Cneu Fúlvio Centúmalo Máximo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cneu Fúlvio Centúmalo Máximo
Cônsul da República Romana
Consulado 211 a.C.
Morte 210 a.C.
  Segunda Batalha de Herdônia

Cneu Fúlvio Centúmalo Máximo (m. 210 a.C.; em latim: Cneus Fulvius Centumalus Maximus) foi um político da gente Fúlvia da República Romana eleito cônsul em 211 a.C. com Públio Sulpício Galba Máximo. Era filho de Cneu Fúlvio Centúmalo, cônsul em 229 a.C..

Segunda Guerra Púnica[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Segunda Guerra Púnica

Provavelmente foi edil curul em 215 a.C.[1] e foi eleito pretor ainda na função no início de 213 a.C.[1] Como edil, organizou, com seu colega Públio Semprônio Tuditano, os ludi scenici, que, pela primeira vez, duraram quatro dias.[2] Recebeu o comando da frota estacionada em Suessula e duas legiões.[3] Seu exército foi reforçado pelos cavaleiros de Cápua que resolveram desertar Aníbal e se juntar ao exército romano.[4]

Consulado (211 a.C.)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Marcha de Aníbal a Roma

Foi eleito cônsul em 211 a.C. com Públio Sulpício Galba Máximo.[5] Os dois, logo que assumiram o cargo nos idos de março, convocaram o Senado no Capitólio para consultá-lo sobre a situação política, a condução da guerra e sobre os problemas nas províncias e no exército.[6] Receberam ordens de recrutar reforços utilizando quaisquer meios que considerassem necessários.[7] Perto do final do ano, Fúlvio foi convocado a Roma para reunir a Assembleia das centúrias para eleger os novos cônsules para o ano seguinte enquanto Sulpício foi enviado para assumir o comando da Grécia.[8] A centúria Vetúria, de membros mais novos, votou primeiro pela eleição de Tito Mânlio Torquato e Tito Otacílio Crasso, que estava ausente; Torquato, porém, rejeitou enfaticamente a nomeação alegando motivos de saúde.[9] Na rodada seguinte, foram eleitos Marco Cláudio Marcelo e Marco Valério Levino.[10]

Anos finais[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Batalha de Herdônia (210 a.C.)

No ano seguinte, o comando de Fúlvio foi prorrogado com poderes proconsulares[11] na Apúlia, onde permaneceu à frente de duas legiões e duas alas de aliados.[11] Porém, suas forças acabaram sendo emboscadas por Aníbal na Segunda Batalha de Herdônia e Fúlvio, juntamente com dez tribunos e 17 000 soldados, acabou morto em combate.[12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Cônsul da República Romana
SPQR.svg
Precedido por:
'Ápio Cláudio Pulcro

com Quinto Fúlvio Flaco III

Públio Sulpício Galba Máximo
211 a.C.

com Cneu Fúlvio Centúmalo Máximo

Sucedido por:
'Marco Cláudio Marcelo IV

com Marco Valério Levino II


Referências

  1. a b Lívio, Ab Urbe Condita XXIV, 43.6.
  2. Lívio, Ab Urbe Condita XXIV, 43.7.
  3. Lívio, Ab Urbe Condita XXIV, 44.3.
  4. Broughton, p. 263.
  5. Lívio, Ab Urbe Condita XXV, 41.11.
  6. Lívio, Ab Urbe Condita XXVI, 1.1.
  7. Lívio, Ab Urbe Condita XXVI, 1.11.
  8. Broughton, p. 272.
  9. Lívio, Ab Urbe Condita XXVI, 22.2-9.
  10. Lívio, Ab Urbe Condita XXVI, 22.10-15.
  11. a b Lívio, Ab Urbe Condita XXVI, 28.9.
  12. Lívio, Ab Urbe Condita XXVII, 1.3-14.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Fontes primárias[editar | editar código-fonte]

Fontes secundárias[editar | editar código-fonte]