Common Sense (panfleto)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Common Sense ou em português, Senso Comum, é um panfleto político publicado por Thomas Paine a 10 de janeiro de 1776. Contribuiu para a divulgação do ideal independentista, antes da declaração formal da Independência dos Estados Unidos, e por essa razão Thomas Paine é também considerado um "pai fundador".

Payne era um escritor e filósofo político inglês que emigrou para a América. No seu panfleto, numa linguagem acessível ao grande público, perguntava se existia algo mais oposto ao senso comum do "que um continente (...) ser eternamente governado por uma ilha".[1]

A estrutura e o conteúdo[editar | editar código-fonte]

O panfleto Paines está dividido em quatro capítulos principais, listados na página de título:

  • I. "Da Origem e Desenho do Governo em geral, com Observações concisas sobre a Constituição Inglesa."[2] ("Sobre a origem e estrutura de um governo em geral, com breves comentários sobre a constituição inglesa")
  • II. “Da Monarquia e da Sucessão Hereditária.”[2] ("Da Monarquia e Sucessão")
  • III. "Reflexões sobre o presente estado dos assuntos americanos."[2] ("Reflexões sobre o estado atual dos assuntos americanos")
  • IV. "Sobre a capacidade atual da América, com algumas reflexões diversas."[2] ("Sobre a capacidade atual da América, com outras considerações mistas")

Além da ênfase na necessidade de se separar da pátria mãe, o "Senso Comum" também ancorou a lei natural e as idéias democráticas que foram pioneiras para a posterior declaração de independência.

Popularidade[editar | editar código-fonte]

"Common Sense" tornou-se o panfleto mais popular nas colônias americanas e alcançou uma tiragem de 120 000 exemplares em três meses. A pesquisa de hoje sugere que já no início de 1776, metade de todos os colonos americanos tinham ouvido passagens do "senso comum" de uma forma ou de outra. No geral, o panfleto teve uma tiragem de mais de 500 000 cópias. Esse tremendo sucesso também se deve ao fato de Paine - ao contrário da maioria dos outros autores de sua época - usar uma linguagem próxima ao povo.[3][4]

A importância e o impacto[editar | editar código-fonte]

O panfleto em que Paine era o então rei britânico George III.[5] Açoitado como "Faraó" e "besta real",  muitas vezes causou uma mudança de opinião  e levou partes da população americana para a ideia de independência. O "senso comum" teve uma influência decisiva na Declaração da Independência, escrita por Thomas Jefferson e assinada em 4 de julho de 1776. Paine foi o primeiro a sugerir que a nova nação fosse chamada de "Estados Unidos da América".[6]

De acordo com o historiador Jürgen Heideking, "o panfleto Common Sense de Thomas Paine acendeu a faísca que causou a explosão do barril de pólvora.[7]

Referências

  1. «O Panfleto Common Sense (1776)». HISTOBLOG HISTOBLOG - História Geral. 5 de novembro de 2009. Consultado em 27 de julho de 2021 
  2. a b c d «The Project Gutenberg E-text of Common Sense, by Thomas Paine.». www.gutenberg.org. Consultado em 27 de julho de 2021 
  3. Howard Zinn: A People's History of the United States , Harper Perennial, 2005, pp. 69-70 ISBN 0-06-083865-5
  4. Lerg, Charlotte A. The American Revolution . A. Francke Verlag (UTB Profile), Tübingen 2010. ISBN 978-3-8252-3405-8 , p. 47
  5. Heideking, Jürgen: Das Streben nach Glück: Die Amerikanische Revolution. In: Zeitverlag Gerd Bucerius GmbH & Co.KG (Hrsg.): DIE ZEIT Welt - und Kulturgeschichte in 20 Bänden., Band 8, S. 491
  6. Philipp Gassert u. a.: Kleine Geschichte der USA. Reclam, Stuttgart 2007, ISBN 3-15-010629-X, S. 134
  7. Heideking, Jürgen: Das Streben nach Glück: Die Amerikanische Revolution. In: Zeitverlag Gerd Bucerius GmbH & Co.KG (Hrsg.): DIE ZEIT Welt - und Kulturgeschichte in 20 Bänden., Band 8, S. 492
Ícone de esboço Este artigo sobre História dos Estados Unidos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.