Comunhão Anglicana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Comunhão Anglicana é a associação fraternal de igrejas nacionais de fé anglicana, ela está diretamente relacionada com a Igreja da Inglaterra, que é considerada a religião mãe do país[1] . Não existe uma unica "Igreja Anglicana" com autoridade jurídica universal, já que cada igreja nacional ou regional tem autonomia total.

O estado de plena comunhão significa, idealmente, que há um acordo mútuo sobre doutrinas essenciais e que a plena participação na vida sacramental de cada igreja está disponível para as comunidades anglicanas.

Comunhão[editar | editar código-fonte]

Há aproximadamente 84 milhões de membros na Comunhão Anglicana, espalhados nas 43 províncias autônomas e 450 Dioceses em 165 diferentes países. A Comunhão Anglicana se desenvolveu em duas etapas. A primeira começou no século XVII, na Inglaterra, onde o anglicanismo nasceu, chegando com os colonizadores à Austrália, Canadá, Nova Zelândia, África do Sul e Estados Unidos. A segunda etapa começou no século XVIII, quando as igrejas anglicanas foram estabelecidas em todo o mundo como resultado do trabalho missionário da Igreja da Inglaterra, Irlanda, Escócia ePaís de Gales, que foram organizadas para essa tarefa pelas igrejas que haviam surgido nos dois séculos anteriores.

As igrejas anglicanas defendem e proclamam a como Reformada, católica romana e apostólica nas Escrituras e interpretadas à luz da tradição, do estudo e da razão. Em obediência aos ensinos de Jesus, as igrejas são comissionadas para proclamar as boas novas do Evangelho para toda a Criação. A Fé, a Ordem e a Prática estão expressos no Livro de Oração Comum, nos Ordinais dos séculos XVI e XVII e mais resumidamente no Quadrilátero de Lambeth de 1888. Este documento definiu como elementos essenciais de Fé e Ordem para a busca da unidade cristã:[2]

  1. As Santas Escrituras do Antigo e Novo Testamentos como a Palavra revelada de Deus;
  2. O Credo Niceno e Apostólico como a declaração suficiente da fé cristã.
  3. Os sacramentos do Batismo e da Eucaristia celebrados com as palavras e os elementos usados por Jesus Cristo na última ceia;
  4. O Episcopado Histórico, como símbolo da unidade Cristã.

O ponto central da adoração, para os anglicanos é a celebração da Santa eucaristia, que é chamada também de Santa Comunhão, Santa Ceia, Ceia do senhor ou Santa Missa. No oferecimento da oração e do louvor, são relembrados a vida, a morte e a ressurreição de Cristo por meio da proclamação da Palavra e da celebração do sacramento. A adoração está no centro do anglicanismo. Os estilos variam do simples para o elaborado, do evangélico para o católico e do carismático para o tradicional. O Livro de Oração Comum, que já recebeu várias revisões em toda a Comunhão Anglicana, expressa a compreensividade que caracteriza as igrejas anglicanas, cujos princípios refletem desde os tempos de Isabel I a via média em relação a outras tradições cristãs. O batismo ministrado com água e em nome da Santíssima Trindade une a pessoa batizada com Cristo e com sua igreja.

Arcebispo de Cantuária[editar | editar código-fonte]

As igrejas anglicanas estão interligadas por laços de afeição e lealdade comum e permanecem em plena comunhão com a Sé de Cantuária. Por isso, o arcebispo de Cantuária é o símbolo da unidade Anglicana. Ele convoca a Conferência de Lambeth, que se realiza a cada dez anos, e preside a reunião dos bispos primazes e o Conselho Consultivo Anglicano[3] . O centésimo terceiro arcebispo de Cantuária em sucessão apostólica que vem desde Santo Agostinho (597) é GeorgeL. Carey, entronizado em abril de 1991. Atualmente Sua Graça Justin Welby é o 105° e atual Arcebispo de Cantuária[4] .

A Comunhão Anglicana é coordenada e assessorada pela Conferência de Lambeth, pela Reunião dos Primazes e pelo Conselho Consultivo Anglicano.

Rosa dos Ventos[editar | editar código-fonte]

A Rosa dos Ventos[5] , emblema da Comunhão Anglicana, foi originalmente desenhada pelo falecido Cônego Edward West, de Nova Iorque. O desenho atual foi elaborado por Giles Bloomfield. O símbolo, que foi instalado na nave da Catedral de Cantuária foi dedicado pelo arcebispo durante a eucaristia de encerramento da Conferência de Lambeth de 1988. O mesmo símbolo também foi dedicado pelo arcebispo na Catedral de Nova Iorque em 1992, demonstrando que seu uso está se tornando cada vez mais universal. No centro está a cruz de São Jorge, que lembra a origem dos anglicanos. A inscrição em grego A Verdade Vos Libertará (João 8:32) circunda a cruz e a bússola relembra a expansão do cristianismo anglicano pelo mundo[6] . A mitra que está em cima enfatiza o papel do episcopado e a ordem apostólica, que são partes essenciais das igrejas da Comunhão Anglicana.

