Constantino Láscaris de Niceia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com o sábio grego do Renascimento, Constantino Láscaris.
Constantino Láscaris
Imperador bizantino e Imperador de Niceia
Reinado 12041205
Antecessor(a) Aleixo V Ducas (de jure)
Sucessor(a) Teodoro I Láscaris
Dinastia Láscaris
Morte 1205
Pai Manuel Láscaris
Mãe Joana Caratzaina

Constantino Láscaris (em grego: Κωνσταντίνος Λάσκαρης) foi imperador bizantino por uns poucos meses entre 1204 e o início de 1205.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Constantino nasceu de uma família nobre, embora não tão renomada, bizantina. Praticamente nada se sabe sobre ele antes dos eventos da Quarta Cruzada, exceto que sua ascensão começou depois que seu irmão, Teodoro, se casou com um membro da família imperial, tornando-se genro do imperador Aleixo III Ângelo.

Durante o primeiro cerco de Constantinopla, em 1203, recebeu o comando do melhor grupamento de tropas disponível e liderou os defensores gregos em saídas contra os cruzados entrincheirados à volta da cidade. Nenhuma conseguiu o objetivo de levantar o cerco e finalmente Constantino recebeu ordens de atacar os burgúndios, que estavam de guarda na ocasião.[1] Os gregos avançaram, mas acabaram sendo repelidos de volta aos portões da cidade, mesmo com as grandes pedras que atiravam os defensores das muralhas contra os cruzados que avançavam. O próprio Constantino acabou sendo capturado ainda montado em seu cavalo por Guilherme de Neully[1] e foi provavelmente mantido preso para ser trocado por um resgate, uma prática habitual na época. Em algum momento do cerco ele foi solto, pois logo se viu imiscuído nos eventos do segundo cerco, em 1204.

Elevação a imperador[editar | editar código-fonte]

Depois que os cruzados invadiram Constantinopla, em 12 de abril de 1204, e começaram a saquear a cidade, um grande grupo de cidadãos e o que restava da guarda varegue, se juntaram em Santa Sofia para elegerem um novo imperadorpois Aleixo V Ducas.[2]

Dois candidatos se apresentaram — Constantino Láscaris e Constantino Ducas (provavelmente o filho de João Ângelo Ducas e, portanto, primo em primeiro lugar de Isaac II Ângelo e Aleixo III.[3] Ambos apresentaram suas candidaturas para serem imperadores, mas o povo não conseguiu decidir entre eles, pois ambos eram jovens e já haviam se provado no campo de batalha. No final, a sorte decidiu e Láscaris foi selecionado para liderar o que restava do exército bizantino como novo imperador.

Láscaris se recusou a aceitar o púrpura imperial; escoltado pelo patriarca de Constantinopla João X, a Milion, ele urgiu o povo reunido a resistir aos invasores latinos com toda força. Porém, a população não estava disposta a arriscar suas vidas em um conflito tão desigual e se voltou para os varegues em busca de ajuda. Estes, mesmo ouvindo os pedidos por honra de Constantino, concordaram em lutar por maiores salários e ele partiu para uma tentativa final de combater os cruzados latinos. Porém, os varegues o traíram e fugiram assim que viram as tropas invasoras com suas poderosas armaduras. Vendo que tudo estava perdido, Constantino rapidamente fugiu da capital nas primeiras horas de 13 de abril de 1204.[2]

Carreira em Niceia[editar | editar código-fonte]

A resistência grega aos conquistadores latinos começou imediatamente depois sob a liderança de Teodoro Láscaris e a ele rapidamente juntou Constantino. A resistência foi duramente pressionada, a princípio, e, no início de 1205, havia perdido a importante cidade de Adramício para Henrique de Flandres. Teodoro estava ansioso para reverter a situação e enviou Constantino para liderar um grande exército que marchou para lá.[4]

Henrique foi avisado do inimigo que avançava por um armênio e preparou suas forças. Os dois exércitos travaram a Batalha de Adramício no sábado, 19 de março de 1205,[4] diante das muralhas da cidade e o resultado foi uma desastrosa derrota para Constantino e os gregos, com a maior parte de suas forças sendo morta ou capturada.[5]

Nada mais se ouviu de Constantino a partir daí, portanto presume-se que ele tenha sido ou morto ou capturado.

