Coleção de obras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Relógios Cuco no Cuckooland Museum, um museu especializado em Tabley, Inglaterra.

Uma coleção de obras é um conjunto de algumas obras que conversam entre si, organizada por uma pessoa ou por uma instituição.[1][2] As obras podem ser os livros de uma biblioteca, quadros de um museu, documentação de um arquivo público, dentre outros inúmeros exemplos que uma instituição pode abarcar.[3][4][5]

São partes essenciais de um museu ou arquivo que muitas vezes estão voltados para a fomentação de exposições, educação e pesquisa, além de pensar a propagação de cultura na sociedade.[6][7] Cada museu, biblioteca ou instituição de pesquisa possui um enfoque para montar uma coleção com itens de acordo com o desejado pelo mesmo.[1]

De maneira geral, um museu normalmente tem uma política de coleta para novas aquisições, portanto, apenas objetos em certas categorias e de certa qualidade são aceitos na coleção.[8] O processo pelo qual um objeto é formalmente incluído na coleção é chamado de acessão e cada objeto recebe um número de acesso exclusivo. Um catálogo dos itens em uma coleção usando cartões de índice.[9]

As coleções de museus, e os arquivos em geral, são normalmente catalogados em um catálogo de coleções, tradicionalmente em fichas, mas hoje em dia em um banco de dados informatizado, graça a digitalização do museus e a informatização na vida operacional das instituições de pesquisas e no cotidiano das pessoas.[10][11][12] Transferir catálogos de coleções para mídia baseada em computador é uma tarefa importante para a maioria dos museus, processo geralmente chamado de digitalização.[13][14] Todas as novas aquisições são normalmente catalogadas em um computador em museus modernos, mas normalmente há um acúmulo de entradas do catálogo antigo para serem informatizadas conforme o tempo e o financiamento permitem.[15][16]

Modelos[editar | editar código-fonte]

Um catálogo dos itens em uma coleção usando cartões de índice
Uma coleção de máscaras e tecidos de diferentes partes do mundo exibida na sala de estar do Museu Robert Brady, Cuernavaca, México

As coleções de um museu são amplamente variadas.[17] Existem coleções de arte, de espécies científicas, de objetos históricos, de espécimes zoológicos vivos e muitos outros temas.[18] Como há tantas coisas para colecionar, a maioria dos museus possui uma área específica de especialização.[19] Por exemplo, um museu de história só pode coletar objetos relevantes para um determinado condado ou mesmo uma única pessoa, ou focar em um tipo de objeto, como automóveis ou selos.[20] Os museus de arte podem se concentrar em um período, como a arte moderna ou uma região. Os museus muito grandes costumam ter muitas subcoleções, cada uma com seus próprios critérios de coleção.[21] Um museu de história natural, por exemplo, terá mamíferos em uma coleção separada de insetos.[22][23]

Como os museus não podem coletar tudo, cada nova adição potencial deve ser cuidadosamente considerada quanto à sua adequação para uma determinada área de interesse definida do museu.[24][25]

Adesão[editar | editar código-fonte]

A adesão é o processo formal e legal de aceitar um objeto na coleção de um museu.[26] Visto que aderir a um objeto acarreta a obrigação de cuidar daquele objeto para sempre, é uma decisão séria.[27][28] Enquanto no passado muitos museus aceitavam objetos com pouca deliberação, hoje a maioria dos museus aceitou a necessidade de procedimentos e práticas formais de adesão. Estes são normalmente definidos como parte da Política de Gestão de Coleções do museu ou CMP.[29]

Embora cada museu tenha seus próprios procedimentos de adesão, na maioria dos casos, ele começa com uma oferta de um doador para dar um objeto a um museu ou uma recomendação de um curador para adquirir um objeto por meio de compra ou troca.[30]

Várias questões devem ser consideradas na decisão de aceitar um objeto. Os dilemas mais comuns incluem:[31][32][33][34][35]

