Compartilhamento de conhecimento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O compartilhamento de conhecimento é uma atividade através da qual o conhecimento (ou seja, informações, habilidades ou conhecimentos) é trocado entre pessoas, amigos, famílias, comunidades (por exemplo, Wikipédia) ou organizações.[1] [2] [3]

As organizações reconheceram que o conhecimento constitui um ativo intangível valioso para criar e sustentar vantagens competitivas.[4] As atividades de compartilhamento de conhecimento geralmente são apoiadas por sistemas de gerenciamento de conhecimento . [5] No entanto, a tecnologia constitui apenas um dos muitos fatores que afetam o compartilhamento de conhecimento nas organizações, como cultura organizacional, confiança e incentivos.[6] O compartilhamento de conhecimento constitui um grande desafio no campo da gestão do conhecimento, porque alguns funcionários tendem a resistir a compartilhar seus conhecimentos com o resto da organização.[7]

No mundo digital, sites e aplicativos permitem o compartilhamento de conhecimento ou de talentos entre indivíduos e/ou dentro de equipes. Os indivíduos podem facilmente alcançar as pessoas que querem aprender, compartilhar seus talentos e serem recompensados.

Fluxo ou transferência[editar | editar código-fonte]

Embora o conhecimento seja comumente tratado como um objeto, Dave Snowden argumentou que é mais apropriado ensiná-lo como um fluxo e uma coisa.[8] Conhecimento como um fluxo pode estar relacionado ao conceito de conhecimento tácito, [9] [10] [11] Embora a dificuldade de compartilhar conhecimento esteja na transferência de conhecimento de uma entidade para outra,[12] [13] pode ser proveitoso para reconhecer as dificuldades de transferência de conhecimento, adotando novas estratégias de gestão do conhecimento. [8]

Conhecimento explícito[editar | editar código-fonte]

O compartilhamento explícito de conhecimento ocorre quando o conhecimento explícito é disponibilizado para ser compartilhado entre entidades. O compartilhamento explícito de conhecimento pode ocorrer com êxito quando os seguintes critérios são atendidos:

  • Articulação: o provedor de conhecimento pode descrever as informações.[1]
  • Conscientização: o destinatário deve estar ciente de que o conhecimento está disponível. [1]
  • Acesso: o destinatário do conhecimento pode acessar o provedor de conhecimento. [1]
  • Orientação: o corpo do conhecimento deve ser definido e diferenciado em diferentes tópicos ou domínios, de modo a evitar a sobrecarga de informação e fornecer acesso fácil ao material apropriado. Os gerentes de conhecimento são frequentemente considerados figuras-chave na criação de um sistema efetivo de compartilhamento de conhecimento. [1] [14]
  • Completude: a abordagem holística para o compartilhamento de conhecimento na forma de conhecimento gerido centralmente e auto-publicado.

Conhecimento tácito[editar | editar código-fonte]

O compartilhamento de conhecimento tácito ocorre por meio de diferentes tipos de socialização. Embora o conhecimento tácito seja difícil de identificar e codificar, os fatores relevantes que influenciam o compartilhamento de conhecimento tácito incluem:

  • Redes informais, tais como interações diárias entre pessoas dentro de um ambiente definido (trabalho, escola, casa, etc.). Essas redes abrangem hierarquias e funções.[14]
  • O fornecimento de espaço onde as pessoas podem participar de discussões não estruturadas ou não monitoradas, promovendo redes informais.[14]
  • Práticas de trabalho não estruturadas, menos estruturadas ou experimentais que incentivam a solução criativa de problemas e o desenvolvimento de redes sociais . [14]

Conhecimento incorporado[editar | editar código-fonte]

O compartilhamento integrado de conhecimento ocorre quando o conhecimento é compartilhado por meio de produtos, processos, rotinas, etc. claramente delineados. Esse conhecimento pode ser compartilhado de diferentes maneiras, como:

  • Planejamento de cenário e debriefing: fornecendo um espaço estruturado para criar possíveis cenários, seguido de uma discussão sobre o que aconteceu e como poderia ter sido diferente.[15]
  • Treinamento gerencial.
  • Transferência de conhecimento: integrar deliberadamente sistemas, processos, rotinas, etc., para combinar e compartilhar conhecimento relevante.

Importância para as organizações[editar | editar código-fonte]

O conhecimento constitui um ativo valioso e intangível para criar e sustentar vantagens competitivas dentro das organizações.[4] Diversos fatores afetam o compartilhamento de conhecimento nas organizações, como cultura organizacional, confiança, incentivos e tecnologia.[6] As atividades de compartilhamento de conhecimento são geralmente apoiadas por sistemas de gerenciamento de conhecimento, uma forma de tecnologia da informação (TI) que facilita e organiza informações dentro de uma empresa ou organização. [16]

Desafios[editar | editar código-fonte]

O compartilhamento de conhecimento pode às vezes constituir um grande desafio no campo da gestão do conhecimento. [10] A dificuldade de compartilhar conhecimento reside na transferência de conhecimento de uma entidade para outra. [13] [12] Alguns funcionários tendem a resistir a compartilhar seus conhecimentos [10] por causa da noção de que conhecimento é propriedade; a posse, portanto, se torna muito importante. [17] Para neutralizar isso, os indivíduos devem ter certeza de que receberão algum tipo de incentivo para o que eles criam. [17] No entanto, Dalkir (2005) demonstrou que os indivíduos são mais recompensados pelo que sabem e não pelo que compartilham. [17] Consequências negativas, como isolamento e resistência a ideias, ocorrem quando o compartilhamento do conhecimento é impedido. [16] Para promover o compartilhamento de conhecimento e remover os obstáculos ao compartilhamento do conhecimento, a cultura organizacional de uma entidade deve incentivar a descoberta e a inovação. [17] Os membros que confiam uns nos outros estão dispostos a trocar conhecimento e, ao mesmo tempo, querem também adotar o conhecimento de outros membros. [18]

