Palácio Nereu Ramos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Palácio Nereu Ramos
Congresso Nacional
Nomes alternativos Palácio do Congresso Nacional (não oficial, regimental)[1]
Estilo dominante Arquitetura moderna brasileira
Arquiteto Oscar Niemeyer
Engenheiro Joaquim Cardoso
Inauguração 1960 (56 anos)
Local Brasília, DF,
Brasil Brasil
Endereço Praça dos Três Poderes, Brasília, DF

O Palácio Nereu Ramos,[2][3][4] também referido como Palácio do Congresso Nacional,[5][6] é o edifício construído para abrigar o Congresso Nacional do Brasil, inaugurado em 1960, foi projetado por Oscar Niemeyer, com cálculo estrutural de Joaquim Cardoso.[7] É um dos três edifícios monumentais que definem a Praça dos Três Poderes, sendo os demais o Palácio do Planalto e o Supremo Tribunal Federal, também de sua autoria. É considerado como o maior símbolo da capital do Brasil, além de referido frequentemente como o ícone do próprio país, no exterior.

Sobre um bloco-plataforma horizontal encontram-se dispostos uma semiesfera à esquerda (assento do Senado), um hemisfério à direita (assento da Câmara dos Deputados) e, entre ambas, duas torres gêmeas de escritórios (o chamado "Anexo 1"), que se elevam a cem metros de altura. O congresso ocupa também outros edifícios vizinhos, alguns deles interconectados por um túnel.

O edifício é implantado em continuidade ao eixo monumental, a principal avenida da capital brasileira, conforme concebido por Lúcio Costa. À sua frente encontra-se um grande gramado, usado pela população como palco de passeatas, protestos e outras manifestações públicas. Na parte posterior do edifício encontra-se a Praça dos Três Poderes.

O projeto segundo o criador[editar | editar código-fonte]

O Congresso e sua iluminação noturna.
Após uma chuva, observa-se o Congresso sob um arco-íris.

Significado[editar | editar código-fonte]

A cúpula côncava, o Senado Federal.
A cúpula convexa, a Câmara dos Deputados.

Poeticamente, as cúpulas que compõem a marca registrada do edifício não estão posicionadas de tal forma por acaso. O Senado, que encontra-se abaixo da cúpula côncava (virada para baixo, esquerda), pretende transmitir e prevalecer a reflexão, a ponderação, o equilíbrio e o peso da experiência (já que o mandato dos senadores é de 8 anos) àqueles que o seu interior ocupar; também pode representar a mais alta "cúpula" do país, sendo aquela que irá validar as regras e leis da nação. Já a cúpula convexa (virada para cima, direita), localizada acima da Câmara dos Deputados, é maior e mais aberta; seu vértice vasto está aberto a todas as ideias e ideologias, tendências, anseios e opiniões que compõem o povo brasileiro, representados no interior do edifício pelos deputados.

Tombamento[editar | editar código-fonte]

Em 2007, ano em que Niemeyer completou 100 anos, o Iphan tombou o edifício do Congresso Nacional e outras 34 edificações de sua autoria.[9]

Referências

  1. Junior, Gabriel Dezen (2016-07-01). Regimento interno do Senado Federal esquematizado em quadros Alumnus [S.l.] ISBN 9788584230884. 
  2. «Ponto Turístico: Congresso Nacional de Brasília - Visitação Agendada». melhorespontosturisticos.com.br. Consultado em 2016-08-30. 
  3. «Passeie pelas obras monumentais e charmosas projetadas por Niemeyer - Fotos - UOL Viagem». Consultado em 2016-08-30. 
  4. «História dos pontos turísticos de Brasília - Brasil VIP - Passagens Aéreas». 2014-02-17. Consultado em 2016-08-30. 
  5. «Contato». www2.camara.leg.br. Consultado em 2016-08-30. 
  6. «Arquitetura — Visite O Congresso». www2.congressonacional.leg.br. Consultado em 2016-08-30. 
  7. «A poesia concreta de Joaquim Cardozo». VEJA. Consultado em 19 de janeiro de 2014. 
  8. «SEDE DO CONGRESSO NACIONAL». Câmara dos Deputados do Brasil. Arquivado desde o original em 18 de janeiro de 2008. 
  9. Rodrigues, Alexandre (7 de dezembro de 2007). «Iphan tomba 35 obras de Niemeyer». O Estado de S. Paulo. www.cultura.gov.br. Arquivado desde o original em 12 de junho de 2008. Consultado em 2016-08-30. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Palácio Nereu Ramos