  • O objeto é relevante para a missão do museu e seu escopo de coleta, conforme definido por seu corpo diretivo?
  • O bem foi adquirido legalmente e, se de origem estrangeira, foi importado em conformidade com o direito internacional?
  • O proprietário de um objeto tem título legal sobre o objeto e, portanto, o direito de transferi-lo?
  • Existem outras partes com interesse no objeto? (por exemplo, herdeiros de um doador, grupos de descendentes de objetos culturais, etc.)
  • O objeto está sobrecarregado por quaisquer obrigações ou restrições legais? (por exemplo, objetos de história natural que requerem licenças especiais)
  • O objeto representaria alguma ameaça ou perigo para outros objetos ou equipe?
  • O museu tem os recursos para cuidar adequadamente do objeto? (por exemplo, espaço de armazenamento apropriado, financiamento adequado)

Responder a essas perguntas muitas vezes exigia investigar a proveniência de um objeto, a história de um objeto desde o momento em que foi feito.

Parte de itens recebidos na Biblioteca Nacional do Brasil, Rio de Janeiro, Brasil.

Muitos museus não irão adquirir objetos que foram adquiridos ilegalmente ou onde outras partes tenham interesse no objeto.[36][37]

Em museus de arte, um cuidado especial é dado a objetos que mudaram de mãos em países europeus durante a Segunda Guerra Mundial e objetos arqueológicos descobertos após a Convenção da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) de 1970 sobre o transporte de bens culturais.[38][39][40] Outras disciplinas têm preocupações diferentes. Por exemplo, os museus de antropologia darão atenção especial aos objetos nativos americanos que podem estar sujeitos à repatriação, e os museus de paleontologia podem verificar cuidadosamente se os procedimentos de permissão adequados foram seguidos quando lhes são oferecidas coleções de fósseis.[37][41][42]

Enquanto no passado os museus costumavam aceitar objetos com restrições baseadas em doadores, muitos museus hoje pedem que os presentes sejam dados sem restrições.[37] As restrições comuns aos doadores incluem exigir que um objeto sempre seja exibido ou que uma coleção permaneça junto. No entanto, tais restrições podem impedir que os museus alterem suas exposições à medida que a bolsa de estudos evolui e podem introduzir questões de conservação para objetos delicados não adequados para exibição contínua.[43]

A decisão final de aceitar um objeto geralmente cabe ao conselho de curadores do museu.[44] Em grandes museus, um comitê especial pode se reunir regularmente para analisar aquisições em potencial.[45] Uma vez tomada a decisão de aceitar um objeto, ele é formalmente acessado por meio de uma escritura de doação e inserido nos registros do catálogo do museu.[46][47][48] Cada objeto recebe um número de catálogo exclusivo para identificá-lo. Os objetos são então embalados para armazenamento em arquivo apropriado ou preparados para exibição ou outro uso educacional.[45]

Cuidado[editar | editar código-fonte]

Armazenamento no Victoria and Albert Museum, Londres, Inglaterra.

Uma vez acessados na coleção, os objetos do museu devem ser tratados de forma adequada.[49] Novos objetos podem ser examinados por um conservador e tratados para qualquer dano pré-existente.[50] O objeto é então catalogado por um curador ou outro especialista com conhecimento da importância e história do objeto. O objeto receberá um local de armazenamento apropriado.[51]

As condições de armazenamento do museu visam proteger o objeto e minimizar qualquer deterioração.[52] Isso geralmente significa manter os objetos em um clima estável, evitando a exposição a pragas, minimizando qualquer manuseio e usando apenas materiais de arquivo que não irão deteriorar ou danificar os objetos.[53][54] A segurança do objeto também inclui o fornecimento de proteção adequada e planejamento para desastres e outras ameaças, e a garantia de que a equipe do museu seja treinada nos procedimentos de manuseio adequados.[55][56]

Diferentes tipos de objetos têm diferentes requisitos e muitos museus têm áreas de armazenamento especializadas.[52] Por exemplo, pinturas emolduradas podem ser armazenadas em prateleiras em uma sala, enquanto pinturas não emolduradas são mantidas em gavetas grandes em outra. Alguns objetos têm necessidades extremamente especializadas.[56] Outro exemplo, o material de sítios arqueológicos subaquáticos pode precisar ser mantido úmido, e alguns objetos muito raros e muito deteriorados requerem ambientes livres de oxigênio.[56]

