Companhia Estadual de Silos e Armazéns do Rio Grande do Sul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Companhia Estadual de Silos e Armazéns - CESA
Razão social Cesa - Estadual de Estadual de Silos e Armazéns
Empresa de capital fechado
Slogan "Sempre beneficiando ao produtor gaúcho com maior qualidade e segurança para a sua safra em suas diversas culturas"
Fundação 1952
Encerramento 19 de Abril de 2018
Sede Porto Alegre,  Rio Grande do Sul
 Brasil
Presidente Claudio Cava
Website oficial Cesa Rio Grande do Sul

Companhia Estadual de Silos e Armazéns - CESA foi uma empresa governamental responsável pela armazenagem de safras do Rio Grande do Sul. contava com 19 filiais ativas em vários municípios do Estado, foi uma empresa brasileira pioneira ao possuir uma rede integrada de silos e armazéns.[1][2]

História[editar | editar código-fonte]

A CESA foi criada em dezembro de 1952 com o intuito de suprir o setor agrícola gaúcho, possuía uma infraestrutura de armazenagem compatível com as crescentes safras gaúchas. Mantinha sua sede administrativa em Porto Alegre, a Companhia contou com 19 filiais ativas, distribuídas em 22 municípios do Estado,[3] totalizando a quantia de 469.500 toneladas de capacidade estática para armazenagem.[4]

Vinculada à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio, a CESA foi pioneira no Brasil na instalação de uma rede integrada de silos e armazéns. Foi uma instituição de uso público que atende produtores de pequeno, médio e grande porte, cooperativas, governo, indústria e comércio. Portanto, atua como uma empresa prestadora de serviços depositária de produtos de terceiros.[5]

Processo de Liquidação[editar | editar código-fonte]

Em 17 de Abril de 2018, a Assembleia Legislativa aprovou a extinção da companhia por 45 votos á 4 através do projeto de lei 248/2017.[6] Os deputados contrários alegaram que a venda da estatal não soluciona a crise do Rio Grande do Sul.[7] O presidente da estatal afirmou: “Hoje, a atividade empresarial da CESA serve apenas para pagar salários e ações trabalhistas, mas existe todo um rombo a ser coberto”, afirmou Cláudio Cava Corrêia.[8]

A empresa possuía diversas dividas milionárias, quase todas eram trabalhistas movidas há muitos anos e que só se prolongavam e aumentavam ao passar do tempo, A maioria das unidades que antes compunham a CESA foram leilão imediato, para suprir a maioria das dívidas que a empresa mantinha até então.[9]

Apenas uma unidade da CESA foi liberada para prosseguir com suas atividades.[10][11]

Referências

  1. «Conheça a CESA». www.cesa.rs.gov.br. Consultado em 21 de maio de 2019 
  2. «Cia Estadual de Silos e Armazéns anuncia calendário para venda de dez unidades no RS». Portal do Estado do Rio Grande do Sul. 8 de fevereiro de 2019. Consultado em 21 de maio de 2019 
  3. «Na mira da privatização, a Cesa armazena dívidas». Ricardo Alfonsin Advogados. Consultado em 21 de maio de 2019 
  4. «Companhia Estadual de Silos e Armazéns». www.cesa.rs.gov.br. Consultado em 21 de maio de 2019 
  5. FLEXPOINT. «Extinção da Cesa é aprovada na Assembleia Legislativa». www.anoticia.com. Consultado em 21 de maio de 2019 
  6. «Unidade da Cesa é adquirida por empresa de transporte de Passo Fundo». Jornal Minuano | O Jornal que Bagé gosta de ler. Consultado em 21 de maio de 2019 
  7. «Produtores rurais não serão prejudicados após extinção da Cesa ser aprovada na Assembleia, diz diretor». G1. Consultado em 21 de maio de 2019 
  8. «Presidente da Cesa estima que fim da companhia leve ao menos três anos». GaúchaZH. 19 de março de 2018. Consultado em 21 de maio de 2019 
  9. Silveira, Milos (28 de março de 2019). «Cesa de Cachoeira vai a leilão no dia 4». OCorreio Digital - O portal de notícias de Cachoeira do Sul e Região. Consultado em 21 de maio de 2019 
  10. Bandeirantes, Rádio e Tv. «band.uol.com.br». band.uol.com.br - O portal de notícias do Grupo Bandeirantes (em inglês). Consultado em 21 de maio de 2019 
  11. «Novo pacote de Sartori propõe extinção de fundações e nova Previdência - Rio Grande do Sul». Jornal NH. Consultado em 21 de maio de 2019