Família[editar | editar código-fonte]

Constantino tinha seis irmãos: Manuel (morto depois de 1256), Miguel (m. entre 1261 e 1271), Jorge, Teodoro, Aleixo e Isaac Láscaris. Os dois últimos lutaram com os latinos contra João III Ducas Vatatzes, foram aprisionados e cegados em 1224.[6]

De acordo com a obra "The Latins in the Levant. A History of Frankish Greece (1204–1566)", de William Miller, os sete irmãos podem também ter tido uma irmã, a esposa de Marco I Sanudo e mãe de Ângelo Sanudo. Ele baseou sua teoria em suas próprias interpretações das crônicas italianas. Porém, o "Dictionnaire historique et Généalogique des grandes familles de Grèce, d'Albanie et de Constantinople" (1983), de Mihail-Dimitri Sturdza, rejeitou a teoria baseado no silêncio das fontes primárias bizantinas.[7]

Incerteza histórica da coroação[editar | editar código-fonte]

A fonte primária para a elevação de Constantino Láscaris é Nicetas Coniates, uma testemunha que relatou a queda de Constantinopla. Porém, dado o papel subordinado de Constantino em relação ao seu irmão Teodoro em 1204, historiadores como Steven Runciman[8] e Donald Queller[9] defendem que foi, na verdade, este e não aquele que estava em Santa Sofia naquele fatídico dia e foi Teodoro o nomeado sucessor de Aleixo V.[10]

Esta incerteza, mais o fato de Constantino ter permanecido não-coroado, implica Constantino nem sempre ser contado entre os imperadores bizantinos.[10] Assim, a convenção, no caso de Constantino Láscaris, é que ele não recebe geralmente um numeral. Se ele fosse contado como "Constantino XI", Constantino XI Paleólogo, o último imperador bizantino, sera contado como Constantino XII.[11]

Referências

  1. a b Godofredo de Villehardouin, 'Memoirs Or Chronicle of the Fourth Crusade and the Conquest of Constantinople', Echo Library, 2007, pg 31
  2. a b Harry J. Magoulias, 'O city of Byzantium: annals of Niketas Choniatēs', Wayne State University Press, 1984, pg 314
  3. Donald E. Queller, Thomas F. Madden, Alfred J. Andrea, 'Fourth Crusade: The Conquest of Constantinople', University of Pennsylvania Press, 1999, pg 189
  4. a b Godofredo de Villehardouin, 'Memoirs Or Chronicle of the Fourth Crusade and the Conquest of Constantinople', Echo Library, 2007, pg 63
  5. Harry J. Magoulias, pg 331
  6. Marek, Miroslav. «The Laskaris family». Genealogy.EU 
  7. Cawley, Charles, Profile of "Laskaraina", Medieval Lands database, Foundation for Medieval Genealogy , Predefinição:Self-published inline[precisa-se de fonte melhor?]
  8. Steven Runciman, 'A History of the Crusades, Vol. 3: The Kingdom of Acre and the Later Crusades', Cambridge, 1954, pg 122
  9. Donald E Queller, 'The Fourth Crusade: The Conquest of Constantinople 1201–1204', University Park, 1977, pg 147; 216–217
  10. a b Donald Nicol, 'The Last Centuries of Byzantium: 1261–1453', Cambridge University Press, 1993, pg 369
  11. Britannica

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Harry J. Magoulias, 'O city of Byzantium: annals of Niketas Choniatēs', Wayne State University Press, 1984

Ver também[editar | editar código-fonte]

Constantino Láscaris de Niceia
Nascimento: ? Morte: ?
Títulos reais
Precedido por:
Aleixo V Ducas
Imperador de Niceia
1204
Sucedido por:
Teodoro I Láscaris