Coming to America

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Coming to America
Um Príncipe em Nova Iorque (PRT)
Um Príncipe em Nova York (BRA)
Pôster do filme ilustrado por Drew Struzan
 Estados Unidos
1988 •  cor •  117 min 
Direção John Landis
Produção George Folsey Jr.
Robert D. Wachs
Roteiro David Sheffield
Barry W. Blaustein
História Eddie Murphy
Elenco Eddie Murphy
Arsenio Hall
James Earl Jones
Shari Headley
Madge Sinclair
Género comédia romântica
Música Nile Rodgers
Cinematografia Sol Negrin
Woody Omens
Edição Malcolm Campbell
George Folsey, Jr.
Companhia(s) produtora(s) Eddie Murphy Productions
Distribuição Paramount Pictures
Lançamento Estados Unidos 29 de junho de 1988
Portugal 30 de setembro de 1988
Brasil 27 de outubro de 1988
Idioma inglês
Orçamento US$ 36 milhões[1]
Receita US$ 288,8–350 milhões[2][1][3][4]
Cronologia
Coming 2 America

Coming to America (Brasil: Um Príncipe em Nova York /Portugal: Um Príncipe em Nova Iorque)[5][6] é um filme estadunidense, do gênero comédia romântica, dirigido por John Landis em 1988 e baseado em uma história criada originalmente por Eddie Murphy, que também atuou no papel principal. O filme também co-estrelou Arsenio Hall, James Earl Jones, Shari Headley e John Amos. A primeira parte da série de filmes Coming to America, foi lançada nos Estados Unidos em 29 de junho de 1988. Eddie Murphy interpreta Akeem Joffer, o príncipe herdeiro da nação africana de Zamunda, que viaja para os Estados Unidos na esperança de encontrar uma mulher com quem ele possa se casar.

É o primeiro filme do ator Cuba Gooding Jr., que surge como um figurante na barbearia, e traz Don Ameche e Ralph Bellamy reprisando seus papéis como os milionários falidos de Trading Places, também protagonizado por Murphy. O filme também traz uma participação especial de Samuel L. Jackson como um assaltante que tenta roubar a lanchonete McDowell's.

Em 1989, foi feito um piloto para uma série de televisão spin-off planejada, embora isso nunca tenha sido escolhido para uma série.[7] Uma sequência, intitulada Coming 2 America, foi produzida e lançada em 2021, 33 anos depois, com a maior parte do elenco original.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Akeem Joffer, um jovem príncipe herdeiro do trono de Zamunda, um reino africano fictício, vive uma vida de luxo e riqueza, com todas as tarefas comuns do dia-a-dia sendo realizadas por criados. Akeem se aborrece com esta vida, desejando algo a mais para si mesmo. Em seu 21° aniversário, seus pais, o rei Jaffe e a rainha Aeoleon, lhe apresentam sua futura esposa, a princesa Imani, que ele nunca conheceu e que foi treinada para obedecer todas as suas ordens.

Querendo achar uma mulher que o ame pelo que ele realmente é, e não pelo seu status social, Akeem decide viajar para os Estados Unidos da América, juntamente com o melhor amigo e assessor pessoal Semmi (Arsenio Hall). O destino escolhido é o bairro do Queens (por "queen" ser rainha em inglês), na Cidade de Nova Iorque, onde fingem serem humildes estudantes estrangeiros, e vivendo num apartamento miserável em Long Island City, ao mesmo tempo em que tentam se habituar a uma realidade bem diferente da que conhecem. Pouco depois, os dois arranjam trabalho numa lanchonete de fast food chamada McDowell's (uma imitação do McDonald's), que pertence ao viúvo Cleo McDowell e às suas duas filhas, Lisa e Patrice. Akeem acaba se se apaixonando por Lisa, mas esta já tem um namorado, o arrogante Darryl (Eriq La Salle), cujo pai é dono da marca "Soul Glo" (um creme que ajuda a cachear cabelos, ao estilo do penteado Jheri), e que, sem o consentimento de Lisa, anuncia que ambos se vão casar. Furiosa, ela termina com Darryl e começa a sair com Akeem, que a impressiona com a sua personalidade e nobreza, apesar de garantir a Lisa que vem de uma família de pastores de cabra na África.

