Confederação Brasileira de Futebol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Confederação Brasileira de Futebol

Logo CBF.png

Fundação 20 de agosto de 1914 (101 anos)
Sede Barra da Tijuca, RJ.Possui centro de treinamento em Teresópolis, a Granja Comary.
Filiação à FIFA em 1923
Filiação à Conmebol em 1916
Presidente Marco Polo Del Nero
Website cbf.com.br

Seleção Masculina principal
Treinador Brasil Tite
Seleção Feminina principal
Treinador Brasil Vadão
A sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Foto:Fernando Frazão/ABr
A placa com as informações sobre a inauguração do sede da CBF, no seu interior. Foto:Cristina Índio do Brasil/ABr

Confederação Brasileira de Futebol (CBF) é a entidade máxima do futebol no Brasil. Fundada em 20 de agosto de 1914, antiga CBD[1] , a atual CBF é responsável pela organização de campeonatos de alcance nacional. Também administra a Seleção Brasileira de Futebol Masculino, cinco vezes campeã mundial, e a Feminina, vice-campeã mundial.

A CBF é uma associação privada cuja principal atividade econômica é a produção e promoção de eventos esportivos.[2] A ela respondem as Federações estaduais, responsáveis pelos campeonatos em cada Unidade da Federação. Sua sede localiza-se na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. A Confederação também pertence um centro de treinamento localizado no bairro Granja Comary, em Teresópolis no Rio de Janeiro.[3]

A CBF, tal como existe hoje, foi fundada em 24 de setembro de 1979.[4] Antes disso, o futebol, como os demais esportes praticados em território brasileiro, não era modalidade esportiva organizada, sendo até então gerido por uma entidade que aglutinava todos os esportes olímpicos, a Confederação Brasileira de Desportos (CBD), incluindo o futebol.[5]

À CBF cabe definir e publicar, através de seu Boletim Informativo Diário (BID) os nomes dos atletas dos plantéis profissionais que estão legalmente aptos e autorizados a atuar em partidas oficiais de futebol. O jogador cujo nome não conste no BID à véspera de uma partida, não poderá atuar, caso contrário, a escalação desse atleta será considerada irregular e a equipe, dependendo da competição que disputar, estará sujeita a punições, tais como desclassificação da competição, perda de mandos de campo, entre outras sanções aplicadas.

Gestão de Ricardo Teixeira[editar | editar código-fonte]

Escândalos atingiriam a gestão de Ricardo Teixeira, que é marcada por denúncias[6] , com acusações de nepotismo no preenchimento de cargos na CBF, pagamento de viagens para países sedes da Copa do Mundo a magistrados e outras autoridades, importação irregular de equipamentos para sua choperia El Turf, no Rio de Janeiro, após a Copa de 1994, a celebração de supostos contratos lesivos para o futebol brasileiro, em especial com a fabricante de artigos esportivos Nike.[7]

Em 1998, vê-se envolvido em comissões parlamentares de inquérito na Câmara de Deputados e no Senado Federal, mas, com auxílio de congressistas fiéis, consegue se livrar das acusações. Prestou depoimento em duas CPIs, a do futebol e a da CBF-Nike.[8]

Em 2000, Ricardo Teixeira prestou depoimento na CPI do Futebol. Até 1996, a CBF apresentava lucro. Neste ano assinou um contrato com a Nike de 160 milhões de dólares e a partir de então começou a ter prejuízos, ano após ano. A entidade então tomou dinheiro emprestado de origem duvidosa, pagando juros muito mais altos do que o de mercado, em alguns casos de cerca de 43%. Descobriu-se uma série de empresas suas e de comparsas ligadas a transações irregulares de dinheiro. Afirmou em depoimento na CPI que havia ganhado tanto dinheiro investindo em ações, mesmo sabendo-se que havia falido neste ramo no início de sua carreira. Também prestaram depoimentos Vanderlei Luxemburgo, Eurico Miranda e o empresário J.Hawilla. A Receita Federal autuou a CBF em R$ 14.408.660,80 por dívidas com o Fisco.[8]

Na CPI da CBF-Nike, que contou com declarações de Zagallo, João Havelange e do atacante Ronaldo, Ricardo Teixeira foi acusado por Aldo Rebelo de fazer complô para tentar enfraquecer o trabalho das CPIs, por unir forças com Pelé, que antes o acusava de corrupção.[9] Teixeira prestou esclarecimentos sobre a CBF, atividades pessoais e de suas empresas, como o restaurante carioca El Turf. Em janeiro de 2002, Teixeira obteve liminar da Justiça proibindo a impressão e distribuição do livro "CBF-Nike", de autoria dos deputados Sílvio Torres e Aldo Rebelo. A obra relatava todas as investigações que devassaram seus negócios.[8] Está disponível na internet um resumo do relatório final da CPI.[10]

Títulos conquistados[editar | editar código-fonte]

Masculino[editar | editar código-fonte]

Mundial[editar | editar código-fonte]

Pan-Americano[editar | editar código-fonte]

Sul-Americano[editar | editar código-fonte]

Feminino[editar | editar código-fonte]

Mundial[editar | editar código-fonte]

Pan-Americano[editar | editar código-fonte]

Sul-Americano[editar | editar código-fonte]

Uso do escudo[editar | editar código-fonte]

O escudo[11] da Confederação Brasileira de Futebol deve obrigatoriamente ser acompanhado da inscrição "BRASIL" logo abaixo, o que não aconteceu durante a Copa do Mundo FIFA de 2014[12] ; a inscrição e as estrelas devem ser da cor verde no primeiro uniforme (camisa amarela, calções azuis e meias brancas) e uniformes materiais de fundo claro. No segundo uniforme, uniformes de goleiro e agasalhos na cor escura, a inscrição e as estrelas serão na cor branca.

