Colubandê

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Colubandê
  Bairro do Brasil  
Fazenda do Colubandê
Fazenda do Colubandê
População
 - Total 30 781
Fonte: Não disponível

Colubandê é um bairro localizado na zona sul de São Gonçalo, no estado do Rio de Janeiro, no Brasil.[1] Segundo o censo demográfico de 2010, o bairro do Colubandê reúne cerca de 30 781 habitantes.[2]

No bairro, encontra-se um importante exemplar da antiga arquitetura rural brasileira, considerada a fazenda mais antiga conservada em área urbana do estado do Rio de Janeiro, a Fazenda Colubandê, que abrigou, por alguns anos, o Batalhão de Polícia Florestal e de Meio Ambiente e a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro.[3] O CEASA-RJ também está localizado no bairro, abastecendo vários bairros de São Gonçalo e Niterói.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Na área da saúde, o bairro abriga o Hospital Alberto Torres, uma Unidade de Pronto Atendimento 24 horas - UPA 24 e um posto de saúde municipal. Atualmente encontra-se em fase de construção o Hospital da Mãe.

Na área da educação, o Colubandê é atendido por diversas instituições de ensino, como: Escola Attila Moledo, Sobral Pinto, Ceros, Gonçalense, Odete São Paio, Educandário Nelson Costa, Rodolpho Siqueira, Zerbine 412, uma escola técnica especializada em alimentos (NATA), além da Fundação de Apoio à Escola Técnica.

História[editar | editar código-fonte]

A história do bairro remonta a 1618, quando foi construída a Fazenda Colubandê, que lhe dá nome.[3] A fazenda fez parte da sesmaria doada ao colonizador Gonçalo Gonçalves, e sua casa grande foi construída no século XVII por Catarina Siqueira, na época proprietária do antigo Engenho Nossa Senhora de Mont'Serrat, que passou a se chamar Engenho Colubandê.[4] A fazenda foi vendida ainda quando em construção para o judeu convertido ao cristianismo Benamyn Benevitis, que adotara o nome de Ramires Duarte Leão.[4] O novo proprietário não utilizava o cultivo de um único produto na fazenda, como era de costume na época. Com a diversidade de sua produção, o engenho tornou-se um dos mais produtivos do país.[4]

Ramires Leão por sua vida trouxe muitos judeus perseguidos de outros países para localidades próximas ao engenho.[4] Após a sua morte, sua esposa Ana do Vale tornou-se proprietária. Seus herdeiros, acabaram sendo perseguidos pela Inquisição, tendo sido presos pelo Santo Ofício.[4] No ano de 1713, a fazenda foi confiscada pela Igreja e entregue aos jesuítas.[4]

Em 2014, foi inaugurado, no bairro, o Fórum Juíza Patrícia Acioli.[5]

Recentemente, no Colubandê, foi inaugurada a nova unidade do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro para atender São Gonçalo, Niterói e alguns bairros da Região dos Lagos.

Referências

  1. «Mapas e Bairros - São Gonçalo». Prefeitura Municipal de São Gonçalo. Consultado em 24 de agosto de 2009. 
  2. populacao.net.br. «População Colubandê - São Gonçalo». Consultado em 24 de agosto de 2017. 
  3. a b O Globo (18 de junho de 2016). «Marco da arquitetura colonial brasileira, Fazenda Colubandê é invadida e saqueada». Consultado em 18 de outubro de 2016.. Cópia arquivada em 17 de setembro de 2016 
  4. a b c d e f IBGE. «catálogo». Consultado em 18 de outubro de 2016. 
  5. O São Gonçalo. «SG ganha Fórum Juíza Patricia Acioli». Consultado em 18 de outubro de 2016. 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Colubandê
Ícone de esboço Este artigo sobre geografia do Rio de Janeiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.