Conexão a sistemas de tecnologia da informação[editar | editar código-fonte]

Os sistemas de tecnologia da informação (TI) são ferramentas comuns que ajudam a facilitar o compartilhamento de conhecimento e o gerenciamento do conhecimento.[16] O papel principal dos sistemas de TI é ajudar as pessoas a compartilhar conhecimento por meio de plataformas comuns e armazenamento eletrônico para ajudar a tornar o acesso mais simples, incentivando a reutilização econômica do conhecimento. Os sistemas de TI podem fornecer codificação, personalização, repositórios eletrônicos para informações e podem ajudar as pessoas a se localizar para se comunicarem diretamente. Com treinamento e educação adequados, os sistemas de TI podem tornar mais fácil para as organizações adquirir, armazenar ou disseminar conhecimento. [16]

Teoria Econômica[editar | editar código-fonte]

Na teoria econômica, o compartilhamento do conhecimento tem sido estudado no campo da organização industrial e no campo da teoria do contrato. Na organização industrial, Bhattacharya, Glazer e Sappington (1992) enfatizaram a importância do compartilhamento de conhecimento em joint ventures de pesquisa em um contexto de concorrência imperfeita. [19] Na teoria de contratos incompletos, Rosenkranz e Schmitz (1999, 2003) usaram a abordagem de direitos de propriedade de Grossman-Hart-Moore para estudar como o compartilhamento de conhecimento é afetado pela estrutura de propriedade subjacente. [20] [21]

Referências

  1. a b c d e Bukowitz, Wendi R.; Williams, Ruth L. The Knowledge Management Fieldbook. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0273638827 
  2. «An Overview of Knowledge Management» (PDF) 
  3. «Communities of Practice and the NGO Sector in China». SSRN 2612686Acessível livremente 
  4. a b «The resource-based view of the firm in two environments: The Hollywood film studios from 1936 to 1965». Academy of Management Journal. 39. CiteSeerX 10.1.1.598.9250Acessível livremente. JSTOR 256654. doi:10.2307/256654  Parâmetro desconhecido |citeseerx= ignorado (ajuda)
  5. «Bloomfire». CrunchBase 
  6. a b «Knowledge-sharing Dilemmas». Organization Studies. 23. CiteSeerX 10.1.1.192.4368Acessível livremente. doi:10.1177/0170840602235001  Parâmetro desconhecido |citeseerx= ignorado (ajuda)
  7. «Groupware and teamwork in R&D: limits to learning and innovation». R&D Management. 28 
  8. a b «Complex acts of knowing: paradox and descriptive self-awareness». Journal of Knowledge Management. 6. CiteSeerX 10.1.1.126.4537Acessível livremente. doi:10.1108/13673270210424639  Parâmetro desconhecido |citeseerx= ignorado (ajuda)
  9. Polanyi, M. Personal Knowledge: Towards a Post-Critical Philosophy. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-203-44215-9 
  10. a b c «A dynamic theory of organizational knowledge creation». Organization Science. 5. JSTOR 2635068. doi:10.1287/orsc.5.1.14 
  11. «Tacit Knowledge and Knowledge Conversion: Controversy and Advancement in Organizational Knowledge Creation Theory» (PDF). Organization Science. 20. doi:10.1287/orsc.1080.0412 [ligação inativa] 
  12. a b «Knowledge Transfer: A Basis for Competitive Advantage in Firms». Organizational Behavior and Human Decision Processes. 82. doi:10.1006/obhd.2000.2893 
  13. a b «The Transfer of Western Management to China: Context, Content and Constraints». Management Learning. 29. CiteSeerX 10.1.1.427.1879Acessível livremente. doi:10.1177/1350507698292005  Parâmetro desconhecido |citeseerx= ignorado (ajuda)
  14. a b c d Prusak, Lawrence; Davenport, Thomas H. Working Knowledge: How Organizations Manage What They Know, 2nd Edition. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-57851-301-7 
  15. «Corporate Strategy Model: Scenario Planning» (PDF) 
  16. a b c d «Creating a knowledge sharing culture». Knowledge Management Magazine. 2 
  17. a b c d Dalkir, K. Knowledge Management In Theory And Practice. [S.l.: s.n.] 
  18. Levin, D.Z. & Cross, R. (2004). The Strength of Weak Ties You Can Trust: The Mediating Role of Trust in Effective Knowledge Transfer. Management Science, Vol. 50, No. 11.
  19. «Licensing and the sharing of knowledge in research joint ventures». Journal of Economic Theory. 56. ISSN 0022-0531. doi:10.1016/0022-0531(92)90068-s 
  20. «Know-how disclosure and incomplete contracts». Economics Letters. 63. CiteSeerX 10.1.1.587.5766Acessível livremente. ISSN 0165-1765. doi:10.1016/s0165-1765(99)00038-5  Parâmetro desconhecido |citeseerx= ignorado (ajuda)
  21. «Optimal allocation of ownership rights in dynamic R&D alliances». Games and Economic Behavior. 43. ISSN 0899-8256. doi:10.1016/s0899-8256(02)00553-5 

Ver também[editar | editar código-fonte]