Complexo GAMM

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Complejo GAMM é uma entidade polimicrobiana que atuam simbioticamente para causar vaginose bacteriana em mulheres e outros animais. Ocorre quando há desequilíbrio da flora vaginal, por exemplo, quando limpeza com sabão bactericida mata os lactobacilos normais e facilita a colonização por bactérias mais resistentes. Pode ser sexualmente transmissível, sendo assintomática no homem, mas é importante lembrar que também pode ser encontrada em mulheres com um único parceiro sexual ou virgens.[1]

Composição[editar | editar código-fonte]

Seu nome se refere às bactérias responsáveis pela doença[1]:

Causas[editar | editar código-fonte]

Ocorre quando a uma grande diminuição da flora genital de lactobacilos provocando um aumento do pH vaginal, e diminuição do potencial redox, o que facilita a proliferação de anaeróbios. Gardnerella e Mobiluncus produzem ácido succínico, ácido málico e outros ácidos graxos de cadeia curta (que são citotóxicos e causam esfoliação de células que causam vaginal gerando a secreção característica do complexo GAMM).[1]

A redução de lactato deixa os lactobacilos em desvantagem. Succinatos inibem a quimiotaxia de granulócitos, de modo que os leucócitos polimorfonucleares dificilmente são observadas no fluxo. As bactérias anaeróbias produzem aminopeptidases e liberam aminas (putrescina, cadaverina trimetilamina) que também causam irritação do epitélio vaginal, aumento do pH, e provocam um forte odor similar ao dos peixes.[1]

Assim, existe um efeito simbiótico entre G. vaginalis e Mobiluncus, produtores de ácidos orgânicos que favorecem o crescimento de anaeróbios e dos anaeróbios que produzem aminas, aumentando o pH, e promovendo o crescimento da G. vaginalis e Mobiluncus.[1]

Referências