Complexo de Frankenstein

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Nos romances de robôs de Isaac Asimov, Complexo de Frankenstein é um termo coloquial para designar o medo de robôs. Nos livros de Asimov a fobia estende-se a máquinas que lembram seres humanos (androides)[1]. É semelhante em muitos aspectos, à hipótese Uncanny valley de Masahiro Mori.[2] O nome deriva de Victor Frankenstein do livro Frankenstein, ou O Moderno Prometeu de Mary Shelley. Na história de Shelley, Victor Frankenstein cria um ser inteligente. Ele considera a sua criação atroz, e decide abandoná-lo. Isto acaba causando a morte de Victor como conclusão de uma vingança entre ele e sua criação. A criatura é provavelmente o primeiro robô verdadeiro na literatura, mesmo que ele sendo totalmente orgânico.

Note-se a distinção entre Frankenstein o criador e o monstro de Frankenstein: Complexo de Frankenstein, não é medo de roboticistas ou cientistas loucos, mas sim de seres humanos artificiais, embora o medo de uma coisa, de um modo geral implica algum medo da outra.

A opinião pública em relação a robôs na maioria da histórias de Asimov é de medo e de suspeita: o medo das pessoas comuns é que robôs iram substituí-las ou domina-las. Embora seja impossível sob a dominação das Três Leis da Robótica, que afirmam claramente que um robô não pode prejudicar um ser humano ou, por inacção, permitir que um ser humano para chegar a prejudicar, o público fictício não escuta a lógica, mas sim o medo.

Nos romances de robôs de Asimov, o Complexo Frankenstein é um grande problema para os roboticistas e fabricantes de robôs. Eles fazem tudo o que for possível para acalmar a opinião pública e mostrar-lhe que os robôs são inofensivos, por vezes escondendo a verdade, para que o público não se equivoque e leve a paranóia ao extremo. O medo por parte do público e a resposta dos fabricantes é um exemplo do tema do paternalismo, o temor do paternalismo, e os conflitos que surgem a partir dele estão presentes na ficção de Asimov.

Referências[editar | editar código-fonte]

Notas
  1. Isaac Asimov,Carl Howard Freedman (2005). Conversations with Isaac Asimov. [S.l.]: Univ. Press of Mississippi. 24 páginas. 1578067383, 9781578067381 
  2. Andreia de Oliveira (2015). «Conheça os robôs da Literatura». Editora Escala. Conhecimento Prático Literatura (60) 
Web
Ícone de esboço Este artigo sobre ficção científica e fantasia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.