Comparação entre Fórmula 1 e IndyCar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:

Apesar de serem praticamente iguais para os olhos de um leigo, as duas categorias são bastante distintas.

É o que pode ser percebido nas palavras do jornalista Lemyr Martins, autor do livro A Saga dos Fittipaldi: "As regras da Indy impõem uma igualdade muito maior entre os oponentes. Mesmo corredores com pouco dinheiro podem levar a melhor em um campeonato."[1]

Sobre os carros, segundo a revista Car And Driver: "Comparado a um F-1, um Indy é como se fosse um tanque de guerra. Comparado a um Indy, o F-1 é um avião de caça"; uma vez que um F-1 é uma máquina de altíssima precisão feita para percorrer um circuito misto no menor tempo possível, um F-Indy nasce para andar no vácuo em ovais a mais de 400 km/h (e para suportar as incríveis batidas nos muros de concreto que acontecem a essa velocidade).[2]

Sobre a tecnologa,o jornalista Fábio Henrique, colunista do site do "Blog da Indy" resume assim: "A Fórmula 1 tem como objetivo ser a nata de toda tecnologia e desenvolvimento automobilístico. Tudo é feito visando o aperfeiçoamento tecnológico, cada peça de um F1 é projetada no seu limite e tudo é feito para superar recordes ano após ano. Existe o pensamento de que a F1 é o maior laboratório tecnológico da área automotiva, um verdadeiro campo de provas onde é investida grana pesada para o desenvolvimento de componentes que talvez possam vir a um dia serem usados nos carros de rua. Já a Fórmula Indy tem o princípio de existir como um campeonato automobilístico cuja única função é o esporte em si. A Fórmula 1 busca tecnologia limitada apenas pelo seu próprio regulamento e pela vastidão do infinito. A Indy tem como objetivo uma das filosofias da Fórmula 1, que é a competição como esporte."[3]

Comparativo[editar | editar código-fonte]

  • Observação: Estes dados estão atualizados até a temporada de 2018 de ambas as categorias.

Origem[editar | editar código-fonte]

Formula Indy Formula 1
  • Teve origem nos Grandes Prêmios disputados pela Europa no início do século XX
  • Categoria organizada pela FIA fundada em 1950

Pistas/circuitos[editar | editar código-fonte]

Formula Indy Formula 1
  • Boa parte das corridas é realizada em pistas ovais
  • As corridas acontecem em cinco tipos de pista: ovais, superovais, circuitos fechados, circuitos de rua e aeroportos
  • Desde 1996 há provas noturnas
  • Prova mais famosa: 500 Milhas de Indianápolis
  • Atualmente não há provas realizadas em pistas ovais
  • As corridas acontecem em dois tipos de pista: circuitos fechados e circuitos de rua
  • Desde 2008, há provas noturnas
  • Prova mais famosa: Grande Prêmio de Mônaco

Carros[editar | editar código-fonte]

Formula Indy Formula 1
  • Os carros são todos iguais, fornecidos pela mesma empresa, a Dallara, e as equipes fazem apenas ajustes a seus gostos
  • Carros mais robustos para aguentar pancadas em circuitos ovais, onde não tem área de escape. Carros mais pesados e com um corrimento no assoalho para os deixar "grudados" no asfalto. Chassis desenvolvidos para alta resistência (mais fortes e mais pesados que os dos F-1), e que podem ser comprados por qualquer equipe por cerca de US$ 500 mil cada
  • Peso (carro + piloto): 701 kg para provas em circuitos ovais e 714 kg para circuitos mistos
  • Tamanho: 201,1 cm de largura e 513,2 cm de comprimento
  • Motores: Honda ou Chevrolet; V6 2,2 litros, 550 HP a 750 HP, em média, e que giram até 12.000 rpm
  • Câmbio: Metal. Mais pesados que os da F-1. 6 marchas, borboletas no volante
  • Combustível: Etanol E85
  • Capacidade do tanque: 70 litros
  • Controle de tração e transmissão semiautomática não são permitidos
  • Principal câmera on board gira 360°
  • Os modelos da F-1 têm uma estrutura muito mais complexa e são todos diferentes entre si, já que cada equipe é obrigada a fazer o seu próprio modelo, ou comprá-lo pronto
  • Peso (carro + piloto): 728 kg
  • Tamanho: 200 cm de largura, 90 cm de altura e cerca de 500 cm a 550 cm de comprimento
  • Motores: Atuais fornecedores são Mercedes-Benz, Ferrari, Renault e Honda; 1.6 V6 turbo e 750 cv a 1000 cv, em média, limitados a 15.000 rpm
  • Câmbio: Carbono. Semiautomático, 8 marchas, borboletas no volante
  • Combustível: Gasolina especial para corridas (com alta octanagem)
  • Tanque de Combustível: 150 litros
  • Transmissão semiautomática é permitida, mas controle de tração não
  • Duas câmeras on board principais sobre o santantônio, uma apontada para a dianteira e a outra para a traseira

