Consórcio de Veículos de Imprensa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Consórcio de Veículos de Imprensa (CVI) é uma parceria estabelecida entre os conglomerados midiáticos brasileiros Grupo Folha, Grupo Globo e Grupo Estado para informar dados da pandemia de COVID-19 no Brasil recebidos ds secretarias estaduais de saúde. Sua fundação ocorreu em 8 de junho de 2020,[1] devido à restrição que o Ministério da Saúde promovera na época sobre a divulgação dos dados de números de casos e óbitos decorrentes de COVID-19.[2]

Motivações para a criação do Consórcio[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, o governo divulgava os dados às 17h. Na gestão de Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde, os dados começaram a ser divulgados somente às 22h, o que significava que a maioria dos noticiários de canais de TV aberta não poderiam divulgar os números do dia. O presidente Jair Bolsonaro comentou, sobre a alteração de horário, que “acabou matéria no Jornal Nacional”, da TV Globo.[2]

Além disso, os dados passaram a ser fornecidos incompletos pelo governo, com omissões de números consolidados da doença, tabelas de quantitativos e mortes por data de notificação.[2]

O empresário Carlos Wizard, então secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde e depois apontado como um dos integrantes de um ministério paralelo da saúde no governo, ainda afirmou que o governo queria recontar o número de mortos por COVID-19 no país, que, naquela época, passavam de trinta e cinco mil.[3][4]

Coleta de dados[editar | editar código-fonte]

O Consórcio de Veículos de Imprensa atua buscando dados nas secretarias da saúde dos estados e do Distrito Federal, contornando a necessidade de recorrer aos dados potencialmente imprecisos do Ministério da Saúde.[2]

Campanhas[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2021, o Consórcio criou, antes do Governo Federal, uma campanha publicitária estimulando a vacinação contra a COVID-19.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências