Comportamento animal coletivo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Grupo de pássaros no pôr do Sol

O comportamento animal coletivo descreve a atuação coordenada de grandes grupos de animais similares e as propriedades emergentes destes grupos. Facetas deste tópico incluem os custos e benefícios da união em grupo, a transferência de informação entre eles, a forma do processo de decisão, e a locomoção e sincronização do grupo. O estudo dos princípios do comportamento animal coletivo tem relevância para problemas de engenharia humana através da filosofia e biomimética. Determinar as regras pelas quais cada animal individual navega relativamente com seus vizinhos em um grupo pode levar a avanços na implantação e controle de grupos de micro-robôs mergulhadores ou voadores.

Funções Propostas[editar | editar código-fonte]

Muitas funções de agregação animal foram propostas. Essas funções propostas podem ser agrupadas nas quatro seguintes categorias: social e genética, anti-predador, forrageamento aprimorado e maior eficiência de locomoção.

Interação Social[editar | editar código-fonte]

O apoio à função social e genética das agregações, especialmente aquelas formadas por peixes, pode ser visto em vários aspectos do seu comportamento. Por exemplo, experimentos mostraram que os peixes individuais retirados de uma escola terão uma taxa respiratória maior do que a encontrada na escola. Este efeito foi parcialmente atribuído ao estresse, embora os fatores hidrodinâmicos tenham sido considerados mais importantes neste estudo particular.[1] O efeito calmante de estar com os conspecieis pode, portanto, proporcionar uma motivação social para permanecer em uma agregação. O arenque, por exemplo, ficará muito agitado se estiverem isolados de conspecifics. [2] As escolas de peixe também foram propostas para atender a uma função reprodutiva, uma vez que proporcionam maior acesso aos potenciais companheiros.

Proteção Contra Predadores[editar | editar código-fonte]

Escola de fusiliers de banda de ouro

Várias funções anti-predadores de agregações de animais foram propostas. Um método potencial pelo qual as escolas de peixe ou bandos de aves podem frustrar predadores é o "efeito de confusão predador" proposto e demonstrado por Milinksi e Heller (1978). [3] Esta teoria baseia-se na ideia de que torna-se difícil para os predadores escolherem presas individuais de grupos porque os muitos destinos móveis criam uma sobrecarga sensorial do canal visual do predador. As descobertas de Milinski e Heller foram corroboradas tanto no experimento [4] [5] quanto nas simulações por computador. [6] [7] [8]

Um segundo efeito potencial anti-predador de agregações de animais é a hipótese dos "muitos olhos". Esta teoria afirma que, à medida que o tamanho do grupo aumenta, a tarefa de escanear o meio ambiente para predadores pode ser espalhada por muitos indivíduos. Não só essa colaboração em massa presumivelmente fornece um maior nível de vigilância, mas também pode permitir mais tempo para a alimentação individual. [9]

Uma terceira hipótese para um efeito anti-predatório da agregação animal é o efeito "encontro de diluição". Hamilton, por exemplo, propôs que a agregação de animais se devesse a uma evasão "egoísta" de um predador e, portanto, era uma forma de busca de cobertura. [10] [11] Outra formulação da teoria foi dada por Turner e Pitcher e foi vista como uma combinação de detecção e probabilidades de ataque[12]. No componente de detecção da teoria, sugeriu-se que as presas potenciais poderiam se beneficiar ao viver juntas, uma vez que um predador é menos propenso ao acaso em um único grupo do que uma distribuição dispersa. No componente de ataque, pensou-se que um predador atacante é menos propenso a comer um animal particular quando um número maior de indivíduos está presente. Em suma, um indivíduo tem uma vantagem se estiver no grupo maior de dois grupos, assumindo que a probabilidade de detecção e ataque não aumenta desproporcionalmente com o tamanho do grupo. [13]

Idiomas
Este artigo ou seção foi traduzido de um projecto Wikipédia noutro idioma. Esta barra serve como referência para este artigo.

