Confederação Sul-Americana de Voleibol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2018). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes está sujeito a remoção.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Confederação Sul-Americana de Voleibol
Tipo Desportiva
Fundação 1946
Sede Rio de Janeiro, Brasil Brasil
Membros 12 federações
Presidente Rafael Lloreda Currea  Colômbia
Sítio oficial voleysur.org

Confederação Sul-Americana de Voleibol (em espanhol: Confederación Sudamericana de Voleibol - CSV), também conhecida pelo acrônimo CSV, é a entidade que regula o esporte do voleibol na América do Sul. Sua sede localiza-se no Rio de Janeiro, Brasil.

Perfil[editar | editar código-fonte]

As origens da CSV ainda são motivo de disputa. Alguns situam sua fundação em Buenos Aires, capital da Argentina, em 12 de fevereiro de 1946; outros afirmam que ela teve lugar no Rio de Janeiro, Brasil, em 3 de julho do mesmo ano. De todo modo, ela foi formada antes mesmo da própria FIVB, e permanece a mais antiga dentre as cinco confederações continentais dedicadas a este esporte.

Até hoje (2004), a CSV teve oito presidentes, todos originários de federações nacionais com alguma tradição na história do voleibol, a menos de uma: Brasil, Peru, Argentina, Venezuela e Colômbia, que é a exceção. Após a eleição do atual presidente, o brasileiro Ary Graça Filho, em 2003, a sede da entidade foi transferida de Lima, Peru para o Rio de Janeiro.

A CSV atua junto à FIVB como representante das federações nacionais localizadas na América do Sul, e organiza competições de alcance continental tais como o Campeonato Sulamericano de Voleibol (primeira edição, 1951) e os Jogos Pan-americanos - às vezes, em parceria com outras entidades esportivas e com a FIVB. Ela também participa da organização de torneios qualificatórios para os principais eventos do calendário do voleibol, tais como os Jogos Olímpicos e o Campeonato Mundial, bem como de competições internacionais sediadas por uma de suas federações afiliadas.

Federações afiliadas[editar | editar código-fonte]

As seguidas federações nacionais são afiliadas à CSV:

Código País Federação Ranking FIVB
Masculino Adulto(1)
Ranking FIVB
Feminino Adulto(2)
Ranking FIVB
Masculino Sub-23(3)
Ranking FIVB
Feminino Sub-23(4)
Ranking FIVB
Masculino Sub-21(5)
Ranking FIVB
Feminino Sub-20(6)
Ranking FIVB
Masculino Sub-19(7)
Ranking FIVB
Feminino Sub-18(8)
ARG Argentina Federación del Voleibol Argentino 11º 12º 10º 10º
BOL Bolívia Federación Boliviana de Voleibol 131º 117º - - 77º 27º 21º 36º
BRA Brasil Confederação Brasileira de Voleibol
CHI Chile Federación de Voleibol de Chile 37º 66º 18º 20º 18º 20º 20º 25º
COL Colômbia Federación Colombiana de Voleibol 44º 29º 15º 13º 22º 23º 18º 14º
ECU Equador Federación Ecuatoriana de Voleibol 131º 117º 22º - 77º 32º 30º 36º
FGU Guiana Francesa Ligue de Guyane de Volley-Ball 131º - - - - - - -
GUY Guiana Guyana Volleyball Federation 131º - - - 77º - 72º -
PAR Paraguai Federación Paraguaya de Voleibol 108º 117º 34º - 31º 76º 36º 66º
PER Peru Federación Peruana de Voleibol 93º 27º 20º 15º 27º 13º 72º 10º
URU Uruguai Federación Uruguaya de Voleibol 65º 52º 34º 25º 77º 32º 72º 31º
VEN Venezuela Federación Venezolana de Voleibol 31º 38º - 35º 77º 76º 36º 66º
  • (1) Ranking atualizado em Outubro de 2018
  • (2) Ranking atualizado em Outubro de 2018
  • (3) Ranking atualizado em Janeiro de 2019
  • (4) Ranking atualizado em Janeiro de 2019
  • (5) Ranking atualizado em Janeiro de 2019
  • (6) Ranking atualizado em Janeiro de 2019
  • (7) Ranking atualizado em Janeiro de 2019
  • (8) Ranking atualizado em Janeiro de 2019

