Compagnie Française pour la Construction et Exploitation des Chemins de Fer à l'Étranger

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Compagnie Française pour la Construction et Exploitation des Chemins de Fer à l'Étranger
Indústria Transporte ferroviário
Fundação 29 de Janeiro de 1907
Destino Transformada na Companhia Portuguesa para a Construção e Exploração de Caminhos de Ferro
Encerramento 1 de Abril de 1924
Sede França
Área(s) servida(s) Portugal
Locais Espinho, Sernada do Vouga, Aveiro, Viseu
Sucessora(s) Companhia Portuguesa para a Construção e Exploração de Caminhos de Ferro

A Compagnie Française pour la Construction et Exploitation des Chemins de Fer à l'Étranger foi uma empresa francesa, formada para construir a Linha do Vouga e o Ramal de Aveiro, em Portugal; transformou-se na Companhia Portuguesa para a Construção e Exploração de Caminhos de Ferro, que foi estabelecida em 1 de Abril de 1924.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes e formação[editar | editar código-fonte]

Dois alvarás, datados de 11 de Julho de 1889 e 23 de Maio de 1901, concederam ao empresário Frederico Pereira Palha, ou a uma empresa formada por ele, a construção e exploração, por um período de 99 anos, de um caminho de ferro entre as Estações de Torre de Eita, na Linha de Santa Comba Dão a Viseu e Espinho, na Linha do Norte, com um ramal para Aveiro; o respectivo projecto foi aprovado em 30 de Outubro de 1903, tendo o contrato provisório sido lavrado em 25 de Abril de 1904.[1] No entanto, Frederico Pereira Palha transferiu, após ter sido autorizado a tal por um decreto de 17 de Março de 1906, a sua concessão para a Compagnie Française pour la Construction et Exploitation des Chemins de Fer à l'Étranger, uma nova companhia, sediada em França, cujos estatutos foram publicados no dia 29 de Janeiro do ano seguinte[1]; o contrato definitivo com o Estado foi assinado em 5 de Fevereiro, e modificado pela Lei n.º 789, de 25 de Agosto de 1917.[2]

Construção da Linha do Vouga e do Ramal de Aveiro[editar | editar código-fonte]

Ponte do Poço de São Tiago, na Linha do Vouga.

A construção da Linha do Vouga e do respectivo Ramal de Aveiro foi efectuada em diversas fases, tendo estas ligações entrado ao serviço, na sua totalidade, em 5 de Fevereiro de 1914.[1]

Transformação na Companhia Portuguesa para a Construção e Exploração de Caminhos de Ferro[editar | editar código-fonte]

Na assembleia geral de 7 de Julho de 1923, esta companhia decidiu adquirir a nacionalidade portuguesa, tendo sido publicados, no dia 24 de Outubro, os estatutos modificados para proceder a esta transformação.[1] Em 1 de Abril de 1924, apresentaram-se os novos estatutos,passando a denominar-se Companhia Portuguesa para a Construção e Exploração de Caminhos de Ferro, como uma nova entidade, sediada em Portugal; uma divisão da empresa francesa, que era responsável pela gestão das linhas, chamada de Sociedade de Exploração, também sofreu modificações, passando a denominar-se Sociedade Portuguesa.[1] Os estatutos da Sociedade Portuguesa foram aprovados por uma portaria de 8 de Maio de 1926, tendo o projecto de contrato com a empresa principal sido aprovado por um decreto de 24 de Fevereiro de 1928.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g TORRES, Carlos Manitto (16 de Março de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário». Lisboa. Gazeta dos Caminhos de Ferro. 71 (1686): 135, 136 
  2. PORTUGAL. Lei n.º 789, de 25 de Agosto de 1917. Ministério do Trabalho e Previdência Social - Repartição de Caminhos de Ferro. Paços do Governo da República