Forrageamento avançado[editar | editar código-fonte]

Um terceiro benefício proposto de grupos de animais é o de forrageamento melhorado. Esta habilidade foi demonstrada por Pitcher e outros em seu estudo de comportamento de forrageamento em bancos de sangue.[14] Neste estudo, o tempo que levou para grupos de minnows e goldfish encontrar um pedaço de alimento foi quantificado. O número de peixes nos grupos foi variado, e foi estabelecida uma diminuição estatisticamente significante na quantidade de tempo necessário para que grupos maiores encontraram alimentos. O apoio adicional a uma maior capacidade de forrageamento das escolas é visto na estrutura das escolas de peixes predatórios. A Partridge e outros analisaram a estrutura escolar do atum rabilho do Atlântico a partir de fotografias aéreas e descobriram que a escola assumiu uma forma parabólica, fato que sugeria a caça cooperativa nesta espécie (Partridge et al., 1983). [15]

Aumento da eficiência da locomoção[editar | editar código-fonte]

Esta teoria afirma que grupos de animais que se deslocam em um ambiente fluido podem economizar energia quando nadam ou voam juntos, muito da maneira que os ciclistas podem se esbarrar em um pelotão. Os gansos que voam em uma formação de V também são pensados ​​para economizar energia, voando na corrente ascendente do vórtice da asa gerada pelo animal anterior na formação. Os patinhos também foram mostrados para economizar energia nadando em uma linha.[16]O aumento da eficiência na natação em grupos também foi proposto para escolas de peixes e krill antártico.

Estrutura do grupo[editar | editar código-fonte]

A estrutura dos grandes grupos de animais tem sido difícil de estudar devido ao grande número de animais envolvidos. A abordagem experimental é, portanto, muitas vezes complementada por modelagem matemática de agregações de animais.

Abordagem experimental[editar | editar código-fonte]

As experiências que investigam a estrutura das agregações de animais buscam determinar a posição 3D de cada animal dentro de um volume em cada ponto no tempo. É importante conhecer a estrutura interna do grupo porque essa estrutura pode estar relacionada às motivações propostas para o agrupamento de animais. Esta capacidade requer o uso de várias câmeras treinadas no mesmo volume no espaço, uma técnica conhecida como estereofotogrametria. Quando centenas ou milhares de animais ocupam o volume do estudo, torna-se difícil identificar cada um deles. Além disso, os animais podem bloquear uns aos outros nas vistas da câmera, um problema conhecido como oclusão. Uma vez que a localização de cada animal em cada ponto no tempo é conhecida, vários parâmetros que descrevem o grupo animal podem ser extraídos.

Esses parâmetros incluem:

Densidade: a densidade de uma agregação de animais é o número de animais dividido pelo volume (ou área) ocupado pela agregação. A densidade pode não ser uma constante em todo o grupo. Por exemplo, os bandos de starling mostraram manter maiores densidades nas bordas do que no meio do rebanho, uma característica que presumivelmente está relacionada à defesa dos predadores.[17]

Polaridade: a polaridade do grupo descreve se os animais do grupo estão apontando na mesma direção ou não. Para determinar este parâmetro, determina-se a orientação média de todos os animais no grupo. Para cada animal, a diferença angular entre a sua orientação e a orientação do grupo é então encontrada. A polaridade do grupo é então a média dessas diferenças (Viscido 2004).[18]

Distância vizinha mais próxima: a distância vizinha mais próxima (NND) descreve a distância entre o centroide de um animal (o animal focal) eo centroide do animal mais próximo do animal focal. Este parâmetro pode ser encontrado para cada animal em uma agregação e, em seguida, em média. Deve-se ter em conta os animais localizados na borda de uma agregação de animais. Esses animais não têm vizinho em uma direção.

Posição vizinha mais próxima: em um sistema de coordenadas polares, a posição vizinha mais próxima descreve o ângulo ea distância do vizinho mais próximo para um animal focal.