Normalmente, os museus exibem apenas uma parte de suas coleções.[57][58] Muitas vezes, isso ocorre porque a exposição requer muito mais espaço do que armazenamento e é impraticável que toda a coleção fique exposta.[59] Os museus também podem conter muitos objetos duplicados ou semelhantes e descobrir que alguns espécimes são mais adequados para exibição do que outros.[60] Além disso, certos objetos, principalmente trabalhos em papel e têxteis, são danificados pela luz e devem ser exibidos por curtos períodos de tempo.[61][62]

As coleções do museu costumam ser compostas por uma variedade de materiais em uma única coleção, incluindo, mas não se limitando a: tela, tintas a óleo e/ou acrílicas, madeira, marfim, papel, osso, couro e têxteis.[63] O maior problema de conservação para coleções de museus são as flutuações de umidade relativa e temperatura.[54] A Umidade Relativa (UR) é uma medida da porcentagem de saturação do ar.[64][56]

Em cidades de praia, como a do Rio de Janeiro, existe uma preocupação ainda maior com a preservação da temperatura das bibliotecas e museus.[54][65] O ideal é quem em uma cidade como essa a temperatura oscile entre dezenove a vinte e três graus célsius.[66][67]

Desapropriação[editar | editar código-fonte]

O abandono, o processo de descartar, vender ou trocar objetos de uma coleção de museu, não é realizado levianamente na maioria dos museus. Há questões éticas a serem consideradas, já que muitos doadores de objetos normalmente esperam que o museu cuide deles para sempre.[68] O abandono de um objeto em uma coleção pode ser apropriado se um museu tiver mais de um exemplo desse objeto e se o objeto estiver sendo transferido para outro museu.[69] Também pode ser apropriado se um objeto estiver muito deteriorado ou ameaçar outros objetos.[69]

A decisão de abandono inclui duas partes. Estes estão tomando a decisão de abandono e decidindo o método de descarte.[69] Geralmente, a primeira escolha é transferir um objeto para outro uso ou divisão em um museu, como a transferência de um objeto duplicado de uma coleção permanente para uma coleção de ensino.[69] A segunda opção é transferir o objeto para outra instituição, geralmente com instituições locais tendo prioridade. A American Alliance of Museums e outras associações regionais geralmente operam listas ou conselhos para ajudar a facilitar essas transferências.[70] A última opção é a venda no mercado aberto.[71] Em geral, espera-se que as vendas no mercado aberto ocorram em leilão, e não em venda privada, e são normalmente mais comuns em museus de arte devido ao alto valor monetário das coleções de arte.[72][73]

Um exemplo controverso ocorreu quando o último monte de dodô completo remanescente em uma coleção de museu na Universidade de Oxford foi vendido devido à sua deterioração em 1775.[74] Outro caso foi a venda de uma pintura de JMW Turner na coleção de Royal Holloway, Universidade de Londres para o Museu J. Paul Getty para financiar a manutenção do edifício, apesar do fato de o benfeitor original ter solicitado expressamente que a coleção fosse mantida intacta.[75] Em meio à pandemia de COVID-19 nos Estados Unidos em 2020, os museus foram autorizados vender obras para arcar com despesas.[71]

Muitas diretrizes éticas para o abandono exigem que os fundos gerados pelo descarte dos itens da coleção sejam usados apenas para aumentar ou manter a coleção restante.[76] Por exemplo, o Código de Ética do Conselho Internacional de Museus (ICOM) declara que: "o dinheiro ou a compensação recebida pela liberação e descarte de objetos e espécimes de uma coleção de museu deve ser usado exclusivamente para o benefício da coleção e, geralmente, para aquisições dessa mesma coleção."[76]

No Reino Unido, as diretrizes que regem o abandono e outras questões eticamente difíceis podem ser encontradas no Código de Ética da Associação de Museus.[77] Nos Estados Unidos, as diretrizes sobre esses assuntos são publicadas pela American Alliance of Museums.[78]

O Código de Ética da Aliança Americana de Museus adota a posição de que "em nenhum caso eles [os recursos do cancelamento] serão usados ​​para outra coisa que não a aquisição ou o cuidado direto de coleções."[78]