Enquanto Akeem está com cada vez mais trabalho e aprendendo como vivem os plebeus, Semmi não está mais aguentando viver em condições de vida tão humildes. Depois que um jantar com Lisa é frustrado, Semmi propõe um apartamento com jacuzzi e outros luxos, mas Akeem confisca o dinheiro e dá tudo a dois mendigos (Don Ameche e Ralph Bellamy - fazendo uma aparição especial como os irmãos Duke de Trading Places). Semmi então emite um carta, pedido urgentemente mais fundos adicionais ao reino de Zamunda.

Como consequência, a família real e toda a corte viajam até o Queens para lidar com a situação, revelando a todos que Akeem pertence, na verdade à realeza. McDowell, que não aprovava o namoro por julgar que Akeem era pobre, fica radiante, mas Lisa se enfurece por Akeem ter escondido a sua identidade e por isso se recusa a casar com ele. Akeem explica o motivo de ter mentido, mas Lisa continua magoada. Desolado, o príncipe resolve voltar para o seu país, aceitando se casar com Imani. Perante o desgosto do filho, o rei Jaffe insiste que esta "é a tradição" e pergunta "quem sou eu para mudá-la?". A rainha Aeoleon responde: "eu pensei que fosse o rei".

Na cerimônia de casamento em Zamunda, Akeem espera, desanimado, pela sua noiva no altar. Quando levanta o véu dela, fica surpreso ao descobrir que é Lisa, que decidiu voltar atrás e aceitar se casar com ele, com a bênção de Jaffe. Ao final da cerimônia, os dois seguem de carruagem, enquanto são saudados pelo povo zamundense. Lisa está maravilhada com tamanho esplendor e pergunta a Akeem se ele realmente abriria mão de tudo aquilo por ela; Akeem afirma que poderia fazer isso ali mesmo, mas Lisa ri, optando por fazer parte da família real.

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Eddie Murphy como Akeem Joffer, o príncipe de Zamunda
    • Murphy também interpreta Randy Watson, um cantor de soul da banda fictícia Chocolate Sensual, bem como Clarence, o barbeiro local, e Saul, o cliente judeu da barbearia.
  • Arsenio Hall como Semmi, melhor amigo e assessor pessoal de Akeem
    • Hall também interpreta o reverendo Brown, um pastor da igreja, assim como o barbeiro destro de Clarence, Morris, e uma garota feia na boate.
  • James Earl Jones como o Rei Jaffe Joffer, pai de Akeem e rei de Zamunda.
  • John Amos como Cleo McDowell, patrão de Akeem e pai de Lisa.
  • Madge Sinclair como Rainha Aoleon Joffer, mãe de Akeem e rainha de Zamunda.
  • Shari Headley como Lisa McDowell, a filha mais velha de Cleo e o interesse amoroso de Akeem.
  • Clint Smith como Sweets, o barbeiro.
  • Paul Bates como Oha, um servo real.
  • Eriq La Salle como Darryl Jenks, o arrogante namorado de Lisa e herdeiro dos produtos Soul Glo
  • Frankie Faison como o proprietário do apartamento onde Akeem e Semmi vão morar no Queens.
  • Vanessa Bell como Imani Izzi, prometida como futura esposa de Akeem.
  • Louie Anderson como Maurice, um funcionário de McDowell.
  • Allison Dean como Patrice McDowell, a filha mais nova de Cleo e irmã de Lisa.
  • Sheila Johnson como uma dama de companhia da rainha.
  • Jake Steinfeld como motorista de táxi.
  • Calvin Lockhart como Coronel Izzi, pai de Imani

O elenco também inclui: Samuel L. Jackson como um homem armado que tenta assaltar a lanchonete McDowell's; Vondie Curtis-Hall como o zamundense que reconhece Akeem no jogo de basquete; Elaine Kagan como a atendente dos correios; Garcelle Beauvais como portadora real de rosas; Victoria Dillard como esfregadeira pessoal real; assim como o marca a estréia de Ruben Santiago-Hudson como um traficante de rua e Cuba Gooding Jr. como um garoto cortando cabelo na barbearia.