Fração de embalagem: a fração de embalagem é um parâmetro emprestado da física para definir a organização (ou estado, isto é, sólido, líquido ou gás) de grupos de animais 3D. É uma medida alternativa à densidade. Neste parâmetro, a agregação é idealizada como um conjunto de esferas sólidas, com cada animal no centro de uma esfera. A fração de embalagem é definida como a proporção do volume total ocupado por todas as esferas individuais dividido pelo volume global da agregação (Cavagna 2008). Os valores variam de zero a um, onde uma pequena fração de embalagem representa um sistema diluído como um gás. Cavagna descobriu que a fração de embalagem para grupos de estorninhos era de 0,012. [19]

Densidade Condicional Integrada: Este parâmetro mede a densidade em várias escalas de comprimento e, portanto, descreve a homogeneidade da densidade em todo um grupo de animais. [19]

Função de Distribuição de Pares: Este parâmetro é geralmente usado em física para caracterizar o grau de ordem espacial em um sistema de partículas. Ele também descreve a densidade, mas esta medida descreve a densidade a uma distância de um determinado ponto. Cavagna et al. Descobriram que bandos de estorninhos exibiam mais estrutura do que um gás, mas menos do que um líquido.[19]

Modelagem de abordagem[editar | editar código-fonte]

Os modelos matemáticos mais simples das agregações de animais geralmente instruem os animais individuais a seguir três regras:

  1. Mova-se na mesma direção que o seu vizinho
  2. Permaneça perto de seus vizinhos
  3. Evite colisões com seus vizinho.
Um diagrama que ilustra a diferença entre "distância métrica" ​​e "distância topológica" em referência às escolas de peixes.

Um diagrama que ilustra a diferença entre "distância métrica" ​​e "distância topológica" em referência às escolas de peixes Um exemplo dessa simulação é o programa Boids criado por Craig Reynolds em 1986. Outro é o modelo de partículas auto-propulsionadas. Muitos modelos atuais usam variações nessas regras. Por exemplo, muitos modelos implementam essas três regras através de zonas em camadas em torno de cada animal. Na zona de repulsão muito próxima ao animal, o animal focal procurará se distanciar dos seus vizinhos para evitar uma colisão. Na zona de alinhamento ligeiramente mais afastada, um animal focal procurará alinhar sua direção de movimento com seus vizinhos. Na zona extrema de atração, que se estende tão longe do animal focal quanto pode sentir, o animal focal procurará se mover para um vizinho. A forma dessas zonas será necessariamente afetada pelas capacidades sensoriais do animal. Por exemplo, o campo visual de um pássaro não se estende por trás do seu corpo. O peixe, por outro lado, depende da visão e dos sinais hidrodinâmicos retransmitidos através da sua linha lateral. O krill antártico depende da visão e dos sinais hidrodinâmicos transmitidos através de suas antenas.

Estudos recentes de bandos starling mostraram, no entanto, que cada pássaro modifica sua posição em relação aos seis ou sete animais que a cercam diretamente, independentemente do quão perto ou quão longe esses animais estejam.[20] As interações entre estalamentos flocantes são, portanto, baseadas em uma regra topológica em vez de uma regra métrica. Resta saber se a mesma regra pode ser aplicada a outros animais. Outro estudo recente, baseado em uma análise de filmagens de alta velocidade de bandos acima de Roma e assumindo regras comportamentais mínimas, simulou de forma convincente vários aspectos do comportamento do rebanho.[21][22][23][24]

Tomada de decisão coletiva[editar | editar código-fonte]

As agregações de animais são confrontadas com decisões que devem fazer se quiserem permanecer juntas. Para uma escola de peixes, um exemplo de uma decisão típica pode ser a direção para nadar quando confrontado com um predador. Insetos sociais, como formigas e abelhas, devem coletivamente decidir onde construir um novo ninho.[25] Um rebanho de elefantes deve decidir quando e onde migrar. Como essas decisões são tomadas? Os "líderes" mais fortes ou mais experientes exercem mais influência do que outros membros do grupo, ou o grupo toma uma decisão por consenso? A resposta provavelmente depende da espécie. Embora o papel de uma matriarca líder em um rebanho de elefantes seja bem conhecido, estudos mostraram que algumas espécies de animais usam uma abordagem de consenso em seu processo coletivo de tomada de decisão.

Uma pesquisa recente mostrou que pequenos grupos de peixes usaram a tomada de decisão por consenso ao decidir qual modelo de peixe seguir. O peixe fez isso por uma simples regra de quórum, de modo que os indivíduos assistiram as decisões dos outros antes de tomar suas próprias decisões. Esta técnica geralmente resultou na decisão "correta", mas ocasionalmente em cascata na decisão "incorreta". Além disso, à medida que o tamanho do grupo aumentou, o peixe tomou decisões mais precisas ao seguir o modelo de peixe mais atraente.[26] A tomada de decisão de consenso, uma forma de inteligência coletiva, efetivamente usa informações de múltiplas fontes para geralmente chegar a conclusão correta.

Algumas simulações de tomada de decisão coletiva usam o método Condorcet para modelar a forma como os grupos de animais chegam ao consenso.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Abrahams, Mark V.; Colgan, Patrick W. (1 de julho de 1985). «Risk of predation, hydrodynamic efficiency and their influence on school structure». Environmental Biology of Fishes (em inglês). 13 (3): 195–202. ISSN 0378-1909. doi:10.1007/bf00000931 
  2. Partridge, Brian L.; Pitcher, Tony; Cullen, J. Michael; Wilson, John (1 de março de 1980). «The three-dimensional structure of fish schools». Behavioral Ecology and Sociobiology (em inglês). 6 (4): 277–288. ISSN 0340-5443. doi:10.1007/bf00292770 
  3. Milinski, Manfred; Heller, Rolf (19 de outubro de 1978). «Influence of a predator on the optimal foraging behaviour of sticklebacks (Gasterosteus aculeatus L.)». Nature (em inglês). 275 (5681): 642–644. doi:10.1038/275642a0 
  4. Jeschke, Jonathan M.; Tollrian, Ralph (September 2007). «Prey swarming: which predators become confused and why?». Animal Behaviour. 74 (3): 387–393. doi:10.1016/j.anbehav.2006.08.020  Verifique data em: |data= (ajuda)
  5. Jeschke, Jonathan M.; Tollrian, Ralph (September 2007). «Prey swarming: which predators become confused and why?». Animal Behaviour. 74 (3): 387–393. doi:10.1016/j.anbehav.2006.08.020  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. Krakauer, David C. (1 de junho de 1995). «Groups confuse predators by exploiting perceptual bottlenecks: a connectionist model of the confusion effect». Behavioral Ecology and Sociobiology (em inglês). 36 (6): 421–429. ISSN 0340-5443. doi:10.1007/bf00177338 
  7. Olson, Randal S.; Hintze, Arend; Dyer, Fred C.; Knoester, David B.; Adami, Christoph (6 de agosto de 2013). «Predator confusion is sufficient to evolve swarming behaviour». Journal of The Royal Society Interface (em inglês). 10 (85). 20130305 páginas. ISSN 1742-5689. PMID 23740485. doi:10.1098/rsif.2013.0305 
  8. Demšar, Jure; Hemelrijk, Charlotte K.; Hildenbrandt, Hanno; Bajec, Iztok Lebar (24 de maio de 2015). «Simulating predator attacks on schools: Evolving composite tactics». Ecological Modelling. 304: 22–33. doi:10.1016/j.ecolmodel.2015.02.018 
  9. ROBERTS, GILBERT (1 de maio de 1996). «Why individual vigilance declines as group size increases». Animal Behaviour. 51 (5): 1077–1086. doi:10.1006/anbe.1996.0109 
  10. Hamilton, W. D. (1 de maio de 1971). «Geometry for the selfish herd». Journal of Theoretical Biology. 31 (2): 295–311. doi:10.1016/0022-5193(71)90189-5 
  11. Olson, Randal S.; Knoester, David B.; Adami, Christoph (2013). «Critical Interplay Between Density-dependent Predation and Evolution of the Selfish Herd». New York, NY, USA: ACM. Proceedings of the 15th Annual Conference on Genetic and Evolutionary Computation: 247–254. doi:10.1145/2463372.2463394 
