Conium maculatum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o género vegetal, veja Cicuta.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaConium maculatum
cicuta
Conium maculatum.

Conium maculatum.
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Apiales
Família: Apiaceae
Género: Conium
Espécie: C. maculatum
Nome binomial
Conium maculatum
L.
Hábito de C. maculatum (planta em flor).
Umbelas e sementes de Conium maculatum - MHNT.
Plantas jovens de Conium maculatum (Jardin des Plantes de Paris).
Gefleckterschierling.jpg
Conium maculatum2.jpg

Conium maculatum L., conhecida pelo nome comum de cicuta (não confundir com o género Cicuta), [1] é uma espécie herbácea pertencente ao género Conium da família Apiaceae. A planta é conhecida por dela se extrair a cicuta, uma potente mistura de alcalóides, entre os quais a cicutina, utilizada na Europa desde a antiguidade clássica como veneno. Em 399 a.C. o filósofo Sócrates foi condenado à morte por ingestão de uma tisana de cicuta.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Planta herbácea com 1,5-2,5 m de altura, com caules ocos e estriados, de cor verde-escura, mas manchados com estrias purpúreas na região basal. A planta é em geral muito ramosa na parte superior. A seiva é venenosa, caracterizando-se por emitir um odor desagradável, semelhante a urina.

As folhas são brandas, fétidas, verdinegras, triangulares e divididas em folíolos elípticos, pontiagudos e dentados com até 50 cm de comprimento e 40 cm de largura.

As flores são pequenas, de coloração branca, agrupadas em umbelas com 10 a 15 cm de diâmetro.

Os frutos são ovalados, de coloração verde-acinzentada, com aproximadamente 3 mm de diâmetro. As sementes são pequenas e de coloração negra ou cinzento-escura.

A espécie tem distribuição natural na Europa e no Médio Oriente, mas encontra-se naturalizada na América do Norte e em algumas regiões da Argentina. Prefere ambientes nitrófilos, húmidos e umbrosos, como as margens de cursos de água, periferia de campo e clareiras em bosques abertos. Apresenta comportamento ruderal, sendo frequente em campos abandonados e depósitos de entulhos.

A planta é muito semelhante a Petroselinum crispum ou a Foeniculum vulgare, distinguindo-se contudo pelo seu verde mais escuro, pelo odor e pela presença de mancas arroxeadas na base do caule.

Toxicidade[editar | editar código-fonte]

A planta é rica em alcalóides, entre os quais se destacam os glucósidos flavónicos e cumarínicos e um óleo essencial rico em coniceina e cicutina (também designada por conina, conicina ou coniína), uma neurotoxina que inibe o funcionamento do sistema nervoso central, produzindo um quadro patológico designada por "cicutismo". O efeito desta toxina é semelhante ao produzido pelo curare.

A concentração da cicutina no material vegetativo fresco varia com o estado de maturação e com as condições climáticas, sendo maior nos frutos verdes (0,73-0,98%), nos frutos maduros (0,50%) e nas flores (0,09-0,24%).

Alguns gramas de frutos verdes são suficientes para provocar a morte de um humano (os ruminantes e as aves parecem ser resistentes). Os cavalos e os burros são pouco sensíveis, mas é um veneno violento para os bovinos, os coelhos e os carnívoros.

Nos humanos, a ingestão provoca cerca de uma hora depois transtornos digestivos (especialmente quando a raiz é ingerida), vertigens e cefaleias, parestesias, descida da temperatura corporal, redução da força muscular e, finalmente, uma paralisia ascendente. A morte pode sobrevir devido a insuficiência renal provocada pelas violentas convulsões, e pela consequente destruição muscular, ou devido às alterações no ritmo respiratório, que inicialmente é acelerado e depois deprimido, o que pode conduzir à morte por asfixia.

