Club Universitario de Deportes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Universitario
Logo oficial de Universitario.png
Nome Club Universitario de Deportes
Alcunhas «La U»
Los cremas
Merengues
Estudiantiles
Garra Crema
Torcedor(a)/Adepto(a) Trinchera Norte e
Barra U Oriente
Mascote Garrita
Principal rival Alianza Lima
Sporting Cristal
Fundação 7 de agosto de 1924 (98 anos)
Estádio Monumental de Lima
Capacidade 80.093
Localização Lima, Peru
Presidente Jean Ferrari
Treinador(a) Carlos Compagnucci
Patrocinador(a) Apuesta Total
Material (d)esportivo Marathon
Competição Primeira Divisão do Peru
Copa Sul-Americana
Website universitario.pe
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo

O Club Universitario de Deportes, conhecido como Universitario, é um clube de futebol peruano com sede em Lima. Manda seus jogos no Estádio Monumental de Lima.[1] Com 26 títulos nacionais, é um dos maiores clubes do Peru, possuindo uma das maiores torcidas, considerado um dos grandes clubes ao lado de Alianza Lima e Sporting Cristal.[2][3][4] No cenário internacional, seu maior logro foi o vice-campeonato da Copa Libertadores da América de 1972, ao perder a final para o Independiente. Terminou com a melhor pontuação daquela edição, e até os dias atuais, é ao lado do Sporting Cristal (finalista em 1997) a equipa peruana que mais longe chegou na Copa Libertadores da América. Outra de suas melhores atuações internacionais ocorreu em 2011 quando se sagrou campeão da Copa Libertadores da América Sub-20.

Com 45 participações internacionais em torneios oficiais organizados pela Confederação Sul-Americana de Futebol, é o time peruano que mais disputou copas continentais.[5] É um dos melhores times peruanos na tabela histórica da Copa Conmebol Libertadores e é considerado pela a Federação Internacional de História e Estatística do Futebol como o melhor time peruano do século XX.[6][7] Em 2010, a Confederação Sul-Americana de Futebol considerou o "U" como um dos times com maior tradição na América do Sul enquanto a FIFA o nomeou um dos "clubes clássicos do mundo".[8]

História[editar | editar código-fonte]

Fundação (1924)[editar | editar código-fonte]

Fachada da Faculdade de Medicina da Universidade Nacional Maior de São Marcos, onde estudaram alguns dos fundadores e primeiros jogadores de futebol do clube

O Universitario foi fundado em 7 de agosto de 1924 e seu primeiro título profissional foi conquistado em 1929.[9][10][11]

José Rubio Galindo (aluno da Faculdade de Letras) e Luis Málaga Arenas (aluno da Faculdade de Medicina) foram os sonhadores que dedicaram seu tempo livre a trocar ideias com o propósito de formar uma grande instituição.[12] A eles se juntou mais tarde Plácido Galindo, Eduardo Astengo, Rafael Quirós, Mario de las Casas, Alberto Denegri, Luis de Souza Ferreira (que marcou o primeiro gol peruano em uma Copa do Mundo),[13] Andrés Rotta, Carlos Galindo, Francisco Sabroso, Jorge Góngora, Pablo Pacheco, Carlos Cillóniz , entre outros.[14]

Assim, em 7 de agosto de 1924, estudantes universitários reuniram-se na sede da Federação de Estudantes do Peru, na cidade de Lima,[15] dando origem à Federação Universitária de Futebol; como uma associação das equipes representativas das Faculdades da Universidade de San Marcos e das Escolas Especiais de Engenharia, Agronomia e Central Normal.[12][16]

Primeiros títulos[editar | editar código-fonte]

Após participar de diferentes torneios interuniversitários e amistosos entre 1924 e 1927, a Federação Peruana de Futebol convidou a Federação Universitária para participar do Campeonato de Seleção e Competição (Torneio da Primeira Divisão) de 1928, estreando oficialmente em 27 de maio contra o Clube José Olaya de Chorrillos, que eles venceram por 7:1. Ao final do campeonato, ficou em segundo lugar atrás do Alianza Lima, com quem disputou o título em três jogos: (vitória por 1 a 0, empate por 1 a 1 e derrota por 2 a 0).[17] Em 1929, o campeonato só contou com a participação de doze equipas devido à suspensão do Alianza Lima por se recusarem a ceder os seus futebolistas à seleção nacional.

Equipe campeã do torneio peruano de 1929. O primeiro título do clube

Neste torneio, o Universitario conquistou seu primeiro título nacional, terminando o campeonato com sete vitórias, três empates e uma derrota, completando dezessete pontos, um a mais que o Circolo Sportivo Italiano, que derrotou por 7:0.[18][19][20][21] Em 1930, a primeira Copa do Mundo de Futebol foi realizada no Uruguai,[22][23][24] a seleção peruana compareceu ao evento com um elenco que contou com a presença de oito jogadores do clube (Eduardo Astengo,[25][26] Carlos Cillóniz,[27] Luis de Souza Ferreira,[28][29] Alberto Denegri,[30] Arturo Fernández,[31][32] Plácido Galindo, Jorge Góngora e Pablo Pacheco).[33][34]

Teodoro Fernández, ídolo da equipe que conquistou seis títulos com o clube e foi o artilheiro do torneio peruano sete vezes[35]

Após a Copa do Mundo, aconteceu a primeira turnê oficial do clube. A equipe viajou para Arequipa de barco a vapor para enfrentar a Associação Estrela Branca, que derrotou por 1:0; e depois percorreu Huacho participando da Copa Gubbins. No ano seguinte, surgiram divergências com as autoridades da Universidad Nacional Mayor de San Marcos, pois o reitor José Antonio Encinas proibiu o uso do nome —Federação Universitária de Futebol— e isso deu origem a a mudança, pelo "Club Universitario de Deportes", tornando-se totalmente independente da universidaded. Em 29 de novembro de 1931, Teodoro Fernández Meyzán, mais conhecido como "Lolo" Fernández (que se tornou o maior ídolo do clube), estreou no clube aos 18 anos, em uma partida internacional contra o Deportes Magallanes.[36][37][38]

O torneio de 1934 gerou polêmica porque, de acordo com as regras do campeonato, os pontos obtidos pelas primeiras equipes e uma fração do que suas reservas obtiveram deveriam ser somados em uma única tabela, pela qual o título supostamente deveria ter sido concedido à Alianza Lima; no entanto, os dirigentes do clube reclamaram com a Federação Peruana de Futebol argumentando que o placar reserva teria que ser adicionado depois de decidir quem ganhou o título da Primeira Divisão.[39] Uma partida extra foi disputada entre as duas equipes com vitória para os universitários por 2 a 1, obtendo assim seu segundo título nacional, reconhecido oficialmente pela Federação Peruana de Futebol e pela Associação Esportiva de Futebol Profissional.[40][41][42]

Jack Greenwell, treinador campeão em 1939[43]

En 1937, disputó un amistoso de pretemporada ante el São Cristóvão de Brasil, (primer equipo brasileño que jugó en Lima), al que los cremas vencieron 2:0 con goles de Víctor Bielich y Teodoro Fernández.[44] Em 1939, o "U" conquistou o terceiro título de sua história esportiva ao somar nove vitórias, três empates e apenas duas derrotas, marcando trinta e dois gols, enquanto os rivais só conseguiram vencer seu goleiro quatorze vezes.[45]

Alberto Terry, integrante do elenco que conquistou o campeonato peruano de 1949[46]

O campeonato de 1941 contou com a participação de oito clubes e foi disputado em duas rodadas com jogos em casa e fora. No entanto, na décima segunda data o torneio foi suspenso devido à participação da seleção no Campeonato Sul-Americano daquele ano.[47] Uma vez retomado, o Universitario de Deportes conquistou o título depois de vencer o Club Atlético Chalaco e o Alianza Lima por 1:0 e 3:1, respectivamente, nas duas últimas partidas.[48][49] Em 1946, pela primeira vez o campeonato foi disputado em três rodadas, alcançando seu primeiro bicampeonato graças ao trio ofensivo formado por Víctor Espinoza, Lolo e Eduardo Fernández.[50][51][52]

Em 1947, o "U", no seu desempenho mais baixo na era amadora, empatou o último lugar da classificação com o Sporting Tabaco (hoje Sporting Cristal) pelo que teve de disputar um jogo de desempate para definir quem era rebaixado para a segunda divisão. No entanto, esta partida nunca foi disputada porque a Associação Não Amadora, antes do início do torneio, havia apresentado um projeto que contemplava o não rebaixamento daquela temporada, que foi aprovado pela Federação Peruana de Futebol em dois votos. Finalmente, em dezembro do mesmo ano, o Comitê Nacional de Esportes também aprovou o projeto e decidiu anular a descida.[53][54][55] O clube comemorou seu jubileu de prata e conquistou o campeonato de 1949, depois de vencer o Atlético Chalaco na última partida por 4:3.[56][57][58] Em 1950, foi realizado o último campeonato da era amadora, onde o Universitario de Deportes terminou em quinto lugar com nove vitórias, dois empates e sete derrotas.