Outros museus podem ter restrições adicionais sobre o uso de fundos da desapropriação. Por exemplo, em alguns museus, os fundos da cessação de uma obra de arte só podem ser usados ​​para comprar uma obra de estilo ou período semelhante (por exemplo, os fundos da venda de uma gravura americana do século XX não poderiam ser usados ​​para comprar uma pintura italiana do século XVII) e o nome do doador da obra vendida permanece associado à obra de arte adquirida.[79]

Para especialistas no mundo dos museus, vender obras de arte para financiar déficits orçamentários e pagar salários é como "queimar sua casa para aquecer a cozinha".[80][81]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «O que é uma "Coleção"?». Sistemas de Biblioteca da Universidade Estadual de Campinas. Consultado em 6 de abril de 2021 
  2. Cultural, Instituto Itaú. «Acervo e Coleção». Enciclopédia Itaú Cultural. Consultado em 6 de abril de 2021 
  3. Dias, Fabiana (26 de julho de 2018). «ARQUIVO OU COLEÇÃO? OS DOCUMENTOS DO ARQUIVO HISTÓRICO DO MUSEU AEROESPACIAL» (PDF). Biblioteca Centro de Memória UNICAMP. Consultado em 6 de abril de 2021 
  4. «Coleções». Biblioteca Nacional do Brasil. Consultado em 6 de abril de 2021 
  5. «Coleções». Museu Nacional de Belas Artes. Consultado em 6 de abril de 2021 
  6. «Função social de museus é a propagação de cultura e conhecimento». Jornal da USP. 5 de setembro de 2018. Consultado em 6 de abril de 2021 
  7. Weitzel, Simone da Rocha (dezembro de 2012). «Desenvolvimento de coleções: origem dos fundamentos contemporâneos». Transinformação (3): 179–190. ISSN 0103-3786. doi:10.1590/S0103-37862012000300003. Consultado em 6 de abril de 2021 
  8. «Coleções». Biblioteca Nacional do Brasil. Consultado em 5 de abril de 2021 
  9. Almeida, Álea Santos De; Rangel, Aparecida Marina De Souza; Almeida, Álea Santos De; Rangel, Aparecida Marina De Souza (2019). «A metodologia de pesquisa e catalogação dos cômodos do Museu Casa de Rui Barbosa». Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material. ISSN 0101-4714. doi:10.1590/1982-02672019v27e03. Consultado em 5 de abril de 2021 
  10. Lüdtke Espíndola, Priscilla; Pereira, Ana Maria (outubro de 2017). «Análise das políticas institucionais de catalogação em bibliotecas de ensino superior de Florianópolis (Santa Catarina, Brasil)». Biblios (69): 73–86. ISSN 1562-4730. doi:10.5195/biblios.2017.462. Consultado em 5 de abril de 2021 
  11. Côrte, Adelaide Ramos e; Almeida, Iêda Muniz de; Pellegrini, Ana Emília; Lopes, Ildeu Ordini; Saenger, José Carlos; Esmeraldo, Maria Bernadete P.; Pereira, Maria Cristina Moraes; Ferreira, Rosana Rika M. C.; Lago, Wilma Garrido do (dezembro de 1999). «Automação de bibliotecas e centros de documentação: o processo de avaliação e seleção de softwares». Ciência da Informação (3): 241–256. ISSN 0100-1965. doi:10.1590/S0100-19651999000300002. Consultado em 6 de abril de 2021 
  12. Hansen, Eugenio (2000). «Informatização de bibliotecas escolares e software livre». Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Consultado em 6 de abril de 2021 
  13. Vicente, João (16 de setembro de 2018). «Arquivos digitais podem ajudar museus a preservar acervos?». UOL. Consultado em 6 de abril de 2021 
  14. Fischer, Marcos (17 de dezembro de 2010). «Discussões sobre a digitalização, preservação e divulgação do acervo documental do Museu e Arquivo Histórico de Panambi (MAHP)» (PDF). Repositório da Universidade Federal de Santa Maria. Consultado em 6 de abril de 2021 
  15. Rodrigues, Márcia Carvalho; Pancich, Renata de Filippis (dezembro de 2008). «Obras raras: identificação e conservação, experiência da Universidade de Caxias do Sul». Transinformação (3): 265–271. ISSN 0103-3786. doi:10.1590/S0103-37862008000300005. Consultado em 5 de abril de 2021 
