Cockney Rejects

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cockney Rejects
Jeff Geggus at Cockney Rejects concert at Antifest in Czech Republic SSA47294.jpg
"Stinky" Turner, show do Cockney Rejects na Antifest, República Tcheca, 2007.
Informação geral
Origem East End de Londres, Inglaterra
País  Reino Unido
Gênero(s) Punk rock
Streetpunk/Oi!
Período em atividade 1979 - 1985
1990
1997 - atualmente
Gravadora(s) Small Wonder
EMI/Zonophone
AKA1
Heavy Metal Records
Wonderful World Records
Neat Records
Dojo Records
Rhythm Vicar
Captain Oi Records
G&R Records
Integrantes "Stinky" Turner (vocais)
Micky Geggus (guitarra)
Tony Van Frater (baixo)
Andrew Lang (bateria)
Página oficial http://cockneyrejectsuk.co.uk/

Cockney Rejects é uma banda de e streetpunk/Oi! formada em 1979, no East End, um subúrbio da classe trabalhadora de Londres, Inglaterra.

História[editar | editar código-fonte]

Formado por Micky Geggus e Jeff "Stinky" Turner com Vince Riordan e Andy Scott completando a formação, gravam o primeiro EP Flares & Slippers pela gravadora independente Small Wonder. O sucesso do EP e a rápida popularidade, levaram a gravadora EMI a se interessar pela banda e rapidamente assinar contrato. O primeiro single, "I'm Not a Fool" de dezembro de 1979, chegou a número 65 nas paradas inglesas.

Em 1980, foi lançado "Bad Man" também atingindo o número 65. A banda atingiu o top 30 com o terceiro single, "The Greatest Cockney Rip Off", uma paródia da música "Hersham Boys" do Sham 69, que chegou a número 21 e passou 7 semanas nas paradas inglesas, levando à sua primeira aparição no Top of the Pops.

O próximo single foi uma gravação do hino do West Ham (time de futebol do qual são torcedores), "I'm Forever Blowing Bubbles", e atingiu o número 35 e, os singles seguintes, "We Can Do Anything" e "We're the Firm", também estiveram nas paradas inglesas. Todas estas canções foram gravadas no seu primeiro álbum, Greatest Hits Vol. 1. No seu segundo álbum Greatest Hits Vol. 2, houve uma mudança na formação, com Nigel Woolf substituindo Andrew Scott, mas esse álbum os firmou como a principal banda de streetpunk inglesa, com um grande público entre skins e punks de toda Grã-Bretanha e ao longo da Europa. Sempre atraindo um grande público do East End, mesmo na estrada, a presença deles nesta fase explosiva da banda, algumas vezes gerou algumas confusões no meio da multidão, mas os Rejects estavam na sua melhor fase ao vivo e, rodaram pelo mundo tocando em shows e em festivais. Sua canção "Oi!Oi!Oi!", do segundo álbum, levou a cena streetpunk a ser referida como música oi!. Essa foi uma das influências da bandas na cena, entre outras, além da inclusão do tema futebol na música streetpunk.

Houve outra mudança de baterista no terceiro álbum, Greatest Hits Vol. 3, entrando Keith "Sticks" Warrington. Este álbum foi gravado ao vivo em estúdio, diante de um público especialmente convidado. No seu quarto álbum The Power and the Glory, houve uma mudança para uma sonoridade mais rock, e apesar de ter sido provavelmente melhor fase musicalmente e liricamente, nem todos os adeptos da sua fase anterior apreciaram. Eles continuaram no território do rock com o álbum Wild Ones, produzido pelo UFO Pete Way. A banda também lançou Quiet Storm e Unheard Rejects antes da dissolução em 1985, havendo um breve retorno em 1990, gravando o álbum Lethal.

Anos mais tarde, entediado e ansioso para voltar à ação, Jeff "Stinky" Turner e Micky Geggus reformulam a banda, com Tony Van Frater e Lees Cobb para a gravação de Greatest Hits Vol. 4 e Out of the Gutter, tocando ao vivo em todo o mundo.

Os Rejects sempre permaneceram fiéis aos fãs e as raízes do East End e, em 2004, fizeram um show próximo do local de origem, no West Ham Working Men's Club.

A banda assinou com a sua atual gravadora, a G&R London, e lançou em 2007 o álbum Unforgiven com um novo baterista Andrew Lang. Também em 2007, foi lançado o primeiro DVD, Cockney Rejects East End to the West End.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns[editar | editar código-fonte]

  • Greatest Hits Volume 1 (1980, EMI)
  • Greatest Hits Volume 2 (1980, EMI/Zonophone)
  • Greatest Hits Volume 3 (Live & Loud) (1981, EMI/Zonophone)
  • The Power and the Glory (1981, EMI/Zonophone)
  • The Wild Ones (1982, AKA1)
  • Quiet Storm (1984, Heavy Metal Records)
  • Unheard Rejects (1985, Wonderful World Records)
  • Lethal (1990, Neat Records)
  • The Punk Singles Collection (1997, Dojo)
  • Greatest Hits Volume 4 (1997, Rhythm Vicar)
  • Out of the Gutter (2003, Captain Oi Records)
  • Unforgiven (2007, G&R Records)

EP's[editar | editar código-fonte]

  • "Flares & Slippers" (7" EP, 1979, Small Wonder)
  • "I'm Not a Fool" (7" EP, 1979, EMI)
  • "Bad Man" (7" EP, 1980, EMI)
  • "The Greatest Cockney Rip Off" (7" EP, 1980, EMI/Zonophone) [Edição limitada em vinil amarelo.]
  • "I'm Forever Blowing Bubbles" (7" EP, 1980, EMI/Zonophone)
  • "We Can Do Anything" (7" EP, 1980, EMI/Zonophone)
  • "We're the Firm" (7" EP, 1980, EMI/Zonophone)
  • "Oi!Oi!Oi!" (7" EP, 1980, EMI/Zonophone)
  • "Easy Life" (7" EP, 1981, EMI/Zonophone) [EP ao vivo.]
  • "On the Streets Again" (7" EP, 1981, EMI/Zonophone)
  • "Till the End of the Day" (7" EP, 1982, AKA)
  • "Back to the Start" (7" EP, 1984, Heavy Metal Records)

Coletâneas[editar | editar código-fonte]

  • Back on the Street (2000, Victory Records)

Compilações[editar | editar código-fonte]

  • Oi! - The Album (1980)
  • "Total Noise" (7" EP, 1983)
  • Lords Of Oi! (1997, Dressed to Kill)
  • Addicted to Oi! (2001)

Vídeografia[editar | editar código-fonte]

DVD[editar | editar código-fonte]

  • Cockney Rejects East End to the West End (2007, G&R Records)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Flag of the United Kingdom.svgGuitarra masc.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical do Reino Unido é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cockney Rejects