Companhia Britânica das Índias Orientais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Companhia das Índias Orientais (EIC)
Bandeira da compania (1801)
Brasão de armas (1698)
Tipo Pública
Indústria Comércio internacional
Fundação 31 de dezembro de 1600
Fundador(es) John Watts, George White
Destino Dissolvido
Sede Londres, Inglaterra

A Companhia das Índias Orientais (EIC), também conhecido como a Honorável Companhia das Índias Orientais (HEIC) ou a Companhia Britânica das Índias Orientais e informalmente como John Company,[1] foi uma companhia inglesa e mais tarde britânica,[2] que foi formada para prosseguir o comércio com as Índias Orientais, mas acabou por negociar principalmente com o subcontinente indiano e a China Qing. Sendo uma companhia majestática formada por comerciantes de Londres, em 1600, com o nome de “Company of Merchants of London Trading to the East Indies”,[3] a quem a rainha Elizabeth I concedeu o monopólio do comércio com as “Índias orientais” por um período de 15 anos.[4]

A Companhia Britânica das Índias Orientais tinha o monopólio da venda do chá nas colónias. Sem concorrência, ela vendia seu produto mais caro do que o chá contrabandeado da Holanda e vendido pelos comerciantes locais. Para combater a taxa sobre o chá e conseguir mais liberdade de comércio, alguns colonos iniciaram uma campanha, pedindo ao povo que consumisse o chá Holandês, mais caro mas sem impostos. O ponto alto da campanha foi a "Festa do chá de Boston". Em 16 de dezembro de 1773[5], um grupo de colonos, disfarçados de índios Mohawk, abordou três barcos da Companhia, atirando 342 caixas de chá para as águas do porto de Boston[6].

Originalmente privilegiado como o "Governador e Companhia de Comerciantes de Londres negociando com as Índias Orientais", a empresa aumentou sua representação em metade do comércio mundial, particularmente em mercadorias básicas incluindo o algodão, seda, corante índigo, sal, salitre, chá e ópio. A companhia governou também os começos do Império Britânico na Índia.[7]

A companhia recebeu uma Carta Real da Rainha Elizabeth I em 31 de Dezembro de 1600, tornando-a mais antiga entre várias empresas europeias Companhia das Índias Orientais.Os comerciantes ricos e aristocráticos detinham as ações da companhia.[8] Inicialmente, o governo não possuía ações e tinha apenas controle indireto.

Durante seu primeiro século de operação, o foco da Companhia foi o comércio, não a construção de um império na Índia. Os interesses da Companhia giraram do comércio ao território durante o século 18 enquanto o Império de Mughal declinou no poder e a Companhia das Índias Orientais lutou com sua contraparte francesa, a Companhia das Índias Orientais Francesa (Compagnie française des Indes orientales) durante a Guerras Carnatic das décadas de 1740 e 1750. A Batalha de Plassey e Batalha de Buxar, que viu os britânicos, liderados por Robert Clive, derrotar as potências indianas, deixou a companhia no controle de Bengal e um grande poder militar e político na Índia. Nas décadas seguintes, aumentou gradualmente a extensão dos territórios sob seu controle, governando direta ou indiretamente através de governantes fantoches locais sob a ameaça de força por seus exércitos da Presidência, muitos dos quais eram compostos por cipaios indianos nativos.

A companhia finalmente chegou a governar grandes áreas da Índia com seus próprios exércitos privados, exercendo o poder militar e assumindo funções administrativas[9] Regra da companhia na Índia efetivamente começou em 1757 e durou até 1858, quando, após a Rebelião Indiana de 1857, o Lei 1858 do Governo da Índia Levou à Coroa Britânica assumindo o controle direto da Índia sob a forma do novo Raj Britânico.

Apesar da frequente intervenção do governo, a companhia teve problemas recorrentes com suas finanças. Foi dissolvido em 1874 como resultado da Lei de Reembolso de Dividendos da Índia Oriental passado um ano antes, como a lei do Governo da Índia tinha-lhe dado então vestigial, impotente, e obsoleto. O oficial máquinas governamentais da Índia Britânica assumiu suas funções governamentais e absorveu seus exércitos.