Don Ameche e Ralph Bellamy reprisam seus papéis como Mortimer e Randolph Duke, respectivamente, do filme de comédia de Landis e Murphy, Trading Places (1983).[8] Um trecho da trilha sonora de Trading Places pode ser ouvido durante a cena.

Como indicado anteriormente, Coming to America apresenta Murphy e Hall em vários papéis diferentes, de várias cores, credos e sexos. Após o sucesso deste filme, ele se tornou frequente para Murphy, como visto em quatro filmes posteriores: Vampire in Brooklyn (1995); The Nutty Professor (1996); Nutty Professor II: The Klumps (2000); e Norbit (2007).

Produção[editar | editar código-fonte]

Coming to America reuniu pela segunda vez Eddie Murphy e o diretor John Landis. Os dois haviam trabalhado juntos anteriormente em Trading Places. Os dois se desentenderam várias vezes durante as gravações, com Murphy alegando que jamais trabalharia com Landis novamente. Os dois, no entanto, fizeram as pazes, e Murphy o convidou pessoalmente para dirigi-lo em Beverly Hills Cop III.

Murphy recebeu um salário pessoal de US$8 milhões por seu trabalho no filme, além de 15% dos aluguéis. Landis recebeu US$600,000, mais 10% da receita bruta.[3]

O pôster de um falso filme de ficção científica, "See You Next Wednesday", uma piada recorrente nos filmes de Landis, aparece na estação de metrô depois que Lisa sai do trem.

Lançamento[editar | editar código-fonte]

A Paramount cancelou as exibições do filme após reações negativas iniciais a uma exibição em Nova York.[9]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

Lançado em 29 de junho de 1988, pela Paramount Pictures nos Estados Unidos, foi um sucesso comercial de bilheteria, tanto nacional quanto mundialmente.[10][11] O filme estreou em primeiro lugar com US$21,404,420 em 2,064 telas, totalizando em cinco dias um total de US$28,409,497. O filme faturou US$128,152,301 nos Estados Unidos e acabou com um total mundial de US$288,752,301.[12] Foi o filme com maior lucro naquele ano para o estúdio e o terceiro filme com maior bilheteria dos Estados Unidos.[13]

Foi lançado um mês depois no Reino Unido e ganhou US$7,712,622 durante sete semanas. Foi lançado em 2 de setembro na Alemanha Ocidental, onde estreou em primeiro lugar com US$3,715,791 em 297 telas. Terminou sua exibição após 13 semanas com US$15,743,447. Vários artigos contemporâneos afirmaram que a receita mundial do filme foi de US$350 milhões.[1][3][4]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Coming To America recebeu críticas positivas após o lançamento. O site de agregador de críticas Rotten Tomatoes dá ao filme uma pontuação de 67%, com base em críticas de 42 críticos com uma classificação média de 5,9/10.[14] Em Metacritic, o filme possui uma pontuação média ponderada de 47 em 100, com base em 16 revisões, indicando "críticas mistas ou médias".[15]

Sheila Benson, no Los Angeles Times, chamou de "conto de fadas vazio e desgastante de Eddie Murphy" e lamenta: "Que um filme de Eddie Murphy chegue a esse ponto".[16] Vincent Canby, do The New York Times, também criticou a redação, chamando-a de "uma idéia possivelmente engraçada", mas sugerindo que o roteiro escapou antes de estar pronto. Canby encarou o filme como uma comédia romântica, mas disse que os elementos românticos foram fracos e, em vez disso, o filme se encaixa em um pastelão.[17] Siskel & Ebert tinham opiniões contraditórias sobre o filme. Siskel gostou da atuação de Murphy e Hall, mas Ebert ficou desapontado por Murphy não ter trazido sua performance habitual e mais animada, e Ebert também criticou o roteiro não original. [18]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

O filme foi indicado a duas categorias no Oscar 1989: Melhor Figurino de Deborah Nadoolman Landis e Melhor Maquiagem de Rick Baker,[19] que projetou os efeitos de maquiagem para os vários personagens coadjuvantes de Murphy e Arsenio Hall.[20]

Processo[editar | editar código-fonte]

