiba, 31 de janeiro de 1917) foi um advogado, poeta, dramaturgo, jornalista e político brasileiro[2]. Foi prefeito de Curitiba, ocupando o cargo a partir de 1916[3] até o seu falecimento[4].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Ignácio Ferreira dos Santos e Rosa Alexandrina Galvão, na adolescência foi aluno de Tobias Barreto e aos vinte e quatro anos de idade diplomou-se em advogacia[5] pela Faculdade de Direito de Recife. Ainda estudante na faculdade, publicou três livros de poesia[2]: "Estatuetas" (1883); "Ebulições" (1884) e "Sons e Brados" (1886)[4].

Em 1889, começou a escrever no "Diário de Notícias" de Recife e logo em seguida mudou-se para o Paraná, com a intenção de atuar como Advogado. Na capital paranaense, começou e escrever no jornal "A Federação" (de Curitiba), periódico que defendia o federalismo no Brasil e com a vitória do governo na Revolução Federalista e a retomada de Curitiba pelas tropas de Floriano Peixoto, Claudino se exilou na Europa por alguns anos[4].

Em seu retorno ao Paraná, fundou o Colégio Paranaense[4], lançou o livro "Primeiro e Segundo Livro de Leitura" e começou a exercer cargos públicos, como: Secretário de Viação, diretor[6] de Instrução Pública[7][8], Secretário do Interior e Justiça, juiz municipal e federal de Morretes e secretário de Obras Públicas e Colonização[9][10].

Em 1896, escreveu uma peça de teatro denominada "Fui a Curitiba" e no mesmo ano lançou "À memória de Carlos Gomes". Também escreveu: "O batizado" (livro de poesia lançado em 1899), "Poema da dor" (poesias de 1902) e contribuiu para "Mosaico poético", coletânea de poesias lançada em Recife, em obra póstuma[2].

Em 1906 foi eleito Deputado Estadual pelo Partido Republicano Federal e em 1916 elegeu-se Prefeito de Curitiba[4] pelo Partido Republicano Paranaense, cargo este, que ocupou até a data de seu falecimento. Claudino dos Santos foi casado com Elvira Alves Branco e teve sete filhos, entre eles, o Deputado Federal Arthur Ferreira dos Santos.

Referências

  1. Claudino Rogoberto Ferreira dos Santos - Personalidades do Paraná Museu Paranaense — acessado em 3 de dezembro de 2014
  2. a b c Obras do autor - Claudino Rogoberto Ferreira dos Santos Portal pesquisas da Universidade Federal de Santa Catarina — acessado em 2 de dezembro de 2014
  3. Relação dos Prefeitos de Curitiba Portal da Prefeitura de Curitiba — acessado em 10 de dezembro de 2014
  4. a b c d e Histórico do Estabelecimento - Colégio Estadual Dr. Claudino dos Santos – Ensino Fundamental, Médio e Normal Site da Secretaria de Educação do Estado do Paraná — acessado em 1 de dezembro de 2014
  5. Detalhes da obra Site Domínio Público — acessado em 11 de dezembro de 2014
  6. Seminário Nacional História, Sociedade e Educação no Brasil - Universidade Federal da Paraíba – João Pessoa – 31/07 a 03/08/2012 – Anais Eletrônicos – ISBN 978-85-7745-551-5 Unicamp — acessado em 5 de dezembro de 2014
  7. Cadernos de História da Educação – v. 11, n. 1 – jan./jun. 2012 - Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - UFU Universidade Federal de Uberlândia — acessado em 8 de dezembro de 2014
  8. Código de Ensino do Estado do Paraná Universidade Federal de Santa Catarina — acessado em 9 de dezembro de 2014
  9. "Um bom estímulo à regeneração": a Penitenciária do Estado e as novas estratégias da ordem na Curitiba da Primeira República Livro Histórias de São Paulo-História vol.28 no.2 Franca 2009-versão online Scielo — acessado em 11 de dezembro de 2014
  10. As escolas primárias no Paraná na primeira república Site Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Revistas — acessado em 11 de dezembro de 2014