  12. Turner, George F.; Pitcher, Tony J. (1 de agosto de 1986). «Attack Abatement: A Model for Group Protection by Combined Avoidance and Dilution». The American Naturalist. 128 (2): 228–240. ISSN 0003-0147. doi:10.1086/284556 
  13. Krause, J.; Ruxton, G. D.; Rubenstein, D. (1 de março de 1998). «Is there always an influence of shoal size on predator hunting success?». Journal of Fish Biology (em inglês). 52 (3): 494–501. ISSN 1095-8649. doi:10.1006/jfbi.1997.0595 
  14. Schmoldt, A.; Benthe, H. F.; Haberland, G. (1 de setembro de 1975). «Digitoxin metabolism by rat liver microsomes». Biochemical Pharmacology. 24 (17): 1639–1641. ISSN 1873-2968. PMID 10 
  15. Partridge, Brian L.; Johansson, Jonas; Kalish, John (1 de dezembro de 1983). «The structure of schools of giant bluefin tuna in Cape Cod Bay». Environmental Biology of Fishes (em inglês). 9 (3-4): 253–262. ISSN 0378-1909. doi:10.1007/bf00692374 
  16.  Fish, F.E. Kinematics of ducklings swimming in formation: consequences of position. (1995) Journal of Experimental Zoology 273:1-11.
  17. M. Ballerini, N. Cabibbo, R. Candelier, A. Cavagna, E. Cisbani, I. Giardina, A. Orlandi, G. Parisi, A. Procaccini, M. Viale, and V. Zdravkovic (2008) ‘Empirical investigation of starling flocks: a benchmark study in collective animal behaviour’ Animal Behavior 76(1): 201-215.
  18. Viscido, Steven V.; Parrish, Julia K.; Grnbaum, Daniel (8 de junho de 2004). «Individual behavior and emergent properties of fish schools: a comparison of observation and theory». Marine Ecology Progress Series. 273: 239–249. doi:10.3354/meps273239 
  19. a b c Cavagna, Andrea; Cimarelli, Alessio; Giardina, Irene; Orlandi, Alberto; Parisi, Giorgio; Procaccini, Andrea; Santagati, Raffaele; Stefanini, Fabio (1 de julho de 2008). «New statistical tools for analyzing the structure of animal groups». Mathematical Biosciences. 214 (1): 32–37. doi:10.1016/j.mbs.2008.05.006 
  20. O comportamento coletivo animal dirigente da interação depende da distância topológica em vez de métrica: evidência de um estudo de campo ". [S.l.: s.n.] 2008 
  21. Hildenbrandt, H.; Carere, C.; Hemelrijk, C. K. (1 de novembro de 2010). «Self-organized aerial displays of thousands of starlings: a model». Behavioral Ecology. 21 (6): 1349–1359. ISSN 1045-2249. doi:10.1093/beheco/arq149 
  22. Hemelrijk, Charlotte K.; Hildenbrandt, Hanno (4 de agosto de 2011). «Some Causes of the Variable Shape of Flocks of Birds». PLoS ONE. 6 (8). ISSN 1932-6203. PMID 21829627. doi:10.1371/journal.pone.0022479 
  23. «Swarms and schools | Swarming | Longterm exhibition | Visit our exhibitions & workshops! | Science LinX | Science LinX | University of Groningen». www.rug.nl. Consultado em 6 de julho de 2017 
  24. «Swarms and schools | Swarming | Longterm exhibition | Visit our exhibitions & workshops! | Science LinX | Science LinX | University of Groningen». www.rug.nl. Consultado em 6 de julho de 2017 
  25. «Collective behavior group». www.collective-behavior.com. Consultado em 6 de julho de 2017 
  26. Sumpter, David J.T.; Krause, Jens; James, Richard; Couzin, Iain D.; Ward, Ashley J.W. (25 de novembro de 2008). «Consensus Decision Making by Fish». Current Biology (em English). 18 (22): 1773–1777. ISSN 0960-9822. doi:10.1016/j.cub.2008.09.064