Era profissional (1951)[editar | editar código-fonte]

O profissionalismo do futebol chegou ao Peru em 1951, quando a Federação Peruana de Futebol adaptou o campeonato de acordo com as diretrizes mundiais, mas apenas com a participação de clubes da cidade de Lima e da província de Callao.[59] O clube estreou na era profissional com uma vitória por 4 a 1 sobre o Mariscal Sucre. Em 20 de julho de 1952, foi inaugurado o Estádio Lolo Fernández, com as instalações esportivas e a primeira arquibancada do estádio (oeste: 4.000 lugares) que anteriormente pertencia ao Antigo Estádio Nacional do Peru.

Na inauguração, o "U" derrotou a Universidad de Chile por 4 a 2, com três gols de Teodoro Fernández.[60] Em 1954, Plácido Galindo assumiu a presidência do clube, naquele que foi o primeiro de seus três períodos à frente da instituição.[61] Até o final da década, ele só fazia campanhas irregulares nos torneios nacionais, que eram dominados pela Alianza Lima e Sport Boys. Essa seca de títulos terminou com a conquista do campeonato de 1959.[62][63][64]

Na década de 1960, o clube conquistou mais cinco campeonatos. O primeiro deles em 1960, após um empate sem gols com o Sport Boys del Callao, conquistou o campeonato após onze vitórias, três empates e quatro derrotas em dezoito jogos, conquistando assim seu segundo bi-campeonato.[65][66] Em 19 de abril de 1961, estreou na Copa Libertadores da América em uma partida disputada na cidade de Montevidéu contra o Club Atlético Peñarol, que terminou com um placar de 5 a 0 a favor dos locais.[67]

Marcos Calderón, treinador que venceu o campeonato peruano 4 vezes com o clube

Apesar do resultado, os cremes se tornaram o primeiro clube peruano a participar do referido torneio.[68] Depois de ficar em terceiro lugar nos campeonatos de 1962 e 1963, ele ganhou o título novamente em 1964, nove pontos à frente do segundo lugar.[69][70][71] Em 1965, a F. P. F. permitiu a participação de equipes de todo o país no campeonato e no ano seguinte nasceu o chamado "Torneio de Futebol Descentralizado". Um ano depois, sob a liderança de Marcos Calderón, o clube conquistou seu décimo primeiro campeonato após dezenove vitórias, três empates e quatro derrotas, adquirindo assim o direito de ser chamado de "Primeiro Campeão do Futebol Peruano", (porque anteriormente apenas torneios eram disputados em nível provincial ou departamental).[72][73][74][75]

Em 1967, conquistou seu terceiro bicampeonato com três datas de antecedência, obtendo vinte vitórias, um empate e cinco derrotas; a última partida foi disputada contra o Sport Boys e terminou com um placar de 2:1 a favor dos cremas.[76][77][78] Nesse mesmo ano, chegaram às semifinais da Copa Libertadores.[79][80][81]

Em 27 de fevereiro de 1968, venceu o Always Ready da Bolívia na Copa Libertadores por 6 a 0, sendo a maior vitória conquistada pelo clube em uma competição internacional.[82][83][84] No torneio nacional de 1969, o time merengue venceu o campeonato depois de empatar 1 a 1 com o Atlético Grau de Piura na liguilla final do campeonato.[85][86][87][88]

Finalista da Copa Libertadores (1972)[editar | editar código-fonte]

Na Copa Libertadores de 1972, o clube conseguiu avançar para a final do torneio com uma equipe substituta, já que seus principais jogadores estavam com a seleção peruana de futebol no chamado "Tour dos Três Continentes".[89][90][91] Universitario fez parte do grupo 4 junto com Alianza Lima, Universidad de Chile e Unión San Felipe.[92] O primeiro encontro foi o clássico do futebol peruano, conseguindo uma vitória por 2 a 1.[93] Os próximos dois jogos foram disputados em Santiago contra a Universidad de Chile, sendo derrotado por 1:0 e contra o Unión San Felipe, com quem empatou 0:0. A equipe estudantil retornou ao Peru para enfrentar o Alianza Lima, obtendo um empate de 2 a 2.[94] Nas duas últimas partidas, recebeu o Union San Felipe e o Universidad de Chile em Lima, onde conquistou duas vitórias por 3:1 e 2:1 respectivamente, obtendo oito pontos, o que lhes permitiu avançar para a próxima rodada como primeiro na grupo.[95][96]

Roberto Scarone, treinador do clube entre 1969 e 1973.[97]

Nas semifinais, foi agrupado com Peñarol e Nacional do Uruguai. Na primeira partida, perdeu para o Peñarol por 3 a 2 em Lima, mas depois se recuperou ao vencer o Nacional por 3 a 0.[98][99][100] O Universitario viajou para o Uruguai, onde obteve dois empates: 3:3 contra o Nacional e 1:1 contra o Peñarol.[101][102] O "U" acumulava quatro pontos e faltava apenas um jogo para disputar entre Peñarol e Nacional, que somavam quatro e dois pontos, respectivamente. Todas as três equipes tiveram a chance de avançar para a final. O Peñarol precisava apenas de um empate, enquanto o Nacional precisava de uma vitória por cinco gols de diferença.

A partida terminou em 3 a 0 a favor do Nacional, o que permitiu ao clube peruano avançar para a final por ter um saldo de gols melhor.[103][104] A final foi disputada contra o Club Atlético Independiente de Argentina. A partida de ida foi realizada em Lima, onde empataram 0:0,[105][106] enquanto a segunda mão terminou com um placar de 2 a 1 a favor dos argentinos.[107][108][109] Embora o Universitario não tenha conquistado o título, conseguiu ser o primeiro clube peruano e o primeiro de um país fora do Cone Sul a disputar a final da Copa Libertadores.[110][111][112] Neste torneio, Oswaldo Ramírez e Percy Rojas foram os artilheiros com seis gols cada.

Dois anos depois, em 1974, o clube conquistou o campeonato nacional sob a liderança do argentino Juan Eduardo Hohberg.[113][114][115] Naquele ano, os cremes estabeleceram um recorde: trinta e seis partidas permaneceram invictas.[116]

Um novo bicampeonato (1980-1993)[editar | editar código-fonte]

Em 1982, após oito anos, o clube conquistou o título nacional.[117] A vitória decisiva foi contra o Deportivo Municipal, o placar foi de 1 a 0 com gol de Hugo Gastulo. Em 1985, o título nacional foi novamente para a equipe estudantil.[118] O Universitario de Deportes voltou ao topo do futebol peruano em 1987.[119]

José Luis Carranza, jogador histórico, oito vezes campeão do torneio peruano com o Universitario de Deportes

Em 1990, com a chegada de Fernando Cuéllar no banco creme, o Universitario de Deportes venceu o Torneio Regional 1990-I, classificando-se automaticamente para a final nacional, onde enfrentou o Sport Boys del Callao, vencedor do torneio descentralizado. A final foi disputada em 3 de fevereiro de 1991, com vitória do time merengue, que venceu por 4 a 2, com gols de Roberto Martínez (2), Héctor Cedrés e Oswaldo Araujo.[120]

Em 1992, o clube conquistou o título nacional, após vencer o San Agustín por 4 a 1, com gols de Ronald Baroni (2), César Charún e José Luis Carranza.[121] Sob a direção técnica de Sergio Markarián, o clube revalidou seu título em 1993, conquistando um novo bicampeonato para a instituição.[122]

Tricampeonato (1998-2000)[editar | editar código-fonte]

Em 1998, o técnico argentino Osvaldo Piazza chegou à instituição,[123] com o qual obteve o título do Torneo Apertura que lhe deu o direito de disputar as eliminatórias para a final nacional.[124] Na final derrotaria o Sporting Cristal.[125] Em 1999, ele conseguiu o título novamente. Duas partidas foram disputadas entre o Universitario de Deportes, que venceu o Torneio Apertura,[126] e a Alianza Lima, campeã do Torneio Clausura.[127] A primeira final foi disputada no Estádio Nacional e o "U" venceu por 3-0, com golos de Roberto Farfán, Eduardo Esidio e José Guillermo del Solar.[128] Na segunda mão, disputada no Estádio Alejandro Villanueva, os azuis e brancos venceram com um golo de Víctor Mafla, mas não foi suficiente para conquistar o título.[129] Assim, "Los cremas" foram campeões no estádio do seu maior rival.[130][131][132]

Em 30 de janeiro de 2000, a Copa El Gráfico-Peru foi disputada entre Universitario de Deportes e Universidad de Chile, a partida terminou com o placar de 1 a 0 a favor dos peruanos. O autor do gol foi José Guillermo del Solar.[133] No dia 2 de julho foi inaugurado o Estádio Monumental com capacidade para 80.093 espectadores (considerado um dos estádios mais modernos da América Latina) com vitória por 2 a 0 do Universitario contra o Sporting Cristal, em partida válida pelo campeonato. aquele ano.[134][135] Este estádio substituiu o antigo Estádio Lolo Fernández como sede principal dos jogos “U” do campeonato nacional; Os cremes foram coroados campeões de futebol peruanos pela terceira vez consecutiva e somaram 100 pontos entre o Torneo Apertura e o Torneo Clausura.[136] O clube saiu campeão contra Juan Aurich de Chiclayo, vencendo-o por 5 a 0.[137] Foi o primeiro campeonato que conquistou como local no Estádio Monumental, em Lima.

O brasileiro Esidio se firmou como artilheiro em uma temporada da Primeira Divisão do Peru com 37 gols,[138][139][140] e segundo artilheiro do mundo em 2000.[141]

Crise financeira e os torneios irregulares[editar | editar código-fonte]

Juan Manuel Vargas, integrante do elenco vencedor do Torneo Apertura de 2002.

No ano de 2002, o clube enfrentou uma forte crise financeira que originou o atraso no cancelamento do vencimento do elenco, comando técnico e pessoal administrativo. Foi realizada uma Assembleia de Sócios; No entanto, apesar de muitos já desejarem a saída do presidente da entidade devido à crise econômica da instituição, ele se manteve firme em sua posição. A situação era complicada tanto futebolística quanto financeiramente, a ponto de os jogadores profissionais de futebol decidirem entrar em greve e a liderança decidir se voltar para os jovens.[142] Apesar de tudo, a equipe, que passava por uma situação econômica muito difícil, conseguiu se sagrar campeã do Torneo Apertura;[143][144] o elenco crema foi proclamado campeão sem pagar seus jogadores, que literalmente jogaram pela camisa.[145][146][147] No mês de junho, o Universitario foi eleito o clube do mês do mundo pela Federação Internacional de História e Estatística do Futebol.[148] A crise financeira e esportiva que a instituição enfrentava gerou a moção de um grupo de membros da equipe que recolheu assinaturas para adiantar as eleições e assim conseguir a nomeação de um novo presidente para substituir Javier Aspauza.[149][150][151]

No entanto, alguns dias depois, Aspauza respondeu anunciando que havia encontrado um novo patrocinador para o clube. Ron Pomalca foi apresentado oficialmente para patrocinar as temporadas de 2002 e 2003.[152] O dinheiro recebido cobriu aproximadamente um terço das dívidas do clube com seu elenco profissional. Em 4 de setembro, estreou na Copa Sul-Americana com uma derrota para o Alianza Lima por 1 a 0.[153][154][155] No Torneo Clausura desse mesmo ano, o "U" ocupou o penúltimo lugar, o que não lhe permitiu disputar a definição para o título nacional.

2003-2007[editar | editar código-fonte]

Graças à conquista do título do Torneio de Abertura de 2002, o Universitario de Deportes se classificou para a Copa Libertadores de 2003, onde foi eliminado na primeira rodada com uma vitória, quatro empates e uma derrota.[156] No Campeonato Descentralizado desse mesmo ano, terminou na nona posição na tabela acumulada, ficando impossibilitado de participar de um torneio internacional no ano seguinte.[157] Em 2004 terminou na quinta posição no campeonato nacional.[158] Nesse mesmo ano, José Luis Carranza se aposentou do futebol. Alguns dias depois, em entrevista, Carranza chorou diante das câmeras de televisão, afirmando que ele teve que renunciar porque foi forçado a mentir sobre uma suposta lesão.[159] Finalmente, em 11 de outubro de 2004, Carranza voltou à formação do Universitario de Deportes, e em 16 de outubro de 2004, reapareceu no futebol local, entrando em campo para substituir Paolo Maldonado, nos últimos minutos da partida contra a Universidad César Vallejo de Trujillo.[160][161] Sua última partida profissional foi disputada em 26 de dezembro de 2004, contra o Deportivo Wanka, no Estádio Monumental, com vitória dos merengues por 5:2, marcando de pênalti, um dos poucos gols que marcou em sua carreira.[162]

Em 2005, o clube participou pela segunda vez da Copa Sul-Americana, embora tenha sido eliminado novamente na primeira rodada, desta vez contra o Alianza Atlético de Sullana por um placar agregado de 4:1.[163] De 3 a 10 de fevereiro de 2005, foi disputada a Copa de Verano, com os cremas vencendo o torneio com duas vitórias e um empate.[164] Com a chegada do técnico argentino Juan Amador Sánchez, o Universitario participou da Copa Libertadores de 2006, permanecendo na última colocação de seu grupo com apenas dois pontos, após dois empates e quatro derrotas.[165]

A equipe terminou em quinto lugar na tabela geral do Campeonato Descentralizado de 2006, reunindo as condições necessárias para disputar a Copa Sul-Americana de 2007.[166] Em 2007 a equipe terminou na quarta posição no campeonato peruano.[167]

Gareca e a campanha de 2008[editar | editar código-fonte]

No dia 9 de fevereiro de 2008, aconteceu a apresentação oficial do elenco do clube, na tradicional Noche Crema, com um amistoso contra o Defensor Sporting do Uruguai que terminou com placar de 2 a 2.[168][169] Na quarta-feira, 2 de julho, faltando três jogos para o final do torneio, sagrou-se campeão do Torneo Apertura.[170] A segunda metade do ano foi muito irregular devido a lesões e ao mau desempenho de alguns jogadores importantes do elenco, além dos vários problemas não futebolísticos enfrentados pelo técnico argentino Ricardo Gareca.[171][172] O Universitario só conseguiu oito vitórias em vinte e seis jogos, terminando na décima posição no Torneo Clausura e perdendo a oportunidade de disputar a final nacional.

Campeão 2009[editar | editar código-fonte]

Após a renúncia de Ricardo Gareca à direção técnica, os dirigentes iniciaram a procura de um novo treinador.[173] Depois de avaliar várias opções, a diretoria optou pela contratação de Juan Reynoso.[174][175] Nolberto Solano viria para reforçar o elenco, considerado pela mídia como a grande contratação do futebol peruano.[176][177] Depois de fazer uma grande campanha, disputou a final contra o Alianza Lima, venceu as duas partidas e sagrou-se campeão nacional contra seu clássico rival.

2010-2012[editar | editar código-fonte]

Na Copa Libertadores 2010 fiz parte do grupo 4 com Blooming da Bolívia, Lanús da Argentina e Libertad do Paraguai.[178] Universitario fechou sua participação na fase de grupos com dez pontos que lhe permitiram se classificar para a próxima fase.[178] O São Paulo foi o rival nas oitavas de final, ambos os jogos terminaram em 0 a 0 e a classificação foi decidida nos pênaltis, com o clube brasileiro saindo vitorioso.[179][180] No campeonato local, somou um total de 72 pontos que lhe permitiram a classificação para a Copa Sul-Americana do ano seguinte.