O filme foi o tema do processo civil Buchwald v. Paramount, que o humorista Art Buchwald entrou em 1990 contra os produtores do filme com o argumento de que a idéia do filme foi roubada de seu tratamento de roteiro de 1982 sobre um rico e despótico potentado africano que chega a América para uma visita de estado. A Paramount havia optado pelo tratamento de Buchwald, e John Landis foi contratado como diretor e Eddie Murphy como protagonista, mas após dois anos de inferno do desenvolvimento, a Paramount abandonou o projeto em março de 1985. Em 1987, a Paramount começou a trabalhar em Coming to America com base em história de Eddie Murphy.[21][22] Buchwald venceu a quebra de contrato e o tribunal ordenou uma indenização monetária. As partes posteriormente resolveram o caso extrajudicialmente antes de um apelo a julgamento.[23]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Coming to America: Original Motion Picture Soundtrack
Trilha sonora de Vários artistas
Lançamento Julho de 1988
Gênero(s) Pop
Duração 40:16
Idioma(s) Inglês
Gravadora(s) Atco Records
Singles de 'Coming to America'
  1. "Coming to America"
  2. "Come into My Life"
  3. "That's the Way It Is"
  4. "Better Late Than Never"

A trilha sonora do filme foi lançada em LP, cassete e CD. As músicas "Coming to America" ​​do The System, "Better Late Than Never" do Cover Girls e "Come into My Life" do Laura Branigan e Joe Esposito foram lançadas como singles do álbum. "That's The Way It Is", de Mel & Kim, foi lançado como single no Reino Unido, antes do lançamento do filme, em fevereiro de 1988, e se tornou um dos dez principais hits. Foi lançado como um single nos EUA no momento do lançamento do filme.

O coro sul-africano Ladysmith Black Mambazo canta Mbube durante a sequência de abertura (a música também conhecida como The Lion Sleeps Tonight). O grupo já gravou várias versões diferentes de Mbube; no entanto, a versão ouvida em Coming to America não havia sido lançada em sua trilha sonora ou em CD desde 2006.

Uma música promocional do filme, também intitulada "Coming to America", foi escrita e executada pelo The System.

Lado A
  1. "Coming to America" — The System (3:49)
  2. "Better Late Than Never" — The Cover Girls (4:02)
  3. "All Dressed Up (Ready to Hit the Town)" — Chico DeBarge (4:50)
  4. "I Like It Like That" — Michael Rodgers (4:01)
  5. "That's the Way It Is" — Mel and Kim (3:25)
Lado B
  1. "Addicted to You" — LeVert (3:54)
  2. "Comin' Correct" — J.J. Fad (3:56)
  3. "Livin' the Good Life" — Sister Sledge (3:46)
  4. "Transparent" — Nona Hendryx (3:50)
  5. "Come into My Life" — Laura Branigan & Joe Esposito (4:39)

Soul Glo[editar | editar código-fonte]

O jingle do comercial do produto fictício Soul Glo foi composto por Nile Rodgers, que sugeriu que este é o seu "momento de maior orgulho".[24] Os vocais foram fornecidos por Christopher Max. [25]

Legado[editar | editar código-fonte]

Piloto de televisão[editar | editar código-fonte]

Um piloto de televisão de uma versão sitcom semanal do filme foi produzido para a CBS, após o sucesso do filme, estrelado por Tommy Davidson como príncipe Tariq e Paul Bates reprisando seu papel como Oha. O piloto não foi vendido, mas foi televisionado em 4 de julho de 1989 como parte da série de antologia piloto da CBS Summer Playhouse.[26][7]

Remakes[editar | editar código-fonte]

Um filme em língua tâmil, My Dear Marthandan, foi produzido com base na trama de Coming to America.[27] Um filme de Hong Kong, The Fun, the Luck & the Tycoon, também tem o mesmo enredo.[28]

Influências na música[editar | editar código-fonte]

A melodia ouvida na cena do banheiro, onde o príncipe Akeem está sendo lavado por servas, foi mostrada na música de Snoop Dogg "That's That", de 2006, com R. Kelly; um remix da música com o rapper Nas inclui a voz de uma mulher dizendo "o pênis real limpa sua alteza", uma fala retirada da mesma cena. Além disso, os videoclipes do single de Busta Rhymes, de 1997, "Put Your Hands Where My Eyes Could See", e o single de 2015 de Action Bronson, "Baby Blue", são vagamente baseados no filme. A música "Coming 2 America" de Ludacris do álbum Word of Mouf apresenta amostras[29] e letras[30] referenciando o filme.