Dirigibilidade/velocidade[editar | editar código-fonte]

Formula Indy Formula 1
  • Carro mais pesado, tornando-o fisicamente mais difícil de dirigir que um F-1
  • Direção mecânica
  • Freios de carbono - eram de aço até 2011
  • Recorde de velocidade média (em corrida): Gil de Ferran - 388.537 km/h no oval de Fontana em 2000
  • Recorde de velocidade máxima (em corrida): 409 km/h
  • Pneus: fornecedora: Firestone. Larguras: 258 mm x 308 mm
  • carro mais veloz em retas e curvas de alta velocidade
  • Mais tecnológico, facilitando a vida do piloto.
  • Direção hidráulica
  • Freios de carbono
  • Recorde de velocidade média (em corrida): 249,835 km/h por Damon Hill no circuito de Monza na Itália em 1993
  • Recorde de velocidade máxima (em corrida): Juan Pablo Montoya - 372,6 km/h no GP da Itália de 2005
  • Pneus: fornecedora: Pirelli. Larguras: 305 mm x 405 mm - intermediários e para chuva com ranhuras
  • Carro com melhor frenagem, melhor aceleração e melhor controle na curva

Equipes[editar | editar código-fonte]

Formula Indy Formula 1
  • Poucos os casos em que equipes contam com carros com pinturas iguais (exemplo: os Chip Ganassi)
  • Já houve casos de equipes com 4 carros numa mesma temporada - em geral, são 2 ou 3
  • Tamanho das equipes: cerca de 40 (total geral), 6 mecânicos no pit-lane
  • Os próprios pilotos escolhem os números de seus carros
  • Equipes contam com carros com pinturas iguais. Em 1999, a BAR tentou participar do campeonato com os carros com pinturas diferentes: a FIA vetou
  • Limitado a 2 carros
  • Tamanho das equipes: cerca de 120 (total geral), 14 mecânicos no pit-lane
  • Até 2013, os números eram escolhidos de acordo com o desempenho do piloto e da equipe na temporada anterior. Desde 2014, os próprios pilotos escolhem os números de seus carros

Orçamento[editar | editar código-fonte]

Formula Indy Formula 1
  • De R$ 15 a 25 milhões
  • Dependendo dos ajustes, os carros saem entre R$ 1,2 milhão e R$ 3 milhões
  • Pilotos faturam de R$ 720 mil a R$ 11 milhões
  • A FIA estipulou que cada equipe pode gastar 40 milhões de libras por temporada.
  • Pilotos recebem de R$200 mil a R$225 milhões por ano — sem contar os ganhos com publicidade

Corridas[editar | editar código-fonte]

Formula Indy Formula 1
  • Treinos livres: Tem mais treinos. No sábado são três sessões livres. De manhã, na primeira, meia hora só para os novatos (chamados de "rookies")
  • Treino classificatório para o grid de largada: A primeira parte é dividida em dois grupos, por sorteio. São 20 minutos para tomada de tempo. Passam os seis melhores tempos de cada lado para a segunda etapa, que tem 15 minutos. Daí, os seis mais rápidos de cada grupo fazem a superpole, que dura dez minutos
  • Largada: Os carros têm de formar uma fila dupla em movimento (tripla em certos ovais), e aceleram com o aceno da bandeira verde
  • Pit Stop: pode-se parar na volta que o Safety Car entra na pista
  • Pontuação: Todos os carros que alinham no grid pontuam. Se não largar, aí recebe a metade. Existe também pontuação para volta mais rápida e mais voltas lideradas
  • Treinos livres: Os pilotos treinam na sexta (duas sessões de 1h30min, com exceção de Monte Carlo que é na quinta-feira) e no sábado (mais 1h), antes da definição do grid. No domingo, só tem a corrida
  • Treino classificatório para o grid de largada: A definição do grid de largada é dividida em três sessões eliminatórias, ficando fora sete carros/pilotos em cada, até que os dez mais rápidos da segunda etapa fazem uma final
  • Largada: Os carros ficam parados no grid e largam quando as luzes vermelhas de sinalização apagam - em 2018 foi adicionado um sonorizador no semáforo
  • Pit Stop: Pode-se parar na volta que o Safety Car entra na pista, embolando a corrida e trazendo o fatores "sorte" e "estratégia" às corridas
  • Pontuação: Pontuam apenas os dez primeiros colocados

