Colégio Anchieta (Porto Alegre)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros colégios com o mesmo nome, veja Colégio Anchieta (desambiguação).


Colégio Anchieta
Dados e estatísticas da escola
Localização Porto Alegre, RS
Endereço Av. Nilo Peçanha, 1.521
Data de abertura 1890
Tipo particular
Diretor(a) Pe. João Claudio Rhoden S. J.
Número de alunos 3.000 (aproximadamente)
Website www.colegioanchieta.g12.br

O Colégio Anchieta é uma escola particular localizada na cidade de Porto Alegre, capital do estado brasileiro do Rio Grande do Sul. Em 13 de janeiro de 2012, o colégio completou 122 anos de fundação.

A instituição é uma das vinte e duas obras da Companhia de Jesus que estão situadas na região Sul do Brasil.

O colégio conta com mais de três mil alunos e com aproximadamente trezentas pessoas responsáveis pelo seu funcionamento, entre professores e outros colaboradores.

Recentemente, o Anchieta foi vencedor de prêmios de reconhecimento de sua marca, tais como o Marcas de Quem Decide, do Jornal do Comércio, e o Top of Mind, da revista Amanhã.[1]

História[editar | editar código-fonte]

José de Anchieta.

O “Colégio dos Padres”, como era conhecido inicialmente, nasceu em 13 de janeiro de 1890. O padre Francisco Trappe obteve de Roma a autorização para comprar a casa da família Fialho, situada à Rua da Igreja (atual Duque de Caxias). Com a licença conseguida e o negócio realizado, tornou-se necessário reformar o prédio e adaptá-lo ao funcionamento de uma escola. O Pe. Trappe, que seria o primeiro diretor da instituição, contou com a colaboração do Pe. Brikman e do irmão Guilherme Boehlers.

O Anchieta entrou em atividade pouco depois da Proclamação da República. No Rio Grande do Sul, em especial, os preceitos pedagógicos cristãos tiveram de confrontar-se com os valores do positivismo, doutrina do francês Auguste Comte, que encontrou aqui terreno favorável. No princípio, o Colégio dos Padres era destinado somente aos meninos, sendo dividido em duas seções: alemã e brasileira.

A trajetória do estabelecimento é rica em fatos históricos. No primeiro ano de funcionamento, o número de alunos saltou de 42, quando da inauguração, para 80 ao final do período letivo. Os meninos tinham entre 9 e 12 anos e só eram admitidos se soubessem ler. A preocupação máxima não era com a alfabetização, mas com a orientação moral e religiosa.

O Colégio dos Padres mudou de nome em 1897, passando a se chamar São José, e depois, Ginásio Anchieta. Em ritmo cadenciado, o colégio avançava. A denominação que entraria na história do Rio Grande do Sul, Colégio Anchieta, foi adotada em 1901, por sugestão do então diretor, Pe. Conrado Menz, em uma homenagem a José de Anchieta, “Apóstolo do Brasil”, indivíduo de saúde frágil que se aventurou pelo Brasil disposto a converter os pagãos.

O crescimento do Colégio Anchieta impôs uma mudança radical. O espaço na rua Duque de Caxias não mais comportava as atividades escolares, afinal não se tratava mais de abrigar algumas dezenas de alunos. Corria o ano de 1954 e Porto Alegre experimentava uma fase de crescimento acelerado, com aumento no número de construções e de população, o que se evidenciava por meio do movimento verificado no centro da cidade, onde ficava o Colégio.

Em 1954, o terreno da Avenida Nilo Peçanha foi escolhido e aí entra em cena um personagem que ficaria definitivamente na história da comunidade: Pe. Henrique Pauquet. Depois de 13 anos de obras, em 11 de novembro de 1967, após a bênção da Igreja da Ressurreição, deu-se a inauguração oficial das novas dependências do Colégio Anchieta, onde funciona até hoje.

A partir da construção do Colégio, essa região da cidade passa a se desenvolver rapidamente, ganhando novas construções e uma urbanização fulminante, sendo, hoje, um dos principais bairros comerciais e residenciais da cidade. [2]

Instalações[editar | editar código-fonte]

O colégio conta com três prédios de salas de aula para atender a Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio. Há duas bibliotecas: a Central e a Infantil, com um acervo de 31 mil obras e mais de 60 mil volumes.


Estão disponíveis laboratórios de Biologia, Física, Química, Línguas, Informática, Robótica, Matemática, bem como salas de Culinária, Artes, Teatro, Música e Multimídia.

O Colégio Anchieta conta com dois ginásios de esportes, com 4.795 m² e 450 m², um campo de futebol oficial com iluminação e três não-oficiais, sendo dois com iluminação, além de oito quadras poliesportivas.

Para o ensino de língua inglesa, existe uma parceria entre o Anchieta e o Unilínguas, o Centro de Línguas da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos).

Há também o Museu Anchieta de Ciências Naturais.

O Anchieta conta com a Igreja da Ressurreição e o Cenáculo para atendimento das atividades religiosas da instituição.

Morro do Sabiá[editar | editar código-fonte]

O Morro do Sabiá, na zona sul de Porto Alegre, em Ipanema, é um espaço de recreação e lazer que o colégio oferece e costeia o Guaíba. Na sua capela encontra-se um quadro de Nossa Senhora, pintado por Aldo Locatelli.

Vila Oliva[editar | editar código-fonte]

Desde 1946, a Casa da Juventude de Vila Oliva, em Caxias do Sul, tem acolhido milhares de anchietanos, familiares e ex-alunos.

Lista de diretores[editar | editar código-fonte]

O Colégio Anchieta teve, ao todo, vinte e três diretores, dos quais apenas um assumiu o cargo duas vezes. São eles:

Alunos notáveis[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. [1]
  2. História do Colégio Anchieta. Página Oficial do Colégio Anchieta

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]