Comício da Candelária

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Comício da Candelária
Exterior da Igreja da Candelária
Localização Rio de Janeiro, Brasil
Data 10 de abril de 1984

O Comício da Candelária foi uma manifestação política ocorrida em 10 de abril de 1984 na cidade do Rio de Janeiro em frente à Igreja da Candelária. A manifestação deu-se no contexto do movimento das Diretas Já e era considerada a maior manifestação política da história do Brasil[1] até 2015.[2] Estavam presentes ao comício cerca de um milhão de pessoas.[3]

O comício começou a ser preparado treze dias antes da data escolhida. Foram impressos dez milhões de panfletos, 200 mil cartazes e foram utilizados setecentos outdoors para a divulgação da manifestação. Uma conta para arrecadação de fundos foi aberta no Banco do Estado do Rio de Janeiro (BANERJ).[4]

O evento foi encerrado às 22 horas com o Hino Nacional Brasileiro sendo cantado por toda a multidão liderada pela cantora Fafá de Belém. No total, foram mais de seis horas de comício.[4]

O comício foi transmitido pelas emissoras de televisão, incluída a TV Globo, que cedeu trinta minutos da tradicional novela das oito para a emissão do evento.[4]

Duas semanas depois do comício, em 25 de abril de 1984, foi derrotada no Congresso Nacional a emenda Dante de Oliveira, que visava a restaurar as eleições diretas para presidente da República. Assim, a decisão da eleição presidencial de 1985 coube aos parlamentares, que elegeram Tancredo Neves.[1]

Presentes[editar | editar código-fonte]

Estavam presentes ao Comício da Candelária:

Curiosidade[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.

Após o comício, alguns político celebraram o êxito do evento a convite de Francisco Recarey na sua casa de espetáculos "Scala". O governador do estado do Rio de Janeiro, Leonel Brizola, acompanhado de cerca de quatrocentas pessoas, festejam num jantar em ritmo de Carnaval com um show de mulatas comandado por Grande Otelo. Outra figura importante presente à festa era o prefeito do município do Rio de Janeiro, Marcelo Alencar, que fechou a noite dançando com uma mulata em topless.[1]

Referências

  1. a b c O grito da Candelária. No Rio, a maior manifestação da História do Brasil Arquivado em 18 de abril de 2012, no Wayback Machine., Revista Veja, 18 de abril de 1984.
  2. «Maior manifestação da história do País aumenta pressão por saída de Dilma - Política - Estadão». Estadão. Consultado em 24 de março de 2016 
  3. Comício das Diretas leva um milhão de pessoas à Candelária, O Globo, 2 de julho de 2013.
  4. a b c BERTONCELO, Edison (2007). A campanha das diretas e a democratização. [S.l.]: Humanitas (FAPESP). 220 páginas. 8577320375