Complexo de Madonna-prostituta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Na literatura psicanalítica, o complexo de Madonna-prostituta é a incapacidade de manter a excitação sexual dentro de uma relação de compromisso amoroso.[1] Primeiro identificado por Sigmund Freud, sob a rubrica de "impotência psíquica",[2] este complexo psicológico é dito se desenvolver em homens que vêem as mulheres como a Santa Madonna ou prostitutas degradadas. Homens com este complexo desejam uma parceira sexual que foi degradada (a prostituta), enquanto não podem desejar o parceiro respeitado (a Madonna)[3]. Freud escreveu: "Quando esses homens amam eles não têm desejo e onde eles desejam não podem amar."[4] O psicólogo clínico Uwe Hartmann, escrevendo em 2009, afirmou que o complexo "ainda é altamente prevalente em pacientes de hoje".[3]

Em política sexual a visão das mulheres como Madonnas e prostitutas limita a expressão sexual das mulheres, oferecendo duas maneiras mutuamente exclusivas de construir uma identidade sexual.[5]

Referências

  1. Kaplan, Helen Singer (1988). «Intimacy disorders and sexual panic states». Journal of Sex & Marital Therapy. 14 (1): 3–12. doi:10.1080/00926238808403902 
  2. W. M. Bernstein, A Basic Theory of Neuropsychoanalysis (2011) p. 106
  3. a b Hartmann, Uwe (2009). «Sigmund Freud and His Impact on Our Understanding of Male Sexual Dysfunction». The Journal of Sexual Medicine. 6 (8): 2332–2339. doi:10.1111/j.1743-6109.2009.01332.x 
  4. Freud, Sigmund (1912). «Über die allgemeinste Erniedrigung des Liebeslebens» [The most prevalent form of degradation in erotic life]. Jahrbuch für psychoanalytische und psychopathologische Forschungen. 4: 40–50 
  5. Denmark, Florence; Paludi, Michele A. Psychology of Women: A Handbook of Issues and Theories. Westport, Conn.: Greenwood Press, 1993, pp. 493–94, ISBN 978-0-313-26295-1.