Confabulação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Confabulation
Especialidade psiquiatria
Classificação e recursos externos
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Em psiquiatria, confabulação (verbo: confabular) é um erro de memória definido como a produção de memórias fantasiosas, distorcidas ou mal interpretadas sobre si mesmo ou do mundo, sem a intenção consciente de enganar.[1] Pessoas que confabulam apresentam memórias incorretas que vão de "sutis alterações à bizarras fabricações",[2] e geralmente estão muito confiantes sobre suas memórias, apesar de evidências contrárias.[3]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Confabulação é distinto de mentir pois não há nenhuma intenção de enganar, e a pessoa não está consciente de que a informação é falsa.[4] Embora os indivíduos podem apresentar falsas flagrantemente informações, confabulação pode também parecer ser coerente e internamente consistente, e relativamente normal.

A maioria dos casos conhecidos de confabulação são danos cerebrais ou demências, como o aneurisma, a doença de Alzheimer, ou de Wernicke–Korsakoff (uma manifestação comum de tiamina, deficiência causada por alcoolismo).[5] Além disso, muitas vezes a confabulação ocorre em pessoas que sofrem do anticolinérgico toxidrome quando interrogadas sobre o bizarro ou comportamento irracional.

Memórias confabuladas de todos os tipos ocorrem com mais frequência em memória autobiográfica, e são indicativos de um complexo e intrincado processo que pode ser uma alteração em qualquer ponto durante a codificação, o armazenamento, ou lembrança de uma memória. Este tipo de confabulação é comumente visto na síndrome de Korsakoff.[6]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Fotopoulou A.; Conway M. A.; Solms M. (2007). «Confabulation: Motivated reality monitoring». Neuropsychologia. 45 (10): 2180–90. PMID 17428509. doi:10.1016/j.neuropsychologia.2007.03.003 
  2. «Truth about Confabulation» 
  3. Nalbantian, edited by Suzanne; Matthews, Paul M.; McClelland, James L. (2010). The memory process : neuroscientific and humanistic perspectives. Cambridge, Massachusetts: MIT Press. ISBN 978-0-262-01457-1 CS1 maint: Extra text: authors list (link)
  4. Moscovitch M. 1995. "Confabulation". In (Eds. Schacter D.L., Coyle J.T., Fischbach G.D., Mesulum M.M. & Sullivan L.G.), Memory Distortion. pp. 226–51. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press.
  5. Sivolap IuP Damulin IV (2013). «[Wernicke encephalopathy and Korsakoff's psychosis: clinical-pathophysiological correlation, diagnostics and treatment]». Zh Nevrol Psikhiatr Im S S Korsakova. 113 (6 Pt 2): 20–26. PMID 23887463 
  6. Kopelman, M. D.; Thomson, A. D.; Guerrini, I; Marshall, E. J. (2009). «The Korsakoff Syndrome: Clinical Aspects, Psychology and Treatment». Alcohol and Alcoholism. 44 (2): 148–54. PMID 19151162. doi:10.1093/alcalc/agn118