Cneu Bébio Tânfilo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cneu Bébio Tânfilo
Cônsul da República Romana
Consulado 182 a.C.

Cneu Bébio Tânfilo (em latim: Gnaeus Baebius Tamphilus) foi um político da gente Bébia da República Romana eleito cônsul em 182 a.C. com Lúcio Emílio Paulo Macedônico. Era irmão de Marco Bébio Tânfilo, o cônsul do ano seguinte.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Em 204 a.C., Tânfilo foi tribuno da plebe e acusou os censores Marco Lívio Salinador e Caio Cláudio Nero de malversação de fundos durante seus mandatos. Mas o Senado, ainda que profundamente descontente com a conduta dos censores, forçou-o a retirar a acusação, pois preferia manter o princípio da não responsabilização dos censores a infligir-lhes a punição que mereciam.[1][2]

Em 199 a.C., foi nomeado pretor e recebeu o comando das legiões de Caio Aurélio Cota, cônsul do ano anterior, até a chegada do novo cônsul Lúcio Cornélio Lêntulo. Mas Tânfilo, ansioso para obter uma vitória que lhe trouxesse glória, realizou uma incursão no território dos ínsubres e foi derrotado com graves perdas para os romanos. Quando Lêntulo chegou, Tânfilo foi enviado de volta a Roma em desgraça.[3][4]

Em 186 a.C., foi nomeado triúnviro coloniis deducendis com o objetivo de fundar duas novas colônias.[5]

Consulado (182 a.C.)[editar | editar código-fonte]

Foi finalmente eleito cônsul em 182 a.C. com Lúcio Emílio Paulo Macedônico e ambos receberam a Ligúria como província consular. Assim como o colega, Tânfilo combateu vitoriosamente os lígures e permaneceu na função no ano seguinte como procônsul.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Cônsul da República Romana
SPQR.svg
Precedido por:
'Marco Cláudio Marcelo

com Quinto Fábio Labeão

Lúcio Emílio Paulo Macedônico
182 a.C.

com Cneu Bébio Tânfilo

Sucedido por:
'Públio Cornélio Cetego

com Marco Bébio Tânfilo


Referências

  1. Lívio, Ab Urbe Condita XXIX 37.
  2. Valério Máximo VII 2. § 6.
  3. Lívio, Ab Urbe Condita XXXI 49, 50.
  4. Lívio, Ab Urbe Condita XXXII 1, 7.
  5. Lívio, Ab Urbe Condita XXXIX 23, 56.
  6. Lívio, Ab Urbe Condita XL 1,16, 25.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Fontes primárias[editar | editar código-fonte]

Fontes secundárias[editar | editar código-fonte]