Saltar para o conteúdo

Guerra Civil no Sudão (2023–presente)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Conflito no Sudão em 2023)
Guerra Civil no Sudão

Situação militar em agosto de 2023:
  Território sob controle do exército sudanês
  Território sob controle dos rebeldes das Forças de Suporte Rápidas
  Território sob controle dos combatentes do SPLM-N (al-Hilu)
  Território sob controle dos combatentes do Movimento de Libertação do Sudão (Nur)
Período 15 de abril de 2023 – presente
Local Sudão
Causas Disputa por poder
Situação Em andamento
Participantes do conflito
Sudão Forças de Suporte Rápidas (RSF)

SPLM-N (facção de al-Hilu)

Apoio:
Líbia Exército Nacional Líbio[1]
 Rússia (alegado; via Grupo Wagner)[2]
 Emirados Árabes Unidos[3]

Sudão Forças Armadas do Sudão (SAF)

Movimento de Libertação do Sudão (facção de Tambour)

Apoio:
Movimento pela Justiça e Igualdade
 Egito[4][1]
 Ucrânia[5]

Líderes
Hemedti
Abdelaziz al-Hilu
Abdel Fattah al-Burhan
Mustafa Tambour
Forças
70 000 – 150 000 combatentes[6] 110 000 – 120 000 militares e milicianos[6]
Baixas
Desconhecido Desconhecido
9 000 - 10 000 mortos e 6 000 - 8 000 feridos[7][8]
4,9 milhões de pessoas deslocadas internamente[9]
1,3 milhões de refugiados[9]
 Nota: Para outros conflitos internos no Sudão, veja Guerra Civil Sudanesa.

A Guerra Civil no Sudão iniciou-se em 15 de abril de 2023 quando combates entre as Forças Armadas Sudanesas e as Forças de Apoio Rápido eclodiram em todo o Sudão.[10][11] Além dos confrontos armados no palácio presidencial e na sede das Forças de Apoio Rápido, também foram relatados combates no Aeroporto Internacional de Cartum e no Aeroporto de Merowe, ambos os quais a RSF afirmou ter capturado. Tiros e confrontos também foram relatados em seções de Cartum e no Aeroporto El Obeid, no Cordofão do Norte.[12][13][14][15][16]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

O ex-presidente sudanês Omar al-Bashir presidiu um conflito destrutivo no sul do país que resultou na secessão do Sudão do Sul em 2011 e na violência patrocinada pelo Estado na região ocidental de Darfur, levando a acusações de crimes de guerra e genocídio. Depois de serem depostos em uma revolução de 2019 e condenados por corrupção e outros crimes, os militares tomaram o poder em um golpe em outubro de 2021, destruindo as esperanças de democracia. Em meio a uma crise econômica, os militares concordaram em entregar a autoridade a um governo liderado por civis em abril de 2023, mas as tensões aumentaram entre os líderes militares rivais, o general Abdel Fattah al-Burhan (visto como chefe de estado de fato), líder das Forças Armadas do Sudão e o comandante general Mohamed Hamdan Dagalo, mais conhecido como Hemeti, das Forças de Apoio Rápido.[17] Ambos atuam como presidente e vice do Conselho de Soberania de Transição, respectivamente.

As Forças de Apoio Rápido são uma organização paramilitar sudanesa que tem suas raízes nas milícias Janjaweed que operam durante a Guerra de Darfur.

Desde 11 de abril, as forças da RSF estão posicionadas perto da cidade de Merowe, bem como em Cartum. As forças do governo ordenaram que eles saíssem, mas eles se recusaram. Os confrontos começaram quando as forças RSF assumiram o controle da base militar de Soba ao sul de Cartum.[18]

Eventos[editar | editar código-fonte]

2023[editar | editar código-fonte]

Em 15 de abril, rebeldes das Forças de Suporte Rápidas (RSF) atacaram as bases das Forças Armadas Sudanesas (SAF) por todo o Sudão, incluindo a maioria da cidade de Cartum e seu aeroporto.[13][19] Os confrontos entre os dois grupos ocorreram no Palácio Presidencial e na residência do General al-Burhan.[20] Em resposta, a SAF fechou todos os aeroportos e realizou ataques aéreos contra posições do RSF.[20] Houve confrontos na sede da emissora estatal, a Sudan TV, que foi capturado pelas forças rebeldes do RSF.[21] Pontes e estradas em Cartum foram fechadas e a RSF afirmou que todas as estradas que seguem para o sul de Cartum foram fechadas.[22] Em 16 de abril, a SAF anunciou o resgate de um major-general e um brigadeiro, a prisão de vários oficiais da RSF e a tomada do aeroporto de Merowe.[23] A Autoridade de Aviação Civil do Sudão fechou o espaço aéreo do país[24] e o provedor de telecomunicações MTN desligaram os serviços de internet.[25] Os confrontos recomeçaram em 17 de abril em Cartum, Ondurmã e no aeroporto de Merowe.[26] As forças armadas sudanesas reivindicaram o controle da sede da Sudan TV e da rádio estatal na capital[27] e os rebeldes lançaram um vídeo em sua página do Twitter.[28]

Os combates entre os soldados do SAF e os rebeldes da RSF continuaram em Cartum. A SAF acusou a RSF de agredir civis e realizar atos de saque e incêndio.[29] Testemunhas disseram que reforços SAF foram trazidos de perto da fronteira oriental com a Etiópia. Um cessar-fogo foi anunciado e os combates continuaram, com explosões relatadas em El-Obeid.[30] A situação em Merowe estava voltando ao normal, com a SAF recuperando o controle do aeroporto. A RSF afirmou ter repelido um ataque da SAF e abateu dois de seus helicópteros.[31] Tiroteios e bombardeios foram reportados em Cartum, Ondurmã e Cartum Bahri no dia do Eid al-Fitr, em 21 de abril.[32] Os combates foram descritos como particularmente intensos ao longo da estrada que vai para Porto Sudão e na zona industrial de al-Bagair.[33] Os combates se espalharam ao longo da estrada principal que leva ao sudeste da capital.[34] O exército chadiano parou e desarmou um contingente de 320 soldados sudaneses que entraram no país vindos de Darfur enquanto fugiam da RSF em 17 de abril.[35]

Em 23 de abril, uma série de fugas em massa ocorreu na prisão de Kobar e em outras quatro prisões, com mais de 25 000 detidos escapando.[36][37] Houve uma interrupção quase total da internet em todo o país, atribuída à falta de eletricidade causada por ataques à rede elétrica.[38] A RSF alegou ter capturado instalações de fabricação militar e uma usina de energia ao norte de Cartum.[39] A Organização Mundial da Saúde expressou preocupação com o Laboratório Nacional de Saúde Pública, que havia sido tomado por um dos lados em conflito em 25 de abril.[40] A empresa dinamarquesa AP Moller-Maersk anunciou que deixaria de aceitar novas encomendas de mercadorias para o Sudão[41] e confrontos intercomunitários foram relatados no Estado do Nilo Azul e em Geneina.[42][43] Os combates entre os militares da SAF e os rebeldes da RSF continuaram, com fogo de artilharia relatado em Ondurmã, enquanto um cessar-fogo de 72 horas começou em 27 de abril.[44] Em 30 de abril, a SAF anunciou que estava lançando um ataque total para expulsar o RSF em Cartum usando ataques aéreos e artilharia.[45] A polícia sudanesa implantou suas Forças de Reserva Central nas ruas de Cartum para manter a lei e a ordem[46] e a unidade disse posteriormente que havia prendido 316 "rebeldes", referindo-se ao RSF.[47] As autoridades locais de Cartum colocaram os funcionários públicos em licença por tempo indeterminado.[48]

As Forças Armadas do Sudão (SAF) afirmaram ter deteriorado as capacidades de combate das Forças de Suporte Rápidas (RSF) e repeliram seus avanços em várias regiões.[49] Ataques aéreos e combates persistiram em áreas como Ondurmã, o Palácio Presidencial, as cidades de Cartum Bahri e al-Jerif.[50][51] Durante este período, ambos os lados fizeram acusações um contra o outro. RSF alegou ter derrubado um caça a jato durante ataques aéreos da SAF,[52] enquanto o governo sudanês relatou vários feridos desde o início do conflito.[53] O chefe de socorro da ONU, Martin Griffiths, expressou frustração com a falta de compromisso de ambos os lados para encerrar os combates.[54]

