Colotes de Lâmpsaco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Colotes)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada. Foi sugerido que adicionasse esta.

Colotes de Lâmpsaco (em grego: Κολώτης Λαμψακηνός; transl.: Kolōtēs Lampsakēnos; c. 320-após 268 a.C.[1]) foi um pupilo de Epicuro e um dos mais famosos de seus discípulos. Escreveu um trabalho para provar É mesmo impossível de viver de acordo com as doutrinas de outros filósofos (ὅτι κατὰ τὰ τῶν ἄλλων φιλοσόφων δόγματα οὐδὲ ζῆν ἐστιν). Foi dedicado ao rei Ptolemeu Filópator. Na refutação dele Plutarco escreve dois trabalhos, um diálogo, para provar, É mesmo impossível de viver agradavelmente de acordo com Epicuro e um trabalho intitulado Contra Colotes.[2] De acordo com Plutarco, Colotes era hábil, mas vaidoso, dogmático e intolerante. Fez ataques violentos contra Sócrates e outros grandes filósofos. Foi um grande favorito de Epicuro, que usou, pelo caminho do afeto, chamá-lo Koλωτάρας e Koλωτάριoς. Foi também relatado por Plutarco, que Colotes, depois de ouvir o discurso de Epicuro sobre a natureza das coisas, caiu de joelhos diante dele e rogou-lhe dar instrução. Sustentou que era indigno da confiança de um filósofo por usar fábulas em seu ensino, uma noção a que Cícero se opõe.[3]

Alguns fragmentos de dois trabalhos de Colotes foram descobertos na Vila dos Papiros em Herculano. Estes são o Contra Lisis de Platão,[4] e Contra Eutidemo de Platão.[5]

Notas

  1. Tiziano Dorandi, Chapter 2: Chronology, in Algra et al. (1999) The Cambridge Historia of Hellenistic Philosophy, page 51. Cambridge.
  2. Plutarch, Essays and Miscellanies: "That it is impossible even to live pleasantly according to Epicurus"; "Against Colotes".
  3. Cicero, On The Commonwealth, vi. 7.
  4. PHerc. 208
  5. PHerc. 1032

Referências[editar | editar código-fonte]

Este artigo contém texto do Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology (em domínio público), de William Smith (1870).