A Rosa dos Ventos é um símbolo amplamente usado pela família das igrejas anglicanas e episcopais. É também o logotipo do Secretariado Inter-Anglicano e usado como marca de identificação da Comunhão Anglicana.

Igrejas (províncias)[editar | editar código-fonte]

  • The Anglican Church in Aotearoa, New Zealand & Polynesia
  • The Anglican Church of Australia
  • The Church of Bangladesh
  • Igreja Episcopal Anglicana do Brasil
  • The Episcopal Church of Burundi
  • The Anglican Church of Canada
  • The Church of the Province of Central Africa
  • Iglesia Anglicana de la Region Central de America
  • Province de L'Eglise Anglicane Du Congo
  • The Church of England
  • Hong Kong Sheng Kung Hui
  • The Church of the Province of the Indian Ocean
  • The Church of Ireland
  • The Nippon Sei Ko Kai (The Anglican Communion in Japan)
  • The Episcopal Church in Jerusalem & The Middle East
  • The Anglican Church of Kenya
  • The Anglican Church of Korea
  • The Church of the Province of Melanesia
  • La Iglesia Anglicana de Mexico
  • The Church of the Province of Myanmar (Birmânia)
  • The Church of Nigeria (Anglican Communion)
  • The Church of North India (United) The Church of Pakistan (unida)
  • The Anglican Church of Papua New Guinea
  • The Episcopal Church in the Philippines
  • L'Eglise Episcopal au Rwanda
  • The Scottish Episcopal Church
  • Church of the Province of South East Asia
  • The Church of South India (unida)
  • The Church of the Province of Southern Africa
  • Iglesia Anglicana del Cono Sur de America
  • The Episcopal Church of the Sudan
  • The Anglican Church of Tanzania
  • The Church of the Province of Uganda
  • The Episcopal Church in the USA
  • The Church in Wales
  • The Church of the Province of West Africa
  • The Church in the Province of the West Indies
  • The Church of Ceylon (E-P to the Archbishop of Canterbury)
  • Iglesia Episcopal de Cuba
  • Bermuda ((Igreja extra-provincial)
  • Igreja Lusitana Católica Apostólica Evangélica (Igreja extra-provincial)
  • Iglesia Española Reformada Episcopal (Igreja extra-provincial)
  • Igreja das Ilhas Falkland (Igreja extra-provincial)

Atual crise[editar | editar código-fonte]

Atualmente a Comunhão Anglicana passa por uma grave crise que opõe liberais e conservadores do ponto de vista teológico. Esta situação que vem num crescente nos últimos anos chegou ao clímax com a indicação de uma mulher como Primaz da Igreja Episcopal dos EUA. O conflito entre conservadores e liberais vem em uma espiral de crescimento. Devido a várias decisões de algumas Igrejas (províncias) de forte postura liberal que são consideradas heresias pelos conservadores a crise tem-se agravado. Questões como a ordenação e sagração de mulheres, um assunto que pode ser considerado antigo mas que permanece controverso até hoje, assomou-se a ordenação e sagração de homossexuais assumidos e a aceitação do casamento de pessoas do mesmo sexo. O conjunto destas questões gerou um conflito entre os membros da Comunhão Anglicana que parece ser irreconciliável.

Os Anglicanos mais ortodoxos dos Estados Unidos e Canadá lançaram a Igreja Anglicana na América do Norte em resposta às tendências heterodoxas das igrejas Anglicanas dos seus países. A nova província em formação tem o apoio da maior parte das Igrejas de África, Ásia e da América do Sul, estando já em plena comunhão com as Igrejas da Nigéria, Uganda e Sudão.[7]

Referências

  1. {{citar web |url=http://www.stfrancisooltewah.org/id4.html |título=St Francis of Assisi Episcopal Church History |acessodata=22 de julho de 2012 |autor=|coautores= |data= |ano= |mes= |formato= |obra= |publicado=Stfrancisooltewah.org |páginas= |língua= |língua2=en |língua3= |lang= |citação= }
  2. The Book of Common Prayer of the Episcopal Church, Seabury Press, 1979, page 877
  3. Wacher, J., The Towns of Roman Britain, Batsford, 1974, especially pp. 84–6.
  4. Archbishop of Canterbury Rowan Williams to stand down (em inglês). BBC News (16 de março de 2012). Página visitada em 22 de julho de 2012.
  5. Rosa dos ventos
  6. Brown, C.H. (1983) "Where do Cardinal Direction Terms Come From?", Anthropological Linguistics, Vol. 25 (2), p. 121-61.
  7. Advent Letter from Archbishop Duncan. Página visitada em 2011-12-16.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]