O General Dagalo, líder dos rebeldes das Forças de Suporte Rápidas (RSF), juraram continuar lutando e expressaram seu desejo de capturar e enforcar o General Burhan, chefe do Conselho de Soberania de Transição e comandante das Forças Armadas Sudanesas (SAF).[55] O General Burhan fez uma aparição pública entre os soldados que aplaudiam, reafirmando sua presença no conflito.[56] O número de mortos aumentou consideravelmente, particularmente em Geneina, onde milícias árabes leais à RSF foram acusadas de atrocidades contra residentes não árabes.[57] Um cessar-fogo temporário foi assinado e enfrentou desafios enquanto os combates persistiam em Cartum, e o tempo de cessar-fogo acordado viu mais violência.[58]

O ministério da defesa sudanês emitiu uma ordem de mobilização para aposentados do exército e indivíduos capazes para se juntarem às SAF.[59] As negociações de paz entre SAF e RSF foram suspensas devido a violações do cessar-fogo.[60] O conflito resultou em muitas baixas civis, incluindo ataques a mercados[61] e sequestros e abduções.[62]

Batalhas entre tanques continuaram a acontecer em Cartum, resultando em mortes e feridos.[63][64] Rebeldes da RSF assumiram o controle do Museu Nacional do Sudão,[65] a fábrica de munições Yarmouk[66] e o quartel-general das Forças de Reserva Central da Polícia em Cartum,[67] aumentando ainda mais a instabilidade na capital e regiões vizinhas.[68] Os combates também persistiram em várias áreas, incluindo Kutum, Tawila[69] e Geneina, onde centenas de pessoas perderam suas vidas e extensa destruição ocorreu.[70][71] A insegurança alimentar aguda afetou uma parcela significativa da população do Sudão.[71]

Milícias armadas de ambos os lados foram acusadas de realizar execuções sumárias,[69][72] exacerbando a crise humanitária.[73] O governador de Darfur Ocidental, Khamis Abakar, foi sequestrado e morto por homens armados horas depois de acusado o RSF de genocídio e apelando por intervenção internacional numa entrevista televisiva.[74]

Uma fação do militante Movimento Popular de Libertação do Sudão - Setor Norte (SPLM-N), liderada por Abdelaziz al-Hilu, quebrou um acordo de cessar-fogo de longa data e atacou posições das Forças Armadas do Sudão (SAF) em Kadugli, Kurmuk e al-Dalanj, sendo que nesta última cidade eles o fizeram com apoio de rebeldes da RSF. O SAF afirmou ter repelido estes ataques.[67][75]

Os cessar-fogos foram anunciados, mas muitas vezes violados, levando a novos confrontos. A SAF e a RSF se culparam mutuamente pelos incidentes, enquanto o governo sudanês agiu contra os enviados internacionais.[76] A embaixada saudita em Cartum foi atacada e evacuações de um orfanato foram realizadas em meio ao caos.[77] Os Estados Unidos impuseram sanções a empresas associadas à SAF e RSF, juntamente com restrições de visto a indivíduos envolvidos no conflito.[78] Em meio aos tumultos, o Sudão enfrentou tensões diplomáticas com o Egito, levando a desafios para os refugiados sudaneses que buscavam entrar.[79][80] O Comitê Internacional da Cruz Vermelha facilitou a liberação do pessoal detido pela RSF.[81]

O conflito continuou a se expandir, com ataques aéreos, de artilharia e armas pequenas em Cartum e em Ondurmã. O RSF alegou ter derrubado uma aeronave militar da SAF e um veículo aéreo não tripulado em Cartum Bahri. A RSF foi acusada de saques e ocupação de residências em Cartum, de invadir o Hospital Al-Shuhada e matar um membro da equipe e de continuar limpeza étnica em Geneina. A Unidade de Combate à Violência contra a Mulher informou ter registrado 88 casos de agressão sexual em Geneina, Cartum e Nyala.[82] Em 13 de julho, a ONU anunciou a descoberta de 87 corpos, incluindo da etnia masalita, enterrados em uma vala comum em Darfur. De acordo com o Escritório do Alto-comissário para os Direitos Humanos, os falecidos foram mortos pela RSF e sua milícia aliada e enterrados em 20-21 de junho de 2023. O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Volker Türk, exigiu uma "investigação rápida, completa e independente".[83] A ONU alertou que o Sudão estava à beira de outra guerra civil total.[84] Em 22 de julho, foi relatado que 10 000 pessoas morreram desde o início do conflito apenas em Darfur Ocidental. O RSF e as milícias árabes teriam matado advogados, monitores de direitos humanos, médicos e líderes tribais não árabes[85][86] e cometeram roubos e violência sexual de forma indiscriminada.[87]

A RSF alegou que havia assumido o controle total sobre todos os Darfur Central.[88] O RSF lançou um ataque contra a cidade de Kubum, em Darfur do Sul, numa batalha que durou até 6 de agosto e deixou pelo menos vinte e quatro pessoas mortas. Outra cidade que viu combates e foi saqueada foi Markondi.[89] O exército sudanês (SAF) tentou responder aos retrocessos recentes no campo de batalha bombardeando o Palácio Republicano em Cartum, enquanto os rebeldes da RSF alegaram que haviam repelido uma tentativa da SAF de quebrar um cerco ao complexo militar de Yarmouk.[90] A RSF acusou a 16ª Divisão de Infantaria da SAF, baseada em Nyala, de saquear os escritórios locais do Banco Central do Sudão em 21 de agosto.[91]

Durante todo o mês de setembro, os ataques aéreos e os bombardeios indiscriminados da força aérea sudanesa mataram pelo menos 20 civis, incluindo duas crianças, em Kalakla al-Qubba, no estado de Cartum,[92] 32 em Ombada, Ondurmã,[93] outros 51 mortes no mercado de Gouro na cidade de Cartum,[94][95] cerca de 43 em um outro mercado na capital sudanesa,[96][97] mais 17 em Ondurmã,[98] e 45 em Nyala.[99] Pessoas também foram mortas por bombardeios indiscriminados feitos pelos rebeldes das Forças de Suporte Rápidas, incluindo pelo menos 104 pessoas que foram mortas em Cartum. Pelo menos 30 deles foram mortos no mercado de gado Hilet Kouko, perto de Sharg El Nil,[100] enquanto dez pessoas morreram e outras 11 ficaram feridas na área de Aljarafa, no norte de Ondurmã.[101] Mais civis foram mortos durante confrontos entre o exército e os rebeldes, com 25 pessoas mortas em Ondurmã,[102] uma El-Odeya, Cordofão Ocidental,[103] e 30 em El Fasher.[104] Em 19 de setembro, a ACNUR informou que pelo menos 1 200 crianças com menos de cinco anos morreram de sarampo e de fome em campos de refugiados no estado do Nilo Branco entre maio e setembro de 2023. A OMS também afirmou que entre 70-80% dos hospitais nas zonas afetadas pelo conflito estavam fora de serviço.[105]

Em outros lugares, combatentes do SPLM-N (al-Hilu) atacaram uma base do exército sudanês em Kadugli,[106][107] enquanto seguidores do líder da tribo Beja, Dirar Ahmed Dirar, atacaram o quartel-general dos portos das forças armadas sudanesas.[108] Os rebeldes da RSF atacaram então as regiões de Gorni e Abu Suruj, em Darfur Ocidental, sequestrando dois prefeitos[109] e atacando o mercado El Fasher[109] e o quartel-general do Comando Geral,[110] o Ministério da Justiça e raptaram vários outros funcionários do governo central em Cartum.[111] O exército respondeu com uma ofensiva contra posições do RSF em El-Obeid e retomaram o campo de Al-Hasahissa, em Zalingei,[112] enquanto as Forças de Operações Especiais ucranianas teriam lançado um ataque de drones contra posições da RSF em Cartum.[5] Combatentes das Forças de Suporte Rápidas tiveram de abandonar a cidade de Um Rawaba,[113] enquanto tropas do exército sudanês recuaram de Tawila.[114]