Fundação[editar | editar código-fonte]

James Lancaster comandou a primeira viagem da Companhia das Índias Orientais em 1601

Logo após a derrota da Armada Espanhola em 1588, os mercadores londrinos apresentaram uma petição a Rainha Elizabeth I para permissão para navegar ao Oceano Índico.[4] Permissão foi concedida, e apesar da derrota do Armada Inglesa em 1589, em 10 abril de 1591 três navios partiram de Torbay em volta do Cabo da Boa Esperança para o Mar arábico em uma das primeiras expedições inglesas ultramarinas indianas. Um deles, Edward Bonventure, então navegou em torno do Cabo Comorin para o Malay Peninsula e retornou a Inglaterra em 1594.[4]

In 1596, three more ships sailed east; however, these were all lost at sea.[4] Three years later, on 22 September 1599,[10] another group of merchants met and stated their intention "to venture in the pretended voyage to the East Indies (the which it may please the Lord to prosper), and the sums that they will adventure", committing £30,133.[11] Two days later, on 24 September, "the Adventurers" reconvened and resolved to apply to the Queen for support of the project.[11]

Apesar de sua primeira tentativa não ter sido completamente bem-sucedida, eles ainda buscaram a aprovação não oficial da Rainha para continuar, compraram navios para sua companhia e aumentaram seu capital para £68.373. Os Aventureiros se reuniram novamente um ano depois.[4]

Desta vez conseguiram, e em 31 de dezembro de 1600, a Rainha concedeu a Carta Real para "George, Conde de Cumberland, e 215 Cavaleiros, Vereadores, e Burgesses" sob o nome, Governador e Companhia de Comerciantes de Londres negociando com as Índias Orientais.[12] Por um período de quinze anos, a Carta concedeu à nova companhia um monopólio do comércio com todos os países situados a leste do Cabo da Boa Esperança e a oeste do Estreito de Magalhães.[12] Qualquer pessoa que negociasse em violação da Carta sem licença da Companhia era passível de confisco de seus navios e carga (metade dos quais foi para a Coroa e outra metade para a Companhia), bem como a prisão ao "prazer real".[13]

A governança da companhia estava nas mãos de um governador e de 24 diretores da Companhia das Índias Orientais Britânicas ou comitês, que compunham o Tribunal de Diretores. Eles, por sua vez, relataram ao Tribunal de Proprietários, que os nomeou. Dez comitês informados ao Tribunal de Diretores. Segundo a tradição, os negócios foram inicialmente transacionados na Pousada Nags Head, em frente à igreja de St Botolph's, em Bishopsgate, antes de se mudarem para a Casa da Índia em Leadenhall Street.[14]

Primeiras viagens às Índias Orientais[editar | editar código-fonte]

Sir James Lancaster comandou a primeira viagem da Companhia das Índias Orientais em 1601[15] e retornou em 1603.[16] Em Março de 1604 Sir Henry Middleton comandou a segunda viagem. General William Keeling, um capitão durante a segunda viagem, conduziu a terceira viagem a bordo do Dragão Vermelho de 1607 a 1610, juntamente com Hector sob o comando do capitão William Hawkins e o Consentimento sob o Capitão David Middleton.[17]

Início de 1608 Alexander Sharpeigh foi nomeado capitão da Companhia Ascensão, e general ou comandante da quarta viagem. Em seguida, dois navios, "Ascensão" e "União" (capitaneada por Richard Rowles) partiram de Woolwich em 14 de março de 1607-8.[17]

Inicialmente, a companhia lutou no comércio de especiarias devido à concorrência dos já bem estabelecidos Companhia Holandesa das Índias Orientais. A companhia abriu um fábrica em Bantam na primeira viagem e as importações de pimenta de Java foram uma parte importante do comércio da companhia durante vinte anos. A fábrica em Bantam foi fechada em 1683. Durante este tempo navios pertencentes à companhia que chega na Índia atracou em Surat, que foi estabelecido como um ponto de trânsito comercial em 1608.

