Conselho de Governadores do Reino de Portugal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Por morte do Cardeal-Rei Henrique I de Portugal, em 31 de Janeiro de 1580, estando ainda a funcionar as Cortes de Almeirim para debater o complicado problema da sucessão da coroa de Portugal, tomou posse um Conselho de Governadores do Reino, nomeado pelo Cardeal (o qual, sentindo a morte iminente, e vendo-se incapaz de escolher um novo rei entre os vários pretendentes, não queria deixar o reino na anarquia) a fim de exercer interinamente o governo do reino, até que se decidisse sobre quem tinha legitimidade para governar.

Eram cinco os Governadores do Reino, a saber:

O Conselho exerceu os normais actos de soberania enquanto esteve em funções – destacando-se, pela sua importância, a cunhagem de moeda própria.

Exercia a presidência do Conselho o arcebispo de Lisboa. Dentre os seus membros, somente João Telo era contrário a Filipe II de Espanha, colocando-se ao lado de D. Catarina de Portugal, Duquesa de Bragança[2], sendo os demais pelo rei castelhano.

Tendo as Cortes dissolvido-se pouco depois sem deliberarem acerca da sucessão, acabaram os Governadores do Reino – comprados pelas dobras castelhanas oferecidas por Cristóvão de Moura – por decidir ser Filipe II de Espanha o legítimo herdeiro do trono de Portugal e Algarves e seus senhorios ultramarinos.

Em virtude desta tomada de decisão, o povo de Santarém viria a rebelar-se e a aclamar como rei de Portugal o Prior do Crato, D. António, em 24 de Julho de 1580. Poucos dias mais tarde entrava em Lisboa triunfalmente, onde foi recebido com idêntico entusiasmo, o que levou os Governadores a fugirem com receio para Setúbal, e daí rumo a Ayamonte, onde declararam sucessor legítimo da Coroa o rei de Espanha Filipe II, e dando-lhe assim um pretexto para invadir militarmente o reino, tendo em vista apossar-se daquilo que, agora, lhe pertencia de direito.

Referências

Precedido por
Henrique I
Flag Portugal (1578).svg
Regente de Portugal

1580
Sucedido por
Filipe I
Ícone de esboço Este artigo sobre História de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.