Em 2011 a equipe se salvou do rebaixamento para a segunda divisão ao quase terminar o campeonato.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Títulos principais[editar | editar código-fonte]

Nacionais
Competição Títulos Temporadas
Trofeoperu.svg Campeonato Peruano 26 1929, 1934, 1939, 1941, 1945, 1946, 1949, 1959, 1960, 1964, 1966, 1967, 1969, 1971, 1974, 1982, 1985, 1987, 1990, 1992, 1993, 1998, 1999, 2000, 2009 e 2013
Flag of Peru.svg Copa Peruana[181] 1 1970Cscr-featured.svg
Logo oficial de Universitario.png Total 27
Legenda

Cscr-featured.svg Campeão invicto

Categoria juvenil[editar | editar código-fonte]

CONTINENTAL (Juvenil)
Competição Títulos Temporadas
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Libertadores da América Sub-20 1 2011

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Campanhas de destaque[editar | editar código-fonte]

Club Universitario de Deportes
Torneio Campeão Vice-campeão
Internacionais
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Libertadores da América 0 (não possui) 1 (1972)
Nacionais
Flag of Peru.svg Campeonato Peruano 26 (1929, 1934, 1939, 1941, 1945, 1946, 1949, 1959, 1960, 1964, 1966, 1967, 1969, 1971, 1974, 1982, 1985, 1987, 1990, 1992, 1993, 1998, 1999, 2000, 2009 e 2013) 15 (1928, 1932, 1933, 1940, 1955, 1965, 1970, 1972, 1978, 1984, 1988, 1995, 2002, 2008 e 2020)
Flag of Peru.svg Copa Presidente da República 1 (1970) 0 (não possui)

Participações[editar | editar código-fonte]

Abaixo, segue um resumo do número de participações do clube em competições oficiais

Competições oficiais[editar | editar código-fonte]

Competição Edições Melhor campanha
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Libertadores da América 33 Vice-campeão (1972)
Copa Sul-Americana 8 Quartas de final (2011)
Copa Merconorte 4 Fase de grupos (4 vezes)
Flag of Peru.svg Campeonato Peruano 94 Campeão (26 vezes)
Copa Presidente da República 1 Campeão (1970)

Universitario de Deportes na Copa Libertadores[editar | editar código-fonte]

Universitário de Deportes foi o primeiro clube peruano a disputar a Copa Libertadores da América, em 1961. Sua melhor participação foi quando foi finalista do torneio em 1972.

Sede e estádio[editar | editar código-fonte]

Manda os jogos no Estádio Monumental de Lima, situado no limite dos distritos de Ate Vitarte e do La Molina. O estádio, com capacidade para 80 093 espectadores, é também a sede administrativa do clube e conta com locais de treinos, ginásios e a concentração da equipa principal. O Estadio Lolo Fernández (situado em bairro de Odriozola, Breña) foi o primeiro estádio do clube.

Vista panorâmica do Estádio Monumental.
Vista de fora do estádio

O campo de futebol está localizado na parte central do campo e ao seu redor, vinte e dois prédios de sete andares onde estão localizados todos os serviços do estádio, além de 1122 suítes familiares, 40 suítes corporativas, 30 cabines de rádio, espaços para imprensa escrita, entre outros.[182] A sua inauguração deu-se a 2 de julho de 2000, com a vitória do Universitario por 2 a 0 sobre o Sporting Cristal, em jogo válido pelo Torneio Inaugural daquele ano.[183]

O CT do Universitario é o "Campo Mar-U" (distritos de Lurín), um centro de 520 000 metros quadrados. As negociações para a aquisição do terreno começaram no final da década de 1960.[184] Finalmente, em 1º de outubro de 1970, após quase dois anos de negociação, os dirigentes do clube conseguiram finalizar a compra do terreno.[184] O presidente do clube Miguel Pellny iniciou a construção do prédio central, os campos de futebol e alguns espaços para os sócios do clube. As instalações foram inauguradas em 26 de fevereiro de 1983.

Presidentes[editar | editar código-fonte]

Ao longo de seus 97 anos de história, foram vinte presidentes que tiveram a responsabilidade de conduzir os destinos institucionais do clube. O presidente que permaneceu mais tempo no cargo foi Rafael Quirós, chegando à presidência por dez anos,[185] seguido por Plácido Galindo, Jorge Nicolini e Alfredo González com nove anos cada.[185] Da mesma forma, Quirós é até o momento o presidente com mais mandatos, cinco.[185] Ao longo de seus dez anos no cargo, a equipe creme conquistou seis campeonatos nacionais (1964, 1966, 1967, 1969, 1971, 1985) e o vice-campeonato da Copa Libertadores de 1972. A primeira diretoria foi composta por: José Rubio Rolando (presidente), Andrés Echevarría (secretário), Plácido Galindo (tesoureiro), Eduardo Bermúdez, Roberto Carrillo, Carlos García, Dionisio Solipoma (membros) e os responsáveis ​​pela elaboração dos estatutos foram: Andrés Echevarría, Plácido Galindo e Carlos García.

Escudo[editar | editar código-fonte]

No ato de fundação do clube, foi determinado instituir como escudo uma letra "U" na cor marrom dentro de um círculo da mesma cor com fundo branco.[186] O projeto ficou a cargo do Arequipeño Luis Málaga Arenas, na época delegado da Faculdade de Medicina de San Fernando e um dos gestores mais entusiasmados da formação da Federação Universitária de Futebol.[186] Os primeiros escudos eram grandes e tinham um acabamento muito rústico. Eles eram usados ​​no lado esquerdo do peito e em alguns casos no centro do uniforme. Atualmente, o desenho oficial do escudo usa uma tipografia mais estilizada e o fundo do escudo é creme. Em roupas esportivas é sempre usado do lado esquerdo.

Torcidas organizadas[editar | editar código-fonte]

É o clube com maior número de adeptos do Peru. O Universitario tem duas torcidas organizadas, barra brava, a "Trinchera Norte" e a sua torcida mais antiga, "Y dale U" (Barra Oriente).[187]

Garrita, mascote do clube.[188][189]

Trinchera Norte[editar | editar código-fonte]

A Trincheira Norte foi criada oficialmente em 9 de novembro de 1988.[190] É formado por jovens de diferentes classes sociais, de vários setores da cidade de Lima e do interior do país. Eles estão localizados no setor norte do Estádio Monumental e, em geral, de todos os estádios em que o time joga. Eles são divididos em vários subgrupos, de acordo com a área da cidade a que pertencem.

A Trinchera Norte tem filiais em todo o país e também em várias partes do mundo, que frequentam os estádios quando o Universitario joga uma partida internacional.[191]

A autoria da música "Vamos...", que vem sendo adaptada por torcedores de times e clubes de futebol do Peru, Chile e outros países, é atribuída à Trinchera Norte.[192]

Trinchera Norte.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Atualizado 13 de janeiro de 2023.

