Companhia de Telecomunicações do Estado de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Companhia de Telecomunicações do Estado de São Paulo (COTESP) foi uma empresa estadual paulista de telefonia fixa incorporada no ano de 1976[1] pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP). Foi criada para atender diversos municípios que não dispunham até aquela época de serviço telefônico.

Originou-se em 1964[2] com a compra das ações da antiga Companhia Telefônica Tupi pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE). Suas regiões de atuação no início eram aquelas abrangidas pela Companhia Telefônica Tupi (Litoral Norte e Zona da Serra - UbatubaSão SebastiãoIlhabelaParaibuna e outros, além do município fluminense de Paraty), os serviços construídos e explorados pelo DAEE (Litoral Sul e Alta Araraquarense - Registro, Cananeia, Pedro de Toledo e outros, além de vários municípios entre Fernandópolis e Santa Fé do Sul), e os sistemas intermunicipais que estavam sendo construídos também pelo DAEE (regiões do Alto Ribeira e Média Noroeste).

Durante a década de 60 e início da década de 70 incorporou[3] diversos sistemas telefônicos municipais. Também controlava a Telefônica Sul Paulista de Capão Bonito, a Cia. Telefônica Registro e a Empresa Melhoramentos de Andradina.

Construiu e automatizou as seguintes centrais telefônicas, que são utilizadas até hoje pela Vivo: no final da década de 60 os prédios de Bananal, Pariquera-Açu, Salesópolis e Sete Barras; em 1971 os prédios de Arujá, Buri, Guapiara, Ilhabela, Ilha Solteira, Paraibuna, Santa Branca, Santa Isabel, São Sebastião e Ubatuba; em 1974[4] os prédios especiais de Andradina, Angatuba, Auriflama, Caçapava, Cachoeira Paulista, Campos do Jordão, Capão Bonito, Caraguatatuba, Ibiúna, Itararé, Jales, Nhandeara, Pereira Barreto, Peruíbe, Piquete, Registro e os prédios modulados de Cananeia, Clementina, Eldorado, Estrela d'Oeste, Gastão Vidigal, General Salgado, Getulina, Indiaporã, Iporanga, Itariri, Juquitiba, Macaubal, Meridiano, Miracatu, Pedro de Toledo, Populina, Ribeira, Salto de Pirapora, Santa Rita d'Oeste, São Miguel Arcanjo e Sud Mennucci. Algumas dessas centrais só foram concluídas e começaram a operar posteriormente através da TELESP.

Em 1973 através de um convênio firmado entre a COTESP e a TELESP, com a interveniência do governo do estado de São Paulo e do Ministério das Comunicações, foram transferidos para a TELESP todo seu serviço interurbano, além das concessões dos serviços urbanos de 89 localidades[5][6]. Os serviços urbanos das demais 86 localidades[4][7] que faziam parte do seu plano de expansão e do plano geral de automatização só foram transferidos em 1975 e a empresa incorporada[1] definitivamente em 1976.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Ata da Reunião Extraordinária da Diretoria da TELESP para incorporação definitiva da COTESP realizada em 31 de março de 1976» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  2. «Inauguração da COTESP» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  3. «Cotesp - Relatório Anual de 1971» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  4. a b «Cotesp - Relatório Anual de 1973» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  5. «Convênio de incorporação da COTESP pela TELESP em 25 de outubro de 1973». Portal da Câmara dos Deputados 
  6. «COTESP é incorporada à TELESP». Acervo Folha de São Paulo 
  7. «Telesp vai servir mais 86 cidades do Estado». Acervo Folha de São Paulo