Colónia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Colônia (história))
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo(a) a cidade alemã, veja Colônia (Alemanha). Se procura pelo(a) outros significados, veja Colônia (desambiguação).

Em política, chama-se colónia (português europeu) ou colônia (português brasileiro) a um território ocupado e administrado por um grupo de indivíduos com poder militar, ou por representantes do governo de um país a que esse território não pertencia (metrópole).

Tal pode acontecer contra a vontade dos seus habitantes que muitas vezes são desapossados de parte dos seus bens (como terra arável ou de pastagem) e de eventuais direitos políticos que detinham. Como o foi com os índios que habitavam nas Américas e tiveram as suas terras ocupadas e colonizadas pelos europeus. Tal é o caso do Canadá, Argentina, Estados Unidos, Bolívia, Austrália, Barbados e outros, antes habitados por indígenas.

História[editar | editar código-fonte]

Antiguidade[editar | editar código-fonte]

Colônias romanas ao redor do Império durante o século II

O termo vem do latim, designando o estabelecimento de fraternidades do Império Romano, geralmente para fins agrícolas e pecuários, fora do território de Roma. Ao longo da história, a formação de colónias foi a forma como a raça humana se espalhou pelo mundo. Nesse período da pré-história, a colonização de territórios não era geralmente acompanhada pelo uso da força – a não ser para lutar contra eventuais animais que os ocupassem.[1]

As primeiras colónias conhecidas também não foram fundadas com o uso da força, uma vez que se pensa que esses territórios não eram ainda habitados. A Suméria, que deu origem à grande civilização da Mesopotâmia, começou há cerca de 5000 anos, com base em pequenas colónias ou cidades-estados.[carece de fontes?]

No entanto, a medida que a população foi crescendo, a colonização passou a ter o carácter de dominação de povos que ocupavam determinado território - foi dessa forma que Roma colonizou quase toda a Europa sendo um exemplo a Hispânia região onde hoje fica Portugal e Espanha. Antes dos romanos, os fenícios tinham também estabelecido colónias a toda a volta do Mediterrâneo e na Península Ibérica, tendo-se também estabelecido em Goa por volta de 1775 a.C.; mais tarde, os árabes ocuparam muitas partes dessa região, para além de regiões a oriente e conquistaram quase toda o Reino Visigótico na Península Ibérica que se tornou conhecida como Alandalus.[carece de fontes?]

Era Moderna[editar | editar código-fonte]

No final da Idade Média na Europa, alguns países costeiros – dos quais o primeiro foi Portugal – começaram a explorar o mundo, como forma de expandir os seus mercados. Primeiro, estabelecendo acordos com os povos que "descobriam", mas depois entrando em conflito com eles – e uns com os outros – no sentido de tentarem obter o monopólio de determinados produtos e rotas comerciais. Esta foi a primeira forma de imperialismo, em que vários países europeus, principalmente Portugal, Espanha, França e a Inglaterra (mais tarde o Reino da Grã-Bretanha), constituíram grandes impérios coloniais abrangendo praticamente todo o mundo.[carece de fontes?]

A exploração desenfreada dos recursos dos territórios ocupados – incluindo a sua população, quase totalmente aniquilada, como nas Américas, ou transformada em escravos que espalharam pelo resto do mundo, neste caso aproveitando-se das sociedades escravocratas africanas – levou a movimentos de resistência dos povos locais e, finalmente à sua independência, num processo denominado descolonização, terminando estes impérios coloniais em meados do século XX.[carece de fontes?]

Em uma situação colonial os nativos do território colonizado carecem de autonomia – embora possam estar politicamente representados em corpos governamentais – e estão sujeitos à soberania do território metropolitano. Grande parte da África e a totalidade da América foram colônias das potências da Europa durante séculos (especialmente entre o XV e o XIX), até que as guerras de independência do século XX e o processo de descolonização auspiciado pela ONU imediatamente depois da Segunda Guerra Mundial permitiram aos territórios ganhar sua independência.[carece de fontes?]

Impérios coloniais do ocidente, de 1492 até 2008.

Século XXI[editar | editar código-fonte]

Porto Rico é considerada por alguns a "colônia mais antiga do mundo".[2][3][4]
Ver artigo principal: Neocolonialismo

Atualmente, 16 territórios no mundo são considerados colônias (Anguilla, Bermuda, Gibraltar, Guam, ilhas Caimão, ilhas Malvinas, Turks e Caicos, ilhas Virgens Britânicas, ilhas Virgens Americanas, Montserrat, Nova Caledônia, Pitcairn, Saara Ocidental, Samoa Americana, Santa Helena (território) e Tokelau), ainda que a denominação possesões ultramarinas contenha um bom número de entidades sujeitas a um status jurídico similar. Outras unidades, ainda que não correspondam exatamente a esta definição, são consideradas às vezes colónias por elementos nacionalistas, como os Açores, a Madeira e as Ilhas Canárias.[carece de fontes?]

Não existem colónias no sentido político estrito referido acima – a última a ganhar a sua independência foi provavelmente o Timor-Leste, em 2002 –, mas existem colonatos nos territórios árabes ocupados por Israel e o Saara Ocidental encontra-se ocupado pelo Marrocos, o que podem considerar-se formas de colonização. Por outro lado, a ingerência das potências industrializadas nos assuntos internos de outros países menos desenvolvidos, tem sido considerado como uma forma de colonização, referida como neocolonialismo. Como exemplos, podem apontar-se a exportação maciça de armamento russo para Moçambique e outros países recém-independentes ou a recente invasão do Iraque pela coligação de países ocidentais.[carece de fontes?]

Alguns territórios decidiram democraticamente manter-se ligados à antiga potência colonial, como "territórios ultramarinos", que gozam de autonomia, têm governo próprio e apenas se subordinam à "mãe-pátria" em termos militares e diplomáticos, não podendo, portanto, considerar-se colónias, no sentido político do termo. Exemplos destes territórios são várias ilhas das Caraíbas, como Guadeloupe e Martinica, que são dependências de França, as Antilhas Neerlandesas, dependência dos Países Baixos, e a Bermuda, dependente do Reino Unido.[carece de fontes?]

Territórios sem governo próprio em 2012.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. James S. Jeffers (1999). The Greco-Roman world of the New Testament era: exploring the background of early Christianity. [S.l.]: InterVarsity Press. pp. 52–53. ISBN 978-0-8308-1589-0 
  2. Constitutional Rights Foundation. Arquivado em junho 10, 2009[Erro data trocada], no Wayback Machine.
  3. Sharon Ann Navarro, and Armando Xavier Mejia, Latino Americans and Political Participation (Santa Barbara, California: ABC-CLIO) 2004. p. 106. ISBN 1-85109-523-3.
  4. Puerto Rico:The Trials of the Oldest Colony in the World. By Jose Trias Monge. Yale University Press. 1997.