Times[editar | editar código-fonte]

Ultimamente, a federação nacional sul-americana que vem obtendo resultados expressivos em nível internacional é a do Brasil, que mantém desde o final dos anos 70 um intenso e eficiente programa de incentivo à prática e ao desenvolvimento do voleibol, tanto no caso masculino quanto no feminino.

Com uma medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Seul, a Argentina possui alguma tradição no voleibol masculino, e vinha apresentando sinais incontestáveis de declínio nos últimos anos: o jovem time da Venezuela estava constamente ameaçando sua posição como segunda força no continente. Porém a boa fase da seleção adulta masculina demonstra que a equipe argentina continua firme como segunda força na América do Sul.

Medalha de prata nas Olimpíadas de 1988, o Peru tinha nos anos 80 o time mais forte de voleibol feminino do continente. Após a aposentadoria das grandes atletas que integravam aquela geração, tais como Natalia Málaga, Rosa García e Gabriela Pérez del Solar, a equipe perdeu todavia boa parte de sua potência de jogo, e permanece nos dias de hoje sem condições efetivas de tomar parte satisfatoriamente em competições internacionais. Atualmente vem focando em suas seleções de base a fim de disputar os Jogos Olímpicos de 2020.

Campeonatos[editar | editar código-fonte]

Campeonatos Sul-Americano[editar | editar código-fonte]

A Confederação Sul-Americana de Voleibol organiza a cada dois anos campeonatos para várias categorias, entre elas: adultos (masculino e feminino), sub-21 e sub-19 (masculino) e sub-20 e sub-18 (feminino). O Brasil é o país com maior êxito em todas as categorias, o Peru destaca-se nas categorias femininas, Argentina e Venezuela nas masculinas.

Os campeonatos adultos, dependendo do ano, podem garantir ao campeão uma vaga na Copa dos Campeões de Voleibol ou aos finalistas duas vagas na Copa do Mundo de Voleibol. Os campeonatos das categorias de base: sub-21, sub-20, sub-19 e sub-18 garantem atualmente três vagas nos respectivos campeonatos mundiais. No ano de 2011 ocorreu a criação de dois novos campeonatos de categoria de base: sub-16 e sub-15, masculino e feminino respectivamente.

Histórico[editar | editar código-fonte]

QUADRO ATUAL DOS CAMPEONATOS SUL-AMERICANOS
Última Edição Categoria Ouro Prata Bronze
2017 Masculino Bandeira do Brasil
Brasil
Bandeira da Venezuela
Venezuela
Bandeira da Argentina
Argentina
2017 Feminino Bandeira do Brasil
Brasil
Bandeira da Colômbia
Colômbia
Bandeira do Peru
Peru
2016 Masculino
Sub-23
Bandeira do Brasil
Brasil
Bandeira da Argentina
Argentina
Bandeira da Colômbia
Colômbia
2016 Feminino
Sub-23
Bandeira do Brasil
Brasil
Bandeira da Colômbia
Colômbia
Bandeira do Peru
Peru
2018 Masculino
Sub-21
Bandeira do Brasil
Brasil
Bandeira da Argentina
Argentina
Bandeira do Chile
Chile
2018 Feminino
Sub-20
Bandeira do Brasil
Brasil
Bandeira da Argentina
Argentina
Bandeira do Peru
Peru
2018 Masculino
Sub-19
Bandeira do Brasil
Brasil
Bandeira da Argentina
Argentina
Bandeira da Colômbia
Colômbia
2018 Feminino
Sub-18
Bandeira da Argentina
Argentina
Bandeira do Peru
Peru
Bandeira do Brasil
Brasil
2013 Masculino
Sub-17
Bandeira da Argentina
Argentina
Bandeira do Brasil
Brasil
Bandeira da Colômbia
Colômbia
2017 Feminino
Sub-16
Bandeira da Argentina
Argentina
Bandeira do Peru
Peru
Bandeira do Chile
Chile
2014 Masculino
Sub-15
Bandeira da Argentina
Argentina
Bandeira do Paraguai
Paraguai
Bandeira do Chile
Chile
2014 Feminino
Sub-14
Bandeira do Peru
Peru
Bandeira da Argentina
Argentina
Bandeira da Bolívia
Bolívia