O mês de outubro foi marcado por um ressurgimento das ações militares dos rebeldes das Forças de Suporte Rápidas (RSF). Na região de Darfur, as Forças Armadas do Sudão (SAF) estava enfrentando uma grave escassez de abastecimentos devido aos cercos impostos pela RSF, ao mesmo tempo que não conseguia utilizar a sua superioridade aérea para conter os avanços dos rebeldes.[115] Em 26 de outubro, os rebeldes do RSF capturaram a cidade de Nyala, a segunda maior cidade do Sudão, depois de assumir o controle do quartel-general da 16ª Divisão de Infantaria do exército sudanês.[116] A conquista de Nyala, uma cidade estratégica com um aeroporto internacional e ligações fronteiriças com a África Central, pelas mãos do RSF significava que o grupo podia receber mais abastecimentos do exterior e concentrar as suas forças noutras cidades sudanesas em números cada vez maiores.[117] Simultaneamente com Nyala, foram relatados confrontos em Al-Fashir, com as forças armadas sudanesas dizendo que repeliu os ataques dos rebeldes do RSF.[118] Após tomar Nyala, combatentes do RSF mudaram seu foco para a cidade de Zalingei, na área de Darfur Central, e tomou o quartel general da 21ª Divisão de infantaria do exército. Organizações midiáticas ligadas ao RSF publicaram vídeos onde mostraram dezenas de homens presos que eles afirmaram ser oficiais do exército sudanês, incluindo o comandante da divisão.[115] Em Geneina, surgiram relatos de que anciãos tribais estavam tentando intermediar a rendição da guarnição do SAF na cidade para evitar derramamento de sangue.[119] No entanto, o exército rejeitou a proposta, aumentando o receio de um ataque iminente da RSF à cidade e obrigando os civis a fugir através da fronteira para o Chade.[120] Ao mesmo tempo, a RSF lançou novos ataques contra a cidade de Al-Fashir, resultando numa onda de deslocamentos de civis.[120] Entretanto, a liderança do RSF apelou a vários movimentos armados em Darfur para formarem uma força conjunta com eles e também afirmaram que estavam a negociar com oficiais e soldados das forças armadas em Darfur do Sul para os encorajar eles a desertar.[118] Em resposta as conquistas rebeldes em Darfur, o presidente Burhan afirmou que estava disposto a "lutar até o último soldado".[121]

Após uma batalha de três horas, as forças do RSF tomaram a cidade de al-Aylafoun, a sudeste de Cartum, de 5 a 6 de outubro, ganhando o controle de uma estação de bombeamento ao longo de um oleoduto que vai do Sudão do Sul ao Porto Sudão.[122][123] Ao final de outubro, a revista Reuters reportou que o RSF já controlava boa parte de Cartum mas até então não tinham conseguido tomar bases militares importantes, enquanto o governo se deslocava em grande parte para Porto Sudão.[124]

Os rebeldes do RSF passaram a atacar a cidade de Wad Ashana, em Cordofão do Norte, em 1 de outubro, ao longo de uma importante rota comercial.[125][126] Em Cordofão Ocidental, foi relatado um aumento nos combates, com as tropas do RSF atacando um campo de petróleo "vital" em Baleela, ao sul de Al-Fulah, alegando que conquistaram a área, mas, no entanto, relatos de testemunhas oculares dizem que eles foram forçados a se retirar após o bombardeio da força aérea sudanesa.[127] Imagens geolocalizadas mostraram combatentes do RSF comemorando uma vitória em torno do Aeroporto da Baleela após supostamente capturá-lo.[128] Os trabalhadores do campo pertencentes a uma subsidiária da Corporação Nacional de Petróleo da China foram evacuados antes do ataque.[128] No leste, a facção do SPLM-N Al Hilu invadiu a cidade de Lagawa.[129]

Ao final de novembro, Al-Fashir era a única grande cidade em Darfur sob controle das forças armadas sudanesas (SAF).

O mês começou com as Forças de Suporte Rápidas (RSF) sitiando o quartel-general da 15ª Divisão de Infantaria das forças armadas sudanesas (SAF) em Geneina, dando à guarnição um ultimato de seis horas para se render.[130] A base foi capturada dois dias depois, quando o 15º retirou-se da área antes de fugir às pressas para o Chade.[131] Os combates do governo que ficaram para trás, às centenas, foram feitos prisioneiros e exibidos nos meios de comunicação da RSF com sinais de abuso.[131] Mais tarde, testemunhas relataram atrocidades em massa perpetradas pela RSF na cidade logo após a sua tomada, com um grupo rebelde local alegando que até 2 000 pessoas foram massacradas na cidade satélite de Geneina, em Ardamata (Darfur Ocidental).[132] Com a queda de Geneina, as cidades de Ed Daein e Al-Fashir foram as últimas capitais restantes em Darfur sob controle governamental, com ambas as cidades sob forte pressão rebelde.[119][131]

Rebeldes da RSF invadiram e saquearam a cidade de Umm Keddada, a leste de Al-Fashir (Darfur do Norte), após a guarnição do exército recuar.[132] Foi relatado que as tropas da SAF em Al-Fashir estavam com poucos alimentos, água e medicamentos devido ao cerco da cidade, e forças externas notaram que a SAF parecia incapaz de impedir o avanço da RSF.[133][134] A vila de Ed Daein caiu em 21 de novembro, com as forças da RSF assumindo o controle da cidade após tomarem o quartel-general da 20ª Divisão de Infantaria da SAF.[135] As guarnições do exército sudanês em Darfur Oriental abandonaram posteriormente as suas posições e retiraram-se, permitindo que os rebeldes do RSF ocupassem a área.[136] Em resposta aos ganhos da RSF em Darfur e aos abusos de direitos humanos subsequentes, o Movimento pela Justiça e Igualdade, o Exército de Libertação do Sudão e outras facções rebeldes mais pequenas renunciaram à sua neutralidade e declararam guerra à RSF.[137]

A RSF procurou capitalizar os seus ganhos no começo de novembro intensificando os ataques às posições da SAF em Cartum e Ondurmã. Os dias de combates culminaram na destruição da ponte Shambat, que ligava Cartum ao Norte a Omdurman, através do Nilo, cortando uma cadeia de abastecimento crítica da RSF.[138] Isto isolou efectivamente a RSF das suas forças em Omdurman, dando à SAF uma vantagem estratégica.[139] Na tentativa de conseguir uma nova travessia sobre o Nilo e abastecer as suas forças em Omdurman, a RSF lançou um ataque ao Barragem de Jebel Aulia, no vilarejo de Jabal Awliya.[140] Como a barragem não poderia ser destruído sem inundar Cartum, a sua captura daria à RSF um caminho sobre o Nilo que a SAF não poderia remover facilmente. Uma batalha de uma semana começou pela barragem e pela aldeia vizinha, que terminou com uma vitória da RSF. A força capturou a barragem em 20 de novembro, cessando toda a resistência das SAF na aldeia no dia seguinte.[141][142]

Em dezembro, a RSF continuou a avançar para o sul e ganhar terreno em direção de Jebel Aulia e Cartum, adentrando no estado de Gezira em 15 de dezembro, marchando em direção a capital regional Wad Madani.[143][144] Os rebeldes avançaram por toda a região, tomando o controle da cidade de Rufaa a leste e depois adentrando na área de Butana.[145] Após vários dias de combates, a RSF tomou a ponte Hantoob na periferia leste de Wad Madani, cruzando o Nilo Azul e entrando na cidade.[145] O exército do governo central ofereceu pouca resistência em Wad Madani, com a 1ª Divisão retirando-se da cidade quando a RSF assumiu o controle.[146]

A queda de Wad Madani foi vista como um grande golpe para o governo e suas forças armadas, uma vez que alargou dramaticamente a linha da frente e abriu grandes partes do país a potenciais ofensivas da RSF.[146] A queda da cidade permitiu à RSF capturar a maior parte de Gezira e fazer incursões no estado do Nilo Branco, tomando a cidade de El Geteina.[147] Em poucos dias, os combatentes da RSF avançaram a até 25 km de Sennar, a maior cidade do estado de Sennar.[147]

