Colégio Clementino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A Praça Nicosia e o Colégio Clementino (centro e direita) em 1748. À esquerda está o Palazzo Aragona Gonzaga .

O Colégio Clementino é um palácio em Roma, no centro da Itália, situado entre a Strada del'Orso e as margens do rio Tibre. Foi fundada pelo Papa Clemente VIII em 1595, para hospedar refugiados eslavos. Giacomo della Porta foi contratado para erguer um prédio adequado para abrigá-los, que seria um dos últimos projetos do arquiteto idoso. Em 25 de fevereiro de 1601, o Papa Urbano VIII transferiu os eslavos para Loreto e refundou o Colégio Clementino como uma escola de elite para jovens nobres de todas as nações e as famílias mais ricas de Roma. A tradição musical do Colégio Clementino permaneceu forte: Alessandro Scarlatti escreveu oratórios para o carnaval e veio de Nápoles para supervisionar sua produção[1] .

A instrução "em todas as ciências e nas artes cavalheirescas", segundo uma descrição de 1761, foi confiada aos irmãos dos Somaschi, ordem religiosa de irmãos professores fundada durante a Contrarreforma, autorizada pelo Papa Pio V em 1568; eles provaram ser especialistas em estabelecer seminários. Nos séculos XVII e XVIII, o Colégio Clementino produziu o Papa Bento XIV e vários cardeais, incluindo Domenico Silvio Passionei,[1] Francesco Guidobono Cavalchini,[2] Bartolomeo Pacca,[3] Fabrizio Sceberras Testaferrata,[4] o matemático Giulio Carlo de 'Toschi di Fagnano e o explorador do Pacífico Alessandro Malaspina.[5]

Aqui, Carlo Spinola e Domenico Quarteironi ensinaram o jovem polímata e inventor Raimondo di Sangro, príncipe de Sansevero.

O Colégio foi dissolvido em 1873.[6]

Referências

  1. Pierluigi Galletti (1762). Memorie per servire alla storia della vita del cardinale Domenico Passionei (em Italian). Roma: Generoso Salomoni. pp. 5–6 
  2. Gaetano Moroni (1841). Dizionario di erudizione storico-ecclesiastica. Volume XI. Venezia: Tipografia Emiliana 
  3. John McClintock (1894). Cyclopædia of Biblical, Theological, and Ecclesiastical Literature. Volume 7. [S.l.]: Harper & Brothers 
  4. Galea, Michael (outubro–dezembro de 1974). «Fabrizio Sceberras Testaferrata: A Maltese Cardinal» (PDF). Scientia (Malta). 37: 167–85. Consultado em 2 de janeiro de 2020 
  5. John Kendrick (1999). Alejandro Malaspina: Portrait of a Visionary. Montreal: McGill-Queen's Press. pp. 9–11. ISBN 978-0-7735-6768-9 
  6. Kendrick, p. 9.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]