Clientelismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde abril de 2017). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O clientelismo era um subsistema de relação política, com uma pessoa recebendo de outra a proteção em troca do apoio político.

O clientelismo nada tem em comum com o coronelismo, nem se reedita relação análoga àquela entre suserano e vassalo do Sistema Feudal. O coronelismo foi definido como um compromisso entre o poder central e as aristocracias estaduais para garantir governabilidade de 1898 a 1930.[1] O feudalismo é sistema de produção datado até o advento do Estado moderno.

O que caracteriza o clientelismo é o sistema de troca.

Como nota característica o cliente fica em total submissão ao patrão, independentemente de com este possuir qualquer relação familiar, empregatícia ou qualquer outra.

No Brasil e em alguns países da América Latina, suas raízes remontam às origens patriarcais destas sociedades.

A terminologia tem sua origem provavelmente em Roma.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Leal, Victor Nunes (23 de julho de 2012). Coronelismo, enxada e voto: O município e o regime representativo no Brasil. [S.l.]: Companhia das Letras. ISBN 9788580863505 
  2. Bahia, Luiz Henrique Nunes (2003). O Poder do clientelismo: raízes e fundamentos da troca política. [S.l.]: Renovar. ISBN 9788571473027