  16. «Digitalização». Biblioteca Nacional do Brasil. Consultado em 6 de abril de 2021 
  17. «Coleções». Biblioteca Nacional do Brasil. Consultado em 5 de abril de 2021 
  18. Costa, Fundação de Amparo a Pesquisa do estado de São Paulo – FAPESP. Lima, Fábio Rogério Batista Santos, Plácida Leopoldina Ventura Amorim da (26 de abril de 2014). Museu e suas tipologias: o webmuseu em destaque. [S.l.]: UFPB. OCLC 1037568576 
  19. Mastrobuono, Pedro (2020). «GUIA PARA PROJETOS DE ARQUITETURA DE MUSEUS» (PDF). Ministério do Turismo. Consultado em 5 de abril de 2021 
  20. «Museu Histórico e Pedagógico Padre Manoel da Nóbrega». Mapas Culturais. 14 de dezembro de 2015. Consultado em 5 de abril de 2021 
  21. «Subcoleções: Museu do Trabalho». Pinacoteca Barão de Santo Ângelo. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Consultado em 5 de abril de 2021 
  22. «American Museum of Natural History – The Paleontology Portal | Cataloging». Paleo. Consultado em 5 de abril de 2021 
  23. Zoller, Gabriela; DeMarsh, Katie (1 de março de 2013). «For the Record: Museum Cataloging from a Library and Information Science Perspective». Art Documentation: Journal of the Art Libraries Society of North America (1): 54–70. ISSN 0730-7187. doi:10.1086/669989. Consultado em 5 de abril de 2021 
  24. Lima, Fábio Rogério Batista; Santos, Plácida Leopoldina V. A. C.; Santarém Segundo, José Eduardo; Lima, Fábio Rogério Batista; Santos, Plácida Leopoldina V. A. C.; Santarém Segundo, José Eduardo (setembro de 2016). «Padrão de metadados no domínio museológico». Perspectivas em Ciência da Informação (3): 50–69. ISSN 1413-9936. doi:10.1590/1981-5344/2639. Consultado em 5 de abril de 2021 
  25. «Seções técnicas». Arquivo Edgard Leuenroth. Consultado em 5 de abril de 2021 
  26. «adesão – Instituto Brasileiro de Museus – Ibram». Consultado em 5 de abril de 2021 
  27. «The Importance of Museums: Preserving Local Culture». New Jersey Maritime Museum (em inglês). 5 de agosto de 2016. Consultado em 5 de abril de 2021 
  28. Saunders, Jill (6 de junho de 2014). «Conservation in Museums and Inclusion of the Non-Professional». Journal of Conservation and Museum Studies (em inglês) (1): Art. 6. ISSN 1364-0429. doi:10.5334/jcms.1021215. Consultado em 5 de abril de 2021 
  29. Platform, Corollarium Semantic Web. «Cadastro Estadual de Museus de São Paulo (CEM-SP)». Cadastro Estadual de Museus de São Paulo (CEM-SP). Consultado em 5 de abril de 2021 
  30. Yates, D (23 de outubro de 2015). «Museums, collectors, and value manipulation: tax fraud through donation of antiquities» (PDF). Universidade de Glasgow. Consultado em 5 de abril de 2021 
  31. Tharror, Kanishk (29 de junho de 2015). «Museums and looted art: the ethical dilemma of preserving world cultures». the Guardian (em inglês). Consultado em 5 de abril de 2021 
  32. Cotter, Holland (9 de maio de 2019). «Money, Ethics, Art: Can Museums Police Themselves?». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 5 de abril de 2021 
  33. Maranda, Lynn (1 de dezembro de 2015). «Museum Ethics in the 21st Century: Museum Ethics Transforming into Another Dimension». ICOFOM Study Series (em inglês) (43b): 151–165. ISSN 2309-1290. doi:10.4000/iss.443. Consultado em 5 de abril de 2021 
  34. «Ethical Issues in Collections Management | Connecting to Collections Care Online Community» (em inglês). Consultado em 5 de abril de 2021 
  35. «Museus enfrentam dilema ético sobre doações filantrópicas - Internacional». Estadão. 17 de maio de 2019. Consultado em 5 de abril de 2021 
  36. «GPA Publications -». GPA Publications (em inglês). Consultado em 5 de abril de 2021 