Legenda
  • Capitão: Capitão


Goleiros
N.º Jogador
1 Peru José Carvallo
12 Peru Aamet Calderón
21 Peru Diego Romero
34 Peru Alejandro Alcalá
Defensores
N.º Jogador Pos.
2 Peru Marco Saravia Z
5 Argentina Matias Di Benedetto Z
6 Peru José Lujan Z
30 Peru Piero Guzmán Z
26 Peru Hugo Ancajima LD
28 Peru José Zevallos LD
29 Peru Aldo Corzo LD
14 Peru José Bolívar LE
27 Peru Nelson Cabanillas LE
Meio-campistas
N.º Jogador Pos.
20 Peru Alfonso Barco V
23 Peru Jorge Murrugarra V
18 Chile Rodrigo Ureña V
36 Peru Piero Quispe M
10 Argentina Horacio Calcaterra M
73 Peru Jordan Guivin M
16 Argentina Martín Pérez Guedes M
Atacantes
N.º Jogador
7 Peru Alexander Succar
11 Uruguai Luis Urruti
15 Argentina Emanuel Herrera
17 Peru José Rivera
24 Peru Andy Polo Capitão
32 Peru José López
Peru Alex Valera
Comissão técnica
Nome Pos.
Argentina Carlos Compagnucci T

Principais jogadores[editar | editar código-fonte]

O ídolo maior do clube e do futebol peruano[193] foi Teodoro Fernández, ou "Lolo" Férnández, como era chamado pela torcida merengue, por vinte dois anos foi o soberano do Universitario. Lolo Fernandez foi um futebolista de grande personalidade. Ele fez sua estreia profissional com Universitario de Deportes em 1931. Conseguiu levar o Universitario a seis títulos nacionais: 1934, 1939, 1941, 1945, 1946 e 1949, e sendo o maior artilheiro do Campeonato Peruano em sete vezes: 1932, 1933, 1934, 1938, 1940, 1942 e 1945. Várias vezes durante sua carreira ele rejeitou propostas de equipes do Chile, Equador, Argentina, entre outros que queriam o seu contrato de serviços, permanecendo fiel ao Universitario.

Treinadores campeões[editar | editar código-fonte]

O primeiro treinador campeão com o clube foi Andrés Rotta em 1929, até hoje Arturo Fernandez e Marcos Calderon são os treinadores com mais títulos obtidos com quatro para cada um.

