Companhia Darién

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A Companhia Darién (ou companhia da Escócia) foi um plano ruinoso que os escoceses levaram a cabo no final do século XVII para tentar lançar a economia escocesa no colonialismo. Por iniciativa do Parlamento escocês para tentar fomentar a economia foi criada uma companhia por acções segundo o modelo das companhias inglesas e holandesas, que tinha por plano o estabelecimento de uma colónia escocesa no Istmo do Panamá. Esta aventura foi planeada por William Paterson, que ganhou por isso a fama de ser um sonhador sem interesse pelo detalhe. O principal defeito do plano era ser uma iniciativa totalmente autónoma dos ingleses, que detinham uma posição de liderança no comércio internacional. Saldou-se na perda de 2.000 vidas e 200.000 libras. Uma outra consequência foi a iniciativa dos ingleses que resultou no Acto da União de 1707: os ingleses concederam aos escoceses a participação no comércio internacional inglês, em troca da abolição do parlamento escocês e integração dos deputados escoceses (um número relativamente pequeno) no parlamento unitário britânico (Westminster).[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ibeji, Mike (17 de fevereiro de 2017). «The Darien Venture». BBC British History. BBC. Consultado em 16 de abril de 2017 
Ícone de esboço Este artigo sobre a Escócia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.