Sequência[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Coming 2 America

No início de 2017, foi divulgado um anúncio que abordou a produção de uma continuação do filme. Jonathan Levine foi anunciado como diretor e Kevin Misher como produtor, além disso, Sheffield e Blaustein, os roteiristas originais, também foram colocados no projeto. No entanto, uma possível participação dos protagonistas Eddie Murphy e Arsenio Hall não ficou definida.[31] De acordo com várias contas públicas, o próprio Murphy, aparentemente, postou um anúncio sobre o projeto do filme, um mês antes, no Facebook, mas depois afirmou que sua conta havia sido hackeada e completamente excluída.

Em 11 de janeiro de 2019, foi anunciado que a continuação seguiria em frente, com Murphy reprisando seu papel e Craig Brewer dirigindo-a (os dois trabalharam juntos no filme Dolemite Is My Name, da Netflix). Arsenio Hall, Shari Headley, John Amos e James Earl Jones voltaram para a sequência.[32][33][34] Wesley Snipes assinou um papel como o vilão do filme. Leslie Jones, o rapper Rick Ross e o ator Morgan Freeman também se juntaram ao elenco.[35][36][32]

O filme estava programado para ser lançado nos cinemas em 18 de dezembro de 2020, mas devido à pandemia COVID-19, a Amazon Studios comprou os direitos de distribuição e o lançou digitalmente no Amazon Prime Video em 4 de março de 2021.

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

  • Óscar 1989 (Estados Unidos)
  • American Comedy Awards 1989 (Estados Unidos)
    • Venceu na categoria de Ator Coadjuvante mais Engraçado em Cinema (Arsenio Hall).