Quadro geral histórico[editar | editar código-fonte]

 Ordem  País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1 Brasil Brasil 130 29 1 160
2 Peru Peru 21 31 27 79
3 Argentina Argentina 15 73 46 134
4 Venezuela Venezuela 1 20 42 63
5 Uruguai Uruguai 0 5 7 12
6 Paraguai Paraguai 0 4 5 9
7 Colômbia Colômbia 0 3 17 20
8 Chile Chile 0 1 21 22
9 Bolívia Bolívia 0 1 1 2

Copas Pan-Americana[editar | editar código-fonte]

Além dos campeonatos organizados na América do Sul, a CSV, em parceria com a NORCECA, organiza a cada ano competições a fim de promover a chamada União Pan-Americana.

O intuito principal é desenvolver o voleibol em todo o continente, e incentivar os países que possuem dificuldade em investir nas suas seleções. As Copas Pan-Americana são realizadas anualmente e são de grande importância para as seleções que desejam se projetar mundialmente futuramente.

Histórico[editar | editar código-fonte]

QUADRO ATUAL DAS COPAS PAN-AMERICANA
Última edição Categoria Ouro Prata Bronze
2018 Masculino Bandeira da Argentina
Argentina
Bandeira do Brasil
Brasil
Bandeira de Cuba
Cuba
2018 Feminino Bandeira dos Estados Unidos
Estados Unidos
Bandeira da República Dominicana
República Dominicana
Bandeira do Canadá
Canadá
2018 Masculino
Sub-23
Bandeira de Cuba
Cuba
Bandeira do México
México
Bandeira da Guatemala
Guatemala
2018 Feminino
Sub-23
Bandeira da República Dominicana
República Dominicana
Bandeira do Peru
Peru
Bandeira de Cuba
Cuba
2019 Masculino
Sub-21
Bandeira de Cuba
Cuba
Bandeira do Canadá
Canadá
Bandeira de Porto Rico
Porto Rico
2019 Feminino
Sub-20
Bandeira de Cuba
Cuba
Bandeira da República Dominicana
República Dominicana
Bandeira do Peru
Peru
2019 Masculino
Sub-19
Bandeira de Cuba
Cuba
Bandeira do México
México
Bandeira da República Dominicana
República Dominicana
2017 Feminino
Sub-18
Bandeira da Colômbia
Colômbia
Bandeira de Cuba
Cuba
Bandeira da República Dominicana
República Dominicana

Quadro Geral Histórico[editar | editar código-fonte]

 Ordem  País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Total
1 Estados Unidos Estados Unidos 12 5 4 21
2 Brasil Brasil 11 5 1 17
3 Cuba Cuba 11 4 11 26
4 República Dominicana República Dominicana 9 14 12 35
5 Argentina Argentina 5 8 6 19
6 México México 3 5 0 8
7 Peru Peru 1 2 1 4
8 Colômbia Colômbia 1 1 1 3
9 Venezuela Venezuela 1 0 1 2
10 Porto Rico Porto Rico 0 5 6 11
11 Canadá Canadá 0 4 7 11
12 Chile Chile 0 1 3 4
13 Guatemala Guatemala 0 0 1 1

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]