No meio da deterioração da situação, foi relatado que as forças armadas sudanesas estariam armando civis, enquanto funcionários do governo no leste apelavam à mobilização da população.[148]

Vítimas[editar | editar código-fonte]

Em meados de agosto de 2023, mais de 10 000 pessoas (entre combatentes e civis) haviam morrido[7][149][8] e mais de 8 000 foram feridas,[149] segundo analistas. Em 12 de junho, o Sindicato dos Médicos do Sudão disse que pelo menos 959 civis foram mortos e 4 750 outros ficaram feridos.[150] Em 6 de maio, Save the Children UK disse que pelo menos 190 crianças foram mortas no conflito.[151] Os médicos no local alertaram que os números declarados não incluem todas as vítimas, pois as pessoas não puderam chegar aos hospitais devido a dificuldades de movimento.[152] Um porta-voz do Crescente Vermelho Sudanês foi citado como tendo dito que o número de vítimas "não era pequeno".[153] O número de refugiados internos e externos chegaram a quase quatro milhões no final do semestre.[9]

Por localização[editar | editar código-fonte]

Vários relatórios sobre vítimas apareceram. Durante os confrontos em Al-Obeid e Cartum, pelo menos três civis foram mortos e dezenas ficaram feridos.[154] Pelo menos vinte e cinco civis foram mortos e 26 feridos durante os confrontos no norte de Darfur, e outros três civis foram mortos por uma granada lançada por foguete, com uma mulher também ferida por uma bala.[155] Uma declaração do Comitê de Médicos do Sudão disse que dois civis foram mortos no aeroporto de Cartum e outro homem foi morto a tiros no estado de Kordofan do Norte.[156] Em Foro Baranga, no oeste de Darfur, dezenas foram mortos e centenas ficaram feridos.[157] Em al-Fashir, três civis foram mortos e 27 feridos em confrontos que atingiram a cidade vizinha de Kabkabiya.[158] Na cidade de Nyala, no sul de Darfur, 5 civis foram mortos durante os confrontos em curso.[159]

Evacuação de cidadãos estrangeiros[editar | editar código-fonte]

O surto de violência levou os governos estrangeiros a monitorar a situação no Sudão e a avançar para a evacuação e repatriação de seus cidadãos. Alguns países com um número significativo de expatriados no Sudão incluem o Egito, que tem mais de 10 000 cidadãos no país,[160] e os Estados Unidos, que têm mais de 16 000 cidadãos, a maioria dos quais são cidadãos duplos.[161] Os esforços de extração foram dificultados pelos combates dentro da capital, Khartoum, especialmente no aeroporto e seus arredores. Isso forçou evacuações a serem realizadas por estradas através de Port Sudan, no Mar Vermelho, que fica a cerca de 650 km (400 milhas) a nordeste de Khartoum.[162] A partir de Port Sudan, as pessoas foram transportadas por via aérea ou marítima diretamente para seus países de origem ou para países terceiros. Outras evacuações foram realizadas através de cruzamentos terrestres de fronteira ou por transporte aéreo de missões diplomáticas e outros locais designados, com envolvimento direto dos militares de alguns países de origem. Alguns centros de trânsito usados durante a evacuação incluem o porto de Jeddah, na Arábia Saudita, e Djibouti, que abriga bases militares dos Estados Unidos, China, Japão, França e outros países europeus.[163]

Sanções[editar | editar código-fonte]

Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

As repetidas violações dos acordos de cessar-fogo e outras atrocidades durante o conflito levaram o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, a emitir uma ordem executiva em 4 de maio de 2023 autorizando sanções para aqueles considerados responsáveis por desestabilizar o Sudão, minar a transição democrática e cometer abusos aos direitos humanos.[164][165] Em 1º de junho, o governo dos Estados Unidos impôs suas primeiras sanções relacionadas ao conflito, direcionando duas empresas associadas às Forças Armadas do Sudão (SAF) e outras duas ligadas às Forças de Suporte Rápido (RSF). Também impôs restrições de visto contra indivíduos envolvidos na violência, mas não divulgou nenhum nome.[166][167]

Reino Unido[editar | editar código-fonte]

Em 12 de julho, o Reino Unido anunciou sanções a empresas ligadas às Forças Armadas do Sudão (SAF) e às Forças de Suporte Rápido (RSF) por fornecerem fundos e armas no conflito.[168][169]

Reações[editar | editar código-fonte]

Interna[editar | editar código-fonte]

Em 18 de abril, o ex-primeiro-ministro Abdalla Hamdok fez um apelo público a al-Burhan e Hemedti para cessarem os combates.[170]

No mesmo dia, el-Wasig el-Bereir, do Partido Nacional Umma, estava em comunicação com as Forças Armadas do Sudão (SAF) e as Forças de Suporte Rápido (RSF) para que parassem imediatamente os combates,[171] enquanto el-Fateh Hussein dos comitês de resistência de Cartum pediu o fim imediato dos combates, afirmando que os comitês de resistência há muito tempo pediam que a SAF "voltasse aos quartéis" e que a RSF fosse dissolvida.[171]

Os comitês de resistência sudaneses coordenaram redes de apoio médico, escreveram mensagens antiguerra em paredes e incentivaram as comunidades locais a não se alinharem com a RSF ou a SAF. Hamid Murtada, membro dos comitês de resistência, descreveu-os como tendo "um papel importante em conscientizar suas bases eleitorais e apoiar iniciativas que encerrem imediatamente a guerra".[172]

Em 22 e 23 de abril, protestos contra o conflito foram realizados por moradores em Cartum Bahri, Arbaji e Damazin.[173]

Em 25 de julho, após uma reunião no Cairo, quatro grupos políticos sudaneses, nomeadamente as Forças para a Liberdade e a Mudança, as Forças do Movimento Nacional, as Forças do Acordo Nacional e a Aliança das Forças Nacionais, pediram a Burhan que forme "um governo provisório" o mais rápido possível para governar o país durante a guerra e promover o diálogo.[174]

Internacional[editar | editar código-fonte]

Em 19 de abril, missões diplomáticas no Sudão, incluindo as de Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Holanda, Noruega, Polônia, Coreia do Sul, Espanha, Suíça, Suécia, Reino Unido, Estados Unidos e União Europeia, emitiram uma declaração conjunta pedindo às partes em conflito que cumprissem suas obrigações sob o direito internacional, instando-as especificamente a "proteger civis, diplomatas e atores humanitários", evitar escaladas adicionais e iniciar conversações para "resolver questões pendentes".[175]

Muitos países condenaram a violência e pediram às partes em conflito que cessem os combates e retomem a transição democrática,[176][177][178][179][180][181] enquanto Egito, Sudão do Sul e Israel se ofereceram para mediar entre a SAF e a RSF.[182][183] Vários dos vizinhos do Sudão, incluindo Chade, Egito e Sudão do Sul, fecharam suas fronteiras com o Sudão,[184][185][186] enquanto a Eritreia afirmou que não estabeleceria campos de refugiados para aqueles que cruzam sua fronteira do Sudão.[187]

Organizações internacionais também ecoaram as demandas pelo fim dos combates e a restauração do governo civil.[182][188][189][190][191]

