Compra de comida online

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Um serviço para compra de comida online é um serviço online que oferece menus interativos que permitem aos clientes fazer pedidos em restaurantes locais. Muito parecido com o pedido online de bens de consumo, muitos deles permitem que os clientes mantenham uma conta com eles, a fim de facilitar o pedido com frequência.[1] Um cliente pesquisará por um restaurante preferido, escolherá entre os itens disponíveis e escolherá entrega ou coleta. O pagamento pode ser feito por cartão de crédito ou em dinheiro, com o restaurante retornando uma porcentagem para a empresa de alimentos online.

Tipos de serviços[editar | editar código-fonte]

Enquanto o comércio eletrônico existe há mais de uma década, o abismo entre a alimentação e a Internet levou mais tempo.

Os primeiros restaurantes a adotar serviços para comprar alimentos online foram franquias corporativas, como a Domino's e a Papa John's.

Outras franquias de pizza, como a Pizza Hut, rapidamente adaptaram os serviços para pedidos de alimentos online.[2]

Controlada pelo restaurante[editar | editar código-fonte]

A infraestrutura de implantação pré-existente dessas franquias era muito conveniente para um sistema de pedidos online. Em 2008, a Papa John's International anunciou que suas vendas online cresceram em média mais de 50% por ano e se aproximaram de US$ 400 milhões apenas em 2007.[3]

Empresas locais juntaram-se a empresas de comércio eletrônico para fazer pedidos com mais rapidez e precisão.

Annie Maver, diretora de operações da The Original Pizza Pan, Inc., de Cleveland, Ohio, diz que o sistema é bom para clientes que não falam inglês.[4]

Alguns restaurantes adotaram pedidos online, apesar de não terem sistemas de entrega, usando-o para administrar pedidos para viagem ou para fazer reservas.

Independente[editar | editar código-fonte]

Empresas independentes de pedidos de alimentos online oferecem três soluções.

Uma deles é um serviço de software em que os restaurantes compram software de banco de dados e gerenciamento de contas da empresa e gerenciam os pedidos online.

A segunda solução é um serviço baseado na Web, com o qual os restaurantes assinam contratos com um site de pedidos online de alimentos que pode atender às ordens de muitos restaurantes em uma área regional ou nacional.

A terceira é criar e entregar alimentos, comidas ou kits diretamente dos sites e enviar diretamente aos consumidores.

Uma diferença entre os sistemas está em como o menu online é criado e atualizado.

Os serviços gerenciados fazem isso por telefone ou e-mail e os serviços não gerenciados exigem que o cliente faça isso. Alguns sites usam assistentes para encontrar o menu mais apropriado para o cliente.

Tendências crescentes de pedidos e entrega de alimentos online[editar | editar código-fonte]

De 2014 a 2016, encomendas e entregas online cresceram 300% em relação aos anos anteriores. De acordo com um relatório de pesquisa conduzido pelo UBS chamado “Is the Kitchen Dead?”,

Os pedidos online começaram a se tornar a norma, graças à conveniência, precisão e capacidade de integrar pagamentos. Em escala, com a oferta e a assinatura de entrega de alimentos preparados em todos os lugares pode potencialmente significar o fim de cozinhar em casa.[5]

De acordo com Hudson Riehle, SVP dos Serviços de Pesquisa e Inovação da National Restaurant Association

O elemento fora da premissa foi o principal responsável pelo crescimento da indústria na última década e não vai diminuir até 2018 e além. Do ponto de vista do consumidor, não há nada mais conveniente do que ter o restaurante indo até eles.[6]

Referências

  1. «A Secular Shift To Online Food Ordering». The RushOrder Blog. Consultado em 19 de outubro de 2018 
  2. «Pizza Hut(R) Announces System-Wide Online Ordering» (em inglês) 
  3. Associated Press. "Papa John's hits online ordering milestone." 5 May 2008.
  4. «Online ordering system will get bigger slice of Case students' pie». Crain's Cleveland Business (em inglês). Consultado em 19 de outubro de 2018 
  5. «Growing Market Trends: Online Food Delivery Statistics [Infographic]» (em inglês). 9 de outubro de 2018 
  6. «How is delivery disrupting business as we know it?». Restaurant Business (em inglês)