Referências

  1. Nieto, Carlos. «ESTADIO MONUMENTAL U - Club Universitario de Deportes». www.daleucampeon.com. Consultado em 17 de abril de 2022. Cópia arquivada em 30 de setembro de 2022 
  2. Hoyos, Cristina (8 de dezembro de 2021). «Rivalidades Históricas. Clásicos de Perú.» [Rivalidades Históricas. Clássicos do Peru] (em inglês). Consultado em 1 de março de 2022 
  3. «Los tres Grandes del Fútbol Peruano» [Os três grandes do futebol peruano]. DePeru.com (em espanhol). Consultado em 17 de abril de 2022 
  4. «¿Cuáles son los equipos peruanos con mayor hinchada?» [Quais são os times peruanos com os maiores torcedores?]. Bolavip Perú (em espanhol). Consultado em 17 de abril de 2022 
  5. «Universitario jugará su Copa Libertadores número 28 | América Noticias» [Universitario jogará sua Copa Libertadores número 28]. web.archive.org. 13 de dezembro de 2013. Consultado em 1 de março de 2022 
  6. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. Consultado em 1 de março de 2022 
  7. «IFFHS». web.archive.org. 22 de setembro de 2009. Consultado em 1 de março de 2022 
  8. «FIFA.com - Club clásico». web.archive.org. 17 de março de 2012. Consultado em 1 de março de 2022 
  9. «Historia del Club Universitario de Deportes». www.daleucampeon.com. Consultado em 1 de março de 2022 
  10. «Universitario de Deportes cumple hoy 96 años de fundación» [Universitario de Deportes comemora hoje 96 anos de fundação]. canaln.pe (em espanhol). Consultado em 17 de abril de 2022 
  11. «Universitario de Deportes cumple 91 años de pasión en medio de crisis» [Universitario de Deportes comemora 91 anos de paixão em meio à crise]. canaln.pe (em espanhol). Consultado em 17 de abril de 2022 
  12. a b «FUTBOLPERUANO.COM: Copa Sudamericana 2002: Equipos: Universitario de Deportes». web.archive.org. 28 de fevereiro de 2009. Consultado em 1 de março de 2022 
  13. «Souza Ferreira: El último testigo» [Souza Ferreira: A última testemunha]. web.archive.org. 29 de julho de 2013. Consultado em 1 de março de 2022 
  14. «FUTBOLPERUANO.COM: Reportajes: 77 aniversario de Universitario de Deportes: Fundación del Club». web.archive.org. 12 de abril de 2009. Consultado em 1 de março de 2022 
  15. «AHUNET.COM.PE Website - Content». web.archive.org. 9 de janeiro de 2009. Consultado em 1 de março de 2022 
  16. «Historia del Club Universitario de Deportes». web.archive.org. 5 de março de 2012. Consultado em 1 de março de 2022 
  17. «Universitario 1928» 
  18. «Campeon 1929 - Club Universitario de Deportes». web.archive.org. 7 de agosto de 2017. Consultado em 28 de março de 2022 
  19. «Campeon 1929 - Club Universitario de Deportes». www.daleucampeon.com. Consultado em 17 de abril de 2022 
  20. «1929: La primera estrella de la historia de Universitario» [1929: A primeira estrela da história do Universitario]. Universitario de Deportes (em espanhol). Consultado em 17 de abril de 2022 
  21. «Universitario de Deportes: La tradicional "Garra Crema" cumple hoy 98 años» [O tradicional "Garra Crema" completa hoje 98 anos]. andina.pe (em espanhol). Consultado em 30 de agosto de 2022 
  22. «Copa Mundial de la FIFA Uruguay 1930™». www.fifa.com (em espanhol). Consultado em 30 de agosto de 2022 
  23. «1930. Uruguay. Historia de la Copa Mundial de Fútbol». actualidad.rt.com (em espanhol). Consultado em 30 de agosto de 2022 
  24. «Mundial de 1930: La historia de la primera Copa del Mundo de Fútbol» 
  25. «Eduardo «El Toro» Astengo, leyenda de la «U»» [Eduardo «El Toro» Astengo, lenda do «U»]. Universitario de Deportes (em espanhol). Consultado em 30 de agosto de 2022 
  26. «LA HISTORIA DE UNIVERSITARIO DE DEPORTES: MI AMIGO: EL TORO ASTENGO». LA HISTORIA DE UNIVERSITARIO DE DEPORTES. 5 de dezembro de 2015. Consultado em 30 de agosto de 2022 
  27. «Carlos Cillóniz, el primer goleador de la «U»» [Carlos Cillóniz, o primeiro artilheiro do «U»]. Universitario de Deportes (em espanhol). Consultado em 30 de agosto de 2022 
  28. «Luis De Souza Ferreira, el primer extremo izquierdo de la «U»». Universitario de Deportes (em espanhol). Consultado em 25 de setembro de 2022 
  29. Giuffra, José. «Luis de Souza Ferreira: Primero, el ingeniero - De Chalaca | Futbol para el que la conoce». dechalaca.com. Consultado em 25 de setembro de 2022 
  30. «LA HISTORIA DE UNIVERSITARIO DE DEPORTES: ALBERTO DENEGRI: TITO, EL GRANDE». LA HISTORIA DE UNIVERSITARIO DE DEPORTES. 30 de janeiro de 2016. Consultado em 25 de setembro de 2022 
  31. «Arturo Fernández, referente y líder de la «U»». universitario.pe. Consultado em 25 de setembro de 2022 
  32. Romero, Kenny. «Arturo Fernández: El heredero mayor - De Chalaca | Futbol para el que la conoce». dechalaca.com. Consultado em 25 de setembro de 2022 
  33. «Recordamos el primer Mundial celebrado en 1930». TVPerú (em espanhol). 17 de abril de 2019. Consultado em 28 de março de 2022 
  34. «PER». web.archive.org. 12 de maio de 2014. Consultado em 28 de março de 2022 
  35. «Lolo Fernández, el ídolo de Universitario de Deportes, celebraría 108 años de vida [fotos históricas]». elperuano.pe (em espanhol). Consultado em 10 de junho de 2022 
  36. Behr, Raúl (2013). «Los primeros disparos del Cañonero». dechalaca.com. Consultado em 17 de abril de 2022 
  37. «Teodoro 'Lolo' Fernández: la primera figura del Perú» [Teodoro 'Lolo' Fernández: a primeira figura do Peru] (em espanhol). Consultado em 17 de abril de 2022 
  38. ««Lolo» Fernández y los inicios de su historia con Universitario: 1931 a 1940» [«Lolo» Fernández e o início de sua história com o Universitario: 1931 a 1940]. Universitario de Deportes (em espanhol). Consultado em 17 de abril de 2022 
  39. «Campeon 1934 - Club Universitario de Deportes». web.archive.org. 7 de agosto de 2017. Consultado em 17 de abril de 2022 
  40. «Documento histórico oficializa al campeón de 1934, título que se disputan Universitario y Alianza Lima». libero.pe (em espanhol). Consultado em 17 de abril de 2022 
  41. «"Campeón 1934": Universitario presentó nueva camiseta inspirada en el primer color de su historia». RPP (em espanhol). 25 de fevereiro de 2022. Consultado em 17 de abril de 2022 
  42. «Universitario de Deportes: el equipo más grande del Perú cumple 97 años» [Universitario de Deportes: o maior time do Peru completa 97 anos]. Universitario de Deportes (em espanhol). Consultado em 17 de abril de 2022 
  43. «Campeonato Peruano 1939 - Results, fixtures, tables and stats - Global Sports Archive». globalsportsarchive.com. Consultado em 17 de junho de 2022 
  44. «Víctor Bielich: Un 'Pichín' que barrió». web.archive.org. 4 de março de 2016. Consultado em 9 de maio de 2022 
  45. «Campeon 1939 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 9 de maio de 2022 
  46. «Torneo Descentralizado de Futbol Profesional - PERUFOOTBALL». perufootball.org. Consultado em 10 de junho de 2022 
  47. «U - Campeon 1941». web.archive.org. 7 de agosto de 2017. Consultado em 9 de maio de 2022 
  48. «Campeon 1941 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 9 de maio de 2022 
  49. «Campeonato Peruano 1941 - Results, fixtures, tables and stats - Global Sports Archive». globalsportsarchive.com. Consultado em 9 de maio de 2022 
  50. «LOLO CAMPEÓN CON LA «U» EN 1946». MUndoCrema.Com (em espanhol). 30 de setembro de 2014. Consultado em 9 de maio de 2022 
  51. «Campeon 1946 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 9 de maio de 2022 
  52. «Universitario 1945-1946: El gustito de las primeras dos veces». dechalaca.com. Consultado em 9 de maio de 2022 
  53. «Aquí debió escribirse un nuevo clásico - De Chalaca | Fútbol para el que la conoce». web.archive.org. 6 de março de 2016. Consultado em 9 de maio de 2022 
  54. «Universitario 1947: Disipando el humo del tabaco - De Chalaca | Fútbol para el que la conoce». web.archive.org. 6 de março de 2016. Consultado em 9 de maio de 2022 
  55. «Descenso del 47 : ¿ Mito o ficción? - Historias del Fútbol Peruano» (em espanhol). 19 de novembro de 2021. Consultado em 9 de maio de 2022 
  56. «Campeon 1949 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 9 de maio de 2022 
  57. «Campeonato Peruano 1949 - Results, fixtures, tables and stats - Global Sports Archive». globalsportsarchive.com. Consultado em 9 de maio de 2022 
  58. «En 1949 Alianza le metió 9-1 y 5-0 a la "U", pero la crema fue campeón… » Crónica Viva». www.cronicaviva.com.pe. Consultado em 9 de maio de 2022 
  59. «Memoria de la Federación Peruana de Fútbol» [Memória da Federação Peruana de Futebol]. web.archive.org. 19 de março de 2015. Consultado em 10 de maio de 2022 
  60. «ESTADIO LOLO FERNANDEZ DE LA ( U ) CUMPLE 53 AÑOS...». web.archive.org. Consultado em 10 de maio de 2022 
  61. «PLÁCIDO GALINDO: "EL DOCTOR CHANCA".» (em espanhol). Consultado em 10 de maio de 2022 
  62. «A 61 años del octavo título nacional de Universitario». Universitario de Deportes (em espanhol). Consultado em 10 de maio de 2022 
  63. «Campeon 1959 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 10 de maio de 2022 
