Conservador-restaurador

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Restaurador
06 Restoration of gilded mirror in Muzeum Gornoslaskie, Bytom, Poland - furniture restorer working.jpg

Restauração de espelho dourado no Museu Gornoslaskie, Polônia

Tipo
Competências
Ver competências
Educação requirida
Ver formação
Campos de trabalho
Museus, ateliês, galeria de artes

Conservador-restaurador é uma profissão que tem por objetivo, manter e proteger a integridade física dos bens culturais, sendo estes, todo patrimônio material de valor histórico, artístico ou documental.[1]

Um bem cultural é entendido como aquele bem que deve ser protegido, em virtude de seu valor e de sua representatividade para uma sociedade. Esse bem pode ser elevado a uma determinada categoria de proteção legal, de acordo com uma determinada atribuição de valor, que passa então a fazer parte da lista dos bens culturais protegidos, tanto em escala nacional, quanto em escala mundial, em diferentes categorias. A proteção legal cabe aos determinados países onde os bens culturais estão inseridos, sendo regulamentados vizando protegê-los para a atual geração e para as gerações futuras.[2]

Responsabilidades[editar | editar código-fonte]

É de responsabilidade do profissional de conservação-restauração utilizar de um conjunto de técnicas específicas para conservar o bem cultural sob a forma física em que se encontra, ou, recuperar os elementos que o tornem compreensível e utilizável, caso tenha deixado de sê-lo. Para tal, este profissional realiza diagnóstico, tratamentos de conservação e restauração dos bens culturais, e a respectiva documentação de todos os procedimentos, além do estabelecimento de atividades referentes à conservação preventiva que são um conjunto de ações não interventivas que visam prevenir e/ou retardar os danos sofridos, minimizando o processo de degradação dos bens culturais.[3]

Competências e Habilidades[editar | editar código-fonte]

O conservador-restaurador deve ter competências e habilidades relacionadas aos seguintes aspectos:

  • Identificar, analisar e solucionar problemas de conservação e de restauração de bens culturais móveis e integrados, respeitando e discutindo as peculiaridades de cada situação.[4]
  • Ser capaz de aplicar uma metodologia criteriosa e rigorosa para a tomada de decisão e execução de procedimentos de conservação e restauração, baseando-se na necessária integração de conhecimentos teóricos, científicos e éticos.[4]
  • Ter capacidade crítica para interpretar resultados de análises científicas e laboratoriais, que possam auxiliar na tomada de decisão adequada para cada tratamento e situação.[4]
  • Ter discernimento e sensibilidade em relação aos sentidos e valores atribuídos pelos agentes sociais aos bens culturais.[4]
  • Possuir destreza manual e domínio de técnicas para fazer intervenções minuciosas em bens culturais de valores inestimáveis.[4]
  • Trabalhar de forma cooperativa em equipes multidisciplinares, mantendo o necessário diálogo e troca de conhecimentos com as demais áreas que atuam em benefício da preservação dos bens culturais.[4]
  • Manter-se atualizado sobre as inovações das pesquisas sobre materiais, técnicas e procedimentos em conservação e restauração.[4]

Atuação[editar | editar código-fonte]

No Brasil, o conservador-restaurador podem cursar museologia para atuar em restauração de museus, sendo necessário o registro profissional cedido pelo Conselho de Museologia (COREM). Pode também atuar em atividades como: projeto de conservação e restauração de bens culturais, restauro de mobiliário, exame técnico de estado de conservação e proposta de restauração, coordenação de equipes para elaboração e execução de conservação e restauro de obras de arte e definição de parâmetros para guarda e acondicionamento de bens e coleções.[5]

Tanto o bacharel ou pós graduado em conservador-restaurador de bens culturais quanto o técnico em conservação restauração de bens culturais podem atuar em locais como:

  • Acervos artísticos históricos e cultural.
  • Ateliês e oficinas de arte.
  • Ateliês de conservação e restauro.
  • Setores de conservação e restauro de museus e galerias de arte.
  • Setores técnicos de conservação e restauração.

Formação[editar | editar código-fonte]

No Brasil, o curso foi criado pela portaria 1609 de 15 de outubro de 2009 e reconhecido pela Portaria nº 428 de 30/08/2013 publicada na Seção 1, página 27 do D.O.U. de 03/09/2013. Para exercer essa profissão é necessário nível superior no curso de Conservador-Restaurador de Bens Culturais ou Técnico em Conservação Restauração de Bens Culturais.[6]

Referências

  1. ROJETO DE LEI N.º9.063,DE2017(Do Sr. Chico Alencar): Dispõe sobre a regulamentação do exercício das profissões de Conservador-Restaurador de Bens Culturais e de Técnico em Conservação-Restauração de Bens Culturais. [S.l.: s.n.] 
  2. «Dicionário do Patrimônio Cultural: Bem Cultural - IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional». portal.iphan.gov.br. Consultado em 27 de março de 2021 
  3. «CÓDIGO DE ÉTICA DO CONSERVADOR-RESTAURADOR» (PDF). Associação Brasileira de Encadernação e Restauro. Consultado em 27 de março de 2021 
  4. a b c d e f g «Competências e Habilidades». Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis. 30 de junho de 2009. Consultado em 27 de março de 2021 
  5. «Áreas de Atuação». Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis. 30 de junho de 2009. Consultado em 27 de março de 2021 
  6. «Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis | UFPel». Portal Institucional UFPel. Consultado em 27 de março de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Código de Ética do Conservador Restaurador - ARCO