Confederação de Sistemas Independentes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox warning pn.svg
Este artigo foi proposto para eliminação semirrápida por um ou mais editores. A(s) justificativas apresentada(s) para eliminação foram:
  • Sem fontes que comprovem notoriedade. Coisa de fansite, sem caráter enciclopédico (ou fontes que atestem isso). Coltsfan Talk to Me 20h57min de 17 de abril de 2017 (UTC)
  • Último editor:

Por favor, melhore o artigo se possível e procure enquadrá-lo dentro das regras do projeto.
Caso não haja oposição à eliminação desta página, ela será suprimida a partir de 23 de abril. Para mais informações, veja Política de eliminação e Eliminação semirrápida.


Encontre referências para o artigo: Google (notícias, livros e acadêmico)


Usuário: Se esta página possui arquivos de mídia que não são utilizáveis em outras páginas, adicione uma nota em WP:PER, para que um administrador lusófono do Wikimedia Commons verifique se ela se encontra no escopo do projeto.

Aviso ao criador: Os principais editores da página podem ser avisados (recomendável) e seu criador (se registrado) deve ser notificado com
{{subst:Aviso-ESR|1=Confederação de Sistemas Independentes}} ~~~~
Aviso ao criador com nota de boas-vindas:
{{subst:Av-bv-ESR|1=Confederação de Sistemas Independentes|2=~~~~}}

símbolo da Confederação de Sistemas Independentes

A Confederação de Sistemas Independentes ou Confederação dos Separatistas era uma organização da série Star Wars, inimiga declarada da República Galáctica. Tinha como objetivo acabar com os ideais da República e dominar seu lugar. O Conde Dooku foi um dos líderes da Confederação. Seu exército era composto por dróides feitos nas fábricas de Geonosis.

O mestre jedi Obi-Wan Kenobi foi até Geonosis e descobriu a existência das fábricas. Ele avisou a seu padawan Anakin Skywalker para que retransmitisse sua mensagem para o Conselho Jedi. Anakin e a senadora Padmé Amidala resolveram ir até lá e ajudar Kenobi. Chegando lá, Kenobi havia sido preso e levado à Arena de Execução. Amidala e Skywalker foram capturados e levados até lá, também. O Conselho enviou cerca de 200 Jedi e o recém-formado exército de clones para destruir as fábricas e salvar os prisioneiros. Houve, então, a batalha que deu início às Guerras Clônicas. Muitos Jedi morreram e a Confederação pôde ficar ilesa.

O General Grievous ordenou aos membros da Confederação que eles fossem para o planeta Mustafar, onde havia algumas de suas fábricas, e lá permanecessem até segunda ordem.

A Confederação acabou quando o sith Darth Sidious acabou com a República e criou o Império Galáctico. Ele então ordenou que seu novo aprendiz Darth Vader fosse a Mustafar e matasse todos os membros da Confederação. Ele cumpriu perfeitamente a ordem.

Mais tarde, um Geonosiano chamado Gizor Delso, que não concordava com o fim da Confederação, foi a Mustafar e reativou as fábricas de dróides. Os soldados imperiais foram até lá e houve uma grande batalha. Ao final o Império venceu, Delso foi morto, os esquemas de construção de dróide foram destruídos e as fábricas ficaram inutilizadas.

Corporações[editar | editar código-fonte]

Entre os membros mais importantes que formavam o Conselho Separatista encontramos:

  • A Federação do Comércio, liderada pelo vice-rei Nute Gunray.
  • A União Tecnológica, liderada pelo emir Wat Tambor.
  • O Clã Bancário Intergaláctico, liderado pelo diretor San Hill.
  • A Associação de Comércio, liderado pela Presidente Shu Mai.
  • A Aliança Corporativa, liderada pelo magistrado Passel Argente.
  • As Indústrias de Geonosis, lideradas pelo arquiduque Poggle o Menor.
  • Liga de Isolamento Quarren, liderada pelo senador Tikkes.
  • O Cartel de Hiper-Comunicações, liderada pelo senador Po Nudo.
  • O planeta Alliga, representado pelo Embaixador Rogwa Wodrata.

Arsenal da Confederação de Sistemas Independentes[editar | editar código-fonte]

Cada membro fornecia vários dróides e máquinas de guerra diferente. Entre os destaques estão:

  • Os Tri-droids, octuptarras e droídes-carangueijos da União Tecnológica.
  • Os Super Dróides de batalha e os tanques Hailfire das Indústrias de Geonosis.
  • Os Dróides de batalha, os dróides abutres, os droidekas e os Tanques Federados da Federação do Comércio.
  • Os Droídes Aranhas e Droídes Aranhas Anões do Grêmio de Comércio.
  • Os Droids Gunships e Tanques Corporativos da Aliança Corporativa.
  • Os MagnaGuardas, Tanques Sísmicos e os Droídes Camaleões do Clã Bancário Intergaláctico.

Os principais comandantes do Exército Droíde foram: Durge, um caçador de recompensas Gen'Dai; Asajj Ventress, a aprendiz dathormiriana de Conde Dooku e General Grievous, um kaleshiano que após um acidente teve que se tornar um ciborgue para poder sobreviver, sendo este último o Comandante Supremo do Exército Separatista Droíde. Grievous obedecia unicamente ao Conde Dooku (o líder oficial de todos os separatistas) e a Darth Sidious.

O Exército Droíde continuou a lutar até a grande desativação dos droídes realizada por Darth Vader em Mustafar, logo após este matar os membros do Conselho Separatista e acabar com a Confederação.

Legado[editar | editar código-fonte]

Durante a Era do Império, as Guerras Clônicas eram frequentemente utilizadas como um aviso para a galáxia do que poderia acontecer caso o Império e a ordem falhassem, com a vitória de Papaltine sobre a Confederação sendo utilizada como propaganda política pelo Império. Equipamentos militares separatistas (incluindo dróides de batalha) que sobreviveram à guerra passaram a ser usados por piratas e por rebeldes que lutavam contra o Império. Uma grande quantidade de equipamento militar separatista foi modificada e passou a ser usada pela Aliança Rebelde; exemplos incluem o Tanque Droíde Hailfire IG-227 e o Tanque de Assalto Blindado.

Logo após a formação do Império, Imperador Palpatine e Darth Vader iniciaram a construção da Estrela da Morte, uma super-arma que havia sido originalmente planejada pela Confederação. Com os Separatistas derrotados e seus líderes mortos, o projeto Estrela da Morte foi tomado pelo Império Galáctico, que planejava usá-lo para controlar a galáxia.

Quando a Guerra Cível Galáctica se iniciou várias fábricas de droídes de batalha já haviam sido destruídas, no entanto, nem todos os droídes foram eliminados: as droidekas e droídes aranha continuaram a serviço imperial. Mais tarde, quando o Império fabricou a MT-AT, ele reativou os dróides-caranguejo. Vários MagnaGuardas acabaram sendo reativados e utilizados como guarda-costas para altos oficiais militares.

Muitos líderes criminosos passaram a utilizar droídes para suas armadas pessoais, sendo os droidekas mais comuns.

Depois que a Aliança Rebelde consegue restaurar a República Galáctica após a guerra, foi decidido que a Capital da Nova República seria constantemente mudada, com a sede do Senado sendo rotatória - essa era uma das principais exigências dos sistemas confederados antes das Guerras Clônicas.