Nos próximos dois anos, a empresa estabeleceu sua primeira fábrica no sul da Índia na cidade de Machilipatnam na Costa Coromandel Coast da Baía de Bengala. Os elevados lucros comunicados pela empresa após o desembarque na Índia Rei James I para conceder licenças subsidiárias a outras companhias comerciais na Inglaterra. Mas, em 1609, renovou o estatuto da companhia por um período indeterminado, incluindo uma cláusula que especificava que a carta deixaria de estar em vigor se o comércio se tornasse não rentável por três anos consecutivos.

Bandeiras[editar | editar código-fonte]

A bandeira da Companhia das Índias Orientais Inglesa mudou com a história, com um cantão baseado na bandeira atual do Reino, e um campo de 9 a 13 listras alternando de vermelhas e brancas.

A partir do período de 1600, o cantão consistia da Cruz de Santo George representando o Reino da Inglaterra. Com o Atos da União de 1707, o cantão foi atualizado para ser a nova Bandeira da União—que consiste em uma cruz inglesa de St George combinada com uma escocesa Cruz de Santo André—representando o Reino da Grã-Bretanha. Após o Atos da União de 1800 que juntou a Irlanda com a Grã-Bretanha para formar o Reino Unido, o cantão da bandeira da Companhia das Índias Orientais foi alterado em conformidade para incluir um Saltire de São Patrício replicando a atualização Bandeira da União representando o Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda.

Quanto ao campo da bandeira, tem havido muito debate e discussão quanto ao número e ordem das faixas. Documentos históricos e pinturas mostram muitas variações de 9 a 13 listras, com algumas imagens mostrando a faixa superior sendo vermelho e outros mostrando a faixa superior sendo branco.

Na época da Revolução Americana, a bandeira da Companhia das Índias Orientais era quase idêntica à Bandeira da Grande União. Historiador Charles Fawcett argumenta que a Bandeira da Companhia das Índias Orientais inspirou as Estrelas e Listras.[18]

Brasão de armas[editar | editar código-fonte]

O brasão de armas posterior da Companhia das Índias Orientais

O brasão de armas original da Companhia das Índias Orientais foi concedido em 1600. Os braços eram como segue:

"Azure, três navios com três mastros, equipado e sob a vela cheia, as velas, galhardetes e insígnias de prata, cada um carregado com uma cruz Gules; Sobre um chefe do segundo um azul pálido trimestral e Gules, No 1º e 4º uma flor de lis ou, no 2º e 3º um leopardo ou, entre duas rosas Gules semeadas Ou Vert com farpas. O escudo tinha como crista: "Uma esfera sem um quadro, delimitada com o Zodíaco em curva Ou, entre dois flâmulas prata flottant, cada um carregado com uma cruz gules, sobre a esfera as palavras DEUS INDICAT" (Latim: Deus Indica). Os apoiantes eram dois leões-marinhos (leões com cauda de peixe) e o lema era DEO DUCENTE NIL NOCET (Latim: Onde Deus Dirige, Nada Dói).[19]


Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Registros[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Registros do Escritório de India

Ao contrário de todos os outros registros do governo britânico, os registros da Companhia das Índias Orientais (e seu sucessor o Escritório da Índia) não estão no Os Arquivos Nacionais em Kew, Londres, mas são mantidos pela Biblioteca Britânica em Londres como parte da Ásia, Coleções do Pacífico e da África. O catálogo é acessivo online nos catálogos Acesso aos Arquivos.[20] Muitos dos registros da Companhia das Índias Orientais estão disponíveis gratuitamente online sob umas Famílias na Sociedade Britânica da Índia tem com a Biblioteca Britânica. Existem catálogos publicados de revistas e diários de navios da Companhia das Índias Orientais, 1600-1834;[21] e de algumas das instituições filhas da Companhia, incluindo a Colégio da Companhia das Índias Orientais, Haileybury e Militar Seminário Addiscombe.[22]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui os portais:

Companhia das Índias Orientais:

General:

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. Carey, W.H. (1882). 1882 - The Good Old Days of Honourable John Company. Simla: Argus Press. Consultado em 30 July 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. A Companhia Holandesa das Índias Orientais foi a primeira a emitir ações públicas.
  3. The Register of Letters &c. of the Governor and Company of Merchants of London trading into the East Indies, 1600–1619. (em inglês)
  4. a b c d e Imperial Gazetteer of India vol. IV 1908, p. 454 Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "igi-ii-p454" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  5. «1773: A "Festa do Chá" em Boston». Deutsche Welle. Consultado em 18 de setembro de 2015 
  6. STANDAGE, Tom (2005). História do Mundo em 6 copos. [S.l.]: Zahar. página 162 
  7. «Books associated with Trading Places - the East India Company and Asia 1600–1834, an Exhibition.» 
  8. Baladouni, Vahe (Outono de 1983). «Accounting in the Early Years of the East India Company». The Academy of Accounting Historians. The Accounting Historians Journal. 10 (2): 63–80. JSTOR 40697780 
  9. Este é o argumento de Robins (2006).
  10. Wilbur, Marguerite Eyer (1945). The East India Company: And the British Empire in the Far East. Stanford, Cal.: Stanford University Press. p. 18. ISBN 9780804728645 
  11. a b «East Indies: September 1599». british-history.ac.uk. Consultado em 18 February 2017  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  12. a b Imperial Gazetteer of India vol. II 1908, p. 6
  13. Kerr, Robert (1813). A General History and Collection of Voyages and Travels. 8. [S.l.: s.n.] p. 102 
  14. Timbs, John (1855). Curiosities of London: Exhibiting the Most Rare and Remarkable Objects of Interest in the Metropolis. [S.l.]: D. Bogue. p. 264 
  15. Gardner, Brian (1972). The East India Company: a History. [S.l.]: McCall Publishing Company. ISBN 0-8415-0124-6 
  16. «First EIC Voyage». thinkingpast.com. Consultado em 18 de Fevereiro de 2017 </
  17. a b East India Company (1897). List of factory records of the late East India Company : preserved in the Record Department of the India Office, London. [S.l.: s.n.] p. vi 
  18. Fawcett, Charles (30 de julho de 2013). Rob Raeside, ed. «The Striped Flag of the East India Company, and its Connexion with the American "Stars and Stripes"» 
  19. «East India Company». Hubert Herald. Consultado em 10 de Fevereiro de 2014 
  20. A2A – Access to Archives Home
  21. Farrington (ed.), Anthony (1999). Catalogue of East India Company ships' journals and logs: 1600–1834. London: British Library. ISBN 0-7123-4646-5 
  22. Farrington 1976.

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

(em inglês)