  37. a b c Martínez, Héctor Llanos (25 de março de 2019). «O que aconteceria se os museus europeus tivessem que devolver a arte colonial espoliada?». EL PAÍS. Consultado em 5 de abril de 2021 
  38. «Polícia italiana encontra quadro do mestre Poussin roubado por nazistas durante a 2ª guerra Guerra». UOL. 1 de abril de 2021. Consultado em 5 de abril de 2021 
  39. «A obra de arte vendida durante o regime nazista que a França vai devolver a família judia». BBC News Brasil. Consultado em 5 de abril de 2021 
  40. Shyllon, Folarin (fevereiro de 2014). «Legislative and Administrative Implementation of 1970 UNESCO Convention by African States: The Failure to Grasp the Nettle». International Journal of Cultural Property (em inglês) (1): 23–53. ISSN 0940-7391. doi:10.1017/S0940739113000301. Consultado em 5 de abril de 2021 
  41. LaVaque-Manty, Danielle (2000). «There Are Indians in the Museum of Natural History». Wicazo Sa Review (1): 71–89. ISSN 0749-6427. Consultado em 5 de abril de 2021 
  42. LaVaque-Manty, Danielle (2000). «There Are Indians in the Museum of Natural History». Wicazo Sa Review (1): 71–89. ISSN 0749-6427. Consultado em 5 de abril de 2021 
  43. «Collections Online | British Museum». British Museum. Consultado em 5 de abril de 2021 
  44. Pogrebin, Robin; Harris, Elizabeth A.; Bowley, Graham (2 de outubro de 2019). «New Scrutiny of Museum Boards Takes Aim at World of Wealth and Status». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 5 de abril de 2021 
  45. a b Moraes, Julia (23 de outubro de 2011). «Curadoria e ação interdisciplinar em museus: a dimensão comunicacional e informacional de exposições» (PDF). XII ENANCIB (Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação). Consultado em 5 de abril de 2021 
  46. «Doação ao Poder Público». Fundação Getúlio Vargas. Consultado em 5 de abril de 2021 
  47. «Doações e Comodatos». Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. 27 de abril de 2015. Consultado em 5 de abril de 2021 
  48. «Serra assina escritura de doação de imóvel para Museu Rei Pelé». Governo do Estado de São Paulo. 28 de maio de 2008. Consultado em 5 de abril de 2021 
  49. Santos, Daniel (5 de fevereiro de 2019). «Qual a importância da manutenção nos museus históricos do Pará? Assista!». Roma News. Consultado em 5 de abril de 2021 
  50. «Museum - Conservation». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 5 de abril de 2021 
  51. «How to get into museum conservation | Prospects.ac.uk». Prospects. Consultado em 5 de abril de 2021 
  52. a b Portinari, Museu Casa de. «Conservação preventiva e integrada: os três tipos de acervo do Museu Casa de Portinari». Museu Casa de Portinari. Consultado em 5 de abril de 2021 
  53. Machado, Bruna (2015). «A importância do diagnóstico de conservação para nortear as ações de preservação em arquivos, bibliotecas e museus.» (PDF). Universidade de Brasília. Consultado em 5 de abril de 2021 
  54. a b c Carneiro, Luiz (5 de fevereiro de 2017). «Charles Gavin: O "cara" do vinil | Entrevista | Alta Fidelidade». Alta Fidelidade. Consultado em 5 de abril de 2021 
  55. «Temperatura e umidade corretas garantem um ambiente seguro para museus». Terra. 21 de novembro de 2018. Consultado em 5 de abril de 2021 
  56. a b c d Cavicchioli, Andrea; Alegre, Priscila Leitão Denardi; Martins, Ariel Guilger Simões; Cavicchioli, Andrea; Alegre, Priscila Leitão Denardi; Martins, Ariel Guilger Simões (setembro de 2017). «Microambientes e conservação preventiva em áreas indoor: o caso do espaço interior não climatizado da Casa de Dona Yayá, em São Paulo (Brasil)». Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material (3): 291–340. ISSN 0101-4714. doi:10.1590/1982-02672017v25n0309. Consultado em 5 de abril de 2021 
