Conjunto Arquitetônico, Urbanístico e Paisagístico de Igatú e ruínas de habitações de pedra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Conjunto Arquitetônico, Urbanístico e Paisagístico de Igatú e ruínas de habitações de pedra
Apresentação
Tipo
Localização
Endereço

O Conjunto Arquitetônico, Urbanístico e Paisagístico de Igatu e ruínas de habitações de pedra, em Andaraí, BA, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) em 1998, através do processo nº 1411[1]. Também conhecido como Xique-Xique do Igatu e Cidade de Pedras[2].

História[editar | editar código-fonte]

O núcleo de povoamento inicial data de meados do séc. XIX. A vila foi fundada devido à atividade de mineração de diamante. Após um período de prosperidade devido à mineração, a cidade entrou em declínio, mas atualmente tornou-se destino de visitação turística[2].

A presença de pinturas rupestres na região indica que a área foi ocupada por tribos indígenas, provavelmente as etnias Cariri e Maracá. Andiray (depois transformado no topônimo Andaraí) significa andira (morcego) e y (rio) = rio de morcegos. O nome Igatu significa "água boa": é a junção dos termos y (água) e katu (bom). Na região também existem remanescentes dos quilombos Orobó, Tupins e Andarahy. A atual comunidade de Fazenda Velha, nas margens do rio Santo Antônio, é remanescente dos quilombos[3].

Foi tombado pelo IPHAN em 1998, recebendo tombo arqueológico, etnográfico e paisagístico (Inscrição 122/2000), tombo histórico (Inscrição 557/2000) e tombo de belas artes (Inscrição 618/2000)[4].

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

A área de tombamento é descrita pelo IPHAN da seguinte maneira: Inicia-se na ponte sobre o Rio Coisa Boa, incluída, (PONTO 1 – coordenadas S 12º53’45″/W 41º18’57”) que passa na entrada do Distrito de Igatu, e segue pela margem esquerda do Rio Coisa Boa, a seiscentos metros rio abaixo (PONTO 2 – coordenadas S 12º53’12″/W 41º19’03”). Neste ponto deflete à esquerda e segue na direção oeste em linha curvilínea, acompanhando a trilha do antigo rego do garimpo, na confluência com o final da Rua Luis dos Santos, incluída, (PONTO 3 – coordenadas S 12º53′ 02″/W 41º19’12”), onde deflete novamente à esquerda e prossegue por um quilômetro em linha reta na direção sudeste no encontro com o Poço do Brejo, incluído, (PONTO 4 – coordenadas S 12º53’34″/W 41º19’25”). Neste ponto deflete outra vez à esquerda e continua em linha reta até a interseção com o final da Rua Bambolim de Cima, incluída, (PONTO 5 – coordenadas S 12º53’54″/W 41º19’08”), onde deflete ligeiramente à direita e segue em linha reta até o cruzamento com o final da Rua da Estrela, incluída, (PONTO 6 – coordenadas S 12º53’51″/W 41º19’11”). Neste ponto deflete novamente à direita e prossegue em linha reta até a confluência com um raio de duzentos metros que tem por epicentro o final da Rua da Biquinha, incluída, (PONTO 7 – coordenadas S 12º53’56″/W 41º19’30”), onde deflete à esquerda e acompanha a linha sinuosa da trilha de acesso ao Cemitério dos Bexiguentos, incluída, atravessando a ponte sobre o Riacho dos Pombos, incluída, até a altura do túmulo da Senhora Maria Cândida Guedes, incluído, (PONTO 8 – coordenadas S 12º54’10″/W 41º19’25”). Neste ponto segue em linha reta até o alto do Morro do Cruzeiro de Cima, incluído, (PONTO 9 – coordenadas S 12º54’00” /W 41º19’10”), contornando este morro de modo a incluí-lo completamente, e prossegue em linha reta na direção nordeste até a margem esquerda do Rio Coisa Boa, nas proximidades do Poço da Madalena, incluído, a duzentos metros rio acima da ponte sobre este rio, (PONTO 10 – coordenadas S 12º 53′ 50″ /W 41º18’58”). Neste ponto deflete à esquerda e prossegue pela margem esquerda do Rio Coisa Boa até a interseção com a ponte sobre este rio, encontrando o ponto inicial desta poligonal[4].

Referências

  1. «IPHAN». Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 22 de julho de 2021 
  2. a b «Igatu (Andaraí - BA)». Portal IPHAN. Consultado em 21 de julho de 2021 
  3. «História - Igatu (Andaraí - BA)». Portal IPHAN. Consultado em 21 de julho de 2021 
  4. a b «Andaraí – Cidade de Igatu». Site Ipatrimônio. Consultado em 21 de julho de 2021