Referências

  1. a b «Sudan's army chief says Haftar denies supporting RSF; no confirmation on Wagner Group's involvement - Region - World». Ahram Online. Consultado em 5 de maio de 2023 
  2. https://amp.cnn.com/cnn/2023/04/20/africa/wagner-sudan-russia-libya-intl/index.html
  3. Walsh, Declan; Koettl, Christoph; Schmitt, Eric (29 de setembro de 2023). «Talking Peace in Sudan, the U.A.E. Secretly Fuels the Fight». The New York Times 
  4. Malsin, Benoit Faucon, Summer Said and Jared. «WSJ News Exclusive | Libyan Militia and Egypt's Military Back Opposite Sides in Sudan Conflict». WSJ (em inglês). Consultado em 5 de maio de 2023 
  5. a b «Exclusive: Ukraine's special services 'likely' behind strikes on Wagner-backed forces in Sudan, a Ukrainian military source says». CNN (em inglês). Consultado em 19 de setembro de 2023 
  6. a b «Sudan: Stalemates rule out one-man victory». DW. Consultado em 19 de abril de 2023. Cópia arquivada em 19 de abril de 2023 
  7. a b «'Four thousand dead, four million displaced in Sudan conflict'». Radio Dabanga. 16 de agosto de 2023. Consultado em 17 de agosto de 2023 
  8. a b «10,000 reported killed in one West Darfur city, as ethnic violence ravages Sudanese region». CNN. 26 de julho de 2023. Consultado em 27 de julho de 2023 
  9. a b c «Sudan conflict displaces nearly four million: UN migration agency». 2 de agosto de 2023. Consultado em 3 de agosto de 2023 
  10. Abdelaziz, Khalid; Eltahir, Nafisa; Eltahir, Nafisa (15 de abril de 2023). «Sudan paramilitaries say they have seized presidential palace». Reuters (em inglês). Consultado em 15 de abril de 2023 
  11. «'People are terrified': Heavy fighting erupts in Sudan». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 15 de abril de 2023 
  12. «Grupo paramilitar do Sudão toma palácio presidencial e conflitos armados se espalham pelo país». G1. Consultado em 15 de abril de 2023 
  13. a b Salih, Zeinab Mohammed; Igunza, Emmanuel (15 de abril de 2023). «Sudan: Army and RSF battle over key sites, leaving 56 civilians dead». BBC News. British Broadcasting Corporation. Consultado em 15 de abril de 2023. Cópia arquivada em 15 de abril de 2023 
  14. «At least 25 killed, 183 injured in ongoing clashes across Sudan as paramilitary group claims control of presidential palace». CNN. 15 de abril de 2023. Consultado em 15 de abril de 2023. Cópia arquivada em 17 de abril de 2023 
  15. Mullany, Gerry (15 de abril de 2023). «Sudan Erupts in Chaos: Who Is Battling for Control and Why It Matters». The New York Times. Consultado em 15 de abril de 2023. Cópia arquivada em 15 de abril de 2023 
  16. Akinwotu, Emmanuel (15 de abril de 2023). «Gunfire and explosions erupt across Sudan's capital as military rivals clash». Lagos, Nigéria: NPR. Consultado em 15 de abril de 2023. Cópia arquivada em 15 de abril de 2023 
  17. Walsh, Declan (15 de abril de 2023). «Gunfire and Blasts Rock Sudan's Capital as Factions Vie for Control». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 15 de abril de 2023 
  18. Sudan: clashes around the presidential palace, there are fears of a coup attempt in Khartoum - video, 15 de abril de 2023
  19. «Fighting broke out in Sudan between national army and RSF militiamen». Sudan Tribune (em inglês). 15 de abril de 2023. Consultado em 16 de abril de 2023 
  20. a b السودان.. اشتباكات عنيفة بين الجيش وقوات الدعم السريع (لحظة بلحظة). Al Jazeera (em árabe). Consultado em 16 de abril de 2023. Cópia arquivada em 15 de abril de 2023 
  21. التلفزيون السوداني يتحدث عن وجود اشتباكات في مقره. Twitter. Consultado em 15 de abril de 2023. Cópia arquivada em 15 de abril de 2023 
  22. لحظة بلحظة.. اشتباكات بين الجيش السوداني والدعم السريع. Al Jazeera (em árabe). Consultado em 15 de abril de 2023. Cópia arquivada em 15 de abril de 2023 
  23. =عناصر من الجيش ينشرون صورا لدخولهم قاعدة مروي العسكرية #السودان #العربية. Consultado em 16 de abril de 2023. Cópia arquivada em 17 de abril de 2023 
  24. Shieff, Chris (16 de abril de 2023). «Military Coup: Sudan Airspace Closed». OPS Group (em inglês). Consultado em 16 de abril de 2023. Cópia arquivada em 20 de abril de 2023 
  25. Siddiqui, Arwa Ibrahim, Usaid. «Dozens of people killed as Sudan fighting enters second day». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 16 de abril de 2023. Cópia arquivada em 16 de abril de 2023 
  26. «Clashes reported west of Merowe's airport». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 17 de abril de 2023. Cópia arquivada em 17 de abril de 2023 
  27. «State TV back on air». BBC News (em inglês). Consultado em 17 de abril de 2023. Cópia arquivada em 15 de abril de 2023 
  28. «Competing claims over control of broadcasting corporation HQ». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 17 de abril de 2023. Cópia arquivada em 17 de abril de 2023 
  29. «Fighting rages in central Cartum on fifth day of clashes». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 19 de abril de 2023. Cópia arquivada em 19 de abril de 2023 
  30. «Clashes in Sudan despite calls for Eid ceasefire». www.rtl.lu (em inglês). Consultado em 21 de abril de 2023. Cópia arquivada em 21 de abril de 2023 
  31. «Sudan's RSF says it has downed army helicopters». BBC News (em inglês). Consultado em 20 de abril de 2023. Cópia arquivada em 17 de abril de 2023 
  32. Osman, Mohamed; Booty, Natasha (21 de abril de 2023). «Sudan fighting: Muted Eid as ceasefire broken». BBC News (em inglês). Consultado em 21 de abril de 2023. Cópia arquivada em 21 de abril de 2023 
  33. «Battles 'raging' in Khartoum: AJ correspondent». Al Jazeera (em inglês). 21 de abril de 2023. Consultado em 21 de abril de 2023. Cópia arquivada em 21 de abril de 2023 
  34. «The Sudanese army has imposed complete control over Marawi». Twitter (em inglês). Consultado em 21 de abril de 2023. Cópia arquivada em 23 de abril de 2023 
  35. «Chad detains 320 fleeing Sudanese troops». BBC News (em inglês). 19 de abril de 2023. Consultado em 20 de abril de 2023. Cópia arquivada em 17 de abril de 2023 
  36. «Inmates break out of Cartum's Kobar prison». Al Jazeera (em inglês). 23 de abril de 2023. Consultado em 23 de abril de 2023. Cópia arquivada em 23 de abril de 2023 
  37. «Ousted Sudanese President Omar al-Bashir held at army hospital». Aljazeera (em inglês). 26 de abril de 2023. Consultado em 27 de abril de 2023. Cópia arquivada em 27 de abril de 2023 
  38. «Near-total collapse of internet connectivity». Al Jazeera (em inglês). 23 de abril de 2023. Consultado em 23 de abril de 2023. Cópia arquivada em 23 de abril de 2023 
  39. «Sudan's Darfur fighting: 'I saw pick-up trucks full of dead people'». BBC. 27 de abril de 2023. Consultado em 28 de abril de 2023 
  40. «Sudan crisis: WHO warns of biological hazard at seized lab». BBC News (em inglês). 25 de abril de 2023. Consultado em 26 de abril de 2023. Cópia arquivada em 26 de abril de 2023 
  41. «Shipping group Maersk halts Sudan bookings over violence». Al Jazeera. 25 de abril de 2023. Consultado em 25 de abril de 2023. Cópia arquivada em 25 de abril de 2023 
  42. «Shaky ceasefire enters second day as Sudanese, foreigners flee». France24. 26 de abril de 2023. Consultado em 26 de abril de 2023. Cópia arquivada em 26 de abril de 2023 
  43. «Sudan's Darfur fighting: 'I saw pick-up trucks full of dead people'». BBC. 27 de abril de 2023. Consultado em 28 de abril de 2023 
  44. «New Sudan ceasefire announced but doubts remain». BBC News (em inglês). 24 de abril de 2023. Consultado em 24 de abril de 2023. Cópia arquivada em 25 de abril de 2023 