  57. Bradley, Kimberly (5 de fevereiro de 2015). «Obras-primas que os grandes museus não exibem (e por quê)». BBC News Brasil. Consultado em 5 de abril de 2021 
  58. «De dinossauros nunca identificados a línguas extintas, o que a ciência perde com o incêndio no Museu Nacional». BBC News Brasil. Consultado em 5 de abril de 2021 
  59. ««A falta de espaço é inibidora de uma maior e melhor exposição do rico acervo no Museu da Guarda»». Jornal o Interior. 31 de outubro de 2018. Consultado em 5 de abril de 2021 
  60. Lüdtke Espíndola, Priscilla; Pereira, Ana Maria (outubro de 2017). «Análise das políticas institucionais de catalogação em bibliotecas de ensino superior de Florianópolis (Santa Catarina, Brasil)». Biblios (69): 73–86. ISSN 1562-4730. doi:10.5195/biblios.2017.462. Consultado em 5 de abril de 2021 
  61. «Preservation | Library of Congress». Biblioteca do Congresso. Consultado em 5 de abril de 2021 
  62. «Tecidos e afetos: orientações básicas para conservação de roupinhas e enxovais». Museu da Imigração do Estado de São Paulo. Governo do Estado de São Paulo. 27 de maio de 2018. Consultado em 5 de abril de 2021 
  63. «Paintings». Manual Museum. Consultado em 5 de abril de 2021 
  64. «Entenda como funciona a medida de umidade relativa do ar». G1. 13 de outubro de 2017. Consultado em 5 de abril de 2021 
  65. «Rede de Bibliotecas da Fiocruz». Fiocruz. Consultado em 5 de abril de 2021 
  66. «Conservação Preventiva». Universidade Federal do Rio de Janeiro. Consultado em 5 de abril de 2021 
  67. Mello, Paula (2004). «Manual de Conservação de Acervos Bibliográficos da UFRJ» (PDF). SISTEMA DE BIBLIOTECAS E INFORMAÇÃO da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Consultado em 5 de abril de 2021 
  68. Gouveia, Inês (18 de maio de 2019). «Os Museus e os Tempos». Revista Museu. Consultado em 5 de abril de 2021 
  69. a b c d «How art works move from one museum to another». Fahrenheit Magazine (em inglês). 4 de março de 2019. Consultado em 5 de abril de 2021 
  70. Museums, American Alliance of. «American Alliance of Museums». American Alliance of Museums (em inglês). Consultado em 5 de abril de 2021 
  71. a b Galvão, Marley (2020). «Museus são autorizados a vender suas obras de arte para sobreviverem à pandemia». Casa Vogue. Editora Globo. Consultado em 5 de abril de 2021 
  72. «Museu no Rio vai vender obra de Jackson Pollock avaliada em US$ 25 milhões - Cultura». Estadão. Consultado em 5 de abril de 2021 
  73. Pogrebin, Robin (16 de setembro de 2020). «Brooklyn Museum to Sell 12 Works as Pandemic Changes the Rules». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 5 de abril de 2021 
  74. «The Sunday Tribune - Spectrum». Tribune India. Consultado em 5 de abril de 2021 
  75. Mackinnon, Ian (22 de outubro de 2011). «Getty museum pays pounds 11m for Turner». The Independent (em inglês). Consultado em 5 de abril de 2021 
  76. a b «Code of Ethics for Museums». Archive. Conselho Internacional de Museus. 23 de agosto de 2009. Consultado em 5 de abril de 2021 
  77. «Code of Ethics for Museums». Museums Association (em inglês). Consultado em 5 de abril de 2021 
  78. a b «Ethics». American Alliance of Museums (em inglês). 10 de outubro de 2017. Consultado em 5 de abril de 2021 
  79. «PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O SBU». Universidade Estadual de Campinas. Consultado em 5 de abril de 2021 
  80. Solomon, Deborah (7 de agosto de 2014). «Museum Under Fire for Selling Its Art». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 5 de abril de 2021 
  81. Schineider, Tim (27 de agosto de 2018). «The Gray Market: Why the Debate Over Deaccessioning Might Really Be a Debate About America (and Other Insights)». Artnet News (em inglês). Consultado em 5 de abril de 2021