  64. «Cuando la déada dejó de ser perdida - De Chalaca | Futbol para el que la conoce». dechalaca.com. Consultado em 10 de maio de 2022 
  65. «Campeon 1960 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 21 de maio de 2022 
  66. «Campeonato Peruano 1960 - Results, fixtures, tables and stats - Global Sports Archive». globalsportsarchive.com. Consultado em 13 de agosto de 2022 
  67. «Copa Libertadores 1961». www.rsssf.com. Consultado em 21 de maio de 2022 
  68. «FUTBOLPERUANO.COM: Informe: El reto de la Copa Libertadores». web.archive.org. 20 de janeiro de 2009. Consultado em 21 de maio de 2022 
  69. «Campeon 1964 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 21 de maio de 2022 
  70. «Campeonato Peruano 1964 - Results, fixtures, tables and stats - Global Sports Archive». globalsportsarchive.com. Consultado em 21 de maio de 2022 
  71. «El Oso, el Chueco, el campeón - De Chalaca | Futbol para el que la conoce». dechalaca.com. Consultado em 21 de maio de 2022 
  72. «Campeon 1966 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». web.archive.org. 7 de agosto de 2017. Consultado em 21 de maio de 2022 
  73. «1966: Una generación dorada y la undécima estrella de la «U»». Universitario de Deportes (em espanhol). Consultado em 21 de maio de 2022 
  74. «Fotos Fútbol Peruano: Universitario de Deportes Campeón 1966». Fotos Fútbol Peruano. 2 de agosto de 2009. Consultado em 21 de maio de 2022 
  75. «Campeonato Descentralizado 1966 - Results, fixtures, tables and stats - Global Sports Archive». globalsportsarchive.com 
  76. «Fotos Fútbol Peruano: Universitario de Deportes: Campeón 1967». Fotos Fútbol Peruano. 23 de janeiro de 2011. Consultado em 23 de maio de 2022 
  77. «A 53 años del bicampeonato de una «generación dorada»». Universitario de Deportes (em espanhol). Consultado em 23 de maio de 2022 
  78. «Campeon 1967 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 23 de maio de 2022 
  79. «El resumen histórico de Universitario en la CONMEBOL Libertadores». espn.com.pe (em espanhol). 21 de fevereiro de 2022. Consultado em 23 de maio de 2022 
  80. «Racing Club 1-2 Universitario :: Copa Libertadores 1967 :: Ficha del Partido :: ceroacero.es». www.ceroacero.es (em espanhol). Consultado em 23 de maio de 2022 
  81. «U- LIBERTADORES 67». www.daleucampeon.com. Consultado em 23 de maio de 2022 
  82. «Universitario de Deportes: así le fue ante clubes de Bolivia por Copa Libertadores | FUTBOL-PERUANO». Depor (em espanhol). 20 de dezembro de 2017. Consultado em 23 de maio de 2022 
  83. «Blog Cremas por Siempre... ¡ Y dale "U" !: UNIVERSITARIO DE DEPORTES: 86 AÑOS DE TRIUNFOS Y... PROBLEMAS». Blog Cremas por Siempre... ¡ Y dale "U" !. 7 de agosto de 2010. Consultado em 23 de maio de 2022 
  84. «Universitario: ¿Cómo le fue a la "U" ante equipos bolivianos en Lima?». Futbolperuano.com (em espanhol). 23 de janeiro de 2018. Consultado em 23 de maio de 2022 
  85. «Campeon 1969 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 23 de maio de 2022 
  86. «1969: Un título memorable de la mano de Roberto Scarone». Universitario de Deportes (em espanhol). Consultado em 23 de maio de 2022 
  87. «Universitario de Deportes - Plantilla 1968/1969». livefutbol.com (em espanhol). Consultado em 23 de maio de 2022 
  88. «Universitario de Deportes: los 95 jugadores que marcaron la historia del club crema (PARTE 2)». RPP (em espanhol). 7 de agosto de 2019. Consultado em 23 de maio de 2022 
  89. «FUTBOLPERUANO.COM: Reportajes: 77 aniversario de Universitario de Deportes: La garra crema en el fútbol internacional». web.archive.org. 1 de novembro de 2007. Consultado em 26 de maio de 2022 
  90. «Universitario celebra hoy 50 años del subcampeonato de la Copa Libertadores». andina.pe (em espanhol). Consultado em 26 de maio de 2022 
  91. «Universitario de Deportes y 50 años de una épica: polémicas, anécdotas y curiosidades del subtítulo de la Copa Libertadores 1972». Depor (em espanhol). 24 de maio de 2022. Consultado em 26 de maio de 2022 
  92. «Copa Libertadores 1972». www.rsssf.com. Consultado em 26 de maio de 2022 
  93. «Universitario 2 – Alianza Lima 1». Historial Blanquiazul (em espanhol). 25 de fevereiro de 1972. Consultado em 26 de maio de 2022 
  94. «Alianza Lima 2 – Universitario 2». Historial Blanquiazul (em espanhol). 14 de março de 1972. Consultado em 26 de maio de 2022 
  95. «Universitario de Deportes vs Univ de Chile - Copa Libertadores 1972: toda la info, alineaciones y eventos». es.besoccer.com (em espanhol). Consultado em 26 de maio de 2022 
  96. «Universitario de Deportes - Universidad de Chile 2:1 (Copa Libertadores 1972, Grupo 4)». livefutbol.com (em espanhol). Consultado em 26 de maio de 2022 
  97. «Roberto Scarone». Los Aliados Cono Svr (em espanhol). 1 de setembro de 2021. Consultado em 9 de junho de 2022 
  98. «Universitario 3-0 Nacional :: Copa Libertadores 1972 :: Ficha del Partido :: ceroacero.es». www.ceroacero.es (em espanhol). Consultado em 9 de junho de 2022 
  99. «GOLPERU - Copa Libertadores: Universitario y el triunfo sobre Nacional rumbo a la final de 1972 (VIDEO)». GOLPERU (em espanhol). Consultado em 9 de junho de 2022 
  100. «Universitario de Deportes vs Nacional - Copa Libertadores 1972: toda la info, alineaciones y eventos». es.besoccer.com (em espanhol). Consultado em 9 de junho de 2022 
  101. «Peñarol vs Universitario de Deportes - Copa Libertadores 1972: toda la info, alineaciones y eventos». es.besoccer.com (em espanhol). Consultado em 9 de junho de 2022 
  102. «Peñarol - Universitario de Deportes 1:1 (Copa Libertadores 1972, Group A)». worldfootball.net (em inglês). Consultado em 9 de junho de 2022 
  103. «Peñarol - Nacional 0:3 (Copa Libertadores 1972, Grupo A)». livefutbol.com (em espanhol). Consultado em 9 de junho de 2022 
  104. «Peñarol vs Nacional - Copa Libertadores 1972: toda la info, alineaciones y eventos». es.besoccer.com (em espanhol). Consultado em 9 de junho de 2022 
  105. «Estadísticas Universitario de Deportes vs Independiente - Copa Libertadores 1972». es.besoccer.com (em espanhol). Consultado em 21 de junho de 2022 
  106. «Universitario 0-0 Independiente :: Copa Libertadores 1972 :: Ficha del Partido :: ceroacero.es». www.ceroacero.es (em espanhol). Consultado em 21 de junho de 2022 
  107. «Independiente 2-1 Universitario Copa Libertadores 1972». www.ceroacero.es. Consultado em 21 de junho de 2022 
  108. «Universitario de Deportes: a 50 años del subcampeonato en la Copa Libertadores». Depor (em espanhol). 24 de maio de 2022. Consultado em 21 de junho de 2022 
  109. «Club Universitario de Deportes: 50 años del subcampeonato en la Copa Libertadores». Trome (em espanhol). 24 de maio de 2022. Consultado em 21 de junho de 2022 
  110. Nieto, Carlos. «SUB-CAMPEON DE AMERICA - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 21 de junho de 2022 
  111. «Universitario y la final de la Copa Libertadores 72: las postales que nunca viste de la histórica campaña en la Libertadores». El Comercio Perú (em espanhol). 25 de maio de 2022. Consultado em 21 de junho de 2022 
  112. «Universitario de Deportes fue subcampeón de la Copa Libertadores un día como hoy». El Bocón (em espanhol). 24 de maio de 2015. Consultado em 21 de junho de 2022 
  113. «1974: La estrella 15 y un récord que se mantiene vigente». Universitario de Deportes (em espanhol). Consultado em 23 de junho de 2022 
  114. «Campeon 1974 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 23 de junho de 2022 
  115. C, Carlos (17 de março de 2015). «Fotos Fútbol Peruano: Universitario de Deportes 1974». Fotos Fútbol Peruano. Consultado em 23 de junho de 2022 
  116. «Universitario 1974: Las estrellas del 74 - De Chalaca | Futbol para el que la conoce». dechalaca.com. Consultado em 23 de junho de 2022 
  117. «Campeon 1982 - Club Universitario de Deportes». www.daleucampeon.com. Consultado em 28 de junho de 2022 
  118. «Campeon 1985 - Club Universitario de Deportes». www.daleucampeon.com. Consultado em 28 de junho de 2022 
  119. «Campeon 1987 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 28 de junho de 2022 
  120. «Campeon 1990 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 28 de junho de 2022 
  121. «Campeon 1992 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 28 de junho de 2022 
  122. «Campeon 1993 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 8 de agosto de 2022 
  123. «FUTBOLPERUANO.COM: La Columna de Chávez-Riva: Homenaje a los Tricampeones». web.archive.org. 3 de abril de 2008. Consultado em 8 de agosto de 2022 
  124. «Peru 1998». www.rsssf.org. Consultado em 8 de agosto de 2022 
  125. «Campeon 1998 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 8 de agosto de 2022 
  126. «Universitario, campeón del Torneo Apertura de 1999». Universitario de Deportes (em espanhol). Consultado em 22 de agosto de 2022 
  127. «Alianza Lima se proclamó campeón del Torneo Clausura 1999». ALianza Lima y sv Joda Grone (em espanhol). 12 de dezembro de 2016. Consultado em 22 de agosto de 2022 
