Colégio Salesiano Nossa Senhora do Carmo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Colégio Salesiano Nossa Senhora do Carmo (ou simplesmente Colégio do Carmo) está localizado às margens da baía do Guajará, no largo do Carmo, no bairro da Cidade Velha em Belém do Pará.

Ocupa a área do antigo convento dos Carmelitas Calçados, que chegaram no Pará em 1626 (data da fundação do convento), vindos de São Luís do Maranhão.

O convento compreendia a Igreja de Nossa Senhora de Monte Carmo (padroeira da Ordem), a capelinha anexa da Ordem Terceira dos Carmelitas (obras notáveis do barroco setecentista), esta última sendo restaurada, e construções onde funcionaram, em épocas diferentes, o Conselho Geral da Província do Grão-Pará, a Assembleia Legislativa, o Colégio Paraense, asilo, o Hospital Militar e Seminário Menor.

No dia 1 de janeiro de 1930, no mesmo local onde, trezentos anos antes, os carmelitas iniciaram a construção de uma casa para servir de apoio ao trabalho missionários com os indígenas, e que mais tarde serviria de fortim no movimento popular da Cabanagem, os salesianos de Dom Bosco iniciaram seu trabalho educativo e fundaram um dos mais tradicionais estabelecimentos de ensino de Belém, berço de grandes personalidades do mundo político-artístico-cultural do Pará.

Diretores que passaram pelo colégio[editar | editar código-fonte]

2019- Atual[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Gennaro Tesauro

2016- 2018[editar | editar código-fonte]

  • Marcelo Magalhães

2013-2015[editar | editar código-fonte]

  • Pe. José Ronaipe das Neves Machado

2009-2012[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Alberto Bresciani

2004-2008[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Gennaro Tesauro

2002-2003[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Alberto Bresciani

1998-2001[editar | editar código-fonte]

  • Pe. José Maria de Souza Barbosa

1994-1997[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Gilberto Cucas

1991-1993[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Alberto Bresciani

1989-1991[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Augusto Bártoli

1986-1988[editar | editar código-fonte]

  • Pe. José Benedito Araújo Castro

1981-1985[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Benjamim Morando

1975-1980[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Pedro Gerosa

1971-1974[editar | editar código-fonte]

  • Pe. José Grismondi

1968-1970[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Francisco Laudato

1966-1967[editar | editar código-fonte]

  • Pe. José Grismondi

1959-1965[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Guido Tonelotto

1954-1958[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Belchor Maia

1948-1953[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Natal de Lugan

1942-1947[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Joaquim Falcão

1939-1941[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Francisco Fabri

1935-1937[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Guido Borra

1933-1934[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Antodio dalla Via

1930-1933[editar | editar código-fonte]

  • Pe. Ângelo Cerri

Colégio do Carmo em Ananindeua[editar | editar código-fonte]

A casa de Ananindeua foi aberta em 1946 em comemoração aos 50 anos da morte de Dom Luiz Lasagna, que visitara o Pará para a abertura de uma Casa Salesiana. A obra foi iniciada pelo Padre Antônio Agra.

Em 1959 começou a funcionar como aspirantado. No início havia uma bela casa de madeira. A seguir construiu-se uma outra de alvenaria. Depois foi construída a Igreja e um ambulatório, que se tornou o atual hospital Anita Gerosa.

Atualmente é chamado de Centro Pastoral Selesiano, no qual funciona o aspirantado, o oratório festivo e o Colégio do Carmo II - Ananindeua, além de ser a residência do pároco da Paróquia Nossa Senhora das Graças. A partir de 2017 a instituição passou a ser dirigida pelo Pe. Daniel Cunha, sdb. É também considerada uma das mais antigas e tradicionais escolas de Ananindeua.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre escolas ou colégios é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.