  45. «Sudan crisis: Air strikes and fighting in Cartum as truce collapses». BBC. 30 de abril de 2023. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  46. «Sudanese police deploy central reserve units in Khartoum». Aljazeera. 30 de abril de 2023. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  47. «Gun battles rage in central Cartum despite announced truce». Aljazeera. 30 de abril de 2023. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  48. «Civil servants in Cartum put on 'open-ended leave'». Aljazeera. 30 de abril de 2023. Consultado em 30 de abril de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  49. «Sudanese army: RSF's combat capabilities reduced». Al Jazeera. 1 de maio de 2023. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  50. «Confrontations continue near Presidential Palace: AJ Correspondent». Al Jazeera. 1 de maio de 2023. Consultado em 2 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  51. «Confrontations extending to new areas: AJ correspondent». Al Jazeera. 1 de maio de 2023. Consultado em 2 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  52. «Sudan army plane downed amid air raids – RSF». BBC. 2 de maio de 2023. Consultado em 2 de maio de 2023. Cópia arquivada em 2 de maio de 2023 
  53. «Khartoum fighting continues despite new ceasefire in Sudan». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 5 de maio de 2023. Cópia arquivada em 4 de maio de 2023 
  54. «Clashes rock Sudan ceasefire as UN official seeks aid protection». Al Jazeera. 3 de maio de 2023. Consultado em 3 de maio de 2023. Cópia arquivada em 3 de maio de 2023 
  55. «Sudan hospital hit in air strike and embassy looted». BBC (em inglês). Consultado em 17 de maio de 2023. Cópia arquivada em 17 de maio de 2023 
  56. «Sudan army chief appears in rare video armed with rifle». BBC (em inglês). Consultado em 19 de maio de 2023. Cópia arquivada em 17 de maio de 2023 
  57. «Gunfire and explosions rock Sudan despite ongoing talks». BBC (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2023. Cópia arquivada em 15 de maio de 2023 
  58. «Sudan's army and paramilitary RSF sign seven-day ceasefire». Reuters (em inglês). 20 de maio de 2023. Consultado em 20 de maio de 2023. Cópia arquivada em 21 de maio de 2023 
  59. «United Nations backs Sudan envoy as army seeks to expel him». Aljazeera (em inglês). 27 de maio de 2023. Consultado em 27 de maio de 2023. Cópia arquivada em 29 de maio de 2023 
  60. «Sudan army suspends participation in Jeddah ceasefire talks». Aljazeera (em inglês). 31 de maio de 2023. Consultado em 1 de junho de 2023. Cópia arquivada em 4 de junho de 2023 
  61. Ross, Will (1 de junho de 2023). «Sudan conflict: Rockets hit Khartoum market as talks collapse». BBC (em inglês). Consultado em 1 de junho de 2023. Cópia arquivada em 2 de junho de 2023 
  62. «Sudanese doctor 'abducted' after smear campaigns, say family». Aljazeera (em inglês). 31 de maio de 2023. Consultado em 1 de junho de 2023. Cópia arquivada em 4 de junho de 2023 
  63. «Situation Report - Horn of Africa no. 442- 1 June 2023» (PDF). EEPA (em inglês). 1 de junho de 2023. Consultado em 1 de junho de 2023. Cópia arquivada (PDF) em 1 de junho de 2023 
  64. Hamilton, Richard (2 de junho de 2023). «Gunfire around state TV building in Sudan capital - reports». BBC (em inglês). Consultado em 2 de junho de 2023. Cópia arquivada em 8 de junho de 2023 
  65. «How conflict is jeopardizing Sudan's museums and cultural heritage». Arab News (em inglês). 6 de junho de 2023. Consultado em 16 de junho de 2023. Cópia arquivada em 16 de junho de 2023 
  66. «Arms depot battle rages in Sudan as fuel facility burns». Aljazeera (em inglês). 7 de junho de 2023. Consultado em 8 de junho de 2023. Cópia arquivada em 19 de junho de 2023 
  67. a b «Battle For Key Police Base Kills At Least 14 Sudan Civilians». Barron's (em inglês). 26 de junho de 2023. Consultado em 27 de junho de 2023. Cópia arquivada em 27 de junho de 2023 
  68. «Sudan crisis: Five children among 17 killed in air strikes». BBC (em inglês). 17 de junho de 2023. Consultado em 18 de junho de 2023. Cópia arquivada em 18 de junho de 2023 
  69. a b «New killings reported in Darfur on second day of Sudan ceasefire». CNN (em inglês). 19 de junho de 2023. Consultado em 22 de junho de 2023. Cópia arquivada em 29 de junho de 2023 
  70. «'Real hell': Deadly fighting escalates in Sudan as truce expires». Aljazeera (em inglês). 4 de junho de 2023. Consultado em 5 de junho de 2023. Cópia arquivada em 29 de junho de 2023 
  71. a b «SITUATION REPORT - HORN OF AFRICA No. 445 - 6 June 2023» (PDF). EEPA (em inglês). 6 de junho de 2023. Consultado em 6 de junho de 2023. Cópia arquivada (PDF) em 7 de junho de 2023 
  72. «SITUATION REPORT - HORN OF AFRICA No. 457 - 26 June 2023» (PDF). EEPA (em inglês). 26 de junho de 2023. Consultado em 26 de junho de 2023. Cópia arquivada (PDF) em 26 de junho de 2023 
  73. «Battle For Key Police Base Kills At Least 14 Sudan Civilians». Barron's (em inglês). 26 de junho de 2023. Consultado em 27 de junho de 2023. Cópia arquivada em 27 de junho de 2023 
  74. «West Darfur governor abducted, killed as war in Sudan spreads». Aljazeera (em inglês). 15 de junho de 2023. Consultado em 15 de junho de 2023. Cópia arquivada em 29 de junho de 2023 
  75. «South Kordofan residents flee as Sudan war escalates». al-Arabiya (em inglês). 23 de junho de 2023. Consultado em 23 de junho de 2023. Cópia arquivada em 30 de junho de 2023 
  76. «Sudan declares UN envoy Volker Perthes 'persona non grata'». Aljazeera (em inglês). 9 de junho de 2023. Consultado em 9 de junho de 2023. Cópia arquivada em 28 de junho de 2023 
  77. «Saudi Arabia condemns attack on its embassy in Sudan». BBC (em inglês). 8 de junho de 2023. Consultado em 8 de junho de 2023. Cópia arquivada em 6 de junho de 2023 
  78. «US imposes first sanctions over Sudan conflict». Aljazeera (em inglês). 1 de junho de 2023. Consultado em 2 de junho de 2023. Cópia arquivada em 4 de junho de 2023 
  79. «Egypt toughens visa rules for Sudanese nationals fleeing war». Aljazeera (em inglês). 11 de junho de 2023. Consultado em 13 de junho de 2023. Cópia arquivada em 24 de junho de 2023 
  80. «Sudan Emergency: Regional Refugee Response, June 2023 - Progress report». reliefweb.int (em inglês). 18 de junho de 2023. Consultado em 18 de junho de 2023. Cópia arquivada em 30 de junho de 2023 
  81. «125 Sudanese soldiers held by the RSF released: Red Cross». Aljazeera (em inglês). 29 de junho de 2023. Consultado em 29 de junho de 2023. Cópia arquivada em 29 de junho de 2023 
  82. «Sudan clashes intensify with no mediation in sight». Reuters (em inglês). 2 de julho de 2023. Consultado em 4 de julho de 2023. Cópia arquivada em 5 de julho de 2023 
  83. «Bodies of 87 people found in Sudan mass grave, says UN». The Guardian. 13 de julho de 2023. Consultado em 19 de julho de 2023. Cópia arquivada em 19 de julho de 2023 
  84. «The U.N. secretary-general says Sudan is on the brink of a 'full-scale civil war'». NPR. 9 de julho de 2023. Consultado em 27 de julho de 2023 
  85. Nashed, Mat. «RSF atrocities pile up in Darfur after 100 days of Sudan fighting». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  86. «RSF and Kababish clash in North Kordofan». Radio Dabanga. 24 de julho de 2023. Consultado em 25 de julho de 2023 
  87. «RSF accused of killings, robberies and sexual violence». Radio Dabanga. 25 de julho de 2023. Consultado em 26 de julho de 2023 
  88. «RSF claim 'full control' of Central Darfur after clashes». Radio Dabanga (em inglês). Consultado em 6 de agosto de 2023 
  89. «Sudan war: Dozens killed in South Darfur clashes, SPLM-N attack in South Kordofan». Radio Dabanga (em inglês). 14 de agosto de 2023. Consultado em 14 de agosto de 2023 
  90. «Sudan war: airstrikes on Republican Palace, civil servants await salaries while oil ministry raises fuel prices». Radio Dabanga (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2023 
  91. «Recent clashes cause deaths and injuries in South Darfur and more displacement in North Darfur». Radio Dabanga (em inglês). Consultado em 21 de agosto de 2023 
  92. «Sudan conflict: Air strike on Khartoum kills at least 20». BBC (em inglês). 3 de setembro de 2023. Consultado em 3 de setembro de 2023 
  93. «At least 32 civilians killed in Sudan army strikes: Activists». Aljazeera (em inglês). 6 de setembro de 2023. Consultado em 7 de setembro de 2023 
  94. «5 killed by artillery shelling in Sudan capital». Radio Dabanga (em inglês). 12 de setembro de 2023. Consultado em 13 de setembro de 2023 
  95. «Air strikes kill dozens in Nyala as Sudan violence escalates in Darfur». France 24 (em inglês). 13 de setembro de 2023. Consultado em 13 de setembro de 2023 