Referências

  1. a b c Bach, Steven (30 de agosto de 1992). «Gross Profit: Fatal Subtraction: The inside story of Buchwald v. Paramount». Los Angeles Times. Consultado em 10 de maio de 2020 
  2. «Coming to America (1988)». Box Office Mojo. IMDb. Consultado em 29 de março de 2019 
  3. a b c Mcdougal, Dennis (4 de fevereiro de 1990). «Murphy movie made millions, but stayed in red». Los Angeles Times. Consultado em 10 de maio de 2020 
  4. a b «Coming to America» (em inglês). no American Film Institute 
  5. «Adoro Cinema (BRA)». AdoroCinema 
  6. «Cinema Sapo (POR)». SAPO. Cinema.sapo.pt. Arquivado do original em 12 de abril de 2015 
  7. a b Fitzpatrick, Molly (11 de abril de 2015). «Reminder: A terrible 'Coming to America' TV pilot happened in 1989». Splinter News. Consultado em 28 de setembro de 2017 
  8. Carlson, Daniel (5 de maio de 2009). «Is it Just Me, or Does Every Woman in New York Have a Severe Emotional Problem?». Pajiba.com. Consultado em 3 de julho de 2011 
  9. Obenson, Tambay A. (5 de abril de 2013). «When Paramount Withheld 'Coming To America' From The Press, Not Knowing What They Had». IndieWire. Penske Media Corporation. Cópia arquivada em 12 de maio de 2013 
  10. Easton, Nina (26 de julho de 1988). «WEEKEND BOX OFFICE : 'Rabbit' and 'America' Battle for Dollars». Los Angeles Times. Consultado em 1 de janeiro de 2011 
  11. Easton, Nina J. (5 de janeiro de 1989). «Nice Guys Finish First : Roger Rabbit' Hops to Box-Office Top; 'Coming to America' Hits 2nd». Los Angeles Times. Consultado em 26 de outubro de 2010 
  12. «Coming to America». Box Office Mojo. IMDb. Consultado em 2 de abril de 2011 
  13. «1988 Domestic Grosses». Box Office Mojo. IMDb. Consultado em 2 de abril de 2011 
  14. «Coming to America (1988)». Rotten Tomatoes. Fandango. Consultado em 29 de junho de 2018 
  15. «Coming to America Reviews». Metacritic. CBS Interactive. Consultado em 29 de junho de 2018 
  16. Benson, Sheila (26 de junho de 1988). «Spare Fare in Eddie Murphy's 'America'». Los Angeles Times. Consultado em 26 de junho de 2010 
  17. Canby, Vincent (29 de junho de 1988). «Review/Film; African Prince in Queens». The New York Times. Consultado em 26 de outubro de 2010 
  18. «Youtube». Consultado em 29 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 6 de agosto de 2016 
  19. «The 61st Academy Awards | 1989». Oscars.org | Academy of Motion Picture Arts and Sciences (em inglês). Consultado em 22 de fevereiro de 2018 
  20. «Coming to America (1988)», IMDb (em inglês), consultado em 22 de fevereiro de 2018 
  21. Buchwald v. Paramount Pictures Corp. and the Future of Net Profit — retrieved May 2015
  22. Thane Rosenbaum,The Myth of Moral Justice: Why Our Legal System Fails to Do What's Right page 182.
  23. Thane Rosenbaum escreveu: "Em 1995, o colunista Art Buchwald prevaleceu após uma batalha legal de sete anos contra a Paramount Pictures, alegando que ele havia submetido a idéia e o roteiro original para o filme de Eddie Murphy, Coming to America, sem jamais sendo devidamente compensado ou reconhecido por seus esforços. O tribunal acabou concordando com Buchwald, embora o prêmio de dano recebido tenha sido consideravelmente menor do que o que ele havia procurado, e ainda menor do que ele eventualmente pagou em honorários advocatícios." --The Myth of Moral Justice: Why Our Legal System Fails to Do What's Right página 182.
  24. Golding, Shenequa (6 de abril de 2016). «Nile Rodgers Declares 'Coming To America's' Soul Glo As His Greatest Composition». Consultado em 28 de março de 2020 
  25. @nilerodgers (21 de dezembro de 2016). «Soul Glo was sung by an artist named Christopher Max. He's the son of Eugene McDaniels who wrote songs like "Feel Like Making Love" etc.» (Tweet) – via Twitter 
  26. «`Outtakes' - `Coming To America' The TV Series». Deseret News. 8 de dezembro de 1988. Consultado em 12 de agosto de 2011 
  27. Krishnaswamy, N. (31 de agosto de 1990). «My Dear Marthandan». The Indian Express. Consultado em 9 de junho de 2020 
  28. «Far East Films - Reviews - The Fun, The Luck And The Tycoon» 
  29. «Ludacris's 'Coming 2 America' - Discover the Sample Source». WhoSampled. Consultado em 22 de fevereiro de 2018 
  30. «Ludacris - Coming 2 America Lyrics». MetroLyrics (em inglês). CBS Interactive. Consultado em 22 de fevereiro de 2018 
  31. Falcone, Dana Rose (14 de abril de 2017). «A 'Coming to America' Sequel Is in the Works With the Original Writers». Us Weekly. Consultado em 17 de abril de 2017 
  32. a b D'Alessandro, Anthony; D'Alessandro, Anthony (7 de agosto de 2019). «James Earl Jones & Paul Bates Returning For 'Coming To America' Sequel, Rick Ross Also Joining». Deadline.com (em inglês). Consultado em 8 de agosto de 2019 
  33. «'Um Príncipe em Nova York 2' é confirmado». Terra. 11 de janeiro de 2019 
  34. «Um Príncipe em Nova York: Sequência tem diretor e trama revelados». Omelete. 12 de janeiro de 2019 
  35. Burwick, Kevin (11 de janeiro de 2019). «Coming to America 2 Is Officially Happening with Eddie Murphy». MovieWeb (em inglês). Consultado em 29 de março de 2019 
  36. Jones, Monique (11 de janeiro de 2019). «'Coming to America 2' Is Officially In The Works As Sequel Gets A Director And Plot». Shadow and Act (em inglês). Consultado em 29 de março de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]