Provas no mesmo circuito e no mesmo ano[editar | editar código-fonte]

2002[editar | editar código-fonte]

  • Em 2002, tanto a F-1 quanto F-Indy andaram na pista de Montreal no Canadá (Circuito Gilles Villeneuve) com o mesmo traçado para as duas categorias.
Formula Indy Formula 1

2003[editar | editar código-fonte]

  • Em 2003, voltaram a mesma pista, porém com uma pequena alteração na pista da F-1 (uma chicane) o que deixou a pista um pouco mais lenta para os F-1.
Formula Indy Formula 1
  • Pela Indy, Alex Tagliani da Forsythe fez a pole com o tempo 1:19.665
  • Pela F-1, Ralf Schumacher da Williams fez a pole com o tempo 1:15.529, e Ralph Firman da Jordan fechou o grid em 1:18.692.

2004[editar | editar código-fonte]

  • Em 2004, a F-1 e a F-Indy voltaram a andar no mesmo traçado de Montreal no Canadá.
Formula Indy Formula 1
  • Pela Indy, Sebastien Bourdais da Newman Haas fez a pole em 1:19.897
  • Pela F-1, Ralf Schumacher da Williams fez a pole em 1:12.275, e Zsolt Baumgartner da Minardi fechou o grid em 1:17.064.

2005[editar | editar código-fonte]

  • Em 2005, ambas correram em Montreal, mas voltou a pequena alteração na pista da F-1 (a chicane) o que deixou a pista um pouco mais lenta para os F-1.
Formula Indy Formula 1
  • Pela Indy, Sebastien Bourdais da Newman Haas fez a pole em 1:20.396
  • Pela F-1, Jenson Button da BAR fez a pole com 1:15.217, e Patrick Friesacher da Minardi fechou o grid com 1:19.574.

2006[editar | editar código-fonte]

  • Em 2006, voltaram a mesma pista, com a mesma alteração da chincane para a F-1.
Formula Indy Formula 1
  • Pela Indy, Sebastién Bourdais da Newman Hass fez a pole com o tempo 1:20.005
  • Pela F-1, Alonso fez a pole com o tempo de 1:14.942 e Franck Montagny da Super Aguri fechou o grid com o tempo 1:19.152.

Pilotos que foram campeões nas 2 categorias[editar | editar código-fonte]

  • Emerson Fittipaldi ganhou a F-1 em 1972 e 1974 e, depois de deixar as pistas, foi seduzido pelos norte-americanos para voltar. Em 1989, venceu as 500 Milhas e se tornou o primeiro piloto nascido fora dos Estados Unidos a conquistar o título da categoria.
  • O inglês Nigel Mansell venceu a F-1 em 1992 e a Indy no ano seguinte
  • O canadense Jacques Villeneuve, que fez o caminho contrário: ganhou a Indy em 1995 e dois anos depois seria coroado na F-1.
  • Mario Andretti ganhou a Indy em 1965, 1966, 1969 e 1984. Foi campeão da F-1 em 1978.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Em 1971, um grande prêmio foi preparado justamente para se ver a diferença entre as 2 categorias. Foi o chamado Questor GP. A prova foi disputada no dia 28 de Março de 1971, em duas baterias (uma no oval e a outra no circuito misto), onde o tempo agregado de ambas sinalizaria o vencedor. No agregado, o piloto de F-1 Mario Andretti foi o vencedor[4].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. vejasp.abril.com.br/
  2. caranddriverbrasil.uol.com.br/ Arquivado em 4 de novembro de 2011, no Wayback Machine. F-1 X F-Indy
  3. f1mania.net/[ligação inativa] Comparação entre Fórmula Indy X Fórmula 1 – Parte II: O grande erro da nossa mídia
  4. motorpasion.com.br/ Arquivado em 28 de maio de 2010, no Wayback Machine. A corrida de dois mundos - "Indy" vs. F1

Ligações externas[editar | editar código-fonte]