Podem ocorrer intoxicações por ingestão acidental da planta dadas as suas semelhanças com a salsa, o funcho, o aipo e algumas outras apiáceas utilizadas como alimento ou condimento, apesar de existirem consideráveis diferenças entre estas plantas e a cicuta, nomeadamente o odor, o tamanho e as manchas arroxeadas nos caules, uma característica distintiva das plantas do géneros Conium.

Etnobotânica[editar | editar código-fonte]

A cicuta tem sidos utilizada em algumas medicinas tradicionais pelas suas propriedades antiespasmódicas e como sedante para acalmar dores persistentes e intratáveis, como as produzidas por algumas formas de cancro e por neuralgias[2] Era usado como antiespasmódico e analgésico e pela sua acção sobre o pneumogástrico e as terminações nervosas sensitivas. Era considerada como galactófugo, Foi usada no tratamento das neuralgias.[3]

Na antiguidade clássica, os médicos árabes e gregos utilizavam a cicuta no tratamento de diversas patologias, entre as quais a artrite. Contudo nem sempre era eficaz e os riscos eram muito grandes, pois a diferença entre uma dose terapêutica e uma dose tóxica é muito pequena. A sobredose produz secura na boca, dificuldade em engolir, dilatação das pupilas (midríase), náuseas, paralisias musculares, e finalmente paragem respiratória e asfixia, ainda que a vítima permaneça lúcida até falecer.

Na antiguidade clássica a intoxicação por cicuta foi usada pelos gregos para tirar a vida aos condenados a pena de morte. O caso mais paradigmático do uso deste método de execução foi a morte de Sócrates, consumada pela ingestão de uma infusão à base de cicuta no ano de 399 a.C. Após ingerir a cicuta, Sócrates passeou pelo quarto, como lhe haviam recomendado, até que sentiu as pernas pesadas. Deitou-se de costas para que, em intervalos, lhe examinassem os pés e as pernas, até que deixou de os sentir. Sócrates começou então a ficar frio e enrijecido, até que sobreveio a morte (ver: A Morte de Sócrates).

Como princípios activos contém alcalóides derivados da piperidina, nomeadamente a conina ou cicutina, a metilcicutina, conhidrina e a pseudoconhidrina, para além de diversas gomas e resinas, pectina, sais minerais, carotenos, ácido cafeico e ácido acético.[3][4][5][6]

Atenção: Jamais confie nas informações da Wikipédia como fonte única para identificar plantas a serem consumidas seja por pessoas ou por animais domésticos.

Sinonímia[editar | editar código-fonte]

Entre outros, os seguintes nomes são considerados sinónimos taxonómicos de C. maculatum:

Notas

  1. Lista de nomes comuns na página do Real Jardín Botánico.
  2. «Hipernatural» .
  3. a b «Conium maculatum». Plantas útiles: Linneo. 12 de janeiro de 2010 
  4. Reynolds T (2005). «Hemlock alkaloids from Socrates to poison aloes». Phytochemistry. 66 (12): 1399–1406. PMID 15955542. doi:10.1016/j.phytochem.2005.04.039 
  5. Vetter J (2004). «Poison hemlock (Conium maculatum L.)». Food and Chemical Toxicology. 42 (9): 1373–82. PMID 15234067. doi:10.1016/j.fct.2004.04.009 
  6. Schep LJ, Slaughter RJ, Beasley DM (2009). «Nicotinic plant poisoning». Clinical Toxicology (Philadelphia, Pa.). 47 (8): 771–81. PMID 19778187. doi:10.1080/15563650903252186 
  7. Sinónimos listados em Real Jardín Botánico.
  8. Sinónimos listados em Tropicos.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Bolós O, Vigo J, M.Masalles R, M.Ninot Josep. Flora manual dels Països Catalans. Editorial Pòrtic. Primera edició.
  • Boada M, Romanillos T. Les plantes tòxiques de Catalunya. Editorial Pòrtic natura. 1999.
  • Alonso, J.R. Tratado de Fitofármacos y nutracéuticos. Ed. Corpus. Buenos Aires. 2004.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies