Conselho Indigenista Missionário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A antropóloga Lúcia Helena Rangel, o presidente do Cimi, dom Erwin Kräutler, e o secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Ulrich Steiner, apresentam o relatório Violência contra os Povos Indígenas no Brasil - 2010.

O Conselho Indigenista Missionário - Cimi é um órgão vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB.

Foi criado pela CNBB no ano de 1972 com o objetivo de lutar pelo direito à diversidade cultural dos povos indígenas. Busca fortalecer a autonomia destes povos na construção de projetos alternativos, pluriétnicos, populares e democráticos frente ao desrespeito a seus direitos e à tentativa de integração destes povos à sociedade majoritária.

O Cimi conta atualmente com aproximadamente 418 missionários leigos e religiosos, compondo 114 equipes de área localizadas em várias regiões do país. [1] Através do Secretariado Nacional e dos secretariados regionais, o Cimi oferece aos missionários, índios e suas organizações apoio e assessoria nas áreas jurídica, teológica, antropológica, de comunicação, formação, educação, saúde e documentação.

São membros do Cimi:

  • os leigos e religiosos que atuam de forma direta junto aos povos indígenas
  • os bispos em cujas dioceses ou prelazias haja comunidade indígena
  • os superiores religiosos dos missionários que trabalham junto aos índios
  • o bispo responsável pela linha missionária da CNBB.

A atuação do Cimi se dá nas estruturas da Igreja, do Estado e da sociedade, no intuito de unificar a ação missionária junto aos índios, intervir nas ações do Legislativo, Executivo e Judiciário que atinjam os interesses dos índios e estimular os diversos setores sociais para que se solidarizem com a causa indígena.

O Cimi publica os periódicos Porantim,[2] especializado na questão indígena, e o Boletim Mundo, editado em quatro idiomas (espanhol, português, inglês e italiano).

Princípios[editar | editar código-fonte]

Os princípios que fundamentam a ação do Cimi são:[3]

- o respeito a alteridade indígena em sua pluralidade étnico-cultural e histórica e a valorização dos conhecimentos tradicionais dos povos indígenas;
- o protagonismo dos povos indígenas sendo o Cimi um aliado nas lutas pela garantia dos direitos históricos;
- a opção e o compromisso com a causa indígena dentro de uma perspectiva mais ampla de uma sociedade democrática, justa, solidária, pluriétnica e pluricultural.

Objetivos[editar | editar código-fonte]

O objetivo geral da atuação do Cimi foi assim definido pela Assembléia Nacional de 1995:

Impulsionados(as) por nossa fé no Evangelho da vida, justiça e solidariedade e frente às agressões do modelo neoliberal, decidimos intensificar a presença e apoio junto às comunidades, povos e organizações indígenas e intervir na sociedade brasileira como aliados (as) dos povos indígenas, fortalecendo o processo de autonomia desses povos na construção de um projeto alternativo, pluriétnico, popular e democrático.

Esse objetivo geral se desdobra nos seguintes objetivos específicos:

I - Articular, animar e assessorar a ação dos (das) missionários(as) junto aos povos indígenas, valorizando os seus projetos históricos, através do diálogo inter-religioso e inter-cultural e do processo de inculturação;

II - Testemunhar a Boa Nova de Jesus Cristo, portador de vida plena para todos, e anunciar, em linguagem inculturada, os valores do Evangelho, como a justiça, a solidariedade, a promoção da paz e da concórdia, entre outros, como expressão da missão servidora da Igreja;

III - Conhecer e respeitar os direitos e as culturas dos povos indígenas;

IV - Comprometer-se com o protagonismo e a autonomia dos povos indígenas;

V - Assistir e assessorar os povos indígenas e suas organizações, em suas necessidades e em seus processos educativos, de forma específica, integral e articulada;

VI - Buscar, em espírito de ecumenismo, a colaboração com as missões de outras denominações cristãs e de outros credos, abertos ao diálogo inter-religioso e intercultural;

VII - Manter a atitude profética na defesa dos povos indígenas;

VIII - Promover a formação permanente, integral e específica dos(as) missionários(as);

IX - Providenciar assessoria técnica e jurídica aos povos indígenas, na defesa dos seus direitos e do patrimônio indígena;

X - Promover, na opinião pública, um maior conhecimento da realidade dos povos indígenas;

XI - Planejar e realizar encontros e estudos de Pastoral Indigenista e sobre a realidade dos povos indígenas;

XII - Colaborar com a Comissão Episcopal Pastoral para ação Missionária e a cooperação intereclesial, assim como com organismos similares das Igrejas Irmãs do Continente, na análise e formulação das orientações da Pastoral Indigenista, no relacionamento com os povos indígenas e no aprofundamento da natureza missionária da Igreja;

XIII - Proteger o meio ambiente, o consumidor, o patrimônio público e social, artístico, estético e histórico, bem como outros interesses difusos e coletivos.

Dimensões de atuação[editar | editar código-fonte]

  • Terra - apoio à luta dos povos e comunidades indígenas pela recuperação, demarcação e garantia da integralidade de seus territórios.
  • Movimento indígena - participação nas lutas do movimento indígena, informando, discutindo possibilidades e caminhos e apoiando as suas iniciativas.
  • Alianças - estabelecimento de alianças com setores da sociedade civil, organizações latino-americanas, grupos e entidades de solidariedade e cooperação internacional no sentido de assegurar aos povos indígenas as condições para a conquista de sua autonomia.
  • Formação a serviço da autonomia dos povos indígenas
  • Educação, saúde e auto-sustentação - reconhecimento e valorização das formas próprias de cada povo indígena conceber e construir sua vida, promovendo ações diferenciadas de atendimento à saúde, escolas específicas e propostas auto-sustentáveis, tanto nas aldeias quanto nas esferas do poder público.
  • Diálogo intercultural e inter-religioso - estabelecimento de um diálogo mutuamente respeitoso pelas diversas concepções do sagrado, da origem e do sentido da vida humana, valorizando as múltiplas formas de ritualizar a fé e alimentar as próprias crenças.
  • Índios na cidade - estabelecimento de um diálogo sistemático com as famílias e povos indígenas que migram para os centros urbanos visando garantir os seus direitos e articular suas lutas à questão indígena mais ampla.[4]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre cultura indígena do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre Catolicismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.