  96. «At least 40 killed in air strike on Khartoum market, volunteers say». Reuters (em inglês). 10 de setembro de 2023. Consultado em 10 de setembro de 2023 
  97. Magdy, Samy (10 de setembro de 2023). «A drone attack kills at least 43 in Sudan's capital as rival troops battle, activists say». AP News (em inglês). Consultado em 10 de setembro de 2023 
  98. «Air strikes kill dozens in Nyala as Sudan violence escalates in Darfur». France 24 (em inglês). 13 de setembro de 2023. Consultado em 13 de setembro de 2023 
  99. «Sudanese army resumes bombing RSF sites in Nyala of South Darfur». Sudan Tribune (em inglês). 13 de setembro de 2023. Consultado em 14 de setembro de 2023 
  100. «100+ dead as 'indiscriminate' shelling ravages Sudan capital». Radio Dabanga (em inglês). 14 de setembro de 2023. Consultado em 15 de setembro de 2023 
  101. «10 civilians killed in artillery shelling by RSF in Omdurman». Sudan Tribune (em inglês). 29 de setembro de 2023. Consultado em 29 de setembro de 2023 
  102. «Hemedti: 'RSF does not seek control over Sudan but will fight on to the last soldier'». Radio Dabanga (em inglês). 6 de setembro de 2023. Consultado em 7 de setembro de 2023 
  103. «More deadly RSF attacks in West Kordofan». Radio Dabanga (em inglês). 21 de setembro de 2023. Consultado em 22 de setembro de 2023 
  104. «IOM: 190 families displaced by North Darfur clashes». Radio Dabanga (em inglês). 11 de setembro de 2023. Consultado em 12 de setembro de 2023 
  105. «UN raises alarm over child deaths in Sudan as health crisis deepens». Reuters (em inglês). 19 de setembro de 2023. Consultado em 19 de setembro de 2023 
  106. «SPLM-N El Hilu attacks South Kordofan capital». Radio Dabanga (em inglês). 5 de setembro de 2023. Consultado em 6 de setembro de 2023 
  107. «Sudanese army repels SPLM-N's fresh attack on Kadugli». Sudan Tribune (em inglês). 27 de setembro de 2023. Consultado em 28 de setembro de 2023 
  108. «Sudan army exchanges gunfire with Red Sea state forces». Radio Dabanga (em inglês). 19 de setembro de 2023. Consultado em 21 de setembro de 2023 
  109. a b «Hemedti: 'RSF does not seek control over Sudan but will fight on to the last soldier'». Radio Dabanga (em inglês). 6 de setembro de 2023. Consultado em 7 de setembro de 2023 
  110. «Sudanese army repels RSF attack on its command centre». Sudan Tribune (em inglês). 16 de setembro de 2023. Consultado em 17 de setembro de 2023 
  111. Nimoni, Fiona (17 de setembro de 2023). «Sudan conflict: Landmark skyscraper in Khartoum engulfed in flames». BBC (em inglês). Consultado em 17 de setembro de 2023 
  112. «Escalating Conflict: Sudanese army, RSF clash in Khartoum, El-Obeid, Zalingei». Sudan Tribune (em inglês). 17 de setembro de 2023. Consultado em 17 de setembro de 2023 
  113. «RSF retreat from South Kordofan stronghold, military detentions across Sudan». Radio Dabanga (em inglês). 13 de setembro de 2023. Consultado em 14 de setembro de 2023 
  114. «SLM-Nur expands control to several areas in Darfur to protect civilians: official». Sudan Tribune (em inglês). 23 de setembro de 2023. Consultado em 25 de setembro de 2023 
  115. a b «Rapid Support Forces seize Sudanese army base in Central Darfur». Sudan Tribune. 31 de outubro de 2023. Consultado em 31 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2023 
  116. «Fall of the 16th Division headquarters in Nyala». Sudan War Monitor. Consultado em 26 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 26 de outubro de 2023 
  117. «Sudanese army forced to withdraw from Nyala due to supply shortage: military». Sudan Tribune. Consultado em 29 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2023 
  118. a b «RSF take control of South Darfur's Nyala, vow to protect civilians». Sudan Tribune. 27 de outubro de 2023. Consultado em 30 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2023 
  119. a b «Fall of Nyala and Zalingei garrisons closes one chapter and opens another in new Darfur war». Sudan War Monitor. 31 de outubro de 2023. Consultado em 1 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2023 
  120. a b «Rapid Support Forces launch fresh attack on El Fasher, sparking displacement». Sudan Tribune. 31 de outubro de 2023. Consultado em 1 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2023 
  121. «Al-Burhan asserts Sudanese army's resolve amid RSF successes in Darfur». Sudan Tribune. 31 de outubro de 2023. Consultado em 1 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2023 
  122. «Rapid Support Forces attack al-'Aylafun». Sudan War Monitor. 6 de outubro de 2023. Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2023 
  123. «Sudan paramilitaries capture key oil station: Witnesses». Al-Arabiya. AFP. 6 de outubro de 2023. Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2023 
  124. Eltahir, Nafisa (26 de outubro de 2023). «Paramilitary RSF say they have seized Sudan's second city». Reuters. Consultado em 28 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2023 
  125. «RSF attack Wad Ajana in North Kordofan». Sudan War Monitor. 2 de outubro de 2023. Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2023 
  126. «Thousands flee southern Sudan town as war spreads: witnesses». Yahoo News. AFP. 2 de outubro de 2023. Consultado em 9 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2023 
  127. «RSF 'liberates' vital Sudan oilfield». Dabanga Sudan. 30 de outubro de 2023. Consultado em 30 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 30 de outubro de 2023 
  128. a b «Rapid Support attack Balila oilfield airport and kill at least 16». Sudan War Monitor. 30 de outubro de 2023. Consultado em 31 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2023 
  129. «Sudan war: Khartoum shelling continues, Nyala faces exodus, Lagawa attacked by rebels». Dabanga Sudan. 30 de outubro de 2023. Consultado em 30 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 30 de outubro de 2023 
  130. «Sudan mil expert: 'Advances in Darfur will boost RSF leverage in Jeddah'». Radio Dabanga. Consultado em 2 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2023 
  131. a b c «Mass arrests in El Geneina after withdrawal of garrison to Chad». Sudan War Monitor. Consultado em 6 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2023 
  132. a b «RSF seize North Darfur garrison, reportedly commit mass atrocities in West Darfur». Radio Dabanga. Consultado em 8 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2023 
  133. «A genocidal militia is winning the war in Sudan». The Economist. ISSN 0013-0613. Consultado em 20 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 20 de novembro de 2023 
  134. Nashed, Mat. «Sudan's RSF closes in on capturing all of Darfur». Al Jazeera. Consultado em 8 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2023 
  135. «RSF seize control of Sudanese army base in East Darfur». Sudan Tribune. Consultado em 21 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2023 
  136. «Sudan war: East Darfur SAF base 'falls to RSF'». Radio Dabanga. Consultado em 22 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 22 de novembro de 2023 
  137. «Key Darfur groups join Sudanese army in its war against RSF paramilitary forces». Sudan Tribune. Consultado em 21 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 19 de novembro de 2023 
  138. «Sudanese army accuses RSF of destroying strategic bridge in the capital». Sudan Tribune. Consultado em 11 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2023 
  139. «Shambat Bridge destroyed, bringing new advantage to Sudan's army». Sudan War Monitor. Consultado em 11 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2023 
  140. «RSF launch attack to capture Jebel Aulia dam». Sudan War Monitor. Consultado em 12 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 12 de novembro de 2023 
  141. «RSF capture Jebel Aulia dam». Sudan War Monitor. 20 de novembro de 2023. Consultado em 20 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 20 de novembro de 2023 
