Cneu Cornélio Lêntulo (cônsul em 146 a.C.)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Cneu Cornélio Lêntulo.
Cneu Cornélio Lêntulo
Cônsul da República Romana
Consulado 146 a.C.

Cneu Cornélio Lêntulo (em latim: Cneus Cornelius Lentulus) foi um político da família dos Lêntulos da gente Cornélia da República Romana eleito cônsul em 146 a.C. com Lúcio Múmio Acaico[1] . Foi pai de Cneu Cornélio Lêntulo (cônsul em 97 a.C.), cônsul em 97 a.C. e irmão de Lúcio Cornélio Lêntulo Lupo, cônsul em 156 a.C. e censor em 147 a.C..

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Em 161 a.C., Lêntulo foi enviado como embaixador, acompanhado de Públio Apústio, até Cirene com o objetivo de informar Ptolemeu VII da decisão de Roma de encerrar sua aliança com Ptolemeu VI[2] [3] . Em 149 a.C., foi eleito pretor.

Consulado (146 a.C.)[editar | editar código-fonte]

Foi eleito cônsul em 146 a.C. com Lúcio Múmio Acaico, mas permaneceu em Roma enquanto Múmio recebeu o comando da Guerra Acaia, que lhe daria imensa fama[4] . Cartago foi destruída no ano em que Lêntulo e Múmio foram cônsules, seiscentos e setenta e dois anos após a sua fundação[5] . Neste mesmo ano, Múmio destruiu Corinto, novecentos e cinquenta e dois anos após sua fundação por Aletes, filho de Hipos[6] . Os dois conquistadores, Cipião Emiliano e Múmio, foram honrados com títulos que faziam referência aos povos conquistados, respectivamente, "Africano" (confirmando o título que já havia recebido por herança do pai) e "Acaico". Múmio foi o primeiro homem novo a receber um cognome por glória militar[6] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Cônsul da República Romana
SPQR.svg
Precedido por:
Públio Cornélio Cipião Emiliano
com Caio Lívio Druso



Cneu Cornélio Lêntulo
146 a.C.
com Lúcio Múmio Acaico




Sucedido por:
Quinto Fábio Máximo Emiliano
com Lúcio Hostílio Mancino




Referências

  1. T.R.S. Broughton, vol. 1, p. 444, 458, 465; vol. 2 (1952), p. 552; vol. 3 (1986), p. 66.
  2. Políbio, Histórias 31.20.4.
  3. Diodoro Sículo 31.23.
  4. Cícero, Epistulae ad Atticum XIII, 33.
  5. Veleio Patérculo, Compêndio da História romana I 12. § 5
  6. a b Veleio Patérculo, Compêndio da História romana, i. 13. § 2

Bibliografia[editar | editar código-fonte]