  128. «Universitario 3 – Alianza Lima 0». Historial Blanquiazul (em espanhol). 15 de dezembro de 1999. Consultado em 22 de agosto de 2022 
  129. «Alianza Lima 1 – Universitario 0». Historial Blanquiazul (em espanhol). 20 de dezembro de 1999. Consultado em 22 de agosto de 2022 
  130. «Campeon 1999 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 22 de agosto de 2022 
  131. «1999: un bicampeonato inolvidable». Universitario de Deportes (em espanhol). Consultado em 22 de agosto de 2022 
  132. «Universitario: se cumplen 20 años del bicampeonato en Matute». El Comercio Perú (em espanhol). 20 de dezembro de 2019. Consultado em 22 de agosto de 2022 
  133. «Copa "El Gráfico Perú"». www.rsssf.org. Consultado em 17 de setembro de 2022 
  134. «El último gol de Christian Vieri - FIFA.com». web.archive.org. 11 de janeiro de 2016. Consultado em 17 de setembro de 2022 
  135. «latercera.com Conozca el lujoso estadio donde Chile jugará por primera vez ante Perú». web.archive.org. 5 de março de 2016. Consultado em 17 de setembro de 2022 
  136. «Peru 2000». www.rsssf.org. Consultado em 17 de setembro de 2022 
  137. «FUTBOLPERUANO.COM: Universitario goleó y es tricampeón del fútbol peruano». web.archive.org. 26 de abril de 2009. Consultado em 17 de setembro de 2022 
  138. «Esidio, tricampeón y máximo goleador del fútbol peruano». web.archive.org. 23 de novembro de 2008. Consultado em 20 de setembro de 2022 
  139. BOCÓN, NOTICIAS EL (23 de setembro de 2018). «Eduardo Esidio reveló que quiere conocer a Emanuel Herrera para felicitarlo si logra romper su récord de 37 goles | FUTBOL-PERUANO». El Bocón (em espanhol). Consultado em 20 de setembro de 2022 
  140. «Herrera llegó a los 37 goles e igualó a Esidio». Ovación Corporación Deportiva (em espanhol). Consultado em 20 de setembro de 2022 
  141. «IFFHS (Fußball Historie & Statistiken)» (em alemão). 10 de abril de 2020. Consultado em 20 de setembro de 2022 
  142. «El crema diferente - Universitario». web.archive.org. 11 de junho de 2008. Consultado em 20 de setembro de 2022 
  143. «FUTBOLPERUANO.COM: El título del Apertura es crema». web.archive.org. 30 de janeiro de 2011. Consultado em 7 de outubro de 2022 
  144. Combe, Eduardo (7 de julho de 2017). «Universitario de Deportes: ¿recuerdas al plantel campeón del Apertura 2002? [FOTOS] | FUTBOL-PERUANO». Depor (em espanhol). Consultado em 7 de outubro de 2022 
  145. «FUTBOLPERUANO.COM: Reportaje: Panorama del fútbol peruano». web.archive.org. 15 de junho de 2009. Consultado em 7 de outubro de 2022 
  146. «Universitario 2002: Título angelical». dechalaca.com. Consultado em 7 de outubro de 2022 
  147. «Ángel Cappa: el entrenador que le dio a Universitario el título del Apertura 2002». Capital (em espanhol). Consultado em 7 de outubro de 2022 
  148. «The World's Club Team of the Month». web.archive.org. 22 de outubro de 2013. Consultado em 7 de outubro de 2022 
  149. «En defensa de papá | DEPORTES». Correo (em espanhol). 16 de novembro de 2009. Consultado em 7 de outubro de 2022 
  150. «Universitario: informe de TV revela cómo creció la millonaria deuda del club». larepublica.pe (em espanhol). 1 de junho de 2020. Consultado em 7 de outubro de 2022 
  151. Líbero. «Con Alfredo Gonzáles a la cabeza, las dirigencias causantes de la deuda de la 'U' [VIDEO]». libero.pe (em espanhol). Consultado em 7 de outubro de 2022 
  152. «El ron: el rubio orgullo nacional de más de 85 años | ECONOMIA». El Comercio Perú (em espanhol). 4 de junho de 2014. Consultado em 7 de outubro de 2022 
  153. «Campaña en la Copa Sudamericana 2002 - Club Universitario de Deportes - DALEUCAMPEON». www.daleucampeon.com. Consultado em 7 de outubro de 2022 
  154. «Alianza Lima 1-0 Universitario :: Copa Sudamericana 2002 :: Ficha del Partido :: ceroacero.es». www.ceroacero.es (em espanhol). Consultado em 7 de outubro de 2022 
  155. «Alianza Lima - Universitario 2002: La nueva mitad - De Chalaca | Futbol para el que la conoce». dechalaca.com. Consultado em 7 de outubro de 2022 
  156. «Copa Libertadores 2003». www.rsssf.org. Consultado em 10 de outubro de 2022 
  157. «Peru 2003». www.rsssf.org. Consultado em 10 de outubro de 2022 
  158. «Peru 2004». www.rsssf.org. Consultado em 10 de outubro de 2022 
  159. «Carranza llorando anuncia su salida de Universitario». web.archive.org. 29 de novembro de 2014. Consultado em 10 de outubro de 2022 
  160. «Y un día el Puma regresó a la 'U'». web.archive.org. 18 de dezembro de 2009. Consultado em 10 de outubro de 2022 
  161. «'Puma' feliz con su vuelta al fútbol». web.archive.org. 24 de dezembro de 2013. Consultado em 10 de outubro de 2022 
  162. «José Luis «Puma» Carranza, referente y capitán histórico de Universitario». Universitario de Deportes (em espanhol). Consultado em 11 de outubro de 2022 
  163. «Copa Sudamericana 2005». www.rsssf.org. Consultado em 11 de outubro de 2022 
  164. «Copa Verano - Cerveza Cusqueña 2005 (Lima)». www.rsssf.org. Consultado em 11 de outubro de 2022 
  165. «Copa Libertadores 2006». www.ceroacero.es (em espanhol). Consultado em 7 de dezembro de 2022 
  166. Nieto, Carlos. «Torneo Descentralizado de Futbol Profesional 2006». perufootball.org. Consultado em 7 de dezembro de 2022 
  167. «Torneo Descentralizado de Futbol Profesional - PERUFOOTBALL». perufootball.org. Consultado em 7 de dezembro de 2022 
  168. «Universitario estrenó su equipo 2008 con empate 2 a 2 con campeón de Uruguay». andina.pe (em espanhol). Consultado em 7 de dezembro de 2022 
  169. «Universitario y la última vez que enfrentó al Defensor Sporting». americadeportes (em espanhol). Consultado em 7 de dezembro de 2022 
  170. «Universitario de Deportes se coronó campeón del torneo Apertura 2008». andina.pe (em espanhol). Consultado em 7 de dezembro de 2022 
  171. Castro, Roberto. «Universitario: Cuento con final infeliz». dechalaca.com. Consultado em 7 de dezembro de 2022 
  172. «Gareca viajó a Argentina por el fallecimiento de su padre». web.archive.org. 12 de novembro de 2013. Consultado em 7 de dezembro de 2022 
  173. «RICARDO GARECA LE DIJO ADIÓS A UNIVERSITARIO». web.archive.org. 1 de janeiro de 2009. Consultado em 7 de dezembro de 2022 
  174. «Juan Reynoso, nuevo técnico de la selección peruana: el recuerdo de cuando fue sucesor de Ricardo Gareca en Universitario». El Comercio Perú (em espanhol). 2 de agosto de 2022. Consultado em 7 de dezembro de 2022 
  175. «¿Cómo jugaba Universitario con Juan Reynoso como técnico?». Depor (em espanhol). 28 de fevereiro de 2014. Consultado em 7 de dezembro de 2022 
  176. «El jale del año: Solano a la U». web.archive.org. 25 de dezembro de 2013. Consultado em 7 de dezembro de 2022 
  177. «Medios escritos dedican portadas al fichaje del año: Solano a Universitario». web.archive.org. 25 de dezembro de 2013. Consultado em 7 de dezembro de 2022 
  178. a b «Copa Libertadores 2010 - Grupo 4». worldfootball.net. Consultado em 15 de dezembro de 2022 
  179. «Universitario de Deportes - São Paulo FC 0:0 (Copa Libertadores 2010, Oitavos-de-final)». worldfootball.net. Consultado em 15 de dezembro de 2022 
  180. «São Paulo FC - Universitario de Deportes 3:1 (Copa Libertadores 2010, Oitavos-de-final)». worldfootball.net. Consultado em 15 de dezembro de 2022 
  181. «Mundialito sin porvenir - De Chalaca | Futbol para el que la conoce». dechalaca.com. Consultado em 19 de maio de 2022 
  182. «FUTBOLPERUANO.COM: ESTADIO MONUMENTAL DE UNIVERSITARIO DE DEPORTES: Descripción General». web.archive.org. 5 de abril de 2009. Consultado em 2 de março de 2022 
  183. «Monumental vestido rojo y blanco - De Chalaca | Fútbol para el que la conoce». web.archive.org. 17 de setembro de 2016. Consultado em 2 de março de 2022 
  184. a b Cruz, Jorge (12 de novembro de 2013). «La historia de Campo Mar, el otro fortín de Universitario | Depor.pe». web.archive.org. Consultado em 21 de outubro de 2022 
  185. a b c «Universitario de Deportes». www.rsssf.com. Consultado em 1 de março de 2022 
  186. a b «EL ACTA DE FUNDACIÓN DE LA U» (em espanhol). Consultado em 1 de março de 2022 
  187. «Historia - Trinchera Norte - Universitario de Deportes». barrabrava.net. Consultado em 1 de março de 2022 
  188. GrupoRPP. «Como Gallo Negro, Garrita y La Muela: las mascotas de los equipos del fútbol peruano». rpp.pe (em espanhol). Consultado em 31 de julho de 2022 
  189. «Garrita: muñeco oficial de la U se recursea celebrando bodas». Ojo (em espanhol). 7 de abril de 2022. Consultado em 31 de julho de 2022 
  190. «Universitario presentó camiseta tributo a la Trinchera Norte». Correo (em espanhol). 8 de novembro de 2013. Consultado em 28 de outubro de 2022 
  191. «Hasta en Japón hay hinchas de Universitario» 
  192. Vergara, Claudio (2 de dezembro de 2017). «La historia tras el grito "Vamos chilenos"». La Tercera. Consultado em 30 de novembro de 2022 
  193. «La Selección: Historia: Teodoro "Lolo" Fernández» (em espanhol). peru.com/futbol. 4 de julho de 2008 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]