Conflito no sul do Sudão (2011–presente)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Guerra Civil Sul-Sudanesa.
Conflito interno no Sudão (2011-presente)
Sudanese Internal Conflict.svg
Situação militar no Sudão:
  Sob o controle do governo sudanês e aliados
  Sob o controle da Frente Revolucionária do Sudão e aliados
Data 19 de Maio de 2011 – em andamento
Local Nilo Azul e Cordofão, Sudão; Abyei; algumas repercussões em Sudão do Sul[1]
Desfecho
Combatentes
Sudão Governo do Sudão

Forças Armadas Populares do Sudão

Frente Revolucionária do Sudão

Sudão do Sul Exército Popular de Libertação do Sudão (confrontos na fronteira)

Alegado apoio:
 Etiópia[2]
 Sudão do Sul[3]

Principais líderes
Sudão Omar al-Bashir Abdelaziz al-Hilu
Malik Agar
Khalil Ibrahim 
Vítimas
615 mortos 86-146 mortos

O conflito interno do Sudão é um conflito armado em andamento nos estados do sul do Sudão - Cordofão do Sul e Nilo Azul - entre o Exército do Sudão e a Frente Revolucionária do Sudão, particularmente o Movimento Popular de Libertação do Sudão-Norte (SPLM-N), uma filial norte do Exército Popular de Libertação do Sudão do Sudão do Sul.

Depois de alguns anos relativa calma na sequência do acordo de 2005 que pôs fim à Segunda Guerra Civil Sudanesa entre o governo sudanês e os rebeldes do Exército Popular de Libertação do Sudão, combates eclodiram novamente no período que antecedeu a independência do Sudão do Sul em 9 de julho de 2011, iniciando no Cordofão do Sul em 5 de junho e se espalhando para o estado vizinho do Nilo Azul, em setembro. O SPLM-N, uma divisão do Exército Popular de Libertação do Sudão recém-independente, pegou em armas contra a inclusão dos dois estados sulistas no Sudão, sem consulta popular e contra a falta de eleições democráticas.[5] [6] O conflito se confunde com a guerra em Darfur, uma vez que em novembro de 2011 o SPLM-N estabeleceu uma aliança com os rebeldes de Darfur, chamada Frente Revolucionária do Sudão (SRF). [7]

No início de setembro de 2011, forças sudanesas em conflito com o SPLM-N no estado do Nilo Azul, assumiram o controle da capital do estado de Ad-Damazin e expulsaram o governador Malik Agar, o líder do ramo do SPLM-N do Nilo Azul. Os militantes do Movimento pela Justiça e Igualdade (JEM), aliados do SPLM-N, marcharam para o estado de Cordofão do Norte em dezembro de 2011, o que provocou confrontos com o exército sudanês que levou à morte do líder do JEM, Khalil Ibrahim. A propagação do conflito gerou preocupações de que os combates poderiam levar a uma terceira guerra civil sudanesa.

A partir de outubro de 2014, cerca de 2 milhões de pessoas foram afetadas pelo conflito, mais de 500.000 pessoas foram deslocadas e cerca de 250.000 refugiados fugiram para o Sudão do Sul e Etiópia. [8][9] Em janeiro de 2015, os combates se intensificaram uma vez que o governo de Omar al-Bashir tentou recuperar o controle do território controlado pelos rebeldes antes das eleições gerais de abril de 2015 . [10][11]


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]