  142. «Rapid collapse of Sudan army defenses in Jebel Aulia». Sudan War Monitor. Consultado em 21 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 20 de novembro de 2023 
  143. «Map: RSF raid Abu Guta in Jezira State». Sudan War Monitor. Consultado em 16 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2023 
  144. Abdelaziz, Khalid. «Sudan's RSF advances on Wad Madani as eight-month-old war spreads». Reuters. Consultado em 16 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2023 
  145. a b «RSF seize bridge and storm into Wad Madani». Sudan War Monitor. Consultado em 19 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 18 de dezembro de 2023 
  146. a b «Fall of Wad Madani fuels criticism of army». Sudan War Monitor. Consultado em 20 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 20 de dezembro de 2023 
  147. a b «RSF consolidate control over Jezira and reach the gates of Sennar». Sudan War Monitor. Consultado em 22 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2023 
  148. «Eastern Sudan announces general mobilization against the Rapid Support Force». Sudan Tribune (em árabe). Consultado em 25 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2023 
  149. a b «More than 5,000 reportedly killed in El Geneina 'genocide'». Radio Dabanga. 20 de junho de 2023. Consultado em 23 de junho de 2023. Cópia arquivada em 21 de junho de 2023 
  150. «Sudan's raging war forces more than two million from their homes». Aljazeera (em inglês). 14 de junho de 2023. Consultado em 16 de junho de 2023 
  151. «Sudan fighting in its 23rd day: A list of key events». Al Jazeera. 7 de maio de 2023. Consultado em 7 de maio de 2023. Cópia arquivada em 7 de maio de 2023 
  152. «Nearly 100 people dead across Sudan». Al Jazeera (em inglês). 17 de abril de 2023. Consultado em 17 de abril de 2023. Cópia arquivada em 17 de abril de 2023 
  153. لحظة بلحظة.. اشتباكات بين الجيش السوداني والدعم السريع. Al Jazeera (em árabe). Consultado em 15 de abril de 2023. Cópia arquivada em 15 de abril de 2023 
  154. السودان.
  155. «مراسل العربية: مقتل شخصين وإصابة 26 آخرين من المدنيين في الخرطوم بحري #العربية_عاجل». Consultado em 15 de abril de 2023. Cópia arquivada em 15 de abril de 2023 
  156. Uras, Umut; Gadzo, Mersiha; Siddiqui, Usaid. «Sudan updates: Explosions, shooting rock Khartoum». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 15 de abril de 2023. Cópia arquivada em 15 de abril de 2023 
  157. سقوط قتلى وجرحي جراء اشتباكات بين الجيش والدعم السريع بالفاشر Arquivado em 2023-04-15 no Wayback Machine, 15 de abril de 2023
  158. ارتفاع جرحى الاشتباكات بين الجيش والدعم السريع بشمال دارفور Arquivado em 2023-04-15 no Wayback Machine, 15 de abril de 2023
  159. «twitter.com» 
  160. «Foreigners evacuated as factions battle in Sudan's Khartoum». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  161. Liebermann, Jennifer Hansler,Kylie Atwood,Haley Britzky,Oren (23 de abril de 2023). «US has evacuated American diplomatic personnel from Sudan | CNN Politics». CNN (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  162. Uras, Usaid Siddiqui,Umut. «Sudan updates: Fighting continues in Khartoum despite truce». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  163. GURJAR, SANKALP (25 de abril de 2023). «How the crisis in Sudan accentuated the strategic importance of Djibouti». ORF. Consultado em 29 de julho de 2023 
  164. Fossum, Sam (4 de maio de 2023). «Biden authorizes future sanctions tied to conflict in Sudan | CNN Politics». CNN (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  165. «Combates prosseguem no Sudão apesar das ameaças de sanções dos Estados Unidos». Exame. 5 de maio de 2023. Consultado em 29 de julho de 2023 
  166. Staff, Al Jazeera. «US imposes first sanctions over Sudan conflict». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  167. «EUA aceitam retomar mediação do conflito no Sudão, mas impõem novas sanções contra generais». O Globo. 1 de junho de 2023. Consultado em 29 de julho de 2023 
  168. https://www.facebook.com/FRANCE24.English (12 de julho de 2023). «War in Sudan has displaced over three million people, says UN». France 24 (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  169. Militar, Área (12 de julho de 2023). «Oriente-Médio – Reino Unido impõe sanções a empresas ligadas a facções sudanesas em guerra - Área Militar». areamilitarof.com. Consultado em 29 de julho de 2023 
  170. «Sudan's army and rival force battle, killing at least 56». AP News (em inglês). 16 de abril de 2023. Consultado em 29 de julho de 2023 
  171. a b Camille (18 de abril de 2023). «Sudan analyst says SAF chance of victory is higher, but fears return of former regime». Dabanga Radio TV Online (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  172. Nashed, Mat. «Activists mobilise in Sudan as crisis escalates». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  173. Lisa (24 de abril de 2023). «Fighting leads to internet cuts, Sudanese protests against the war». Dabanga Radio TV Online (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  174. Lisa (26 de julho de 2023). «Sudan political blocs in Cairo call on army leader to form 'caretaker government'». Dabanga Radio TV Online (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  175. Adil, Arwa Ibrahim,Hafsa. «Fighting continues in Sudan's capital despite new ceasefire». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  176. «China, highly concerned about Sudan situation, calls for ceasefire». Reuters (em inglês). 16 de abril de 2023. Consultado em 29 de julho de 2023 
  177. «Saudi FM urges halt to military escalation in Sudan in calls with Burhan, RSF leader». Al Arabiya English (em inglês). 16 de abril de 2023. Consultado em 29 de julho de 2023 
  178. Adler, Mersiha Gadzo,Nils. «UN chief calls for Eid ceasefire to allow Sudan civilians to flee». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  179. «Albares asegura que España no abandonará Sudán pese a la evacuación y trabajará para el regreso de la paz». web.archive.org. 25 de abril de 2023. Consultado em 29 de julho de 2023 
  180. Presse, AFP-Agence France. «Blinken Speaks To Sudan Generals, Calls For Ceasefire». www.barrons.com (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  181. Mohamed, Usaid Siddiqui,Hamza. «Internet outage reported across Sudan as deadly fighting persists». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  182. a b Ibrahim, Arwa. «Artillery fire heard in Sudan as three-hour ceasefire ends». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  183. Hatuqa, Elizabeth Melimopoulos,Dalia. «Sudan 'risks catastrophic conflagration': UN's Guterres». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  184. «Sudan: Army and RSF battle over key sites, leaving 56 civilians dead». BBC News (em inglês). 15 de abril de 2023. Consultado em 29 de julho de 2023 
  185. «Fierce fighting continues in Sudan after brief humanitarian pause». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  186. Lisa (23 de junho de 2023). «Sudan army-RSF clashes reported in South Kordofan capital». Dabanga Radio TV Online (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  187. https://www.facebook.com/bbcnews. «Africa Live this week: 1-7 May 2023». BBC News (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  188. «EU's Borrell calls on all forces in Sudan to stop violence, says EU staff safe». Reuters (em inglês). 15 de abril de 2023. Consultado em 29 de julho de 2023 
  189. «UN chief and officials condemn fighting between Sudanese forces | UN News». news.un.org (em inglês). 15 de abril de 2023. Consultado em 29 de julho de 2023 
  190. Sudan, CNN journalists in (15 de abril de 2023). «Fighting between Sudan military rivals enters a second day, with dozens dead». CNN (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023 
  191. Kodjo, Tchioffo. «Communiqué Adopted by the Peace and Security Council (PSC) of the African Union (AU) at its 1149th meeting, held on 16 April 2023, on Briefing on the situation in Sudan. -African Union - Peace and Security Department». African Union,Peace and Security Department (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2023