  • Andrews, Kenneth R. (1985). Trade, Plunder, and Settlement: Maritime Enterprise and the Genesis of the British Empire, 1480–1630. Cambridge, U.K.: Cambridge University Press. ISBN 0-521-25760-3 
  • Bowen, H. V. (1991). Revenue and Reform: The Indian Problem in British Politics, 1757–1773. Cambridge, U.K.: Cambridge University Press. ISBN 0-521-40316-2 
  • Bowen, H. V. (2003). Margarette Lincoln; Nigel Rigby, eds. The Worlds of the East India Company. Rochester, NY: Brewer. ISBN 0-85115-877-3 ; 14 essays by scholars
  • Brenner, Robert (1993). Merchants and Revolution: Commercial Change, Political Conflict, and London’s Overseas Traders, 1550–1653. Princeton, NJ: Princeton University Press. ISBN 0-691-05594-7 
  • Carruthers, Bruce G. (1996). City of Capital: Politics and Markets in the English Financial Revolution. Princeton, NJ: Princeton University Press. ISBN 978-0-691-04455-2 
  • Chaudhuri, K. N. (1965). The English East India Company: The Study of an Early Joint-Stock Company, 1600–1640. London: Cass 
  • Chaudhuri, K. N. (1978). The Trading World of Asia and the English East India Company, 1660–1760. Cambridge, U.K.: Cambridge University Press. ISBN 0-521-21716-4 
  • Chaudhury, S. (1999). Merchants, Companies, and Trade: Europe and Asia in the Early Modern Era. London: Cambridge University Press 
  • Dalrymple, William (March 2015). The East India Company: The original corporate raiders. "For a century, the East India Company conquered, subjugated and plundered vast tracts of south Asia. The lessons of its brutal reign have never been more relevant." The Guardian
  • Dirks, Nicholas (2006). The Scandal of Empire: India and the creation of Imperial Britain. Cambridge, Massachusetts, London, England: The Belknap Press of Harvard University Press. ISBN 0-674-02166-5 
  • Farrington, Anthony (2002). Trading Places: The East India Company and Asia, 1600–1834. London: British Library. ISBN 0-7123-4756-9 
  • Furber, Holden. John Company at Work: A study of European Expansion in India in the late Eighteenth century (Harvard University Press, 1948)
  • Furber, Holden (1976). Rival Empires of Trade in the Orient, 1600–1800. Minneapolis: University of Minnesota Press. ISBN 0-8166-0787-7 
  • Greenwood, Adrian (2015). Victoria's Scottish Lion: The Life of Colin Campbell, Lord Clyde. UK: History Press. p. 496. ISBN 0-75095-685-2 
  • Harrington, Jack (2010), Sir John Malcolm and the Creation of British India, ISBN 978-0-230-10885-1, New York: Palgrave Macmillan. 
  • Keay, John (2010). The Honourable Company: A History of the English East India Company. [S.l.]: HarperCollins UK. ISBN 978-0-00-739554-5 
  • Lawson, Philip (1993). The East India Company: A History. London: Longman. ISBN 0-582-07386-3 
  • Misra, B.B. . The Central Administration of the East India Company, 1773-1834 (1959) online
  • O'Connor, Daniel (2012). The Chaplains of the East India Company, 1601–1858. London: Continuum. ISBN 978-1-4411-7534-2 
  • Philips, C. H. The East India Company 1784 - 1834 (2nd ed. 1961), on its internal workings
  • Riddick, John F. The history of British India: a chronology (2006) excerpt and text search, covers 1599–1947
  • Riddick, John F. Who Was Who in British India (1998), covers 1599–1947
  • Ruffner, Murray (April 21, 2015). «Selden Map Atlas». Thinking Past. Consultado em April 28, 2015  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  • Risley (ed.), Sir Herbert H.; et al. (1908), The Indian Empire: Historical, Imperial Gazetteer of India, 2, Oxford: Clarendon Press, under the authority of H.M. Secretary of State for India 
  • Risley (ed.), Sir Herbert H.; et al. (1908), The Indian Empire: Administrative, Imperial Gazetteer of India, 4, Oxford: Clarendon Press, under the authority of H.M Secretary of State for India 
  • Robins, Nick (December 2004). The world's first multinational, in the New Statesman
  • Robins, Nick (2006). The Corporation that Changed the World: How the East India Company Shaped the Modern Multinational. London: Pluto Press. ISBN 0-7453-2524-6 
  • Sen, Sudipta (1998). Empire of Free Trade: The East India Company and the Making of the Colonial Marketplace. Philadelphia: University of Pennsylvania Press. ISBN 978-0-8122-3426-8 
  • Sharpe, Brandon (April 23, 2015). «Selden Map Atlas». Thinkingpast.com. Consultado em April 28, 2015  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  • Steensgaard, Niels (1975). The Asian Trade Revolution of the Seventeenth Century: The East India Companies and the Decline of the Caravan Trade. Chicago: University of Chicago Press. ISBN 0-226-77138-5 
  • Stern, Philip J. The Company-State: Corporate Sovereignty and the Early Modern Foundations of the British Empire in India (2011) online
  • Sutherland, Lucy S. (1952). The East India Company in Eighteenth-Century Politics. Oxford: Clarendon Press 
  • Williams, Roger (2015). London's Lost Global Giant: In Search of the East India Company. London: Bristol Book Publishing. ISBN 978-0-9928466-2-6 

Historiografia[editar | editar código-fonte]

  • Farrington (ed.), Anthony (1976). The Records of the East India College, Haileybury, & other institutions. London: H.M.S.O. 
  • Stern, Philip J. (2009) "History and historiography of the English East India Company: Past, present, and future!." History Compass 7.4 (2009): 1146-1180.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

(em inglês)

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Companhia Britânica das Índias Orientais