Presidentes[editar | editar código-fonte]

Álvaro Zamith, primeiro presidente da CBD.
Presidente Período Entidade
1 Álvaro Zamith 1915 – 1916 Confederação Brasileira de Desportos (CBD)
2 Arnaldo Guinle 1916 – 1920
3 Ariovisto de Almeida Rêgo 1920 – 1921
4 José Eduardo de Macedo Soares 1921 – 1922
5 Oswaldo Gomes 1922 – 1924
6 Ariovisto de Almeida Rêgo 1924
7 Wladimir Bernardes 1924
8 Oscar Rodrigues da Costa 1924 – 1927
9 Renato Pacheco 1927 – 1933
10 Álvaro Catão 1933 – 1936
11 Luiz Aranha 1936 – 1943
12 Rivadávia Correa Mayer 1943 – 1955
13 Sylvio Correa Pacheco 1955 – 1958
14 João Havelange 1958 – 1975
15 Heleno de Barros Nunes 1975 – 1979[a]
1979 – 1980 Confederação Brasileira de Futebol (CBF)
15 Giulite Coutinho 1980 – 1986
16 Octávio Pinto Guimarães / Nabi Abi Chedid 1986 – 1989
17 Ricardo Terra Teixeira 1989 – 2012
18 José Maria Marin 2012 – 2015
19 Marco Polo Del Nero 2015 – 2016
20 Antonio Carlos Nunes de Lima[13] 2016 – 2016
21 Marco Polo Del Nero 2016 – 2016

a. ^ Em setembro de 1979, a Confederação Brasileira de Desportos (CBD) se tornou a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) por exigência da FIFA. Heleno de Barros Nunes dirigiu a nova confederação até novas eleições em 1980.

Competições organizadas[editar | editar código-fonte]

Futebol masculino[editar | editar código-fonte]

Competição Edição atual Última edição Atual campeão
Campeonato Brasileiro - Série A 2016 2015 São Paulo Corinthians (6º título)
Campeonato Brasileiro - Série B 2016 2015 Rio de Janeiro Botafogo (1º título)
Campeonato Brasileiro - Série C 2016 2015 Goiás Vila Nova (2º título)
Campeonato Brasileiro - Série D 2016 2015 São Paulo Botafogo-SP (1º título)
Copa do Brasil 2016 2015 São Paulo Palmeiras (3º título)
Copa do Nordeste 2016 2015 Ceará Ceará (1º título)
Copa Verde 2016 2015 Mato Grosso Cuiabá (1º título)

Futebol feminino[editar | editar código-fonte]

Competição Edição atual Última edição Atual campeão
Campeonato Brasileiro Feminino 2016 2015 São Paulo Ferroviária (1º título)
Copa do Brasil Feminino 2015 Santa Catarina Kindermann (1º título)

Categorias de base[editar | editar código-fonte]

Competição Edição atual Última edição Atual campeão
Campeonato Brasileiro Sub-20 2016 2015 Rio de Janeiro Fluminense (1º título)
Copa do Brasil Sub-20 2015 São Paulo São Paulo (1º título)
Copa do Nordeste Sub-20 2015 Bahia Vitória (3º título)
Copa Norte Sub-20 2015 Amazonas Fast Clube (1º título)
Copa do Brasil Sub-17 2016 2015 Bahia Vitória (1º título)

Ranking de clubes e federações[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ranking da CBF

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Comitê Olímpico Brasileiro Informações controversas: A "primeira entidade nacional de futebol surgiu em 8 de junho de 1914, com a criação da Federação Brasileira de Sports. Dois anos depois, em 5 de dezembro de 1916, ela mudou o nome para Confederação Brasileira de Desportos (CBD). A CBD passou a se chamar CBF em 24 de setembro de 1979, com um decreto da FIFA de que todas as entidades nacionais de futebol deveriam ser apenas para aquele esporte, o que não era o caso da CBD, que comandava todos os esportes na época. Mesmo assim, é bom deixar claro que a FBS, a CBD e a CBF são a mesma instituição, e todos os campeonatos brasileiros realizados pela CBD até 1979 são reconhecidos pela CBF."
  2. Sistema de Emissão de Comprovante de Inscrição e de Situação Cadastral de Pessoa Jurífica da Receita Federal do Brasil CNPJ da CBF: 33.655.721/0001-99.
  3. TeresopolisON A sede da seleção pentacampeã: uma opção de passeio.
  4. Qual é a diferença entre CBF e CBD?
  5. Quem é o maior Campeão Brasileiro?
  6. [ligação inativa]«O poderoso chefão e o aprendiz». 
  7. Marcação cerrada A Receita aperta o cerco sobre o mundo do futebol e o cartola Ricardo Teixeira é alvo das investigações
  8. a b c Presidente da CBF esteve em CPIs do Futebol e da Nike
  9. À sombra das chuteiras milionárias
  10. A corrupção no futebol brasileiro
  11. Memória do Futebol (com adaptações).
  12. «Seleção lança camisa para Copa sem a palavra Brasil abaixo do escudo - Guia do Boleiro». Guia do Boleiro. Consultado em 2016-04-17. 
  13. «Quem é o coronel Nunes, novo vice da CBF - Esporte - UOL Esporte». UOL Esporte. Consultado em 2016-04-12. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons